Vender Carro Usado – Dicas e Cuidados


Confira aqui algumas dicas e cuidados que deve tomar ao vender o seu carro usado.

Se você pensa em vender um carro usado, a melhor opção é negociar direto com particular, correto? Nem sempre!

Hoje muita gente prefere vender seu carro usado diretamente para uma loja. Veja o motivo:

Estamos em novos tempos. Novos tempos também no mercado de autos usados e seminovos. Nos dias de hoje, aquela velha ideia de que vender carro usado para a concessionária significa perder dinheiro já não tem tanta força.

Se colocarmos na ponta do lápis, vender o carro para pessoa física ainda é o que garante maior lucro. Mas hoje, quando a dúvida entre vender para particular ou para uma loja aparecer, considere novos fatores para tomar sua decisão.

Segundo Cristian Vieira, diretor nacional da Carbrax Seminovos (vídeo aqui), “Vender pra particular ainda você ganha um pouco mais. A gente fala em uma diferença entre 10 e 15 por cento do valor do seu veículo. Porém, quando você faz todas as contas na ponta do lápis, não é isso. Você vai ter que fazer um anúncio, às vezes em mais de um portal. Dois ou três portais. Isso te gera custo. Tem o tempo que você perde, as pessoas que você vai receber na sua casa ou no seu trabalho que você não conhece, muitas das vezes ela quer dar um outro carro como parte do pagamento e não é interessante para você. Isso diminui aí entre 3 e 5 por cento na última linha. ”Além disso, ainda há uma forte característica do mercado de automóveis atual: a compra financiada.

Ainda segundo Christian Vieira, “hoje 70% das pessoas que compram carro seminovo ou usado financiam. E aí não tem como você ter essa prática no seu negócio entre particulares”.

De acordo com as suas propriedades, você pode escolher entre 4 formas diferentes para vender o seu carro:

1 – Vender o carro para pessoas conhecidas e próximas.

Vender o carro para pessoas conhecidas é a forma que garante o melhor retorno financeiro e com mais confiança. Mas você pode ter que esperar muito tempo para conseguir um comprador pelo preço que está pedindo e que compre o carro à vista.

2 – Vender em sites de vendas e classificados

Quem busca maior alcance de pessoas na venda de seu carro muitas vezes recorre para sites de vendas e classificados. Essa opção dá mais opções de “controlar” o preço do veículo de acordo com a pressa de vender. Porém, a grande desvantagem é que não há confiança em pessoas que você nunca viu.

3 – Em uma concessionária

Nessa opção, você tem a garantia de recebimento do dinheiro e sabe que o tempo para o carro ser vendido é potencialmente menor. Mas, o lado negativo nesse tipo de transação é o menor retorno financeiro, já que as concessionárias em geral oferecem valores até 40% menores do que a média nacional para os carros, segundo especialistas ouvidos pela “EXAME”.

4 – Em um leilão online

Essa é uma alternativa para quem tem pouco tempo para vender o carro. Em São Paulo, há empresas que prometem vender seu veículo em 1 hora! Nessa modalidade, você faz uma cotação online do seu veículo e as lojas cadastradas no leilão dão lances para a compra do veículo.

Sendo um leilão, o carro será vendido para a empresa que enviar a proposta mais alta.

No caso da InstaCarro, que atua em São Paulo, o serviço é feito sem cobrança para os vendedores. O pagamento fica para as lojas compradoras.

Segundo Diego Fischer, CEO da InstaCarro, os preços não chegam ao patamar de sites de classificados, porém, conseguem preços acima dos oferecidos pelas concessionárias, aliando o menor preço possível na menor quantidade de tempo para a venda.

As quatro opções são viáveis e você deve escolher a que mais se adequa às suas necessidades no momento da venda.

Por Bruno Rafael da Silva


Troca de Óleo do Carro – Cuidados e Dicas


Confira aqui algumas dicas para a hora de trocar o óleo do motor de seu carro.

Ter um carro é essencial nos dias de hoje. Ele ajuda muito na hora de realizar tarefas do dia a dia e não é mais considerado como supérfluo. Mas para um carro funcionar perfeitamente, ele precisa passar por algumas revisões e evitar possíveis problemas em sua funcionalidade. Uma das principais revisões feitas em um carro é a troca do óleo do motor do carro. É necessário seguir algumas dicas para não cometer erros nesse processo. É importante lembrar que não trocar o óleo do motor, pode trazer danos graves a essa área do carro.

Veja abaixo o que não fazer na hora de trocar o óleo do motor do seu carro.

1-Não use aditivos no motor do seu carro

Muitas pessoas que possuem carro acabam cometendo esse erro, que é de usar aditivos em seu motor. Essa prática só vai estragar o seu motor em pouco tempo, e ocasionar um gasto muito alto para reparar essa peça.

2-Não complete o nível de óleo do seu carro

Outro erro comum de muitos usuários de carro é a prática de completar o nível de óleo do carro. Muitas pessoas pensam que vão economizar dessa forma, isso é um grande engano. O ideal é fazer a troca total do óleo do motor, isso vai manter o bom funcionamento e desempenho do motor, mesmo que ele seja de um carro novo.

3-Não limpe a vareta com estopa

Essa é uma das dicas mais importantes para quem quer manter o motor em perfeito estado. Em hipótese alguma limpe a vareta com estopa. Essa prática só vai deixar fiapos de tecidos que só servem para contaminar o novo óleo e vai deixar resíduos de óleo antigo, estragando todo óleo novo.

4-Não ande com o carro se o nível de lubrificante estiver abaixo ou acima do nível indicado

Muitas vezes a pressa do dia a dia, faz com que o dono do carro cometa esse erro. Pois mesmo sabendo que o nível de lubrificante está errado, algumas pessoas ignoram e continuam usando o carro assim mesmo. Essa prática ajuda a desgastar os componentes do motor e faz com o ele diminua drasticamente sua potência. Além de aumentar as chances de fundir o motor. O que deve ficar claro nessa explicação é que o barato vai sair caro mais cedo ou mais tarde.

5-Não trocar o filtro do óleo

A maioria dos motoristas não ficam atentos a troca do filtro do óleo, e muitos só se lembram disso, quando o carro já está apresentando algum problema no motor ou quando algum mecânico sinaliza essa troca. Realizar a troca desse filtro é essencial, pois ele conserva em seu interior uma quantidade de óleo oxidado, e ele é o responsável por contaminar o lubrificante novo, com isso ele acelera o processo de envelhecimento. O ideal é sempre realizar as revisões do carro e aproveitar para trocar o filtro do óleo.

6-Trocar o óleo em postos de gasolina

Essa é uma prática muito comum e totalmente errada, já que esse serviço é feito pelos frentistas, que não aptos e nem preparados para esse tipo de serviço, e na maioria das vezes, o carro acaba apresentando problemas logo depois dessa troca. O ideal é levar em um local próprio para isso.

7-Uso do botijão fechado indevidamente

Outra prática indevida é o fechamento do botijão de forma errada. Fazer isso pode trazer algumas consequências como vazamentos. A forma correta de fechar esse botijão é levar em um profissional especializado.

8-Pingar óleo no motor

Outra prática bem comum entre os motoristas, é a de pingar óleo no motor. Isso só vai trazer problemas como risco alto de danificar o motor e diminuição da lubrificação.

9-Não respeitar o prazo de troca do óleo do motor

Todo carro vem com seu manual do proprietário. Nele é possível ver a orientação para a troca do óleo, que normalmente é indicado a cada 5000 km ou 10000km. Não respeitar essa orientação pode trazer o desgaste rápido do motor.

10-Misturar lubrificantes

O proprietário de um carro pode até misturar lubrificantes em alguma ocasião de emergência, mas é necessário que eles contenham a mesma base. Dessa forma o motor do carro não sofrerá problemas.

Essas são as 10 dicas para não fazer na hora da troca do óleo do motor!

Escrito por Cristiane Amaral


Dicas para Lavar o Carro no Inverno


Confira dicas para higienizar o carro corretamente no inverno.

Cuidar dos automóveis também faz parte da economia e da conservação dos bens. Entretanto, dado que o inverno chegou, as temperaturas baixaram e a superfície da pintura pode sofrer alterações produzidas pelo tempo, algumas dicas são importantes em relação à limpeza dos carros nesta estação.

1 – utilizar produtos adequados requer bastante atenção. Para evitar que surjam manchas na pintura da lataria, há necessidade de se buscar pelos produtos mais adequados nesse sentido. Especialistas indicam a utilização do sabão tipo pH neutro, estando proibido o uso de gasolina, álcool e outros solventes na superfície da pintura. Nada de detergente de louças, pois este tipo de produto agride muito a pintura do carro, tendo como consequência a perda do brilho. Existem shampoos próprios para veículo, que devem ser utilizados junto do sabão neutro. Esfregar a lataria com luvas de lã natural ou microfibra, que são macias. Na secagem, o ideal é utilizar toalha de microfibra ou de algodão. Escovas são indicadas apenas para os pneus e as rodas.

2 – dado que as temperaturas mudam constantemente, é recomendável que o veículo comece a ser higienizado quando o mesmo estiver frio, ou seja, desligar o carro e esperar um pouco. As reações existem, manchas podem surgir. A sombra é o lugar ideal. O calor do sol ou o frio do inverno podem provocar reações na química da pintura, mudanças repentinas de temperatura devem ser tratadas com cuidado.

3 – organização. Higienizar uma parte de cada vez, respeitando a ordem da estrutura do veículo. O mais correto é iniciar a limpeza de cima para baixo. Portanto, a ordem principal é começar pelo teto, depois os vidros, o porta-malas, as laterais e, por fim, as rodas. Começar pelas rodas seria um trabalho inútil, já que, ao se enxaguar as partes superiores, elas seriam sujas novamente.

4 – vale a pena utilizar o limpador de vidros. Os vidros devem ser higienizados por dentro e por fora. Utilizar água e sabão. Na parte exterior do para-brisa é importante acionar os limpadores de vidro, que deixam tudo muito mais claro. A secagem deve ser feita com toalhas de microfibra. É bom lembrar que toda poeira é, em última análise, uma porção de micro pedrinhas que, se arrastadas com força na superfície com tipos de panos pesados, riscam o vidro.

5 – muita atenção na limpeza da parte interna. Dado que o grau de umidade aumenta no inverno, o risco de mofo é muito grande. Tanto para a conservação dos acessórios internos quanto para a saúde dos ocupantes, é importante muito cuidado e dedicação nessa parte da limpeza. Nesse caso, a higienização deve começar pelos carpetes, retirando-os do veículo e realizando uma boa e completa aspirada. Resíduos de gordura nos bancos, entre outras impurezas, devem ser esfregadas com produtos específicos e com escovas macias, no sentido de não danificar as fibras da estrutura dos bancos. Observação importante: retirar toda a poeira possível antes de se passar produtos de limpeza no interior do carro, já que a sujeira misturada com líquidos de higienização tende a formar uma pasta. Utilizar produtos específicos para o estofamento.

6 – finalizar com a fina camada de cera. Não é preciso informar que, para essa etapa final, a superfície do carro necessitar estar inteiramente seca. Nada de exageros e espalhar o produto somente nas partes metálicas do veículo. As partes de borracha e plástico podem se tornar inflamáveis, portanto, nada de cera nelas.

O inverno é uma estação com temperaturas tão intensas e rigorosas quanto o verão, e os cuidados com o carro precisam levar em conta esses fenômenos.

Por Paulo Henrique dos Santos

Lavar carro no inverno


Fatores que tornam a multa por radar irregular e passível de ser cancelada


Radares também devem seguir a regulamentação e ser adequadamente sinalizados. Saiba quais são seus direitos.

Os radares são equipamentos capazes de medir a velocidade de tráfego de um veículo. Eles são encontrados estrategicamente posicionados em diversas avenidas e rodovias do Brasil. Apesar de não ser o "queridinho" dos motoristas, o radar exerce um importante papel na segurança do trânsito. Entretanto, algumas infrações detectadas pelo radar estão em condição irregular e podem ser canceladas mediante recurso.

Assim como os condutores devem possuir habilitação para dirigir e os carros em circulação necessitam estar devidamente regularizados, os radares também são alvos de uma série de exigências técnicas. Por ser um equipamento digital para medições precisas de velocidade, o radar deve passar por uma manutenção constante. Além disso, a existência de radares fixos nas vias requer a devida sinalização prévia.

Esses são alguns exemplos de irregularidades que tornam a multa por radar passível de ser cancelada. Para auxiliar você, preparei este post com informações e dicas relacionadas aos fatores incorretos que podem estar presentes na autuação de trânsito, assim como na notificação da multa. Confira os tópicos e recorra da multa se julgar necessário!

Os equipamentos de radar devem estar dentro da regulamentação!

Grande parte das irregularidades e cancelamentos de multas por radar ocorrem por infrações técnicas do medidor de velocidade. Para regulamentar a instalação e o funcionamento dos radares na fiscalização dos veículos, o Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) dispõe sobre os requisitos técnicos mínimos por meio da Resolução Nº 396/11.

Essa Resolução discorre sobre as exigências necessárias as quais o equipamento de radar deve respeitar, bem como sobre as características do seu ambiente de instalação. Primeiramente, todos os radares devem ser aprovados pelo Instituto Nacional de Meteorologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO). Além disso, o equipamento deve ser submetido à análise com periodicidade máxima de 12 meses para que apresente precisão e confiabilidade.

É interessante salientar que é possível verificar se a multa por radar recebida foi autuada por um instrumento qualificado e dentro da legalidade. As autuações de trânsito devem obrigatoriamente conter o número do equipamento. Caso fique evidenciado que o equipamento não está em conformidade com a manutenção pelo INMETRO, cabe recurso da multa, devendo esta ser cancelada.

Outro ponto que pode tornar uma multa por radar irregular é a falta de estudos técnicos relacionados à instalação de radares fixos. O art. 4º da Resolução 396/11 do CONTRAN prevê que estes estudos abordem a necessidade de ter um medidor de velocidade naquele ponto. Ainda, a visibilidade e a eficácia do radar também devem ser regularmente levantadas nestas pesquisas.

Assim como acontece perante ao INMETRO, os estudos técnicos necessitam ser realizados a cada 12 meses, no mínimo. Com isso, se ficar constatado que a multa por radar foi flagrada por um equipamento sem os devidos estudos apresentados dentro do prazo, deverá ser cancelada.

Sinalização irregular gera o cancelamento de multas por radar

Outro ponto importante a se levar em consideração nas irregularidades das multas por radar é a sinalização correta. O art. 6º do CONTRAN descreve que somente vias com placas de sinalização de velocidade (R-19) podem conter radares fixos. Essas placas possuem papel significativo na segurança e na informação dada aos condutores, devendo ser localizadas a uma distância específica do radar.

Se a velocidade permitida em via urbana for menor que 80 km/h, a placa deverá estar posicionada de 100 a 300 metros antes do radar. Caso esteja posicionada em vias urbanas que permitem velocidade maior que essa, deverá ficar de 400 a 500 metros do equipamento. Em trechos rurais, a placa deverá estar instalada de 300 a 1000 metros de distância do radar, enquanto em vias que permitem velocidade acima dessa, de 1000 a 2000 metros.

É importante salientar que essas placas devem estar fixas, de acordo com o estabelecido. Placas de sinalização móveis não são consideradas. Além disso, medidores móveis deverão ser utilizados em vias onde não haja variação da velocidade em trechos menores do que 5 km.

Portanto, todas essas características técnicas e aspectos de sinalização devem ser acatados para regulamentar o uso do equipamento de radar. Caso haja comprovação da irregularidade de algum desses aspectos, o condutor poderá entrar com recurso e exigir o cancelamento da multa.

Cabe destacar que, em estradas que não possuem placas de sinalização R-19, a fiscalização por radares móveis e portáteis poderá ser realizada. Por fim, um ponto bem relevante relacionado a irregularidades de multas por radar é a visualização clara dos equipamentos.

A Resolução 396/11 do CONTRAN prevê que os radares devem estar visíveis aos condutores. Logo, os radares não podem estar localizados atrás de árvores e muros ou, ainda, escondidos em qualquer outro local. Se isso acontecer, procure os seus direitos e recorra contra essa ilegalidade praticada.

Você viu que podem haver irregularidades nos equipamentos de medição de velocidade. Com isso, é possível recorrer das multas por radar e evitar o pagamento indevido, bem como não adicionar pontos na sua carteira de habilitação. Fique atento e não deixe de buscar recursos!

Gostou do texto? Possui alguma dúvida ou tem sugestões a enviar? Entre em contato com o Doutor Multas através do e-mail doutormultas@doutormultas.com.br ou do telefone 0800-6021-543. Compartilhe estas informações e deixe o seu comentário!


Aluguel de Carros – Como funciona


O aluguel de carros é uma ótima opção para comodidade e segurança.

Com certeza o aluguel de carro para passeio é a melhor opção para quem está viajando. Na verdade o ideal é fazer a reserva do aluguel antes mesmo de sair de viagem. Assim como reservamos o hotel já reservar o carro também.

Se você irá fazer uma viagem de muitos dias e irá se locomover muito no local que estiver, alugue um carro para poder economizar e ter conforto e segurança em seu passeio.

Estando com um carro alugado você terá sua independência para sair a qualquer horário e voltar, sem depender de horários de ônibus, ou de Taxi e Uber.

Sem falar que poderá escolher entre diversos carros para seu passeio, desde carros luxuosos ou carros mais simples para atender somente a necessidade de locomoção.

Você poderá escolher conforme o que estiver disposto a gastar, pois um carro de luxo custará cerca de R$ 100 a diária já incluso o seguro obrigatório.

Então, se está disposto a ter uma certa independência de locomoção e comodidade na sua viagem, essa sem dúvida é a melhor opção.

Geralmente, a diária conta do horário que pegou o carro até 24 horas depois desse horário, e os valores são definidos por esse período. Algumas locadoras ainda deixam estender essa diária por mais algumas horas.

Muitas locadoras possuem uma boa diversidade de opção para aluguel atendendo os seus quesitos e gostos.

Muitas pessoas acostumam com seus próprios carros e encontram dificuldade de dirigir outros modelos e marcas, por isso uma boa dica é buscar alugar um modelo igual ao seu o da mesma marca, para que não sinta muita diferença na hora de dirigir.

Por isso, é importante pesquisar isso antes de sair de sua cidade, através da internet poderá encontrar a melhor opção de locadora e o melhor carro que atenda todas suas necessidades. Fazendo assim a melhor escolha e evitando dores de cabeça. Pois se deixar para ver isso ao chegar à cidade correrá o risco de não encontrar uma locadora, ou só achar carros com valores de locação altos.

Se você está programando uma viagem próxima comece a pesquisar sobre locação de carros o mais breve possível e deixe esse detalhe acertado para evitar dores de cabeça futuras.

Se alguma locadora oferecer um contrato sem seguro, não faça, pois é muito arriscado, caso aconteça algo você terá que arcar com os custos do veículo.

Algumas locadoras exigem que o locador possua mais de 21 anos de idade e possua sua CNH a mais de um ano para poder alugar um veículo.

Também possuem algumas exigências sobre pagamentos, aceitando cartão de crédito já pré-aprovado o valor que ficará a locação do veículo.

Na hora da locação o locador deverá autorizar até três pessoas para dirigir o carro, sendo que não é permitido que no período de locação outra pessoa dirija o veículo.

Algumas locadoras estão oferecendo o serviço de wi-fi acoplado ao veículo, sendo uma ótima opção de locação.

Outro serviço que é importante ver antes de alugar, é que algumas locadoras oferecem o serviço de já alugar com o tanque cheio, por isso é importante pesquisar antes para ver quais serviços estão sendo oferecidos e os valores que mais compensam.

É importante lembrar também que se você possui criança que necessita de cadeirinha, na hora da contratação ela deverá ser solicitada, para que não ajam problemas futuros.

Pesquise bem e pense bastante antes da contratação, pois quando viajamos procuramos conforto e comodidade, por isso é importante escolher a melhor locadora para que não tenha dores de cabeça e transforme seu passeio em um pesadelo.

Com certeza se pesquisar sobre todos os serviços oferecidos e os melhores preços, poderá fazer uma ótima escolha fazendo com que seu passeio seja maravilhoso e relaxante.

Por Ricardo Ferreira Rodrigues

Aluguel de carros


Dicas para Economizar Combustível


Confira as principais dicas de como economizar o combustível do seu carro.

Muitas pessoas que possuem carro se preocupam em como economizar o combustível. Hoje em dia os gastos estão elevados e o consumidor sente esse peso na hora de abastecer. Para evitar que isso aconteça com você, evite ter certas atitudes quando estiver na direção do carro.

Fique atento ao prazo de troca dos filtros do seu carro

Os carros possuem filtros de gasolina e de ar e eles têm prazo de troca especificado pelo fabricante. Porém, muitas pessoas não se atentam a esse detalhe ou não acham que isso é importante para o funcionamento do carro. A dica nesse caso é verificar se os filtros precisam ser trocados e se a resposta for sim é melhor fazer o quanto antes. O funcionamento dos filtros desgastados ajuda a gastar o combustível do carro, é bom ficar atento a isso.

Evite acelerar o carro com muita frequência

Para os usuários que gostam de emoção ao dirigir vai um alerta. Ficar acelerando o carro com muita frequência vai fazer com que o ponteiro da gasolina despenque rapidamente e isso se resume em um gasto maior com o abastecimento do carro. A dica nesse caso é evitar acelerar o carro sem necessidade.

Evite deixar o carro em porto morto em descidas

Alguns motoristas tem o mau costume de deixar o carro em ponto morto em descidas, isso ajuda a queimar o combustível do carro bem rápido, a maioria dos motoristas sem experiência nem sabem disso. Esse tipo de comportamento tem o famoso nome de banguela, que é a forma que o pessoal mais velho costuma chamar. Se você faz isso é prudente parar.

Mantenha as rodas do carro alinhadas

Todo motorista já deve ter percebido que quando as rodas do carro não estão alinhadas, ele fica mais pesado e parece se arrastar. Isso acontece pelo fato das rodas não rodarem perfeitamente, e isso faz com que a aerodinâmica do carro não fique perfeita, fazendo com ele exija maior esforço para andar, dessa forma a gasolina vai acabar bem mais rápido pelo esforço fora do comum do motor.

Evite usar o ar-condicionado sem necessidade

O uso excessivo de ar condicionado faz com que o combustível vá embora rapidamente. O ideal é não usar o ar do carro com tanta frequência. Se não tiver tão calor, prefira abrir os vidros do carro e deixe que o vento refresque a parte interna do automóvel, assim a economia do combustível será certa.

Evite abastecer seu carro com qualquer combustível

Muitas pessoas se rendem às promoções de combustíveis que aparecem em alguns postos de gasolina. E na maioria das vezes esse combustível é de péssima qualidade e pode detonar a injeção eletrônica do carro, e o resultado disso será prejuízo e dor de cabeça. Já o combustível confiável e de qualidade dura muito mais e ajuda na economia dos motoristas.

Tenha cuidado com o excesso de velocidade

Outra prática comum que faz com que o combustível do carro acabe mais rapidamente é andar com o carro em alta velocidade o tempo todo. Existem pessoas que têm esse costume não tão legal, além de ser perigoso para a segurança de todos os ocupantes do carro, essa prática vai fazer o combustível do carro acabar rapidamente.

Cuidado ao adicionar itens ou acessórios no carro

Poucas pessoas sabem, mas muitos itens que são instalados nos carros podem fazer com que o gasto do combustível seja dobrado. Então antes de querer se aventurar em novas mudanças de acessórios, tente pesquisar se alguns deles ajudam a gastar o combustível do carro. Deixar o carro mais moderno ou bonito é menos importante que economizar no combustível.

Coloque essas dicas em prática e veja a economia na hora de abastecer!

Por Cristiane Amaral

Economizar combustível


Como Pagar o IPVA Atrasado


Saiba como proceder para pagar o IPVA atrasado.

O Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) é um tributo que os donos de veículos têm que pagar uma vez por ano para a Secretaria da Fazenda do seu estado. O valor dessa taxa consiste em uma porcentagem da venda do automóvel, levando em consideração a tabela Fipe. O pagamento deve ser realizado no começo do ano, parcelado ou à vista, o que lhe dá direito a desconto.

Contudo, nem sempre os cidadãos conseguem pagar o imposto em dia, e isso pode gerar uma série de consequências, como a apreensão do veículo em uma blitz. Para evitar essa situação, é preciso manter o pagamento em dia.

Confira abaixo como proceder para pagar IPVA atrasado!

1. Procure a Secretaria da Fazenda

Se o IPVA do seu carro está atrasado, a primeira coisa a se fazer é procurar a Secretaria da Fazenda da sua região. É necessário apresentar os documentos originais do automóvel e se identificar junto a um atendente do órgão. Se você não é o proprietário do veículo, é preciso ter uma procuração que lhe autorize a fazer essa ação.

Além disso, também é imprescindível levar o Cerificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) e os seus documentos pessoais originais, como RG e CPF para negociar o pagamento da dívida atrasada.

2. Negocie o pagamento do IPVA

Ao conversar com um atendente, você pode se informar sobre todas as opções e condições de débito do IPVA. Ainda no balcão, é possível ter acesso às propostas de pagamento que estão disponíveis para o seu caso.

Antes de aceitar qualquer proposta é importante analisar muito bem cada uma delas e certificar-se de que você realmente terá condições de pagar aquela que escolher. Afinal, se fechar um acordo e não conseguir arcar com as parcelas, a tendências é que a dívida vire uma bola de neve.

3. Concorde com a proposta de parcelamento

Recebeu uma proposta de parcelamento do IPVA que vale a pena e que cabe no seu bolso? Então, é o momento de concordar com a ofertada do atendente. Dessa maneira, o boleto do pagamento poderá ser gerado na mesma hora.

No documento a ser pago, você encontrará informações como o valor e o prazo para pagar as faturas. Não se esqueça de conferir se todos os dados dos boletos estão corretos para evitar transtornos futuros.

4. Faça o pagamento do IPVA

Para regularizar a situação do seu veículo, você deve arcar com o pagamento dos boletos, seguindo à risca o prazo de vencimento. A partir do momento em que você paga a primeira parcela da dívida obtém um comprovante original que impede que o carro seja apreendido caso caia em uma blitz.

Como evitar o atraso do pagamento do IPVA

O valor total do imposto é calculado com base no ano, modelo e município em que o automóvel foi registrado, o que faz com que uma parte da taxa arrecadada seja destinada para a cidade. Para evitar atrasos no pagamento do IPVA dos próximos anos, o mais apropriado é elaborar um planejamento financeiro pessoal.

Portanto, antecipe-se ao imposto, pegue papel e caneta e anote qual o valor e a data de vencimento do IPVA. O ideal é pagar antes mesmo do prazo final. Para que o pagamento dessa taxa não pese no seu orçamento no início do ano, é recomendado ficar atento e aproveitar os benefícios oferecidos pelo governo, visto que é comum haver condições especiais para quitação à vista.

Com essa dica simples, você consegue manter o imposto do seu carro em dia e pode circular tranquilamente, sem medo de estar fora da lei e ser multado.

Por Simone Leal

IPVA


Como fazer Baliza – Passo a Passo


Veja as principais dicas para estacionar o carro da forma certa.

Muitas pessoas sofrem muito na hora de estacionar seu carro em qualquer lugar, principalmente em estacionamentos lotados como os de mercados ou shoppings. Essa fobia é mais comum do que se imagina, e acaba limitando algumas pessoas na hora de dirigir, principalmente porque o carro terá que se estacionado em algum momento. Se você enfrenta esse tipo de problema, veja as dicas abaixo.

Tente se acalmar quando for estacionar

Um dos principais fatores que causam medo na hora de estacionar, é o aumento da ansiedade, ela só vai atrapalhar a sua concentração. O ideal é se manter calmo antes de chegar ao local de estacionar. Respire fundo e tenha calma. Escolha a melhor vaga e se concentre nela e evite imaginar que vai bater o carro ou coisa parecida.

Escolha um lugar com várias opções de vagas para estacionar

Na maioria das vezes o motorista escolhe o local mais próximo e conveniente a ele, porém, se esse local for muito disputado e cheio, ele só vai atrapalhar a sua baliza. Geralmente nesses locais encontramos todos os tipos de carros e entre eles estão os carros grandes, aqueles que tomam toda a vaga e se bobear ainda toma um pouco da vaga ao lado, que pode ser a sua. Então se tiver a opção de escolher um estacionamento mais vazio e com mais opções, será melhor.

Veja agora os 5 passos para estacionar seu carro de forma perfeita e sem estresse

Primeiro passo

A primeira coisa a ser feita na hora de estacionar o seu carro é alinhá-lo. Só assim ele vai conseguir ficar dentro da vaga e sem roubar o espaço ao lado. Muitas pessoas sentem dificuldade em alinhar o carro e isso é apenas uma questão de treino. Quando conseguir deixar o carro alinhado, o primeiro passo foi concluído com sucesso.

Segundo passo

O segundo passo para conseguir estacionar corretamente é virar o volante todo para o sentido da vaga. Pode parecer loucura, mas isso vai dar certo no final. Então para não errar se liga nessa sequência:

Se seu carro está estacionado do lado esquerdo, vire o volante para o lado esquerdo, no final a mágica vai acontecer.

Terceiro passo

Depois de ter alinhado o seu carro de forma correta e ter virado todo o volante para o lado onde está a vaga escolhida é a hora de engatar a sua ré e entrar dentro do local da sua vaga. É necessário ter muita calma nessa hora, pois está bem perto de conseguir estacionar seu carro. Veja o que fazer na sequência:

1- Ande com seu carro bem devagar e com calma e assim poderá se concentrar em alguns detalhes;

2- Verifique se o farol dianteiro do seu veículo está na mesma direção do veículo da sua frente;

3- E com o auxílio do retrovisor você vai ver o farol esquerdo do veículo que está estacionado atrás do seu carro;

4- As dicas que foram dadas acima são fundamentais para ir para o quarto passo.

Quarto passo

Esse passo é fundamental para concluir o estacionamento correto do carro, então faça ele na íntegra.

Vire todo o volante para o lado contrário ao lado em que vai estacionar;

Vire ele até o final e sem medo.

Quinto e último passo

O último passo para conseguir estacionar o carro corretamente é entrar com seu carro calmamente na vaga depois de desvirar todo o volante no passo anterior. E seu carro vai estar estacionado perfeitamente.

Vale lembrar que o grande segredo para fazer uma baliza perfeita é ter calma. E depois é só treinar um pouco e isso vai se tornar um hábito diário!

Por Cristiane Amaral

Como fazer baliza?


Quanto custa manter um carro?


Saiba se vale a pena bancar um carro, com seus gastos, para usá-lo somente poucas horas por dia.

Muitas pessoas, hoje em dia, estão em busca de um carro ideal. Não importa se ele é novo ou usado, as pessoas querem ter algum modelo disponível em sua garagem. E já sabemos que ter um carro hoje em dia é essencial, pois com a rotina agitada, um carro sempre vai ajudar a economizar tempo. Mas um grande erro que muitas pessoas cometem é achar que o único valor investido na compra de um carro é o valor da entrada ou total da compra do veículo. Na verdade, um carro tem gastos além desse, e eles vão durar enquanto o usuário precisa usar esse carro. Nessas despesas estão a documentação, manutenção e imprevistos gerais. E a pergunta que não quer calar é: Será que vale a pena bancar um carro que não será usado todos os dias ou apenas poucas horas por dia? Então vamos às explicações logo abaixo.

Gastos com documentação do carro

Quem possui um carro sabe que precisa manter seus documentos em dia, ou isso pode virar uma grande dor de cabeça. O IPVA é o nosso maior exemplo nesse caso. Tratando-se de um carro novo ou modelo atual, a tendência é que o IPVA seja sempre mais caro. Agora se o carro é usado e comprado fora de uma loja, ou diretamente do antigo dono, pode ocorrer de ter alguns IPVAs atrasados ou até mesmo multas a serem pagas. Nessa hora, é preciso ter cabeça fria para analisar que nem tudo que reluz é ouro, e que comprar um carro com valor abaixo da tabela, sabendo que ele tem algumas pendências na documentação pode ser a pior escolha. O usuário do carro precisa saber que os documentos precisam estar em dia, mesmo que isso doa no bolso.

Gastos com manutenção de peças

Todo carro tem gastos com manutenção de peças, pois elas têm tempo de vida e não tem para onde correr. Essa manutenção tende a ser mais intensa quando compramos um carro usado. É claro que tem pessoas que acabam empurrando com a barriga até o problema piorar, mas a melhor opção é trocar qualquer peça quebrada logo que descoberta.

Gastos com seguro

O seguro de um carro é essencial hoje em dia. Com o número de roubos e acidentes, não ter um seguro é certeza de prejuízo lá na frente. Dentro da conta dos gastos com carro, precisa estar o gasto do seguro com carro. Pois esse tipo de conta precisa ser pago dentro da data do vencimento.

Gastos com problema no motor

O motor do carro é como se fosse o seu coração, ele é a peça principal de toda a estrutura do carro. Quando essa parte do carro começa a dar problema é preciso correr para o mecânico e ver qual é o problema e quanto isso vai custar. Por isso, o mais indicado é ter um dinheiro separado para esse tipo de imprevisto, pois quanto mais tempo o carro ficar parado, mais ele pode piorar.

Gastos com combustível e limpeza (higienização do carro)

Outro tipo de gasto que precisa ser visto com muita atenção é o gasto com a limpeza interna e externa do carro e o seu combustível. Um carro não roda sem combustível, e o tanque precisa sempre estar cheio ou pelo menos na metade. Andar com o carro na reserva só vai danificar seu carro e trazer mais problemas para serem arrumados. Já a limpeza do carro pode ser feita pelo dono, mas a maioria das pessoas não tem esse tempo, então precisam pagar para alguma pessoa/empresa realizar esse serviço. Os custos podem ser mais altos do que se imagina.

Pesquisas apontam que normalmente são gastos em torno de R$9.000,00 se for um carro popular. E será que vale a pena ter um carro e manter essa despesa se ele for usado por poucas horas? Mesmo que o carro seja usado apenas em 2 dias da semana, compensa sim ter um carro a disposição e pagar pela manutenção, pois carro não é luxo e sim necessidade. Ele facilita muitas questões do dia a dia. Então se deseja comprar um carro, separe uma grana para todos os imprevistos que podem aparecer.

Por Cristiane Amaral

Custos carro


Como transportar um cachorro da forma correta em seu carro


Transportar seu pet de forma incorreta no carro é infração de trânsito, sendo aplicável multa e pontos na CNH. Por isso, veja algumas opções de acessórios de segurança indicados para que esse transporte seja seguro e de acordo com a lei.

Eles vieram para ficar. E dessa vez são tratados praticamente como membros da família. Estamos falando dos nossos adoráveis bichinhos de estimação, os classificados na atualidade como Pets. E como membros da família que são, eles realmente vão aonde seus donos vão e, por isso, não é raro vermos em carros de passeio muitos cãezinhos no colo de seus donos, curtindo aquela brisa da janela.

Essa imagem é bem simpática para quem vê, mas na realidade transportar um animal no colo sem acessórios de segurança significa um risco em casos de acidentes e, além disso, existe uma lei que obriga que animais sejam transportados de maneira segura com o uso de acessórios de segurança.

Muitos motoristas não sabem, mas de acordo com o Código Brasileiro de Trânsito, o transporte de forma incorreta de animais é tratado como violação média, sendo que o motorista que for pego nesta situação deve ser multado em R$85,13 e receber na Carteira de Habilitação uma punição de 4 pontos. Para a lei de trânsito, um cachorrinho solto dentro de um carro pode distrair a atenção do motorista ou ainda comprometer a sua visibilidade e dirigibilidade, colocando a vida de todos os ocupantes em risco, inclusive a vida de terceiros.

Independente de valores, os pets são muito importantes para seus donos e famílias e em caso de acidente, ou simplesmente uma freada mais brusca, existe o risco dele ser arremessado contra o para-brisa e se machucar ou ainda perder a vida.

Como podemos ver é realmente um risco transportar nossos bichinhos sem um acessório de segurança adequado. Se prezamos pela sua segurança e de todos devemos obedecer ao que está previsto no Código Brasileiro de Trânsito, assim temos a garantia de que chegaremos ao destino final com segurança.

Dessa forma, se você sempre gosta de levar seu cãozinho junto com você, o mercado da categoria de pets possui uma grande variedade de produtos para transporte de animais, veja abaixo as opções de acessórios de segurança indicados para que esse transporte seja seguro e de acordo com a lei:

Cinto de segurança: Instalado no banco traseiro, em caso de colisão ou acidente o cão fica preso sem o risco de ser arremessado. Ele é facilmente adaptado à coleira do animal ou peitoral, sem que ele fique apertado ou incomodado. Seu valor é em torno de R$25.

Caixas de transporte: São mais utilizadas para o transporte de gatos, por serem mais agitados, mas também servem para cães. O ideal é que ela ofereça um bom espaço para o bichinho, seja ventilada e possua fechamento com trava. Pode ser encontrada pelo valor que vai de R$78 a R$280.

Assentos e cadeiras: São cadeiras de transporte específicas para animais de pequeno e de médio porte. O animal fica preso por meio da coleira ou peitoral que se encaixa no cinto da cadeira. Sua vantagem é que o animal fica em uma posição mais elevada e pode curtir mais o passeio. Seu valor é de R$150.

Grades de contenção: são divisórias que restringem o animal a um determinado espaço dentro do carro, porém nesse espaço ele fica solto e o problema é que em caso de uma freada mais severa ele pode cair do banco, bater na lateral e se machucar, dependendo do seu tamanho. Geralmente é produzida sob encomenda.

Enfim, como podemos ver existem muitas formas de transportarmos nossos animais sem estarmos colocando suas vidas e as vidas de outros ocupantes em risco. Eles podem até não gostar de terem que viajar presos, mas com o tempo eles se adaptam e tudo fica certo como deve ser.

Por Sirlene Montes

Cadeira de pet

Caixas de transporte pet


Dicas para Evitar o Superaquecimento do Motor do Carro


Confira os principais motivos que fazem o motor do carro ferver e o que fazer para evitar esse problema.

Quem tem carro já deve ter passado pelo problema do motor ferver, se não passou é bom aprender as dicas do que fazer para resolver esse assunto sem pânico. Por isso, é muito importante verificar alguns detalhes do seu carro, como uma rotina de cuidado de tempos em tempos, dessa forma seu carro evita alguns danos como o superaquecimento do motor. Se por acaso seu carro estiver sofrendo com esse tipo de problema com frequência, siga as dicas abaixo:

Verifique o nível de refrigerante líquido

Muitas pessoas que possuem carro acham que devem apenas se preocupar com a quantidade de água para não aquecer o motor. Se o carro estiver passando por esse problema com muita frequência, o ideal é avaliar o nível do líquido de refrigeração. Esse líquido é o responsável por não deixar o motor congelar no inverno e evita que ele esquente muito no verão, por isso o carro não pode ficar com o líquido abaixo do nível.

Verifique a tampa do radiador

Outro detalhe simples e que às vezes passa despercebido pelos donos de carro é o defeito na tampa do radiador. Se a tampa não estiver enroscando perfeitamente, o vapor e a água vão sair facilmente e o motor vai superaquecer, e se o motorista insistir em andar com o carro assim, o radiador vai fazer uma fumaça muito forte e assim forçar um apagão no carro. Se perceber que a tampa do radiador está ruim, não deixe para depois, passe em uma loja de peças de carro e compre outra, ela não custa caro e você ainda evita problemas futuros com o carburador.

Problemas na ventilação do carro

Outra razão para superaquecer o carburador de um carro, é o problema com a ventilação. Quando a ventoinha da ventilação está com problema, isso pode virar um problema de grade proporção, e os gastos também não ficam baratos. A ventilação do carro é extremamente importante, pois é responsável por manter o motor na temperatura ideal, evitando assim o superaquecimento. Caso seu carro tenha problema com a ventilação parada, não force ele a andar, o ideal é levar para um reparo o mais rápido possível e troque de peça o quanto antes.

Problemas no painel de instrumentos do carro

Outra razão para causar aquecimento no motor do carro é algum tipo de problema no painel do carro. Um dos principais problemas que levam o usuário a não perceber que está aquecendo além do normal é o defeito no termômetro. Se ele pifar não mostrar o real problema, o dono do carro pode nem perceber a tempo. Com o painel de instrumento do carro com defeito, muitas informações importantes podem não ficar evidentes como: falta de óleo, falta de água entre outras informações.

Problemas com a bomba de água do carro

A bomba de água é responsável por fazer a água circular e assim evitar que o motor ferva, causando sérios problemas ao carro. Se o motor do seu carro anda superaquecendo, o ideal é dar uma verificada na bomba de água, ela pode estar com defeito já um certo tempo e isso passou despercebido. O ideal é levar para um profissional avaliar se esse problema danificou o motor ou outra parte do carro.

Dicas extras para não sofrer com esse problema no seu carro

Não é novidade que um carro precisa de manutenção de tempos em tempos, essa rotina de cuidado é apenas uma prevenção para evitar grandes problemas futuros. Na maioria das vezes que levamos o carro para uma revisão de rotina normalmente aparece um probleminha, que se reparado no início pode evitar grandes estragos no seu carro lá na frente. Não deixe de agir com cautela e terá um carro sem problemas!

Por Cristine Amaral

Motor aquecido


IRPF 2018 – Como Declarar Carro, Moto e Caminhão


Saiba aqui como fazer a declaração do seu carro no Imposto de Renda 2018.

Até o dia 30 do mês do abril. Esta é a data final que a Receita Federal determinou para que os contribuintes que têm a obrigação de declarar o Imposto de Renda de Pessoa Física, possam realizar suas declarações sem o risco de pagarem multas. Porém, muitas pessoas possuem muitas dúvidas sobre alguns pontos da declaração que deve ser feita ao Fisco, já que algumas mudanças ocorreram neste ano.

Entre as mudanças nas declarações de dados do IRPF de 2018 está a forma de declarar bens como carros. Se esta é a sua dúvida, continue lendo este artigo e saiba como declarar o carro que você comprou ou vendeu no ano de 2017.

Para declarar carros, caminhões e motos é preciso procurar pela aba de “Bens e Direitos”, que possui o código “21”, que tem a seguinte descrição: “ Veículo automotor terrestre: caminhão, automóvel, moto, etc.". Feito isto, procure pelo campo “Discriminação” e coloque todos os dados do veículo, como o modelo, marca, ano de fabricação, número da placa e etc. Outro dado importante que não pode ser esquecido é a data em que o veículo foi comprado, inclusive os dados do seu vendedor, como nome, CPF, CNPJ e até mesmo a forma em que foi pago.

Depois de preencher todos os dados você vai encontrar um campo descrito como "Situação em 31/12/2016 (R$)" e outro como "Situação em 31/12/2017 (R$)". Neles você irá informar o quanto você pagou pelo carro no ano indicado.

No campo “Dívidas e Ônus” não é preciso informar nada. Somente no campo "Discriminação" que você deve informar se o veículo foi financiado.

Caso o carro tenha sido comprado em outros anos e já estiver pago, é só colocar a soma total paga pelo veículo. Clicando na opção repetir, o sistema vai copiar o valor informado no ano passado.

Este ano a Receita Federal pede que outros dados sejam incluídos, como o nº do Renavam ou o nº de seu registro.

Muitas pessoas estão em dúvida se devem informar valores de gastos que tiveram com seus veículos ao longo do ano de 2017. A resposta é não. A não ser que o carro tenha passado por uma benfeitoria que o valorize no mercado.

Em casos em que o declarante teve seu veículo roubado ou a sua perda total, na mesma aba “Bens e Direitos”, no campo “Discriminação” é preciso informar o que se passou com o veículo, assim como o valor que a seguradora pagou em caso de indenização. Também é importante informar os dados da seguradora, como CNPJ e nome. O campo "Situação em 31/12/2017 (R$)" deve ser deixado em branco.

Quem é isento e comprou um carro em 2017 não precisa realizar a declaração, a não ser que o valor do carro em questão seja maior que R$300.000, pois sendo assim será obrigado declarar.

Já para aqueles que venderam um carro no ano passado, é preciso ir na aba descrita como "Bens e Direitos", na "Discriminação", informar que o veículo foi vendido, colocando dados como data da venda, os dados de quem comprou, como CPF ou CNPJ, além claro do valor.

Se o carro tiver sido comprado por financiamento, os passos são os mesmo, só que será informado o valor pago até a data do dia 31/12 2017. O valor restante das parcelas ainda não pagas não precisa ser informado.

Para quem está pagando um consórcio, o certo é informar a soma total paga no ano de 2017 na aba “Bens e Direitos” e para isso use o código 95 relativo a “Consórcio não contemplado".

Agora, se você é casado e os dois fazem declarações separadas e o carro for dos dois, neste caso apenas um irá fazer a declaração do valor do veículo.

Enfim, embora pareça complicado a declaração e veículos, na realidade ela não é. Basta se informar um pouco mais e preencher todos os dados com atenção, para que tudo saia da da forma correta, sem chances de aborrecimentos futuros.

Sirlene Montes


Como Fazer para o Carro ter um Valor Maior de Revenda


Confira algumas dicas do que fazer para o seu carro usado ter um valor maior de revenda.

Você tem um carro usado e precisa vendê-lo? Continue lendo este artigo, confira abaixo algumas dicas sobre o que fazer para que o seu carro possua um valor maior de revenda.

Geralmente, quando um carro usado é vendido a uma concessionária, esta usa de todos os argumentos para comprá-lo pelo preço mais baixo possível, o que não é nenhuma vantagem. Porém, há lojas revendedoras e concessionárias que aceitam expor os carros e quando conseguem vendê-los têm direito a uma porcentagem do valor vendido, o que pode significar uma boa oportunidade. Porém, o carro, para ser vendido a um bom preço, precisa apresentar um bom estado.

Para isso, procure mantê-lo com suas peças originais, isso irá valorizá-lo, pois quando as peças são substituídas elas já não possuem a qualidade daquelas que saem com ele da fabricação, geralmente são inferiores.

Se o carro original possui logotipo e frisos o ideal é que eles sejam mantidos, uma vez que muitas vezes quem compra um carro usado está sempre atento a esses detalhes que fazem a diferença, deixando a impressão de que o carro foi bem cuidado e conservado.

Ao mesmo tempo em que as peças originais e detalhes do veículo não devem ser removidos, acrescentar outros itens como ar-condicionado e teto solar podem valorizá-lo, pois tornam o veículo com um estilo mais antigo com uma tecnologia que oferece mais conforto aos seus ocupantes.

Manter o automóvel limpo embora pareça muito simples é muito importante, pois quem for dar aquela olhadinha ao encontrar um carro limpo, cheiroso, ficará mais animado para realizar a compra. Estofados com manchas, rasgados e um cheiro desagradável pode acabar espantando os possíveis compradores.

Fique atento também quanto ao estado dos bancos de couro e do volante quando também possui esse revestimento. Não há nada mais feio que aquele descascado. O carro não precisa ser do ano, mas sendo bem cuidado já atrai o interesse das pessoas. Conservar é importantíssimo.

Além de manter o carro limpo, bem cuidado a questão que mais importa é a apresentação de um histórico sobre as manutenções e possíveis trocas pelas quais ele já tenha passado. Quando for trocar o pneu, guarde a nota, o mesmo para as pastilhas e o que mais for necessário. Isso vai significar que o dono se importa e está por dentro do estado geral de seu carro. Já o comprador vai ter uma noção maior sobre o estado do veículo quando tem acesso a essas informações.

Para se manter organizado, se o carro possuir ainda o manual procure mantê-lo atualizado, anotando as revisões, manutenções, trocas de óleo, pois são informações que o novo dono vai gostar de receber e dará sequência. Sem falar da chave reserva que é também um item imprescindível.

Quem compra um carro deve ter consciência que até mesmo a sua cor fará a diferença em caso de um dia querer vendê-lo. Os carros pretos, brancos e pratas são mais vendidos e, por isso, serão comprados por um preço melhor, quando a venda for para uma concessionária. Os coloridos têm menos saída e, por isso, o valor oferecido por eles é menor.

Estar com os documentos do veículo em situação regular é de muita importância. Assim, a transferência é feita de forma mais rápida. Quando o comprador descobre que o carro possui multas sem pagar e a documentação irregular, é bem provável que ele desconsidere a compra.

Se você customizou seu carro com adesivos, faróis de xenônio e até mesmo fez alguns engates, antes de colocá-lo para a venda é melhor removê-los, pois há compradores que justamente por esses detalhes não irão fechar a compra.

Caso o carro possua a necessidade de passar por alguns reparos, não mande fazer por conta própria. É melhor entrar em acordo com o comprador, pois há quem não goste que a pintura original seja alterada e há oficinas especializadas em reparos que mantêm esse aspecto original da pintura. Há quem diga que um carro ainda que em perfeitas condições, mas que tenha passado por reparos em sua pintura, perde o seu valor.

Nesse sentido, se você pretende vender seu carro, cuide dele. Olhe para ele e veja se no estado em que ele se encontra você se interessaria em comprá-lo. Siga essas dicas e o resultado será positivo.

Por Sirlene Montes

Carros usados


Como Dirigir Carro com Câmbio Automático


Saiba aqui como usar o câmbio automático do carro corretamente.

Na atualidade, as grandes marcas de veículos estão intensificando a tecnologia sobre a aparelhagem de seus carros. As funções internas dos veículos estão mais flexíveis e automáticas, o que pode garantir maior segurança e conforto para o motorista, diante da vida moderna, carregada de compromissos e estresse.

Este texto vai abordar o tema referente a câmbio automático. Este dispositivo, fundamental para os veículos automotores, está se tornando cada vez mais prático e, por conseguinte, fácil de manusear. Existem algumas normas a serem seguidas de forma simples, além de algumas precauções, portanto, vamos a todas elas:

O câmbio automático possui as seguintes funções, representadas respectivamente pelas letras: P, R, N, D e S.

Em primeiro lugar, o ocupante do automóvel deve conhecer as posições da marcha em questão. Quando o carro está estacionado, parado, a marcha deve estar posicionada em P. Assim que o motorista gira a chave e coloca o carro em movimento, a marcha deve permanecer em D (Drive). Para realizar a marcha Ré, é preciso colocar em R.

A primeira precaução a ser tomada se refere, por exemplo, ao funcionamento da marcha quando se está diante do semáforo. Não é recomendado deixar em ponto neutro o câmbio. Qual a razão disso? O câmbio automático é programado para fazer uma leitura do que ocorre com a velocidade do carro, portanto, quando o veículo é freado a marcha é reduzida automaticamente. Quando o carro para totalmente o câmbio muda para neutro, também de forma automática. A leitura está programada, não necessitando que a alavanca da marcha seja posicionada em N. as letras N e P são as únicas que estão na cor vermelha, o que já é uma chamada de atenção importante. Portanto, não se deve passar do D para N, porque isso pode desregular a programação e o motorista perder tempo ou desviar a atenção da pista.

A grande vantagem do câmbio automático é a de não precisar tirar as mãos do volante.

Outra precaução é a de não engatar a marcha Ré enquanto o veículo estiver em movimento. Se isso for feito o câmbio pode ser seriamente danificado, já que existe um sistema de trava neste novo dispositivo. As letras das marchas aparecem na tela digital do painel do carro, ao lado da direção. Entretanto, essa precaução serve para todo tipo de marchas, ou seja, o automático completo, o automatizado, o carro de dupla embreagem, ou mesmo no antigo mecânico, não se deve posicionar a Ré com o carro em movimento.

O comando L no câmbio. Qual a sua função? Na medida em que o veículo necessita de mais força, porém em velocidade baixa, quando se está com algo atrelado ao carro, um barco ou um reboque, por exemplo, o comando L proporciona mais força, mais tração. Os modelos mais antigos de carros tinham até várias modalidades de função L.

O comando S na marcha automática é quando se necessita de mais força. O motorista posiciona a alavanca em S e já, automaticamente, o programa lê e compreende que será necessário utilizar toda a capacidade da marcha e acionará toda a sua resistência e flexibilidade. Essa função permite que se realizem ultrapassagens mais seguras e rápidas.

Muitos veículos modernos também contêm opções de mudança de marcha na própria alavanca ou nas funções chamadas Borboletas, instaladas atrás do volante. Portanto, se trata aqui das trocas de marcha manuais. O sistema é o mesmo, porém, mais confortável.

Algumas manobras não são permitidas pelo sistema do carro, por conseguinte, esse dispositivo de segurança torna tudo mais prático. Uma dica muito importante é não utilizar o pé esquerdo. Hoje os carros possuem apenas o acelerador e o breque.

Os modelos mais antigos exigiam um treino de reflexos maior, sobretudo por causa da embreagem. Era o sistema Kick Down. Hoje isso não é mais necessário, mas é importante que os motoristas de hoje, que foram acostumados com carros antigos, suavizarem seu modo de pisar no freio, seja com pé esquerdo ou direito. O sistema elétrico hidráulico era mais pesado e complicado, hoje é tudo leve e fácil.

Hoje há também o sistema de Assistente de Partida em Rampas. Esse sistema consiste em um auxiliador. Basicamente é o seguinte: manter o pé no freio. O motorista tira o pé do frio e o coloca no acelerador, sem que o carro desça de ré, por que o sistema do carro compreende o que o motorista pretende, e mantém o carro por algum tempo parado, mesmo que em posição íngreme, para que o motorista possa tranquilamente acelerar.

Para mais informações com orientações, acesse os vídeos abaixo:


Como Polir o Carro em Casa


Confira dicas de como fazer o polimento do seu carro em casa.

É muito comum que os proprietários de carros desejem eles mesmos cuidar de seus veículos, sobretudo quando se trata de mecânica e visual. Quando se sai para a rua, em uma manhã de sábado, é possível perceber que muitas pessoas estacionam seus carros na calçada e passam uma boa parte da manhã cuidando deles, fazendo, em geral, uma higienização completa. O toque final sempre fica por conta do polimento. Mas, é sempre bom que os donos de carros tomem tento sobre as melhores maneiras de se realizar um bom polimento na superfície dos veículos.

As dicas para esse tipo de atividade são as mais básicas, porém, não menos importantes para se refrescar na memória.

Polir a lataria de um automóvel não é uma atividade tão simples, já que se corre sempre o risco de danificar a pintura.

Em primeiro lugar é necessário que o carro seja lavado e muito bem enxaguando, para que nada fique sobre a lataria. Depois de lavado ele deve ser muito bem seco para que a substância que lhe dará mais brilho se fixe como uma película de fina camada.

Em segundo lugar, caso haja alguns riscos na superfície da lataria a dica é que o dono do veículo se utilize de uma lixa, que deverá ser preparada da seguinte forma: a mesma deverá ser depositada em um balde com água por alguns minutos, para que sua estrutura fique mais macia, assim, poderá ser aplicada à lataria com toda suavidade possível.

Portanto, o carro deve ser estacionado à sombra para que seja iniciado o processo de polimento com a massa. A técnica mais simples e mais comum é a de utilizar um pedaço de pano, de preferência estopa, para com ele untar a superfície por meio de movimentos circulares. O modo mais correto é trabalhar por partes. Não importa por qual parte do carro se inicie, mas, sim, que cada parte seja polida com bastante zelo. Em geral se trata de um trabalho rápido, pois o produto em forma de massa pode ressecar sobre a lataria.

O toque final pode ser dado com a cera e a estopa em suaves movimentos circulares de modo a uniformizar os movimentos e não deixar marcas de traços. Passada meia será o momento certo de utilizar a famosa flanela ou o pano de microfibras. A revitalização do brilho e da pintura não são procedimentos complexos, porém, é necessária uma mão caprichosa, um toque leve. O arremate pode ser feito com algodão limpo, pois o mesmo tira todas as marcas que ficam dos movimentos circulares. Se o polimento for bem executado temos uma garantia de proteção da pintura por aproximadamente seis meses.

Quando o carro é levado a um lava-rápido, por exemplo, o trato com cera nem sempre é o que o cliente espera, além de ser mais caro. Para que seja possível dar aquele lustre pessoal no veículo, colocando uma boa cera e um polimento conforme o critério do proprietário é o que realmente fará um diferencial no fim. Um carro que apresente um brilho como se fosse novo certamente tem mais chances de ser vendido por um bom preço.

A lista de materiais que podem ser usados em sequência, no processo de polimento do carro pode ser organizada da seguinte maneira:

Primeiro uma pasta abrasiva, em seguida uma cera líquida, depois um polidor composto e um lustrador, uma cera de tipo cristalizadora utilizando um pano de microfibra, de estopa bem fina ou algodão.

Apesar de se tratar de uma tema simples, todas as dicas são perfeitamente úteis para quem deseja orientação no sentido de realizar um trabalho com melhor qualidade.

Por Paulo Henrique dos Santos

Polir carros


Como Limpar Estofados dos Carros


Aprenda a cuidar corretamente dos estofados do carro.

Os estofados do carro são itens muito importantes do carro, e por isso exige alguns cuidados. Com a rotina do dia a dia, os estofados do carro ficam sujos e com mau cheiro, por isso o ideal é manter uma rotina de cuidados para não danificar por completo os estofados do carro.

Conhecendo os diferentes tipos de estofados

Sabemos que existem diferentes tipos de estofados e a forma de limpeza e manutenção dos mesmos são bem diferentes. São produtos específicos e modos de limpezas bem diferentes. Os principais tipos de estofados são os de couro, tecido ou mistos, e todos os três necessitam de limpeza para se manter bonitos e não desgastar de forma rápida.

Aprenda a limpar os estofados de couro

Geralmente os carros mais caros ou importados possuem os estofados de couro. E em alguns carros esse item pode ser adicionado caso o cliente deseje. Na maioria das vezes escolher o estofado de couro para seu carro, pode encarecer um pouco mais ao finalizar a compra do mesmo. E é exatamente por isso que o cuidado com esse tipo de estofado deve ser contínuo e de forma correta.

Os bancos de couro devem receber uma limpeza caprichada pelo menos 1 vez ao mês. Esse tipo de estofado precisa de cuidado redobrado para não ficar ressecado e manter sua aparência intacta por mais tempo. É necessário passar um pano com produto próprio para manter ele limpo, brilhoso e manter a hidratação do mesmo. Esse tipo de produto é achado em lojas específicas de produtos para limpeza de carros, são diversas marcas e valores diferentes. Além dessa limpeza mensal, o dono do carro com banco de couro precisa levar o carro para uma limpeza especial e hidratação do estofado a cada 6 meses. Essa manutenção é fundamental para manter os estofados de couro bonitos e inteiros. Vale lembrar que esse tipo de estofado não deve receber o calor do sol, pois assim o couro vai descamar e ficar com uma aparência muito feia. Essa limpeza custa em média R$ 300,00 e é feito em empresas próprias em limpeza de estofados.

Veja como limpar os estofados de tecidos e mistos

Os estofados de tecido e mistos são os mais comuns, porém, são os que ficam mais sujos. Normalmente, esse tipo de tecido mancha com frequência, principalmente se as pessoas que usam esse carro costumam comer dentro dele. Nesse caso a limpeza desse tipo de estofado deve ser bem frequente. E o uso de capa pode diminuir os problemas como manchas e mau cheiro.

O primeiro passo para a limpeza para esses tipos de estofados é usar o aspirador de pó. Quanto mais potente ele for, maior será a limpeza do estofado.

O segundo passo é verificar onde se localiza as manchas nos estofados e concentrar a limpeza ao máximo nessa parte. Existem várias formas de retirar manchas desse tipo de estofado.

O terceiro e último passo é usar produtos para perfumar o estofado. Nada pior que andar em um carro onde o estofado está com mau cheiro, principalmente se for de algum alimento ou vômito.

Para quem não consegue ou não quer fazer essa limpeza em casa, existem diversas empresas que fazem limpeza das mais simples até as mais profundas. Essas limpezas podem ser feitas a cada 3 meses, vai depender muito da conservação e do cuidado do dono do carro com os estofados.

A prevenção é o melhor caminho para manter os estofados limpos e bonitos

A prevenção é o melhor caminho para não ter problemas futuros com os estofados do carro. Evite comer dentro dele, ou manusear produtos químicos ou que podem manchar os mesmos. Usar capa também pode ajudar muito a conservar os estofados do carro por longos anos.

Por Cristiane Amaral

Estofados de carro


Como Limpar Bancos de Couro do Carro


Confira dicas importantes e eficientes de como limpar os bancos de couro do seu carro de maneira correta.

Sinônimos de sofisticação e modernidade, os bancos de couro são eleitos por muitos motoristas para recobrir o estofamento do carro. Apesar de ser mais resistente do que os revestimentos comuns, para realmente durar mais é importante que o banco de couro seja limpo e preservado da maneira correta, do contrário também pode desgastar e rasgar facilmente.

O melhor modo de preservar os bancos de couro do seu automóvel é investindo na hidratação do tecido, que é fundamental para evitar que ele desbote ou acabe rachando com o passar do tempo.

Confira abaixo dicas de como cuidar e aumentar a durabilidade do banco de couro do seu carro!

Comece limpando o banco de couro

Antes partir para a hidratação do couro, a primeira coisa a se fazer é higienizar os bancos do carro. Esse processo é necessário porque o suor, chaves, tintura da roupa, vestígios de alimento e poeira acumulada podem criar uma camada de sujeira que danifica o tecido.

Para fazer a limpeza de forma adequada, pegue uma esponja bem macia e molhe-a em sabão ou detergente diluído em um pouco de água, e vá passando-a na superfície do banco. Nas áreas da costura é comum haver mais dificuldade para remover as sujeiras. Nesse caso, é recomendado utilizar uma escovinha e esfregar com cuidado para retirar o pó que está encalacrado. Mas, esfregue com suavidade para não causar arranhões. A secagem pode ser realizada com um pano macio e seco.

Quando o revestimento tiver alguma mancha difícil de tirar, o mais recomendado é procurar o auxílio de um profissional. Jamais faça uso de substâncias abrasivas ou exerça força excessiva na tentativa de removê-las, pois isso pode causar um estrago ainda maior.

Escolha o hidratante certo

Evite usar qualquer produto para hidratar o banco de couro do carro, às vezes o barato pode sair caro. O mais apropriado é optar pelos hidratantes com uma consistência mais refinado, uma vez que eles são melhor absorvidos pelo couro. Também recomenda-se usar produtos líquidos e que sejam de boa qualidade, que possam ser espalhados com facilidade e uniformemente.

Não se esqueça de prestar atenção no cheiro do hidratante. Mesmo que a fragrância dure apenas alguns dias ou semanas, você não vai gostar de sentir um odor forte ou desagradável toda a vez que tiver que entrar no veículo.

Como hidratar

A hidratação tem que ser feita minuciosamente e com cautela. Pegue o hidratante e aplique-o de maneira homogênea, ou seja, garantindo que toda a superfície do banco receberá a substância. Para que isso seja possível, o correto é espalhar o produto em porções iguais em todo o revestimento do automóvel.

Feita a hidratação, você deve aguardar em torno de 40 minutos para que o hidratante seja bem absorvido pelo tecido de couro. Depois de aguardar esse período, faça uma inspeção nos bancos para checar se a substância de fato foi absorvida. Se você perceber que há uma concentração maior do produto em algumas partes, pegue uma flanela seca e remova os excessos.

Após a hidratação o carro ficou com um cheiro forte? Tente deixar as portas abertas por um tempo até o odor fique mais suave.

Posso usar hidratante corporal?

Certamente você já ouviu alguém contar que usar hidratante corporal para hidratar os bancos de couro do carro. Essa prática é comum e mais barata, mas não é nem um pouco recomendada pelos especialistas.

Tenha em mente que o creme para o corpo é um cosmético com funções específicas e diferentes dos produtos desenvolvidos exclusivamente para os automóveis. Afinal, a pele humana é bem distinta do couro automotivo. O creme hidratante não é eficiente na limpeza do banco, além de ainda deixá-lo com um aspecto escorregadio.

Por Simone Leal

Banco de couro


Como Conectar o Bluetooth do Ford Ka


O Ford Ka está munido de um tipo de painel digital para rádio, com comandos bem detalhados sobre cada função. Confira o passo a passo de como ligar o Bluetooth do carro.

Na vida moderna a tecnologia digital se enraizou com força. O mundo digital tem conseguido se adaptar em todos os lugares, dado a sua natureza abstrata, e substituindo diversos tipos de aparelhos. Abrindo as portas para o futuro das conexões instantâneas, que estão cada vez mais presentes no interior de lares, instituições e demais lugares, surge o chamado Bluetooth, ou seja, um tipo de tecnologia digital muito recente, que proporciona comunicação rápida, dispensando o cabo. São diversos tipos de dados ou de arquivos que podem ser conectados em muitos aparelhos ao mesmo tempo, de modo prático e seguro, tais como o telefone celular, os smartphones, os iPhones, os notebooks, as câmeras digitais, os consoles de videogame digitais, as impressoras, em teclados, os mouses ou por meio de fones de ouvido.

Neste texto será abordada a conexão Bluetooth em dispositivos do interior de veículos, dado que a maioria dos carros modernos chega ao mercado equipada para esta finalidade, dentro das possibilidades da tecnologia. É interessante que os consumidores se informem sobre essas vantagens do dispositivo de bluetooth, que pode vir a facilitar muito suas vidas. Portanto, vamos descrever a conexão Bluetooth no modelo Ford Ka.

O modelo Ford Ka está munido de um tipo de painel digital para rádio, com comandos bem detalhados sobre cada função. Em primeiro lugar o dono do carro precisa ligar o painel digital de seu Ford KA, o qual possui rádio, acionando todas as suas funções. O passo seguinte é acessar a função com ícone de telefone, pressionando o botão inferior esquerdo, para que a rede seja ligada; depois o Menu será aberto para que as funções sejam selecionadas; em seguida é preciso pressionar o botão OK três seguidas, localizado na parte esquerda superior do painel; o passo seguinte é prestar atenção à mensagem que aparecerá no display: ENTER PIN, junto de um código numérico como 636065; depois disso o usuário precisa ligar o Bluetooth do celular, que faz aparecer no display a seguinte mensagem: Ford BT, para que seja possível digitar o código numérico citado acima; depois deste processo é que é possível realizar o pareamento de conexão, portanto, o usuário deverá acionar a função de pareamento, para acessar todos os dados de seu celular. Após todo esse tutorial de procedimentos, o usuário pode selecionar os seus arquivos de som.

Trata-se, portanto, de um simples processo de passo a passo, sem complicações. Todas as pessoas podem aprender a fazer essa conexão, desde que estejam um pouco mais afeitas à tecnologia digital, aos aparelhos de smartphones. Deste modo será questão de minutos poder realizar o pareamento.

Assim, temos o esquema sumariamente descrito abaixo:

Primeiro é preciso ligar o bluetooth de seu celular; em seguida acionar o painel digital de seu Ford Ka. O processo começa a se desenrolar quando se seleciona a opção de telefones, cujo botão fica na parte inferior esquerda do painel; assim que o Menu abrir, é necessário acionar o botão da função OK, três vezes; em seguida surge a mensagem na tela: ENTER PIN e uma definição de código numérico; o próximo passo é ligar a função de conexão para que seja possível parear a rede do celular ao painel. Deste modo a conexão do Ford KA fica paralela à do celular.

É importante que o usuário visualize o nome de seu bluetooth no display, para que o mesmo fique ciente de que a conexão parelha foi bem sucedida.

A partir daí o dono do Ford Ka poderá acessar as suas músicas simplesmente acionando o botão de mídia, que faz o bluetooth ligar e aparecer na tela digital, sendo que a execução das músicas será automática, ou por meio dos botões do próprio painel. A pessoa pode selecionar ou pular as faixas que desejar, aumentar ou diminuir o som, controlando tudo no painel digital do Ford Ka.

O usuário pode até atender chamadas de celular controlando no painel digital, estando o bluetooth conectado e já pareado. Isto é possível com a opção de chamadas no botão de ícone para telefone. Para mais informações acesse os tutoriais em canais do Youtube: www.youtube.com/results?search_query=Como+conectar+bluetooth+Ford+Ka.

Por Paulo Henrique dos Santos

Bluetooth Ford Ka


Viagem de Carro – Dicas e Cuidados


Confira aqui algumas dicas e cuidados que você deve ter antes de viajar de carro.

As férias estão chegando e muita gente já está programando sua viagem. Uns gostam de ir para a praia, outros preferem o sossego nas cidades do interior, ou as belezas do nordeste brasileiro e há quem prefira o sul. O que muitas destas pessoas têm em comum, é que elas farão suas viagens de carro e estão preocupadas com tudo, menos com o veículo.

Claro que é importante garantir as reservas, verificar para onde será a viagem, os gastos e tudo mais, porém, um fator determinante para que a viagem aconteça da melhor forma possível, é ter feito uma revisão no carro. Confira as dicas abaixo para evitar dor de cabeça nas suas férias, garantindo a ida e também a volta, com segurança e sem transtorno.

O primeiro passo é verificar se a manutenção do carro está em dia e isto deve ser feito com antecedência e não às vésperas da viagem. Leve o carro a um mecânico de sua confiança, informe para onde você pretende viajar e solicite que todos os itens sejam verificados, incluindo o sistema de freios, parte elétrica, motor, ventilação, pneus, alinhamento, balanceamento e tudo mais que for necessário.

Muitos motoristas só descobrem que uma luz está queimada em seu veículo, quando são multados nas estradas, então evite que isto aconteça, fazendo uma rápida verificação. Teste o farol alto, o baixo, setas, os limpadores de pára-brisa, luz de ré, de freio e até a buzina.

Deixe o documento do carro e também do motorista em local de fácil acesso, pois durante a viagem poderá ser necessário apresentá-los a um agente do trânsito.

É fundamental planejar o trajeto, verificando as estradas por onde irá passar e em quais pontos estão os postos de gasolina, para abastecer, descansar e ir ao banheiro. Com a internet ficou muito fácil fazer este levantamento. Pode até ser que aconteça alguma coisa no percurso que faça a viagem ter algum atraso, mas é preciso traçar uma meta, saber quanto tempo a viagem irá durar em média, quantas pessoas vão no carro, quantas vezes será necessário parar, lembrando que no caso de crianças, idosos e animais de estimação, é preciso mais pausas na viagem, então deixe tudo programado.

Os pneus devem ser calibrados antes da viagem, quando ainda estão frios e lembre-se de calibrar também o estepe. Cuidado com os pneus gastos, que não oferecem a menor segurança, principalmente em época de chuva. Se for o caso, troque-os, pois assim estará garantindo a sua segurança e também das pessoas que ama.

Vá preparado para todos os tipos de problemas, por exemplo, se o pneu do carro furar durante a chuva, o que irá fazer? Ficar dentro do carro na BR, esperando, pode ser perigoso, caso não haja acostamento. Alguns motoristas carregam capas de chuva para estas ocasiões. Leve água, algum brinquedo para as crianças se divertirem no caso de viagens mais longas e calcule até a posição do sol, para escolher o melhor horário para sair de casa.

Durante a viagem, evite distrações. Como estão todos indo passear, é normal que o clima fique descontraído, mas o motorista deve ficar atento à estrada, evitando brincadeiras com os passageiros. Mantenha uma distância segura do veículo à frente, respeite os limites de velocidade, cuidado com animais que atravessam a pista repentinamente, atenção redobrada quando passar por alguma cidade e só faça ultrapassagem quando tiver certeza absoluta de que não há risco.

Acomode bem as bagagens no porta-malas e não deixe objetos soltos dentro do carro, pois eles podem causar graves acidentes. Não coloque peso no carro, além do limite e lembre-se de manter os faróis ligados durante o dia.

Por Russel


Envelopamento de Carros – Técnicas, Dicas


Envelopar significa o ato de adesivar, utilizando uma fina película de vinil. Confira os principais tipos e suas vantagens.

A princípio o termo envelopamento se refere ao ato ou efeito de envelopar cartas. Embora vivamos na era da tecnologia, o envio de cartas físicas, aquelas de papel, ainda é muito utilizada em todo o mundo. Entretanto, assim como centenas de outras palavras, o termo envelopar vem tomando um novo significado. Não que o anterior tenha deixado de existir, mas já não é exclusividade no uso.

Envelopar passou a significar o ato de adesivar, utilizando uma fina película de vinil. Funciona como se fosse uma pintura, na maioria das vezes para caracterizar determinados objetos e personalizá-los de acordo com o propósito e também serve para proteger.

Atualmente, quando se refere a esta técnica, está se referindo ao ato de envelopar o carro. Tem sido muito difundido no setor automotivo e vem ganhando cada vez mais espaço entre os consumidores.

PERSONALIZANDO O VEÍCULO

Na maioria dos casos, é colocado um adesivo da mesma cor do carro, mas diferenciando da cor natural do veículo. Normalmente, é colocado na cor fosca. Contudo, existem pessoas que desejam ir além e personalizam o carro de forma mais ousada. Nestes casos, os donos envelopam com adesivos coloridos, desenhados, de outras cores e várias outras formas, de acordo com a criatividade de cada um.

Contudo, a prática de deixar na mesma cor ainda é a mais utilizada, pois caso a mudança seja expressiva é necessário que o dono do veículo faça as devidas alterações na documentação do carro, informando as novas características ao DETRAN. O não cumprimento das exigências pode significar em multa e perda de pontos.

VANTAGENS NO ENVELOPAMENTO

O envelopamento é realizado com a finalidade de deixar o veículo de acordo com o desejo dos clientes. Este material é altamente eficaz na proteção da pintura do carro contra os raios ultra violetas, contra corrosão, maresia e outros possíveis desgastes.

Esta prática também é mais barata do que pintar o carro com tintas convencionais. Contudo, sua vida útil é de menor duração. Estima-se que um adesivo em PVC vinil dure por volta de seis a sete anos.

Outra prática muito utilizada, principalmente, pelas empresas consiste em adesivar o carro colocando a logo e o nome da empresa, deixando o veículo com a “cara” da organização.

Envelopar, como dito anteriormente, sai bem mais barato do que pintar o carro todo de acordo com a marca.

TIPOS DE ENVELOPAMENTO

Atualmente, existem pelo menos três tipos mais comuns de envelopamento. A escolha de cada material utilizado dependerá da necessidade e do bolso de cada cliente. Saber escolher a melhor técnica pode ser fundamental.

Primeiro tipo: PVC Vinil

A primeira técnica, e a mais utilizada atualmente, é o adesivamento em PVC vinil. Antes de ser colocado, é imprescindível fazer um tratamento no veículo para proteger a pintura e facilitar a possível remoção do produto.

Segundo tipo: Película de Poliuretano

Outro tipo de envelopamento é o realizado através da utilização de Película de Poliuretano. Trata-se de um material totalmente transparente, que não altera o visual da pintura do veículo, mas tem o poder de proteger e conservar por mais tempo a lataria do automóvel.

Terceiro tipo: Envelopamento Líquido

Esta técnica consiste em aplicar no carro um material líquido que não altera a cor do veículo e tem a finalidade de protegê-lo. Este material tem as mesmas características do adesivo de PVC vinil. O Envelopamento líquido pode ser utilizado na cor fosca, metálica ou perolizada.

Independente do motivo pelo qual você irá fazer o envelopamento do veículo, seja por prazer ou por questões comerciais, antes de realizar o serviço é preciso lembrar que esta prática deve ser feita por profissionais qualificados, com responsabilidade e que garantirão um trabalho de excelência. Afinal, um carro faz parte da família.

Por Juanito Carvalho

Envelopamento de carros


Pane no Carro – O Que Fazer


Saiba aqui o que fazer caso aconteça uma pane no seu carro.

Ao comprar um carro, pensamos em diversos fatores, como comodidade, mobilidade, rapidez, segurança, etc. Ninguém imagina que irá passar por algum tipo de problema, pois acredita estar seguro dentro do seu veículo. Contudo, existem situações que fogem ao controle e quando menos se espera pode surgiu uma grande dor de cabeça, ocasionada pela falha em um dos sistemas do automóvel.

Quando este tipo de problema acontece, a pessoa se vê diante de um grande dilema, tomar algumas decisões pode ser primordiais para manter o bem estar físico e emocional do condutor e, caso esteja acompanhado, dos demais passageiros.

3 ATITUDES DIANTE DA QUEBRA DO CARRO

É normal encontrarmos nas vias motoristas de todas as classes sociais passando por algum problema com seu veículo. Anormal são os procedimentos tomados pela maioria, que deixa de observar regras simples para manter a segurando deles e dos demais veículos que trafegam no mesmo caminho.

1. DEIXE O CARRO NO LUGAR MAIS SEGURO

O mais comum, quando se observa problemas como este, é ver que os condutores não tiveram a menor preocupação com a segurança dos demais motoristas. A maioria deixa o carro em qualquer lugar, muitas vezes parado na pista. Contudo, o melhor lugar para deixar o carro é no acostamento. Aliás, além de ser a calçada do pedestre, é o local destinado, justamente, para este tipo de problema.

É aqui que normalmente surge a pergunta: Se o carro parar no meio da rua, como posso levá-lo para o canto se não está funcionando? A resposta é simples: “Solicite ajuda para realizar a manobra!”.

2. NÃO ESQUEÇA A SINALIZAÇÃO

Esta é ainda mais comum do que a anterior. Na grande maioria dos casos, os condutores que precisam parar por causa de algum problema no veículo, não fazem a sinalização corretamente. Eles se esquecem que existe uma regulamentação constando no Código de Trânsito Brasileiro, onde é descrito que a responsabilidade por sinalizar em casos de problemas com o carro é do condutor do automóvel.

Vale lembrar que ao deixar de sinalizar o motorista está cometendo uma infração grave, sujeita a perda de sete pontos na carteira e ao pagamento de multa. A falta de sinalização também pode causar outros acidentes, prejudicando ainda mais a situação do infrator.

Para fazer a sinalização, o dono do veículo ou um dos passageiros deve pegar o triangulo, que é item obrigado, segundo o código de trânsito, e colocá-lo a aproximadamente 110 passos de distância do automóvel. Está distância pode ser aumentada em caso de sinistro dentro de uma curva ou se as condições do tempo não permitirem uma boa visibilidade para os demais motoristas.

Outra medida importante a ser tomada, em relação à sinalização, é colocar objetos como galhos ou outros materiais entre o carro e o triângulo, para chamar ainda mais a atenção dos motoristas e permitir manobras que evitem novos acidentes.

Detalhe, o dono do veículo também é responsável pela retirada dos objetos utilizados para fazer a sinalização. Após resolver o problema, deve retirar o triangulo, os galhos e/ou outros materiais que tenha colocado na pista. O não cumprimento desta etapa também acarretará ao proprietário sanções legais (infração grave, perda de sete pontos na carteira e pagamento de multa.

3. PEÇA AJUDA PROFISSIONAL

O povo brasileiro é de uma cordialidade fora do normal, além de ser perito em quase tudo. Em momentos como este sempre aparece alguém dizendo saber resolver o problema alheio. Entretanto, para não piorar a situação, a melhor alternativa é agradecer a disponibilidade e solicitar os serviços de um profissional gabaritado.

Em caso de possuir seguro do carro ou garantia da fábrica, ligue e solicite o envio de um mecânico ou reboque. Normalmente, eles já possuem, inclusive, carro reserva para ser utilizado pelo cliente enquanto o carro está no conserto.

Porém, não tendo seguro ou para carros mais antigos, a melhor coisa a ser feita é solicitar os serviços de um Mecânico particular de sua confiança e o serviço de reboque, caso seja necessário remover o veículo.

Sempre opte pelos serviços de um profissional, até porque, o código de trânsito brasileiro determina que não deve ser utilizado um veículo comum para realizar o reboque de outro automóvel. Este tipo de atividade é caracterizado como infração média e incide na parda de quatro pontos, além de multa.

A melhor coisa a ser feita em uma situação em que o seu carro quebra no meio do caminho é procurar manter a calma, respirar bem fundo e tomar as atitudes relacionadas acima. Além de ser o mais acertado, evitará muitas dores de cabeça no futuro.

JUANITO TEIXEIRA CARVALHO


Cheiro Ruim no Carro – Como Tirar Odores Desagradáveis


Saiba aqui o que fazer para neutralizar odores desagradáveis no carro.

Muitas pessoas que tem carro, já passaram alguma vez pelo problema de mal cheiro que fica na parte interna do mesmo. Às vezes o problema é simples e apenas uma pequena limpeza resolve, ou as vezes a situação é mais complicada e a outras formas de resolver o problema. A primeira coisa a se aprender é que todo carro precisa ser limpo regulamente, assim as chances de aparecerem odores ruins no ambiente diminuem muito.

Vamos as dicas de limpeza para problemas específicos:

Veja a formas mais comuns para eliminar o cheiro desagradável do carro.

Na maioria das vezes o carro pode ter um cheiro desagradável, porém, não é possível descobrir ao certo que cheiro ruim é este. Nesse caso, pode ser sujeira acumulada e quando o carro fica fechado, o problema só vai aumentar. Nesse caso o ideal é fazer uma limpeza na região interna do carro. As etapas são as seguintes:

– Aspirar todo carro

– Retirar, lavar e secar todos os tapetes

– Passar um pano úmido com um produto específico para carro em todas partes possíveis como portas e painel do carro

– Limpar todos os bancos do carro e depois colocar capa em todos eles

– Lavar a parte externa e encerar também é importante

Eliminar odor ruim causado pela água da chuva

Só quem já passou por esse problema sabe o cheiro desagradável que fica no carro. E muitas pessoas demoram a descobrir que o motivo do cheiro ruim do carro é pelo acúmulo de água parada em alguma parte do carro. Muitas vezes o acúmulo de água fica embaixo dos tapetes do carro ou algum buraco na parte debaixo (caso o carro tenha esse problema). O ideal é deixar o carro aberto no Sol para secar. Depois usar algum bom ar para carro de sua preferência.

Caso não tenha perfume de ambiente, pode optar por um pedação de maçã, que vai agir tirando o resto de cheiro ruim do carro e deixando o cheiro agradável.

Aprenda a tirar cheiro de cigarro do carro

Um dos piores odores que podem ficar dentro de um carro é o cheiro de cigarro. Muitas vezes esse cheiro pode causar até mal-estar em pessoas mais sensíveis e causar uma situação desconcertante. Para evitar esse tipo de problema, veja como eliminar de vez o cheiro de cigarro do interior do carro.

Para acabar de vez com o cheiro do cigarro, você só vai precisar de um ingrediente caseiro que é o vinagre. Vamos ao passo a passo:

Quando tiver em casa e souber que não vai mais usar o carro naquele dia, coloque um recipiente com vinagre dentro do seu carro. Coloque esse recipiente em uma parte que não tenha chance de tombar no veículo. Só retire ele do carro depois de no mínimo 12 horas. Vinagre vai puxar o cheiro todo do cigarro para ele, e assim ele será eliminado de vez.

Outra dica para acabar com o cheiro do cigarro é usando o carvão, porém, ele demora um tempo maior para acabar totalmente com o odor. Espalhe alguns pedaços de carvão pelo carro, o ideal é colocar em baixo dos bancos e assim não correr o risco de se sujar.

Elimine o cheiro de vômito do carro

Essa dica é muito indicada para quem tem criança em casa. Pois é muito comum ocorrer esse tipo de problemas com as crianças. Então sem enrolação vamos a dica da vez:

A primeira coisa a ser feita é limpar totalmente o vômito do carro. O ideal é usar folhas de papel para absorver todo o vômito em vez de esfregar com pano molhado. Essa segunda opção só vai ajudar a impregnar mais ainda o cheiro ruim.

Depois de retirar todo o vômito do carro, você pode passar uma esponja molhada com um pouco de detergente. Mesmo se for no banco do carro.

Em seguida retire o excesso de água do local com uma toalha. Depois coloque um pouco e vinagre e um pouco de água em um borrifador e espalhe pelo local onde estava o vômito, por último deixe o carro com os vidros abertos e o problema será resolvido de vez.

Agora é só seguir as dicas para ter o carro sem nenhum cheiro ruim!

Cristiane Amaral


Carro com Motor Fervendo – O Que Fazer?


Saiba aqui o que fazer caso o seu carro tenha o motor fervendo.

O QUE FAZER EM QUANDO O MOTOR DO CARRO FERVER?

Uma das piores experiências que um motorista pode ter é a de estar viajando tranquilamente e de repente perceber que a frente do carro está saindo aquela fumaceira. Além de apavorante, também pode ser muito constrangedor, visto que todos a sua volta ficam com olhar atento, julgando sem palavras, o possível desleixo do dono do carro.

Independente de acontecer no trajeto para um passeio com a família no final de semana ou no caminho para o trabalho, é sempre uma experiência traumática. Até porque, na maioria dos casos, não se sabe ao certo qual o real problema.

EXPERIÊNCIA VIVIDA NA PELE

Permita-me contar-lhes uma experiência pessoal. Certa vez, estava voltando para casa, após um dia longo de trabalho, cansado e com a esposa dentro do carro. Vínhamos tranquilamente na estrada, já havíamos percorrido mais de 90% do caminho, estávamos a menos de um quilometro de casa, quando o carro começou a apresentar problemas, a luz do painel acendeu e começou, quase que simultaneamente, a sair muita fumaça da dianteira do veículo.

Rapidamente joguei o carro no acostamento e deixe ir no embalo até um posto de gasolina que estava a 20 metros de distância. Confesso que naquele momento só passou o pior em minha cabeça, mas tentei me controlar, para não desesperar minha esposa. Parei o carro já no pátio do posto e abri o capô, constatando o superaquecimento do motor.

POR QUE O CARRO ESQUENTA O MOTOR?

Explicando de forma bem simples, todos sabem que o motor de um carro funciona a partir da combustão gerada no momento da partida, fazendo com que os pistões se movimentem rapidamente, fazendo o carro andar. Contudo, esse processo produz um calor enorme, para controlar a temperatura é que existe o sistema de arrefecimento, responsável por mantê-la próxima dos 100º C.

Quando ocorre algum problema neste mecanismo de arrefecimento, o motor esquenta demais e acaba fervendo. Em alguns casos o calor é tão intenso que acaba fundindo algumas peças, prejudicando o motor. Lembra do meu caso? Graças a Deus não houve nada de mais sério, pois assim que percebi os sinais de aquecimento parei o carro prontamente.

QUANDO OCORRE ESTE PROBLEMA

O carro pode ferver por diversos fatores, o mais comum é quando o motorista esquece de verificar o nível de água do sistema de arrefecimento e deixa faltar. Quando isso ocorre o sistema não funciona e o motor acaba aquecendo.

Outra ocasião onde pode ocorrer tal tragédia é quando alguns dos componentes do mecanismo deixam de funcionar ou são danificados de alguma forma. No meu caso, a mangueira havia arrebentado, deixando vazar toda a água do sistema de arrefecimento, o que ocasionou o problema. Contudo, isto ainda pode ocorrer quando a bomba de água deixa de funcionar ou para de receber corrente do motor.

O QUE FAZER EM QUANDO O MOTOR DO CARRO FERVER?

Se você estiver dirigindo tranquilamente e for alertado pelo painel (uma luz vermelha de emergência se acenderá), pare o carro imediatamente e desligue o motor. A primeira coisa é não se desesperar, pois isto ocorre com maior frequência do que se imagina. Após parar, siga os seguintes procedimentos:

1. Cuidado ao levantar o Capô

Antes de abrir o capô, verifique se não existe sinal de vazamento de água ou chamas na frente do carro. Caso não esteja com um destes problemas, abra-o lentamente, observando se existe alguma alteração que possa lhe causar algum dano físico.

2. Não abra o reservatório de água

Lembre-se, o carro já está fervendo, isso significa que o motor está há uma temperatura extrema, caso ainda tenha algum líquido dentro do sistema de arrefecimento, ao abrir o mesmo será ejetado e poderá causar queimaduras gravíssimas.

3. Chame ajuda profissional

Como em qualquer situação de sinistro no automóvel, a melhor opção sempre será chamar o socorro. Caso tenha seguro, normalmente existe agregado ao plano o serviço de assistência técnica. Ligue e solicite um profissional no local ou um reboque para remover o carro até uma agência autorizada.

Para aqueles que não possuem algum tipo de seguro, ligue para um mecânico de sua confiança e solicite seus serviços. Apenas um profissional poderá dizer ao certo qual o problema do carro.

Em casos mais extremos, onde não há a possibilidade de contatar ajuda, espere o motor do carro esfria, verifique se existe algum vazamento na parte de baixo, abra o reservatório de água e encha novamente até a altura indicada. Este procedimento deve ser realizado com o carro ligado. Observe se ao enchê-lo o nível de água permaneceu o mesmo ou baixou. Caso tenha baixado, complete novamente até completá-lo.

4. Prevenção é o melhor “remédio”

É claro que não é preciso deixar o carro chegar a este extremo. Fazer a prevenção sai sempre mais barato do que precisar resolver o problema após o susto. Dessa forma, conferir periodicamente o nível de água antes de sair de casa é indispensável. Outra medida preventiva é levar o carro regularmente para a manutenção.

Cuidar bem do carro é o segredo para viagens tranquilas e a certeza de que irá chegar bem ao seu destino.

JUANITO TEIXEIRA CARVALHO


Carro com Bateria Descarregada – O Que Fazer


Saiba aqui o que fazer quando seu carro estiver sem bateria.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Detran, em junho do ano passado, no Brasil, há aproximadamente cerca de 51 milhões de automóveis. Desse modo, é correto imaginar que a grande maioria dos brasileiros já tiveram a experiência de viver uma situação em que a bateria do carro arria inesperadamente. Bom, essa é, pelo menos, a realidade de boa parte dos motoristas, desde os mais experientes (pode acontecer!), até os mais jovens proprietários de automóveis. Dessa forma, a seguir haverá uma série de informações a respeito do que o motorista deve fazer quando a bateria do carro descarrega.

Primeiramente, é importante saber que a bateria de um automóvel foi fabricada para durar no máximo até 3 anos. Dessa maneira, ela realmente pode acabar devido ao fim de sua vida útil, no entanto, há uma série de atitudes do motorista, muitas vezes tomadas sem o conhecimento das consequências, que podem diminuir o seu prazo de validade, isto é, deixar as luzes traseiras e os faróis acesos por muito tempo; deixar o rádio e as luzes internas do carro acesas por um tempo prolongado; os cabos soltos; muito tempo sem utilizar o automóvel e até mesmo a sujeira podem ser fatores que causam o descarregamento da bateria. Sendo assim, parece óbvio que quando menos se espera, a bateria pode deixar o motorista na mão. Logo, saber dessas informações é importante para que o motorista saiba economizar a bateria, especialmente se ela possui mais de um ano e meio.

Quando a bateria descarrega, a primeira ação que o motorista deve ter é ligar para o seu mecânico, já que não é indicado que o próprio motorista, uma vez que além de existir a possibilidade de ganhar um choque, o problema pode ser pequeno, como apenas um cabo solto, ou, então, pode ser já mais grave e o mecânico precisa realizar a recarga, usando não só os equipamentos necessários, mas também roupas especiais a fim de evitar choques, ou até mesmo ter de fazer a troca da bateria. Vale ressaltar ainda que em situações emergenciais é necessário, por vezes, a disponibilidade de outro veículo, pois é necessário um cabo de conexão para realizar a ''mamadeira'', ''chupeta'' ou ''jacaré''.

A segunda dica é a seguinte: durante o procedimento de recarga da bateria, é preciso que os cabos negativo e positivo do carro descarregado estejam conectados na bateria de um veículo que esteja funcionando normalmente. Desse modo, é necessário tomar cuidados essenciais, por exemplo, não se pode, de forma alguma, encostar a lataria de ambos os carros, além disso é preciso ter o cuidado na hora de manusear os fios.

A terceira dica é importante para logo após a recarga do carro, isto é, a fim de ter certeza que o carro está com carga suficiente para voltar a andar, é necessário deixá-lo ligado por cerca de 15 minutos antes de dar a partida.

A quarta dica é manter o Zinabre sempre limpo. Para quem não sabe, o Zinabre fica na bateria e é muito parecido com uma borra verde, ele é um sinal de que há substâncias da própria bateria que, em contato com o oxigênio, acabam gerando outras substâncias que se agregam na bateria e podem atrapalhar o seu funcionamento. Desse modo, é necessário que o proprietário do veículo não negligencie na limpeza da bateria. Para isso, é necessário que seja dissolvido cerca de 200 g de bicarbonato em 1 litro de água. Depois, é preciso que a mistura seja colocada nos polos da bateria junto com vaselina. No entanto, é extremamente importante que tanto os carros quanto os cabos estejam desligados.

A quinta orientação tem muito haver com a segurança dos envolvidos no processo. Isso porque o processo de recarga não deve ser realizado com fios domésticos. Além disso, é bom que se envite o contato dos fios positivo e negativo da bateria, uma vez que, além de danificar a bateria, há também o risco de haver o início de um incêndio.

Por fim, a última orientação é especialmente para os automóveis que ficam muito tempo guardados na garagem. Veículos assim precisam ser ligados ao menos uma vez por semana, durante no mínimo 5 minutos. Dessa forma, não há riscos de que a bateria descarregue.

Ana Paula Oliveira Coimbra


Bancos do Carro – Cuidados e Como Tirar Manchas


Confia aqui algumas dicas de como cuidar dos bancos de seu carro.

Manter os bancos do carro conservados e bonitos é uma preocupação comum de quem possui carro. Para que os bancos fiquem limpos e com aspecto de novo, é preciso ter uma rotina de cuidados. E dessa forma vão se manter sempre conservados.

Existe diversos tipos de bancos de carro e para cada um deles é preciso um cuidado diferente.

Veja as principais dicas para manter os bancos do seu carro sempre bonito:

Aprenda a cuidar dos bancos de tecidos

Os bancos de tecidos são bem comuns em carros e para mantê-los limpos e impecáveis, é preciso ter um cuidado especial. As manchas são as principais causas de estrago nesse tipo de banco, então, veja o que fazer quando isso acontecer:

Para tirar manchas simples do banco de tecido, é preciso apenas um pano úmido com um pouco de detergente líquido.

Para as manchas mais pesadas como gordura, molhos, vinhos e qualquer tipo de óleo, o ideal é comprar produtos específicos para retirar manchas de bancos de tecidos.

Em caso de manchas que não saem nem com produtos químicos, o ideal é procurar uma empresa especializada em higienização de bancos de carro de tecido. Além de retirar as manchas, esse tipo de limpeza tirar cheiros ruins que ficam impregnando nos bancos.

Veja como manter os bancos de couro sempre impecáveis

Os bancos de couro precisam de cuidados especiais, por isso é bom pensar muito bem antes de adquirir um carro com esse tipo de banco. O ideal é fazer essa limpeza 1 vez por mês e assim manter o material do banco sempre com aspecto de novo.

O banco de couro possui um revestimento e ele não deve ser exposto ao sol, caso isso aconteça, o couro vai ficar ressecado e com rachaduras. Além disso, é preciso hidratar o banco de couro a cada 6 meses, é preciso ainda usar produtos específicos para isso. Para fazer essa limpeza, é preciso procurar uma empresa especializada em limpezas de bancos de couro. As etapas da limpeza consistem em limpar, hidratar e dar brilho, e o tempo médio desse processo é de apenas 30 minutos.

Para a limpeza cotidiana do banco de couro, aquela que o próprio dono do carro pode fazer, é preciso apenas um pano úmido com sabão neutro, assim evita pequenas sujeiras e manchas pequenas que surgem com a rotina do uso do carro.

Prevenção para manter os bancos do carro sempre limpos e impecáveis

Para quem não quer ter problemas com os bancos do carro, o ideal é prevenir. A primeira parte dessa prevenção é o uso de capas e ter cuidado redobrado com alimentos e bebidas dentro do carro. Se tiver crianças em casa, evite comer dentro do carro. Pois as migalhas que caem dentro do banco ajudam a danificar e causam mal cheiro no carro.

Fazer a limpeza do carro pelo menos 1 vez por semana também é fundamental. Para ter um carro cheiroso e limpo não existe mágica. É preciso aspirar o carro todo, retirar tapetes e lavar também, dessa forma o carro fica livre de poeira, sujeira, ácaro e cheiro ruim.

Ou se desejar você pode levar seu carro em um lava-jato ou empresa especializada em limpeza de carro e estofados e pedir uma limpeza geral. É um gasto necessário para manter seu carro limpo, cheiroso e bem cuidado. A falta desse cuidado fará você gastar muito mais no futuro, então é bom manter essa rotina de limpeza.

Quanto custa o serviço de limpeza de bancos em empresas especializadas?

Para a limpeza de bancos de tecidos o valor do serviço pode variar de R$ 300,00 a R$ 470,00. Esse tipo de higienização é profunda e limpa os bancos completamente e retira as manchas também.

Já para os bancos de couro o serviço de hidratação custa em torno de R$ 280,00. Para quem quer realizar o processo de hidratação em casa, é só comprar o kit nas lojas especializadas que pode custar a partir de R$ 30,00.

Para ter bancos bem cuidados, é só seguir as dicas dadas aqui nesse texto!

Cristiane Amaral


Transferência de Multa ao Infrator


Nova Lei facilita a transferência de multas ao verdadeiro infrator.

Uma das grandes preocupações dos donos de veículos, principalmente quando seu nome está registrado junto ao Detran como proprietário é receber multas indevidas.

A nova redação da Lei nº 9.503 de 23 de setembro de 1997 do Código de Transito Brasileiro no artigo 257 passa vigorar com alterações que facilitam a transferência da multa ao verdadeiro infrator, ou seja, quem recebeu a multa.

A lei nº 13.495 de 24 de outubro de 2017, sancionada pelo presidente Michel Temer, alterou o artigo 257 do Código de Transito Brasileiro para possibilitar o proprietário cadastrar o principal condutor de veículo.

Esta decisão elimina as preocupações do proprietário com multas realizadas por outro condutor. No entanto, é preciso respeitar algumas regras.

Para entender um pouco mais sobre estas alterações, continue lendo este texto e veja o que realmente mudou.

O que muda?

Atualmente, a Lei prescreve que as penalidades devem ficar em nome do dono do veículo e para que isso não ocorra, o proprietário tem que cumprir diversas exigências burocráticas para provar a real identidade do infrator.

A indicação tinha que ser imediata, pela nova lei o proprietário terá 15 dias para indicar o infrator.

Pela nova lei, haverá a facilitação da responsabilização do motorista que cometeu as infrações de trânsito.

No cadastro do Renavam o proprietário do veículo é considerado o principal condutor do veículo, com a nova lei em vigor dentro de 90 dias, o principal condutor poderá ser excluído obedecendo as seguintes situações:

1. Quando houver a transferência da propriedade do veículo;

2. Mediante requerimento do próprio ou do proprietário do veículo;

3. A partir da indicação de outra pessoa como principal condutor.

Se ocorrer qualquer dessas situações o nome do Renavam como principal condutor é alterado e o infrator que conduzia o veículo assume as penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro.

Como evitar as pontuações na CNH?

Além de tomar as novas atitudes prescritas na lei, muitos motoristas e proprietários de veículos têm muitas dúvidas relacionadas a este assunto, e por isso vamos neste artigo trazer algumas dicas para evitar receber novas pontuações na CNH.

Para isso, é preciso entender como funciona o sistema de pontuação da CNH.

Mas afinal, como está a sua pontuação da CNH?

Se você não sabe, é bom ficar ligado para não ser surpreendido em uma blitz e ter sua habilitação cassada.

Como funciona o sistema de pontuação?

A primeira coisa que todo proprietário de veículo e motoristas devem saber é que quando o assunto é trânsito e existem muitas dúvidas em relação a condutas e penalidades, a base de consulta é o CTB (Código de Trânsito Brasileiro).

No CTB os artigos 259 e 261 são as partes especiais que citam toda a questão relacionada aà pontuações da CNH.

O artigo 259 estabelece o número de pontos para cada infração, ou seja, cada infração possui pontuação pré-estabelecida.

O próximo artigo, o 261, cita o limite de pontos e quais são as consequências, digo, prevê as penalidades do condutor ao atingir este limite.

Prazos

Muitas dúvidas frequentes é quando existem prazos. Algumas pessoas pensam que as penalidades são absolvidas quando altera o ano, por exemplo, recebeu a multa no ano de 2016 e iniciou o ano 2017 já está zerada suas pontuações.

Atenção! Se você tem este raciocínio, cuidado. Pense no prazo no período de 12 meses e não em um ano específico.

Veja este exemplo:

Se você tomar uma multa no dia 24 de dezembro de 2017, que é uma data comum e com muitos casos de infrações de trânsito, os pontos recebidos serão válidos no período de 12 meses, portanto, a pontuação sairá do seu prontuário apenas no dia 24 de dezembro de 2018.

A regra básica para não se complicar com excesso de pontuações na CHN é: “Não acredite que seus pontos serão absolvidos e expiram no dia 31 de Dezembro”.

Independente da gravidade da multa, os prazos são sempre 12 meses.

Este artigo foi útil para você e pode orientar outros condutores de veículos? Compartilhe nas redes sociais.

Por Marcio Ferraz

Multa de trânsito


Como Conservar a Pintura do Carro


Preservar a pintura do carro é mais do que simples prazer pela estética, é também valorização de um patrimônio, pensando em um bom negócio futuro. Confira algumas dicas super interessantes de como conservar a pintura do carro.

Que a maioria dos brasileiros é apaixonada por carro já sabemos, e não é de hoje! Muitos empregam horas e horas de seu tempo para deixar o “possante” sempre em dia. Muito deste cuidado se dá na conservação da pintura. O que alguns não sabem é que não se faz necessário ficar obcecado com os cuidados, pois existem dicas simples, que sendo seguidas, poderão manter a pintura mais lisa, sem riscos ou opacidade.

Simples procedimentos com excelentes resultados

Certamente a qualidade da pintura é um dos fatores que mais chamam a atenção no automóvel. Tal questão pode ser interessante se ela estiver bem conservada, ou muito desinteressante em caso de má conservação.

Basta colocar um veículo de mesmo modelo, ano e cor, com a pintura rota, desgastada, opaca e com marcas, ao lado de um que esteja com a pintura em dia, que teremos então uma comparação bastante depreciativa, principalmente no momento de uma troca ou venda.

Em termos de consideração de valores, uma pintura geral no carro, dificilmente será vantajosa considerando-se custo e benefício, portanto o cuidado prévio sempre será melhor do que a manutenção corretiva.

Um dos itens que desvaloriza “sobremaneira” o valor venal do veículo, sem dúvida alguma é a má conservação da lataria. Sendo assim, o cuidado com a pintura é mais do que simples prazer pela estética, mas também valorização de um patrimônio, pensando em um bom negócio futuro.

10 dicas para uma pintura conservada

Algumas dicas simples são muito úteis para manter a pintura do carro com aspecto de nova, dentre elas as 10 principais podem ser evidenciadas:

1. Evite a exposição prolongada ao sol ou a muito calor

A principal causa de desgaste na pintura do veículo é a exposição demasiada ao sol, assim como o calor. Os raios UV lançados à lataria acabam por tirar o brilho da tinta, deixando a pintura opaca. Para os carros escuros, pretos principalmente, tal fator é de maior intensidade, pois eles absorvem muito mais calor. A dica de ouro é deixar o carro sempre que possível, em locais cobertos.

2. Utilize capa protetora

Em caso de não disponibilizar de garagem, uma boa opção será a capa protetora, a qual não substitui a garagem, porém ainda assim é recomendada. A capa fará um efeito contrário ao da proteção se o veículo estiver exposto ao sol, pois ocorrerá um efeito tipo “estufa”, sendo mais danoso ainda ao veículo.

3. Lave com regularidade

O ideal é que o carro seja lavado uma vez por semana, a fim de que seja extraída a poeira da pintura. Recomenda-se sempre a utilização de produtos indicados na lavagem, sem produtos como solvente à base de petróleo ou abrasivos. Procure lavar sempre à sombra.

4. Seque o veículo após a lavagem

Utilizando pano de microfibra efetue a secagem do veículo logo após a lavagem, cuidando para que não fique água acumulada. Sempre à sombra. Tal cuidado ajudará no não surgimento de manchas na pintura.

5. Utilize cera com regularidade

Após a lavagem é interessante a utilização de cera automotiva, igualmente à sombra. Elas protegem dos raios UV, além de formarem camadas protetoras e impermeabilizáveis, capazes de proteger de intempéries. A utilização de cera é recomendada no intervalo de 3 meses em média.

6. Cuidado ao abastecer (vazamento na bomba)

Os combustíveis possuem micropartículas que tem o poder de danificar a pintura se permanecerem por bastante tempo na “lata”. Caso ocorra a vazão da bomba, molhando a pintura, é necessário que o local seja lavado com água e secado.

7. Cuidado com os… “passarinhos”

Muito comum estar rodando, ou até mesmo parado e perceber que um pássaro “soltou algo ao vento” e este algo veio parar na lataria do veículo. Tais substâncias são corrosivas e podem marcar a pintura.

8. Evite riscos na pintura

Existem algumas formas de se evitar riscos na pintura do veículo, uma delas é não estacionar muito próximo a arvores ou arbustos grandes, dos quais possam romper galhos vindo a danificar a pintura. Outra maneira é evitando rodar muito próximo a caminhões com materiais como areia, pedras e etc. Assim como não rodar em vias não pavimentadas.

9. Tenha cuidado em rotas com “piche”

Não é incomum passar por asfalto recém concertado com a utilização de piche. Na maior parte das vezes o material ainda não está bem “curado”, mas o trânsito está liberado, então ao passar com os pneus no local, o material é projetado na lataria causando danos.

10. Lavagem após a chuva

Parece contradição, mas não é! Após a chuva é importante uma lavagem externa, pois é normal que a poluição e seus resíduos fiquem mais facilmente na lataria molhada, assim como os respingos do asfalto na pintura, o que pode danificar a mesma.

Por Silvano Andriotti

Pintura carro

Foto: Divulgação


Como Transportar Cachorro no Carro Sem Infringir a Lei


Confira aqui como levar o seu animal de estimação em segurança dentro do carro e sem cometer infrações.

Transportar seu animal de estimação no carro pode transformar-se em um transtorno se o motorista não tomar algumas medidas necessárias para deixar o peludo confortável e seguro. O Brasil é o segundo país em criação de cães, gatos e aves, sendo que já conquistou o terceiro lugar em faturamento com esse mercado tão generoso.

Contudo, alguns motoristas ainda insistem em levar os pets soltos, sem a menor segurança e às vezes, na janela com a cabeça para fora curtindo a vida. Tudo isso pode ser muito engraçado, mas o que a maioria não sabe é que está infringindo uma regra do código nacional de trânsito, que pode lhe custar 5 pontos na CNH, além de pagar R$ 120.

É provável que pouca gente conheça uma lei apelidada de “Lei da Cadeirinha”. Regulamentada pelo código de trânsito brasileiro em 2010, ela estabelece como o seu animal de estimação deve ser transportado dentro do carro. A cadeirinha é parecida àquelas usadas por crianças.

O transporte do animal no carro exige alguns cuidados que devem ser seguidos para que você ande de acordo com a lei, por exemplo:

– O uso de bolsas

– Caixas Plásticas, próprias para transporte e com forro de naylon para deixa-lo confortável.

– Coleira peitoral e prendê-lo no cinto de segurança, sempre no banco de trás.

Todos esses cuidados vão evitar, além do que já foi explicado acima, que seu pet, na hora de uma freiada brusca ou até mesmo uma colisão, seja projetado para frente ou até mesmo para fora do carro, sofrendo assim sérios danos de saúde.

No caso de animais de grande porte, o condutor deverá retirar a tampa traseira, no caso de veículo grande, fixar bem firme a caixa para que não solte em caso de freada brusca. Tudo deve ser feito para que seu animal sofra o mínimo impacto.

Enjoos e vômitos

Muitos pets acompanham seus donos em viagens mais longas, principalmente nas férias da família, eles adoram, pode apostar. Porém, alguns estão enfrentando o desafio pela primeira vez e podem sofrer com a “naupatia”, enjoos e ânsias de vômitos que acometem os peludos na hora dos solavancos na estrada.

Melhor se precaver antes de viagens longas com seu pet para não passar perrengue na estrada. Leve-o para uma consulta, assim saberá se ele está em forma para curtir e não atrapalhar seu passeio.

Segundo a veterinária Gislaine Mattos, do Centro Veterinário Pet Center Marginal/Petz, no Paecambu, São Paulo, todo esse movimento do carro costuma afetar os canais internos do ouvido, responsável pelo equilíbrio do pet.

Por isso, cuidado principalmente com filhotes, são os que mais sofrem com percursos distantes. Eles ainda não estão acostumados com movimentos bruscos, o organismo ainda está se estabilizando, por isso as náuseas. Porém, existem remédios que vão ajudar seu peludo a viajar mais tranquilo, explica a médica, nunca se deve recorrer a remédios caseiros.

Animais de mais idade passam pelo mesmo transtorno que pode estar associado a lembranças de episódios ocorridos na infância, em caso de animais que sofreram de enjoos quando filhotes. Assim sendo, eles podem ficar ansiosos e estressados, chegando a passar mal.

A profissional recomenda que o tutor deve acostumar seu animal a passeios curtos de carro, interrompendo de vez em quando para ele caminhar um pouco. Isso vai ajuda-lo a associar a viagem a passeios agradáveis.

Outra recomendação importante: não se deve alimentar o pet antes de qualquer viagem, pois com o estômago cheio ele ficará mais apto à náusea e vômito. Portanto, somente o médico poderá receitar o remédio certo para que seu animal de estimação possa acompanha-lo nas viagens e não sofrer nenhum transtorno.

Por Ruth Galvão


Toyota Corolla Seminovo – Dicas e Cuidados na Hora de Comprar


Veja aqui algumas dicas e cuidados que você deve ter ao comprar um Toyota Corolla Seminovo.

A fama da Toyota, em especial do Corolla, é bastante positiva. Tendo boa liquidez e bastante conforto, o sedã é um dos mais atraentes do mercado nacional. Isso vale para os carros novos e também para os usados. Os modelos seminovos, de diversos anos, na maioria das vezes são valorizados e têm boa liquidez. Vale lembrar que o que mais chama atenção é a décima geração do carro (que foi a quarta feita no Brasil).

Com fabricação em Indaiatuba, no interior de São Paulo, entre 2008 e 2013, o 10º Corolla apareceu com o objetivo de recuperar a liderança no segmento, que tinha sido perdida para o Honda Civic.

Diante dessas informações, pensando no momento da compra dos usados, listamos alguns pontos para levar em consideração na hora da compra:

· Pontos Positivos: A liquidez, o conforto ao rodar, a dirigibilidade e o acerto da suspensão.

· Pontos Negativos: O espaço no banco traseiro, a caixa automática de quatro marchas e o nível de equipamentos.

· Para estar atento: Confira se o carro atendeu a todos os recalls, em especial o do deflagrador do airbag do motorista (anos 2008 a 2014), o recall de airbag do carona (anos 2008 a 2012), a bomba de combustível (anos 2008 e 2009) e o recall do sistema de partida a frio (anos 2008 a 2010).

· Esteja atento também aos barulhos no acabamento, em especial no painel e nos encaixes de plástico das portas, dos descansa-braço e também os interruptores de vidros elétricos.

· Quando for comprar o Corolla usado, verifique os ruídos e vibrações estranhas quando frear o carro, tendo em vista que já foram feitos relatos de desgaste prematuro desse conjunto.

No que se refere a como esse carro roda, trata-se de um veículo que é previsível em altas e baixas velocidades, nas retas ou nas curvas, mas que apresenta um eficiente acerto de suspensão. O custo de manutenção desse carro também é bom. Uma boa compra é o XEi 2.0 16V automático 2012, que tem preço variando entre 49 e 55 mil reais.

A conclusão a que se chega é que adquirir um Corolla usado é uma excelente opção!

Iris Gonçalves


Ter Carro Próprio ou Usar Uber – Qual é Melhor?


Confira aqui um comparativo e descubra qual é mais vantajoso: Ter Carro Próprio ou Usar Uber.

Uber ou ter o próprio carro? Nos dias atuais, talvez muita gente já tenha feito esta pergunta. Diante do crescimento das grandes cidades e do ritmo frenético a que todo mundo que trabalha experimenta todo dia, a opção mais barata a princípio, o ônibus está deixando a vida mais complicada.

Depois dos ônibus, outras opções como os táxis são de longe a opção menos inviável. Apesar de algumas alternativas já usadas nas grandes cidades como os trens e metros, a criação e o uso de transportes alternativos como o Uber, tem se tornado mais frequente.

Mais rápido, simples e que pode estar disponíveis em qualquer lugar, este novíssimo meio de transporte que pode ser acionado por um aplicativo de celular está fazendo muita gente balançar na hora de optar por um carro próprio ou adotar o sistema como meio principal de transporte.

Neste sentido, os especialistas entram em cena e avaliam qual das alternativas pode vir a se tornar economicamente mais viável na vida de muita gente que depende do transporte público para se locomover em várias cidades.

Segundo a análise de alguns economistas, possuir um carro próprio ainda vale a pena, desde que o usuário o utilize com frequência, pois ainda assim os custos relativos à manutenção com o mesmo compensam o investimento.

Este investimento se justifica ainda quando o usuário mora em bairros bem distantes de aonde mora. A justificativa está no quilômetro rodado que é maior para quem utiliza o Uber.

Para quem mora e trabalha no mesmo bairro e se utiliza muito pouco o carro, realmente, manter este bem particular pode começar a pesar no orçamento doméstico. É o caso, por exemplo, de Diego Antunes, 29 anos, que trabalha como coordenador de banco na Avenida Paulista. Ele preferiu encarar um aluguel mais caro e foi morar perto do trabalho. Foi a chance certa para se livrar do carro.

O importante na hora de decidir pelo Uber ou em ter o carro próprio, segundo os especialistas em economia familiar, é colocar tudo na ponta do lápis e não deixar nenhum detalhe escapar na hora de usar a calculadora. Nesta hora, nada deve ser esquecido. Desde o custo com combustível, manutenção, depreciação do veículo a cada ano, incluindo até o que o proprietário deixa de ganhar em termos de aplicações financeiras. Dependendo do resultado, cada família deve estabelecer qual a margem de lucro mais adequada para se gastar com transporte e que não vá sacrificar outros interesses mais urgentes e necessários.

Emmanoel Gomes


Cuidados com a Troca de Rodas por Outra Maior


Confira aqui os principais cuidados que você deve tomar ao trocar as rodas do carro por outras maior.

Aumentar os aros é o desejo de muitos proprietários, principalmente quando a vontade está ligada ao design. Entretanto, mudar componentes do carro pode ser um problema no sentido de prejudicar o desempenho. As razões estéticas nem sempre compensam a mudança, já que no caso do aumento dos aros, por exemplo, ajustes no veículo podem ser necessários, de forma a não prejudicar o desempenho do automóvel.

Uma dúvida que sempre rodeia quem tem vontade de implantar novos aros, é a seguinte: é proibido? Existe na legislação, um trecho que abrange essa questão. Esse trecho está localizado na resolução 292 do Denatran, sob o artigo 8, nos itens I e II: é proibido aumentar ou diminuir o diâmetro interno do conjunto referente à roda ou pneu. Por sua vez, o conjunto não pode ser maior que o limite externo do paralamas.

Isso quer dizer que você pode sim realizar a troca, com a condição de que ao aumentar o aro, diminua o perfil do pneu, garantindo que a altura diminua, para que o diâmetro da parte de fora do conjunta fique intacto.

É importante, na hora de decidir por essa troca, pensar acerca do comportamento do automóvel. Pensando no Brasil, por exemplo: muitas cidades contam com vias um tanto quanto danificadas, por isso pode ser que não compense aumentar o tamanho do aro, já que, desta forma, o pneu será menor, diminuindo também a altura dele.

Vale lembrar que pneus mais baixos absorvem as imperfeições da estrada de forma muito maior. Assim, a suspensão fica sobrecarregada, desenvolvendo desgaste muito mais depressa. Portanto, para mudar o aro, você deve levar em consideração o caminho que percorre, por qual via, além do investimento a ser feito e também no desconforto que os passageiros podem passar.

Fora isso, considere o que a legislação dita acerca do diâmetro, como citado acima. O carro perde em velocidade final, mas ganha no quesito aceleração. Lembre-se também de reaferir o hodômetro e o velocímetro, já que na mudança eles param de mostrar indicadores condizentes com a realidade.

Carolina B.


Rodas Esportivas – Dicas e Cuidados


Confira aqui algumas dicas e cuidados que você deve ter com as rodas esportivas de seu carro.

Os apaixonados por carros têm o costume de utilizar uma série de acessórios que, além de deixar o veículo mais estiloso e bonito, também servem para valorizá-lo, fazendo com que fique mais atraente para o caso de uma futura revenda.

Todos os veículos que saem das fábricas vão com as rodas tradicionais, que são em aço e que poderão ser incrementadas com a inclusão de calotas de diversos modelos, caso o dono queira. Fazer a troca das rodas tradicionais (de liga leve) pelas esportivas é quase sempre um dos primeiros passos para quem quer personalizar o carro.

As chamadas rodas de liga leve dão ao veículo uma estética diferenciada e tornam maior seu valor de mercado sendo, dessa maneira, um investimento muito bom.

Porém, antes de trocar as rodas do seu carro é fundamental ter em mente não só a questão estética, mas também pensar que o tamanho das rodas que vêm de fábrica e o tamanho das rodas esportivas que serão colocadas deve ser equivalente, pois caso contrário, poderão comprometer o desempenho do veículo e sua segurança, já que o carro deverá fazer um esforço maior para ter um bom desempenho.

Outra questão é que rodas muito grandes instaladas em veículos de pequeno porte, irão comprometer a potência do motor. No caso de pegar a estrada para uma viagem mais longa, essa mudança também comprometerá o conforto dos passageiros em função da instabilidade que causa no veículo, podendo resultar em graves acidentes.

Quando se adquire um jogo completo de rodas esportivas é fundamental comprar também um estepe que contenha as mesmas características e que traga parafusos equivalentes, considerando que as rodas de liga leve demandam parafusos de 10 milímetros de espessura, ao passo que as rodas de aço precisam de parafusos de apenas 3 milímetros.

Além disso, é possível incluir o jogo de rodas esportivas na apólice de seguros. Mas, para isso, é importante fazer uma consulta com a seguradora.

A legislação do Brasil dá autorização para que sejam utilizadas rodas esportivas, desde que não passem a parte externa da lataria do carro. O descumprimento desta norma pode causar 5 pontos na carteira e uma multa no valor de R$ 127,69, além do recolhimento do veículo.

Iris Gonçalves


Como Anular uma Multa de Trânsito


Condutores podem trocar uma multa recebida por advertência. Saiba como.

Eventualmente, todos estamos sujeitos a cometer deslizes: no caso do trânsito, não é diferente. Não existe nada mais chato do que ser altamente prudente, mas por conta de um erro ou falta de atenção acabar tendo que pagar, literalmente, por isso.

Para esses casos, existe uma condição prevista por Lei, que garante ao condutor poder pedir a revogação da autuação, trocando assim, a multa, por uma advertência, poupando não só o bolso, como também a falta de atenção em casos futuros.

Contudo, a petição dessa substituição não se dá de forma automática e tem algumas condições.

Primeiro, para pedir a substituição de uma multa de trânsito por uma advertência, você não pode ter cometido uma infração semelhante no período de 12 meses retroativos. Isso quer dizer que no seu histórico de motorista, há pelo menos 12 meses antes da data da multa, não pode haver nenhum registro de tal infração, de forma a te tornar apto para pedir a troca.

Outro requisito básico importante é de que a infração seja leve ou, no máximo, média. Infrações graves não podem ser revogadas com esse processo. Portanto, multas por excesso de velocidade, andar sem o documento do carro e rodar com o carro no dia correspondente do rodízio, por exemplo, podem ser canceladas.

Para pedir a troca da multa por uma advertência, você precisa realizar o preenchimento de um formulário próprio desse procedimento. Esse formulário pode ser encontrado através das plataformas digitais das entidades de trânsito. O formulário deve ser entregue juntamente com um documento que pode ser obtido no Detran responsável pelo estado onde você reside: o prontuário do motorista. Esse documento comprovará que o condutor que deseja revogar a multa não cometeu esse tipo de infração no período retroativo de 12 meses.

Depois de reunir esses documentos, você deve encaminhar-se à entidade que registrou a autuação e entregá-los. Posteriormente, é necessário aguardar a resposta por parte da autoridade de trânsito, que pode deferir ou não deferir o requerimento, obedecendo a lei.

Além de não pagar pela multa, no caso de cancelamento, o condutor também se livra de levar os respectivos pontos na carteira.

Por Carolina B.

Multa de trânsito


Lista dos Piores Carros para Consertar no Brasil 2016


Confira aqui uma lista com os carros mais caros para se consertar no Brasil.

Recentemente o CESVI Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária do Brasil) divulgou uma relação em forma de lista na qual constam os carros vendidos no Brasil que apresentam um valor mais alto de reparabilidade, considerando o ano de 2016.

Dentre os carros que figuram na lista da CESVI podemos extrair os que apresentam maior dificuldade para o conserto (por exemplo, em caso que ocorra um acidente).

Classificação por Índice

O órgão utilizou um índice para a mensuração, sendo que foram considerados preços de peças, além de possível facilidade para a reparação dos veículos.

Observando os índices será possível verificar que quanto mais alto ele for, maior será o custo com conserto.

Os 10 veículos com preço de conserto mais elevado

A lista iniciará apresentando os de menor índice, aumentando até o maior custo, ou seja, em ordem crescente:

  1. Fiat Uno, um dos populares da linha Fiat, 40 pontos

  2. Peugeot 408, empatado com o Fiat Uno, entre os de “conserto menos caro”, 40 pontos

  3. Ford Ecosport, da linha mais robusta, mesmo assim é um dos menores custos da lista, 40 pontos

  4. Fiat Grand Siena, figura aumentando o custo de reparação, 43 pontos

  5. Fiat Bravo, mais um da linha Fiat, 44 pontos

  6. Fiat Palio Fire, outro popular Fiat, porém com custo de conserto alto, 44 pontos

  7. Fiat Linea, um sedã mais luxuoso, ainda da Fiat, 46 pontos

  8. Peugeot 308, o segundo da Peugeot a figurar em nossa lista, 48 pontos

  9. Fiat Palio, o modelo mais novo do Palio, 49 pontos

  10. Citroën C4 Lounge, o mais luxuoso da lista é também o de custo de reparo mais elevado. Ficando na pior posição em termos de conserto o Citroën C4 Lounge alcançou os 52 pontos.

Portanto, podemos concluir a lista dos 10 com maiores índices de valor de reparo, com a Fiat apresentando 6 modelos, Peugeot 2 modelos, a Citroën com 1 (o campeão) e a Ford com 1 também.

Ao se adquirir um veículo existem, muitos fatores devem ser levados em consideração, como por exemplo: consumo, espaço, conforto, dirigibilidade e custo de reparo. Porém, não é aconselhado analisar um tópico apenas e sim o conjunto que forma o custo x benefício.

Por Silvano Andriotti


Carro Zero, Seminovo ou Usado – Qual é o Melhor?


Saiba aqui qual carro é melhor para você: Um novo, um seminovo ou um usado.

Ter um carro é o sonho de consumo de muitos brasileiros. Mas quando chega a hora de adquirir esse bem pode surgir aquela dúvida: é melhor comprar um carro novo, seminovo ou usado? A resposta a essa pergunta pode ser um pouco difícil de responder, pois isso depende do perfil de cada comprador. Para facilitar essa escolha, separamos algumas considerações importantes que poderão ajudá-lo!

Quando vale a pena comprar um carro novo?

Valerá sempre a pena ter um automóvel zero quando o comprador deseja ficar pelo menos três anos com o veículo. Isso porque esse é o período em que há certa estabilização em relação ao seu valor. Assim, pode ainda haver alguma vantagem em revendê-lo do que se fosse um carro seminovo ou usado.

Nesse caso, também pode haver menos gasto com manutenção, porque o carro não teve outros donos. Além disso, mesmo quando ele necessita de algum reparo, pode-se utilizar a garantia.

Quando vale a pena comprar um carro seminovo?

Motoristas iniciantes devem optar por um veículo seminovo, porque ainda estão ganhando experiência ao utilizá-lo e costumam desgastá-lo mais rapidamente. Dessa forma, arranhar ou bater um carro que não é novo pode ser menos negativo.

Mas com certeza o preço pode ser a maior vantagem quando se adquire esse tipo de carro. Muitas vezes ele ainda está em ótimo estado, bem equipado, com manutenção em dia e sendo vendido por valor inferior ao de um novo de qualidade equivalente.

Quando vale a pena comprar um carro usado?

Algumas pessoas podem torcer o nariz para um carro usado mais antigo, mas essa também pode ser uma boa opção de compra. Isso dependerá de seu preço e estado de uso, principalmente se tiver pertencido a apenas um dono que o manteve em boas condições.

Entretanto, adquirir um carro usado mais antigo requer alguns cuidados especiais:

· Em caso de financiamento, deve-se analisar se a taxa de juros não é muito alta.

· Deve-se analisar o histórico da placa do veículo, verificando se está isento de problemas criminais e/ou multas.

· Realizar vistoria da parte mecânica do automóvel usado. Nesse caso, vale a pena contratar os serviços de uma empresa de consultoria ou mecânico de confiança.

· Evitar carros importados mais antigos, pois suas peças podem ter preço bastante elevado.

Sendo assim, antes de escolher entre um carro novo, seminovo ou usado, é importante analisar suas necessidades, quanto pode gastar e período que pretende continuar com ele. Por fim, lembre-se sempre de que esse tipo de compra não se trata de um investimento, pois tende a se desvalorizar com o tempo.

Qual tipo de veículo pretende adquirir? Tem mais alguma dica para compartilhar?

Camilla Silva


Desembaçador do Carro – Dicas e Cuidados com os Filetes


Confira aqui algumas dicas de cuidados que você deve ter com os filetes do desembaçador do carro.

Pouca coisa é mais temerária ao viajar do que estar na via, com chuva, principalmente à noite, com vidros embaçados e os filetes não estarem em perfeito funcionamento. Tal fator prejudica a visibilidade do motorista, a ponto de colocar em risco a segurança dos ocupantes do veículo. Mas você sabe que cuidados são necessários com os filetes do desembaçador?

Na limpeza

Uma limpeza mal feita, com descuido ou equipamentos inadequados podem danificar o sistema.

Basta, por exemplo, que fique um resíduo de pano preso aos terminais do desembaçador para que o circuito elétrico possa ser comprometido.

Quando isto ocorre é necessário que se retire com todo o cuidado possível os resíduos ou qualquer tipo de material preso aos filetes.

No acondicionamento de carga

Ao carregar o veículo com uma carga qualquer, deve-se ter cuidado no acondicionamento dos itens com relação ao desembaçador do vidro traseiro.

Objetos pontiagudos, materiais sólidos ou similares, que estejam encostando no vidro e por consequência nos filetes (que aquecem o vidro e eliminam a umidade), são agentes externos que podem, em atrito, danificar ou romper o sistema de filetes.

É necessário que se tenha a noção de que os filetes são condutores de eletricidade.

Ao retirar a película escurecedora

Quando for necessária a retirada da película escurecedora também deve se proceder com bastante cuidado, pois o filme plástico é aplicado com um tipo de cola que poderá até mesmo “arrancar” os filetes do dispositivo ao ser puxado.

Antes da retirada da película, o ideal é que a cola seja amolecida com um soprador de calor (até mesmo um secador de cabelos).

Os pequenos resíduos ou vestígios de cola que ficam por vezes presos aos filetes, devem ser removidos cuidadosamente utilizando-se de uma espátula de náilon e detergente líquido. Sempre passando no mesmo sentido dos filamentos condutores.

Existem também algumas empresas que possuem um sistema de retirada com um tipo de vapor.

Ao fazer a manutenção quando ocorrerem danos

Quando algum filamento não estiver fazendo o processo de desembaçar, o recomendado é que a manutenção seja feita o mais breve possível.

Se o rompimento no filete for pequeno, algo em torno de 5cm, existe a possibilidade de reconstruir a trilha utilizando um tipo de resina condutiva que possui prata. O kit para a correção custa em torno de R$ 78,00. Também existe um conjunto para a substituição dos terminais, o qual tem valor aproximado de R$ 84,00.

Como podemos observar, os cuidados com o desembaçador traseiro são importantes e a manutenção em caso de dano é de fácil procedimento e baixo custo.

Por Silvano Andriotti


Como Tirar o Mau Cheiro do Ar Condicionado do Carro


Saiba aqui algumas dicas para tirar o mau cheiro do ar condicionado do carro.

Quem possui automóvel sabe que aquele velho conhecido ar quente ou frio em certas situações é muito bem-vindo. Contudo, muitas vezes o ar de certos automóveis pode apresentar um efeito reverso, deixando exalar um cheiro não muito agradável.

Porém, o problema maior não está no fato do ar ter um cheiro ruim, o problema reside no fato de esse ar ser lançado no interior do veículo com uma enorme quantidade de bactérias e fungos que podem ocasionar nos passageiros sintomas como febre, coriza, tosse, entre outros.

Se isso acontece com o seu carro, fazendo com que o ar quente ou frio nunca seja acionado, para evitar ocasionar problemas de saúde e até mesmo constrangimentos, não se desespere, pois nem tudo está perdido.

Para resolver esse problema e deixar o interior do veículo com aquele cheirinho gostoso, se livrando de vez do mau cheiro e de fungos e bactérias, é preciso antes de qualquer coisa caprichar na higienização.

E para fazer essa higienização é preciso se utilizar de um bom bactericida, que já é vendido em lojas de acessórios para carros, por um preço popular.

Nesse sentido, após comprar o bactericida que é exclusivo para ar-condicionado automotivo, faça a aplicação do produto de tempos em tempos e também faça a troca regular do filtro de ar da cabine.

Veja como aplicar o produto:

Primeiro ligue o ar quente em sua potência máxima por um minuto.

Em seguida desligue o ar quente e ligue o botão do ar-condicionado.

Assim, ligue a recirculação de ar, abrindo as saídas de ar.

Feche todas as janelas, para que o produto não escape e colocando o spray no chão do automóvel, acione a válvula e saia imediatamente do carro.

Depois de 15 minutos ou depois de que o produto acabe, entre no carro e desligue o ar-condicionado, ligando o ar quente por mais 5 minutos.

Feito isto com certeza aquele mau cheiro, cheio de bactérias e fungos, vai desaparecer do seu carro.

E para mantê-lo com um cheirinho agradável, a dica é manter seu veículo sempre limpo e higienizado.

Assim você nunca mais vai passar vergonha ao acionar o ar quente ou frio do seu automóvel.

Sirlene Montes


Escapamento do Carro Furado – O Que Fazer e Como Consertar


Saiba aqui o que fazer quando seu carro estiver com o escapamento furado.

O tubo de escapamento é a peça responsável por encaminhar os gases do resultado da combustão para a parte externa do veículo. O escapamento contribui para o desempenho do motor do veículo, aumentando assim a potência do mesmo. Caso o escapamento estiver com algum problema, como entupimento, o motor trabalhará com dificuldade, diminuindo assim o seu desempenho. O tubo de escapamento tem diversas funções, como ajudar na liberação dos gases resultantes da combustão e auxiliar na vida útil do motor. Caso você tenha gastando muito combustível, fique atento, pois pode ser problema no escapamento. O escapamento estando bom, poderá ser sinônimo de economia no combustível, outra vantagem é a redução da emissão de poluentes.

Além do barulho desagradável que o tubo apresenta, quando o escapamento apresenta furo, outros motivos bem significativos deverão ser levados em consideração, fazendo com que faça o reparo da peça imediatamente, sendo eles os seguintes:

Cuidado com a peça: Uma das dicas para prevenção do escapamento é evitar passar em alta velocidade em lombadas, desviar de buracos se possível, pois na maioria das vezes a perfuração ocorre por esses descuidos. Outro fator são os combustíveis adulterados com água e solvente, quando o sistema não atinge a temperatura ideal a água não evapora, deixando assim o escapamento úmido por um longo período, essa umidade parada no silenciador é o que gera a corrosão na peça.

O melhor procedimento para o reparo da peça: Dependendo do tamanho do estrago existem as opções de reparo ou da troca da peça. Caso seja algo isolado atingindo apenas uma parte da peça, a área poderá ser acrescentada por um metal no local prejudicado, poderá ser feito isso se o problema for à tubulação, caso a situação seja na câmara onde passa os gases, o silencioso, não há opção de reparos sendo necessário trocar a peça toda.

O problema pode acarretar multa na CNH: Caso os escapamento esteja com esse problema, fora das condições padrões exigidas pelo DETRAN, o condutor poderá levar multa no valor de R$195,23, além de cinco pontos na Carteira de Habilitação. O fato seria desconfortável e acarretaria em um problema ainda maior, sendo assim fique atento.

Gisele Alves de Brito


Direção Hidráulica x Direção Elétrica – Qual é Melhor?


Saiba aqui qual tipo de direção é melhor, a Direção Hidráulica ou a Direção Elétrica.

O esforço nas manobras de estacionamento é algo que muitos motoristas reclamam. A primeira invenção para resolver este problema foi a direção hidráulica. Todavia, a assistência hidráulica esta perdendo lugar para a elétrica, que é mais eficaz e econômica.

A direção hidráulica é um recurso muito solicitado nos dias de hoje, pois garante conforto ao motorista e rapidez nas manobras. Um veículo pequeno dotado de direção hidráulica gasta 1.300 watts de energia em linha reta ou 4.300 watts em manobras.

Estima-se que um veículo sem direção hidráulica consuma bem menos energia, o equivalente a 470 watts, porque não há a necessidade de uma bomba hidráulica. O carro com direção hidráulica funciona com uma bomba hidráulica, algumas válvulas e um pistão de dupla ação atuando de modo a diminuir a força empregada pelo condutor na direção. Todavia, o sistema hidráulico está sendo substituído pela direção elétrica (a que não possui o sistema hidráulico), pois ela usa só um motor elétrico para reduzir o esforço no volante.

A vantagem deste sistema é sua capacidade de regular a pressão aplicada de acordo com a velocidade do veículo e diminuição considerável do consumo de combustível. É estimado o gasto de cinco por cento a menos de combustível do que no sistema de direção hidráulica.

A assistência elétrica tem inúmeras vantagens em relação à assistência hidráulica. Em primeiro lugar, é mais barata. E ela só é ativada ao se virar o volante, sendo que quando o veículo está em linha reta, o motor elétrico não é acionado, ao contrário da direção hidráulica que é acionado ao todo tempo.

O sistema elétrico de direção é mais vantajoso que o sistema hidráulico por ser independente do funcionamento do motor do veículo. Ademais, não se utiliza óleo em seu mecanismo, ao contrário do que ocorre no sistema hidráulico. Além disso, o risco de dar defeito é bem menor. Quando se tem algum defeito na direção hidráulica, por exemplo, é necessário trocar várias peças e o volante fica travado.

A única desvantagem no sistema elétrico e é em caso de ocorrência de pane no sistema elétrico. Todavia, se tal fato ocorrer, o condutor não chega a ficar sem direção e sim percebe que o volante está mais pesado.

Por Anneliese Gobbes Faria


Carros Espaçosos e Confortáveis


Conheça os carros mais confortáveis e espaçosos do mercado.

Não vamos negar que quase todas as pessoas são apaixonadas por carros e os brasileiros não ficam de fora da lista. Grandes, médios, compactos, beberrões, esportivos, econômicos, imponentes, não importa o tipo de carro que você tenha em sua garagem, o mais importante é que ele lhe atenda em suas necessidades diárias. É claro que, se for com um pouco de conforto, melhor ainda, afinal de contas, quem não gosta de andar ou viajar em um carro confortável ou espaçoso?

Através desse artigo você vai conhecer os carros eleitos mais confortáveis do mercado segundo uma recente pesquisa. Começamos com o Chevrolet Onix que é considerado um dos carros mais confortáveis do mercado de automóveis, oferecendo um amplo espaço interno para todos os seus ocupantes, além de bancos com um macio revestimento, ar condicionado e todo um suporte para uma boa acomodação para todos os membros superiores dos usuários.

Outro carro bastante confortável é o coreano HB20, que tem as mesmas características do Onix, porém o porta-malas desse carro é muito grande também. O modelo da Hyundai oferece vários recursos que ajudam no descanso e conforto das pessoas.

Mais um carro com espaço interno amplo e confortável é a alemã BMW 330, pois é um carro macio, com bancos em couro, potente e com vastos recursos tecnológicos que permitem uma direção suave, sempre priorizando o conforto de todos a bordo.

Outro modelo coreano que merece destaque é o Hyundai Azera. O maior sedan da marca, prima o conforto dos passageiros e possui um dos espaços internos mais amplos do mercado automotivo, com bancos em couro e vários mimos para facilitar a vida dos passageiros.

Mais um modelo que é sinônimo de conforto e amplo espaço é o alemão Audi A8. O carro tem muito requinte, grande espaço interno, bancos em couro e tudo mais que possa proporcionar conforto para os ocupantes.

Mais um modelo alemão da lista é a Mercedes S600L, pois o carro oferece todo o conforto e espaço necessário, além de bancos em couro, aquecimento e massageadores para todos os passageiros e telas de LCD no encosto de cabeça dos bancos dianteiros.

Para fechar a lista, o coreano Hyundai Sonata também oferece mimos para todos a bordo, como bancos em couro, teto solar panorâmico e excelente espaço interno sempre voltado para o conforto dos ocupantes.

Por Rodrigo Souza de Jesus

Chevrolet Onix

Hyundai HB20

BMW 330

Fotos: Divulgação


Como Limpar os Bancos do Carro – Tirar Umidade, Vômito e Chiclete


Confira aqui algumas dicas para limpar corretamente os bancos do seu carro.

Quem é proprietário de automóvel, não importa se ele seja zero quilômetro ou usado, o cuidado com o passante é o mesmo. A maioria das pessoas gosta de manter seus veículos sempre muito limpos, principalmente os bancos, que devem estar sempre muito conservados.

Contudo, mesmo com todo o cuidado, os bancos sempre estão sujeitos à alguns acidentes, podendo ser sujos com todo o tipo de material, que pode ser biscoito, refrigerante, chicletes, vômito, entre outras coisas.

Mas, se isso acontecer com você, não se desespere, pois nem tudo está perdido, Veja abaixo algumas dicas de como limpar o banco do carro em casos como esses.

– Bancos molhados ou úmidos: Se algo foi derramado no banco como água, refrigerante, suco ou alguém entrou com a roupa molhada de chuva ou de piscina, para não deixar que fique aquele cheiro ruim faça o seguinte:

Quando chegar em casa, deixe o carro ligado pelo tempo de 30 minutos e coloque no máximo o ar-quente, com todos os vidros fechados. Passado esse tempo abra os vidros e espere 10 minutos, em seguida feche os vidros, ligue o ar e deixe por mais 30 minutos. Faça esse processo três vezes. Caso o cheiro não passe totalmente, seque os bancos usando o secador de cabelos no ar quente.

– Vômito nos bancos: Esse é um problema que é comum de acontecer principalmente com quem tem filhos. Nesse caso a dica é a seguinte:

Limpe o vômito se possível no momento em que acontecer. Para isso use uma toalha ou um pano seco. Deixe essa área livre e quando for possível lave o local onde esteve a substância utilizando apenas álcool 92,8° e sabão neutro. Com uma escova esfregue bastante a área. Em seguida seque com o ar quente do secador de cabelos ou com o ar quente do veículo.

Se o cheiro forte permanecer, corte uma maçã e deixe seus pedaços sobre o assoalho por dois dias.

– Chiclete Grudado: Aparentemente um chiclete grudado no banco parece ser de todos os problemas o mais grave. Porém, se você seguir esta dica este problema será facilmente resolvido.

Não deixe o carro exposto ao sol, pois o calor ajuda a goma a ficar mais grudada. Nesse sentido, pegue algumas pedras de gelo e as envolva em um pano. Passe sobre o chiclete, assim ele ficará duro e irá se soltar do estofado. Passe o gelo pelo tempo necessário até que todo o chiclete se desgrude.

Sirlene Montes


Sites para Comparar Carros


Dúvidas na hora da compra do carro? Conheça alguns sites de comparação de veículos.

Que a maioria dos brasileiros são apaixonados por carros, ninguém tem dúvidas quanto a isso. Basta dar uma olhada na internet que podemos achar inúmeros sites falando a respeito. Sites de compra e venda de automóveis, acessórios automotivos, lançamentos de veículos de diversas montadoras, autopeças e por aí vai. Mas vamos supor que você deseja comprar um carro, mas está com aquela dúvida cruel entre um ou mais veículos e não sabe onde procurar para sanar suas dúvidas. Esse artigo vai te ajudar, mostrando cinco sites de comparação de carros em diversos segmentos e montadoras para que você não fique na dúvida, realizando seu sonho de comprar um carro que verdadeiramente lhe agrade, em todos os aspectos.

O primeiro site que faz uma boa comparação entre carros é o www.carrosnaweb.com.br que permite comparar até três carros de uma vez, fornecendo dados completos sobre os veículos pesquisados.

O segundo site que é bastante interativo também é o www.icarros.com.br/catalogo/compare.jsp que fornece as informações necessárias para o leitor tirar suas dúvidas, permitindo comparar dois veículos por vez.

Mais um site bacana e bem prático é o http://revistaautoesporte.globo.com/comparador.html que permite a comparação de três veículos de uma vez com informações bastante completas que vão tirar as dúvidas de quem ainda está se decidindo sobre qual veículo colocar em sua garagem.

Outro site interativo que permite a comparação entre dois veículos é o https://carros.uol.com.br/compare-carros. O diferencial desse site é que podem ser comparados até 20 modelos da mesma montadora, o que pode ajudar muito o usuário que estava sem muita noção de qual veículo adquirir.

Mais um site com fácil navegação e que vai sanar todas suas dúvidas é o http://compareauto.com.br. Esse site permite total interação do usuário com o sistema, em que o mesmo vai poder comparar e não ter nenhuma dúvida, na hora da compra do seu carro, seja novo ou usado.

Vale lembrar que toda a pesquisa deve ser feita com muita calma, atenção e se for possível, uma boa conversa com alguém que conheça o carro ou que já teve o carro que se pretende comprar, pode ajudar muito.

Por Rodrigo Souza de Jesus

Comprar carro


Como Recorrer de uma Multa de Trânsito


Saiba aqui o que fazer para recorrer de uma multa de trânsito.

Você foi multado e pretende recorrer da decisão? Então, é necessário aguardar o recebimento do boleto de pagamento, juntar todos os documentos que possam auxiliar a provar a cobrança indevida, formular o pedido e depois impetrar recurso junto a Junta Administrativa de Recursos e Infrações (JARI).

O pedido deve ser muito bem motivado. Neste sentido, o seu carro pode ter sido autuado ou flagrado por um equipamento eletrônico ou algum profissional, e como o termo flagrado é distinto de autuado, a pessoa tem um amplo direito de defesa para fazer a sua contestação.

Em um prazo máximo de 60 dias, chega a residência uma notificação formal do ocorrido e depois a pessoa tem o prazo de 30 dias se defender. É fundamental comparecer ao Detran ou Agência Municipal, para retirar um formulário de recurso contra a multa, para que a defesa possa ser redigida.

Além do formulário impresso, é necessário entregar cópia da sua identidade, comprovante de residência, cópia da carteira de habilitação, cópia dos documentos do carro, cópia da notificação da multa, as duas vias do recurso e cópias que possam comprovar a contestação da infração como, por exemplo, declarações, recibos, atestados, entre outros.

Geralmente a defesa é analisada pela JARI, que pode eliminar ou efetivar a multa. O julgamento do recurso é dado, normalmente, em até 30 dias. Caso o recurso não seja deferido, a pessoa é notificada para fazer o pagamento, que será obrigatório caso tenha interesse em continuar interpondo o recurso administrativo para um Órgão de instância superior, no caso o Conselho Estadual de Trânsito, órgãos municipais e estaduais ou o Conselho Nacional de Trânsito, para multas que foram emitidas por Órgãos Federais ou que tenham infrações gravíssimas.

Outra opção é não efetuar o pagamento da multa e interpor um recurso judicial no lugar de um administrativo, que será analisado por meio dos tribunais a justiça comum e com um auxílio de um advogado.

Mas, antes de interpor um recurso contra uma multa, verifique se não é golpe. Além disso, se a notificação for por uma infração leve ou média e se você não recebeu nenhuma multa pelo mesmo motivo nos últimos 12 meses, compareça ao Detran e solicite o formulário para converter a sua infração em advertência. Geralmente, em 30 dias, você recebe a advertência na sua residência. Apesar de perder pontos na carteira, você não precisa pagar a multa.

Por Babi


Como ultrapassar com segurança, dentro da Lei


Como ultrapassar dentro da Lei

A ultrapassagem é muito comum nas rodovias e estradas de nosso país e esta manobra está prevista em nosso Código de Trânsito. Ultrapassar um veículo que esteja mais lento que a velocidade permitida na via exige muita atenção por parte do condutor, pois, na maioria das vias brasileiras (pistas simples), no período em que estiver executando a manobra, o veículo estará na pista de fluxo contrário de circulação. As faixas pintadas nas no leito das vias dão a permissão ou não para se ultrapassar naquele trecho, é preciso estar atento ao que diz a sinalização para se evitar cometer uma infração de trânsito.

Velocidade da via e sinalização

Toda via de circulação (urbana ou rural) possui uma velocidade máxima permitida e sinalizada ao longo de sua extensão. O que poucos sabem, porém, é que também existe uma velocidade mínima, que corresponde à metade da máxima. Esta, contudo, não é fiscalizada como a máxima.

Cada condutor dirige de uma forma, uns com mais pressa, outros com menos, uns a passeio, outros a trabalho. Assim, há muitas velocidades diferentes para trafegar. Contudo todos precisam utilizar a mesma pista da forma mais organizada e sincronizada possível.

O Brasil é um país de medidas continentais, que tem no transporte rodoviário seu principal meio. Devido a isso, temos uma das maiores frotas de caminhões de todo o mundo. Os caminhões configuram-se como veículos lentos no CTB por transportarem, majoritariamente, carga.

Como já dissemos, não há a devida fiscalização quanto ao máximo de peso que devem comportar para que mantenham sua velocidade maior que a mínima permitida. Assim, é muito comum que motoristas de veículos leves (automóveis e motocicletas) realizem a ultrapassagem desses.

Além da sinalização da velocidade, o motorista conta com uma sinalização de solo, a faixa (tracejada ou contínua), que dirá em qual trecho é seguro realizar uma ultrapassagem.

É de conhecimento de todo condutor que concluiu o curso num CFC que a permissão para ultrapassar é dada por uma faixa tracejada pintada no limite entre as duas pistas. Esta faixa se alterna de acordo com as especificidades do terreno e da visibilidade que o motorista tem em cada trecho.

As condições para que a ultrapassagem seja feita ficam dispostas nos artigos iniciais do Código (art. 29, 32, 33 e 34). Neles ficam expressos os cuidados que deve se ter ao ultrapassar, como: utilizar a faixa da esquerda em vias com várias faixas de circulação, obedecendo, claro, a sinalização (faixa tracejada); ultrapassar apenas em trechos em que haja visibilidade suficiente para tal, em caso de vias de sentido duplo, mesmo que a sinalização permita; o condutor não poderá ultrapassar nas interseções ou suas proximidades; e outros.

O ponto mais importante a destacar é que o motorista deve ter a certeza de que poderá executar toda a manobra sem perigo para ele e para os demais condutores e usuários da via. Para isso, o condutor precisa conhecer as condições de seu veículo (quantidade de combustível disponível, condição dos pneus, manutenção da revisão em dia), a potência que possui, o tempo de frenagem e, se possível, conhecer a via antes de trafegar, pois alguns trechos são especialmente perigosos e popularmente denominados como “estradas da morte”.

Ultrapassagem na faixa contínua

Nos trechos de faixas contínuas, é vedada ao motorista a ultrapassagem de veículos, mesmo que estes estejam abaixo da velocidade mínima permitida. Devido ao constante desrespeito a esta sinalização, em novembro de 2016, a Lei 13.281, torna a infração por ultrapassagem em faixa contínua uma multa gravíssima, que passou a custar R$1.467,35 ao infrator, além da retirada de 7 pontos da CNH. Apesar de sua gravidade, esta multa, porém, não suspende a carteira.

A infração está prevista no CTB, para ser mais específico no artigo 203. São cinco variações, ultrapassar pela contramão outro veículo: em curvas aclives e declives, sem visibilidade suficiente; nas faixas de pedestres; em pontes ou túneis; em locais com faixa contínua amarela; parado junto a cancelas, semáforos, ou algo que impeça a circulação. Todas com a mesma penalidade e gravidade. Configurando infração gravíssima, multa de cinco vezes e, em caso de reincidência em 12 meses, o dobro da multa!

Portanto, apenas em casos extremos o motorista deve recorrer a este recurso, geralmente para evitar um acidente ou situação potencialmente perigosa na pista (veículo com derramamento de óleo, por exemplo). A segurança deve ser o ponto a se considerar já que em acidentes provocados por ultrapassagens em locais proibidos, a maioria das colisões é frontal e em alta velocidade, resultando na parcial ou total destruição dos veículos, em fraturas múltiplas aos motoristas e passageiros e, nos piores casos, à morte.

Recurso administrativo

Assim como as demais infrações de trânsito, no caso da ultrapassagem em faixa contínua, também é possível se recorrer da multa, desde que o condutor baseie sua defesa em argumentos legais (CTB e legislações complementares) ou situacionais que corroborem a ultrapassagem em local proibido. Por exemplo, se este percebeu que o veículo lento à sua frente poderia sofrer uma parada súbita ou se o motorista do mesmo perdeu o controle por algum motivo e a manobra foi necessária para se evitar um acidente.

O recurso deverá ser interposto perante a autoridade que impôs a penalidade, a qual irá remetê-lo à Junta Administrativa de Recursos de Infrações dentro do prazo estipulado, que consta na notificação da multa (dentre as especificações da infração, a identificação do condutor e da penalidade em si). A JARI, por sua vez, deverá julgá-lo em até 30 dias e encaminhar ao condutor sua decisão (deferimento ou não deste).

O recurso é a chance do condutor “contar sua versão da história”, deixar claro ao órgão de trânsito o porquê de ter recorrido a esta manobra em um local em que não era permitida. Pode não parecer, mas ao se pronunciar o motorista estará exercendo seu direito à ampla defesa, assegurado pela Constituição Federal. Então, caso sinta-se injustiçado por qualquer notificação recebida pelo órgão regulador de trânsito, o motorista poderá exercer seu papel como cidadão; fazendo cumprir o que a legislação lhe permite.

Foto: BR 174, em Roraima. Autor: Salles Netto/Wikimedia


Como recorrer de multas por excesso de velocidade


Multa por excesso de velocidade – e agora?

A grande parte dos motoristas já recebeu uma multa por excesso de velocidade. Isso acontece não só por imprudência ou pressa, mas podemos também atrelar este tipo de excesso à constante inovação tecnológica da indústria automobilística. Os automóveis estão cada dia mais seguros (freios ABS, airbags, sensores etc.) e mais velozes, com mais potência. Porém, as estradas do Brasil não acompanham esta evolução, o que frustra os motoristas que acreditam ter total controle sobre seus veículos; até receberem uma multa ou pior, sofrerem um acidente.

Velocidades permitidas

Você já se perguntou como são calculadas as velocidades permitidas nas pistas? Pois bem, os órgãos que regulam o trânsito levam em consideração muitos fatores para este cálculo. A situação das vias, as condições climáticas, o tempo de reação e frenagem em caso de algum objeto na pista ou o risco de envolvimento em um acidente, o tipo da via de circulação e outros. De acordo com o Código Brasileiro de Trânsito, as vias são divididas em urbanas e rurais, em especial pela presença de construções em sua extensão.

As vias urbanas são divididas em quatro subgrupos (art. 61 do CTB), com suas respectivas velocidades padrão. Já as vias rurais, as que registram a maioria das multas por excesso de velocidade, são dividas em dois: 60 km/h, estradas; e rodovias, 110 km/h veículos leves, 90 km/h ônibus e caminhões e 80 km/h demais veículos. Conhecidas as vias, é preciso se atentar às velocidades a elas atreladas, pois, principalmente nas rurais, a fiscalização é mais intensa e os riscos de acidentes também, já que a velocidade máxima permitida é mais alta.

Assim, até que as vias brasileiras tenham estrutura para comportar maiores velocidades, as quais grande parte dos veículos leves já atingem, é preciso respeitar a capacidade da via. Aqueles que não o fazem – por pressa, imprudência ou simplesmente por saberem que o veículo “pode mais” – cometem as infrações de trânsito de excesso de velocidade, que acarretam em multa e retirada de pontos na carteira, dependendo de sua gravidade.

Para entender o excesso de velocidade e suas multas

Existem três subdivisões das multas de excesso de velocidade listadas no CTB, são elas: multa por excesso de velocidade acima de 20%;multa por excesso de velocidade acima de 20% até 50%;multa por excesso de velocidade 50 % acima do limite da via (esta multa pode suspender a carteira). Quanto maior a diferença entre a velocidade permitida na via e a velocidade em que o motorista transita, maior será a penalidade enfrentada por ele e o perigo assumido por ele ao trafegar nesta velocidade.

Vamos à tabela!

Velocidade

Artigo CTB

Infração

Penalidade

Acima de 20%

218

média

Multa de R$ 130,16

Acima 20% até 50%

218 II

grave

Multa de R$ 195,23

Acima de 50%

218 III

gravíssima

Multa R$ 880,41 + suspensão imediata do direito de dirigir + apreensão da habilitação


Recurso às multas por excesso de velocidade

Geralmente, a constatação de excesso de velocidade de um veículo é feita através de um equipamento de medição (radar ou lombada eletrônica) colocado na via para tentar inibir os excessos de alguns condutores e se fazer cumprir a velocidade permitida, por lei, naquela via. Porém, mesmo havendo esta comprovação, ainda é possível se impetrar um recurso a ela, já que nossa Constituição Federal garante o princípio do contraditório.

É através do recurso que o motorista tem a possibilidade de se defender de uma notificação de infração, neste caso, do excesso de velocidade registrado pelo equipamento de trânsito ou pelo agente de fiscalização. O motorista, proprietário do veículo (usualmente fotografado no radar), será notificado via correios com todas as informações pertinentes ao ato gerador da infração (tipo de infração, local, horário, velocidade do veículo, velocidade permitida na via etc.) e haverá um campo para se identificar o condutor naquele momento.

Os recursos devem ser protocolados dentro do prazo estabelecido, normalmente de um mês do recebimento da notificação, e neles deverão ser juntados documentos que contenham argumentos legalmente fundamentados, informações específicas sobre o que ocorreu na situação que gerou a infração

Somado a tudo isso, os recursos devem apresentar as normas que regulam os processos administrativos, em especial as disposições do CTB.

Esse recurso muito bem elaborado (e atenção aos mínimos detalhes) deve ser encaminhado à JARI. Jari é sigla para Junta Administrativa de Recurso de Infração. O prazo para interpor recurso e para pagar a dívida são os mesmos. Se o motorista entrar com recurso, não é obrigado a pagar enquanto o recurso é julgado.

Caso o primeiro recurso não teve sucesso, o motorista pode entrar com um segundo recurso, mas nesse caso é direcionado ao CONTRAN.

Qual é a velocidade tolerada?

A velocidade dos veículos é um fator determinante no tempo de reação e no comportamento do motorista (relacionado a 85% dos acidentes), dos pedestres e, consequentemente, na violência do acidente que pode vir a acontecer. Por isso, também, que as vias possuem limites de velocidade específicos. Os condutores devem, então, conscientizar-se sobre os riscos assumidos aos excederem estes limites e dirigirem em alta velocidade.

Contudo, há uma tolerância quanto à velocidade no trânsito. É em uma das resoluções do CONTRAN, para ser mais específico, na resolução 396/2011, onde se apresenta a relação entre velocidade medida e velocidade considerada.

Para entender melhor, a velocidade medida é aquela que aparece no radar, e, por sua vez, a velocidade considerada é o valor que será utilizado para se aplicar ou não a multa.

Deve-se considerar a margem de erro do equipamento. O erro máximo admissível é de 7%.

Esta resolução, porém, não é uma desculpa ou um aval para se exceder a velocidade. Ainda que não seja possível identificar com clareza todos os fatores que contribuem para um acidente, especialistas em trânsito afirmam que o excesso de velocidade está entre as principais causas de morte no trânsito.

Radar de Trânsito

Foto: Carlos Carvalhal/Wikimedia


Como Declarar Carros no Imposto de Renda (IRPF) 2017


Saiba aqui como declarar carros no Imposto de Renda 2017.

No dia 28 de abril é encerrado o prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda 2017. E elaborar esse documento sem erros é sempre um desafio para os contribuintes em diversos aspectos. Entre eles está a inclusão de bens como carros, que devem obrigatoriamente constar na declaração. Veja a seguir como fazer isso, em casos de posse, compra e venda de automóveis em 2016.

Posse de veículo

A posse de automóvel deve ser incluída na ficha “Bens e Direitos”, com código “21 – veículo automotor terrestre”, da Declaração de Imposto de Renda. Já em “Discriminação”, devem ser colocados dados do carro, como: modelo, placa e ano de fabricação; informações do vendedor: nome, CPF ou CNPJ e forma de pagamento.

Se foi adquirido em 2016, mantenha em branco o campo “Situação em 31/12/2015” e depois insira o valor pago por esse bem no local “Situação em 31/12/2016”. Entretanto, se o carro tiver sido comprado em períodos anteriores, basta apenas repetir o valor em ambos os campos, de acordo com o que foi feito em outras declarações.

Vale lembrar que esse valor deve ser sempre o pago no ato da compra do veículo. Isso só pode ser alterado se foram feitas alterações que elevem o preço do automóvel, como blindagem. Demais gastos não precisam ser informados.

Carros comprados através de financiamento

Se seu carro foi adquirido através de financiamento, ele também deverá ser incluído na Declaração de Imposto de Renda, mas não é necessário incluí-lo na ficha “Dívidas e Ônus Reais”.

Porém, será preciso informar o valor total pago pelas prestações até 31/12/2016. Em “Discriminação”, devem ser colocados dados como: modelo, placa e ano de fabricação; informações do vendedor: nome, CPF ou CNPJ e valor de entrada (se paga em 2016), além do valor total das parcelas e número de parcelas pagas até 31/12/2016.

Já no campo “Situação em 31/12/2015”, será necessário colocar valores pagos até então, incluindo entradas e parcelas, mesmo que seja a primeira vez que esteja sendo feita declaração. Porém, se o financiamento foi iniciado em 2016, essa coluna não deverá ser preenchida.

Se o financiamento foi contratado em 2016, na opção “Situação em 31/12/2016” será preciso adicionar à quantia de 31/12/2015 o valor pago ao longo do ano de 2016.

Automóveis vendidos em 2016

Mas se você vendeu seu veículo em 2016 por menos de R$35 mil deve informar que esse bem já não faz mais parte de seu patrimônio. Para isso, basta manter em branco a opção “Situação em 31/12/2016” e preencher em “Discriminação” a venda, informando CPF ou CNPJ da pessoa que comprou o automóvel. Porém, se a venda for acima do valor citado, era necessário ter acessado o programa GCAP 2016, para recolher o imposto de 15% sobre esse ganho e inserir dados da negociação. Se isso já tiver sido feito, é só importar as informações do GCAP na opção “Ganhos de capital”, para que ocorra de forma automática o recolhimento do imposto. Caso esse procedimento não tenha sido feito, será preciso pagar o imposto agora com juros e multas. Esse valor pode ser calculado por meio do programa Sicalc da Receita Federal.

É sempre importante ficar atento a essas e outras informações da Declaração do Imposto de Renda. Dependendo do caso, é mais seguro contratar os serviços de um contador, para que isso seja feito de maneira adequada.

Camilla Silva


Compra de Peças Automotivas – Dicas e Cuidados


Confira aqui algumas dicas para comprar peças automotivas de qualidade.

O bombardeio de informações da mídia sobre as carnes contaminadas que estavam sendo vendidas como carnes boas para o consumo humano, fez muita gente refletir sobre tudo aquilo elas compram para dentro de casa. Outra questão polêmica é sobre a qualidade do material dos carros que usamos no dia a dia, seja para trabalho ou passeio, bem como suas peças de reposição.

O famoso recall para substituição de peças, ainda na garantia, por parte de algumas montadoras, se tornaram constantes e nem alguns modelos caros de luxo escaparam da convocação. O que mais impressiona as pessoas é que, na maioria das vezes, os recalls são para reparo de alguma peça relacionada a segurança dos passageiros, como airbag, sistema de freios ou cintos de segurança. Sem falar em algumas peças mal feitas que podem provocar incêndios sem não forem trocadas com a máxima urgência.

Em se tratando da compra de peças para o seu carro, a coisa complica ainda mais, pois o mercado paralelo de peças falsificadas que são vendidas como originais não está no gibi e o mais lesado é o consumidor, que em grande parte, não sabe diferenciar uma peça original da falsificada.

Devido a pouca fiscalização por parte do governo, o mercado de peças automotivas de segunda linha vem crescendo assustadoramente e o ideal é sempre levar o mecânico de confiança na hora de comprar uma peça para o carro.

Outra dica importante é sempre exigir a peça original, que pode até ser um pouco mais cara, mas a durabilidade é bem maior do que outra paralela. Geralmente peças pertencentes ao mercado paralelo são bem mais baratas do que as originais que a montadora recomenda o uso e por isso as pessoas optam pela compra das mesmas, mas se esquecem que a durabilidade é bem menor e o risco de danos é grande. As concessionárias até vendem peças originais, mas cobram um preço exorbitante por elas e o consumidor pode optar pelas casas de peças mais conhecidas e de referência no mercado.

Mais um dica bacana é sempre exigir comprovante de garantia da peça, além de comprar peças originais ou de marcas conhecidas no mercado e pelos mecânicos, que podem dizer se a peça é boa ou não.

Em se tratando de carros, nem sempre o mais barato é o mais viável. Atenção e muita calma na hora da compra de alguma peça para seu veículo.

Rodrigo Souza de Jesus


Quando Trocar as Pastilhas de Freio do Carro


Saiba aqui quando é hora de trocar as pastilhas de freio do carro.

Todo brasileiro tem uma paixão incondicional por carros. No entanto, será que todos se preocupam com a verificação periódica dos freios de seus veículos?

Neste artigo vamos abordar um assunto que é muito importante para quem tem um automóvel. Você sabe quando trocar as pastilhas de freio ou identificar os sinais de desgaste?

Quer saber um pouco mais sobre este item tão importante de seu carro? Continue lendo este texto que as informações a seguir vão lhe ajudar a responder esta pergunta.

O principal Item de Segurança do Veículo

A pastilha de freio, junto com os discos de freio, são os itens responsáveis pela diminuição da velocidade do carro.

É considerado um dos itens mais importantes pela segurança do veículo contra possível acidente e de todos os seus ocupantes.

A pastilha de freio exerce uma resistência sobre os discos que faz com que o veículo diminua gradualmente sua velocidade na frenagem até parar o carro.

Manutenção das Pastilhas de Freio

É recomendado por todos os fabricantes de veículos que seja observado periodicamente o sistema de freios.

A falta de manutenção deste sistema pode provocar o desgaste destes itens e comprometer a segurança dos ocupantes do carro.

É muito importante sempre que for efetuada uma revisão em seu veículo olhar as pastilhas de freio.

Devido à pressão que as pastilhas exercem sobre os discos e como não existe um prazo determinado para a troca sempre que revisar a mecânica de seu veículo, peça para que seja verificado este item de segurança.

Indícios de Desgaste das Pastilhas de Freio

O principal ou um dos principais indícios de desgaste das pastilhas de freio é quando você, no ato da frenagem, identificar uma diminuição ou quando perceber que os pedais de freio estão ficando baixos até quase encostar no assoalho do veículo.

Outro indício de desgaste das pastilhas de freio é quando há barulhos estranhos ou quando os mecânicos dizem: “Este barulho é Ferro com Ferro”.

Se ocorrer um destes indícios é recomendado que seja verificado o sistema de freios do seu veículo.

Tipos de Pastilhas de Freios

Os tipos de pastilhas existentes são fabricados com diversos tipos de material. No entanto, cada pastilha é desenvolvida para cada tipo de veículo, umas para veículos de alta performance quando é necessário maior resistência e outras para veículos de baixa performance que é o mais usado atualmente.

Cuidados após trocar as Pastilhas de Freio

Quando for efetuada a troca das pastilhas de freio, recomenda-se que o condutor do veículo tenha mais cuidado ao pisar no freio.

Este cuidado é tomado por que nos primeiros 300 quilômetros após a troca, as pastilhas tem uma resistência mais elástica, dando a sensação de estar pisando em uma almofada.

Esta sensação é natural para pastilhas novas. Por isso não é preciso se apavorar, apenas ter um pouco mais de precaução.

Valores das Pastilhas

Os valores das pastilhas podem variar de acordo com o modelo de cada veículo. Estes valores podem variar entre R$ 50,00 e R$ 80,00.

Considerado valores acessíveis em comparação a sua importância que é a segurança dos ocupantes do veículo.

Marcio Ferraz


Quanto Tempo Esperar para Poder Dirigir após Beber


Confira aqui o tempo estimado para pode dirigir após beber.

Dirigir depois de beber não é apenas uma atitude irresponsável do condutor, é também muito perigosa uma vez que ele não está colocando em risco apenas sua vida, mas também a vida de outros motoristas e transeuntes. De acordo com dados levantados em algumas pesquisas, a cada cinco acidentes de trânsito, um é provocado por quem ingeriu bebida alcoólica.

É interessante observar que a quantidade de bebida não importa. Para se ter ideia apenas uma latinha de cerveja já é capaz de provocar alterações que podem envolver do reflexo a velocidade de resposta dos movimentos do condutor.

De qualquer forma, é bom observar que tanto a absorção quanto a eliminação da bebida alcoólica vai depender de cada pessoa, de como organismo dela consegue metabolizar o álcool. Durante a primeira hora o organismo consegue absorver até 90% do álcool ingerido. Porém, a eliminação total pode demorar até 12 horas para ocorrer.

Entretanto, é interessante considerar que a eliminação vai depender de diversos aspectos. Entre eles: da quantidade de álcool que foi ingerida, do peso da pessoa, do sexo e claro, da capacidade de metabolismo.

No meio disso tudo tem algo curioso: Não é apenas o álcool que pode fazer com que a pessoa seja parada em uma blitz. Diversas outras substâncias podem acabar interferindo nos resultados apontados pelo bafômetro. Entre elas está o enxaguante bucal, já que contém uma boa concentração de álcool.

Mas nesse caso a concentração vai caindo até desaparecer cerca de 15 minutos depois. No caso do vinho e da cerveja ela não cai, pelo contrário, aumenta.

Sem contar os perigos no trânsito o álcool também provoca problemas na saúde especialmente se o tempo estiver quente.

Com as temperaturas altas, o corpo perde mais água devido ao suor, se a pessoa ingerir bebidas a perda de líquido aumenta já que há a eliminação pela urina.

Quem não se cuida repondo o líquido corporal pode acabar desidratado.

Outros problemas ocasionados pelo álcool é o agravamento ou a provocação de determinadas doenças como anemia, impotência, gastrite e cirrose.

Com isso, deixe para pegar no volante depois de ter dado tempo para metabolizar o álcool e se hidrate enquanto bebe. Pode ajudar não apenas na eliminação, mas também diminuir os efeitos da terrível ressaca.

Por Denisson Soares


Banco de Couro – Como Remover Manchas de Protetor Solar


Saiba aqui como limpar e remover manchar de protetor solar nos bancos de couro.

O protetor solar é extremamente necessário para manter a saúde da pele, principalmente no verão. As crianças devem sempre estar bem protegidas do sol utilizando o protetor solar. O problema é que, apesar de extremamente necessário, o protetor costuma ser oleoso e deixar manchas em tecidos e objetos que são difíceis de tirar. No couro, a situação se mostra mais crítica ainda, visto que se trata de um material que exige cuidados.

E se o protetor solar abrir e vazar dentro da bolsa de couro? Ou uma criança acabar sentando no banco do carro ou no sofá e manchando o couro? Veja aqui como remover mancha de protetor solar do couro com produtos simples, que podem ser encontrados em casa com facilidade.

Para realizar a limpeza, será necessário: pasta de dente, bicarbonato de sódio, papel-toalha e condicionador de couro. O primeiro passo consiste em colocar o papel-toalha no local que foi manchado com o protetor solar, procurando assim absorver a maior parte possível do produto.

Após utilizar o papel-toalha para absorver as camadas mais superficiais do protetor, polvilhe o bicarbonato de sódio no local. O bicarbonato de sódio possui propriedades absorventes, garantindo dessa forma que a maior parte do protetor solar, que as tolhas de papel não foram capazes se absorver, seja absorvido por ele.

Após polvilhar o bicarbonato de sódio no local, deixe agir por cerca de vinte minutos. Dado esse tempo, limpe o couro com um papel-toalha levemente umedecido.

Feitas essas etapas, se a mancha ainda persistir, passe uma camada grossa de pasta de dente na área afetada. Deixe a pasta de dente agindo por cerca de cinco minutos e, após este tempo, esfregue-a na mancha.

Após esfregar, limpe o local com um papel-toalha levemente umedecido. Verifique se a mancha sumiu. Se ela ainda persistir, repita os passos com a pasta de dente, passando uma camada espessa, deixando agir por cinco minutos e esfregando-a. Repita esta etapa quantas vezes for necessário para que a mancha suma.

Quando não for mais possível enxergar a mancha, passe o condicionador de couro no local para restaurar o aspecto mais brilhoso e úmido da superfície do couro.

Isabela Palazzo


Cheiro de Carro Novo pode fazer Mal à Saúde


Famoso \”cheiro de carro novo\” possui vapores de substâncias tóxicas que podem fazer mal à saúde.

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego lançou o alerta a respeito dos riscos corridos por quem se expõe ao odor que possuem automóveis novos.

O cheiro possui vapores de substâncias altamente tóxicas, que podem trazer malefícios, indo de pequenos desconfortos até o desencadeamento de doenças graves. O cheiro se trata do resultado obtido quando os produtos utilizados na feitura do carro, tais como plástico, tinta, vinil, verniz, lubrificante, impermeabilizante, cola, tecido, entre outros, são expostos aos raios solares. Esses produtos, quando expostos ao calor, liberam vapores que são justamente os vapores que fazem o tal “cheiro de carro novo” existir.

Esses vapores tem em sua composição de substâncias altamente nocivas como acetona, benzeno, xileno, estireno, entre outros tóxicos. Essas substâncias, por sua vez, causam irritações de toda ordem, como nas vias respiratórias, mucosa, olhos e pele, por exemplo. Entre os perigos do contato com essas substâncias está inclusive o de desenvolver câncer.

Essas substâncias podem causar cefaléia, náusea, tontura, mal-estar, alergias, queixas respiratórias e edema.

O que cada uma dessas substâncias causa?

A acetona irrita as mucosas, causa redução na frequência cardíaca, surte efeito sobre o sistema nervoso central, além de causar broncoespasmos e diminuir o calor corporal.

O benzeno, por sua vez, é carcinogênico e também tem atuação no sistema nervoso central, desregulando a produção de glóbulos brancos, causa modificações na imunidade, altera os hormônios e atrapalha o desenvolvimento fetal.

Enquanto isso, o estireno, xileno e tolueno deprimem o sistema nervoso central e periférico, acarretando na alteração da coordenação motora, diminuindo a memória e reduzindo a concentração. Além disso, essas substâncias são tóxicas e também atrapalham o desenvolvimento fetal.

Como se prevenir

Medidas simples podem ser tomadas a fim de minimizar os malefícios das substâncias:

  • Ventilar o carro antes de entrar nele;
  • Evitar estacionar o carro no sol;
  • Evitar o sol no painel, usando proteção de para-brisa;
  • Não usar ar frio ou quente com as janelas fechadas.

É importante ficar atento ao realizar transportes de pessoas mais suscetíveis, como gestantes, idosos e crianças, além dos alérgicos e portadores de doenças respiratórias.

O mais importante é manter o carro sempre ventilado, portanto: janelas abertas. Ademais, o cheiro deve se despotencializar e dissipar depois de aproximadamente seis meses de uso do carro.

Carolina De Marco Brandenbergher


Google Maps permite pedir corrida do Uber


Mesmo sem o aplicativo instalado, é possível pedir uma corrida do Uber pelo Google Maps.

A ferramenta que já existia nos Estados Unidos chegou ao Brasil e pode ser utilizada por qualquer cliente Uber. Ao entrar nos mapas da Google e colocar um ponto de partida e destino, entre as opções de transportes disponíveis, aparecerá o Uber com o preço da viagem, o tempo que o motorista demorará para chegar até o usuário e o botão para solicitar um carro UberX ou UberBlack (uma versão com carros mais novos e sofisticados). Ao confirmar a solicitação, uma janela abrirá com as opções de acessar uma conta já existente ou criar uma naquele momento. A partir daí o processo é o mesmo de um pedido normal pelo aplicativo, é necessária a escolha da forma de pagamento e o motorista já recebe todo o trajeto diretamente no celular dele.

A Uber é uma empresa de transporte que chegou recentemente trazendo inovação, conforto e preços baixos. Qualquer pessoa pode solicitar um Uber desde que tenha um aparelho conectado à internet e uma conta no site da empresa. Diferentemente do táxi, não é possível ligar para uma central e pedir um carro.

Com promoções de divulgação que ofereciam viagens grátis aos clientes, a empresa cresceu rapidamente no mercado chamando atenção da mídia e da população, que em grande maioria gostou do serviço e apoiou seu crescimento. Desde sua chegada ao Brasil em maio de 2014, na cidade do Rio de Janeiro, a empresa já empregou milhares de pessoas e é uma ótima opção para aqueles que estão desempregados e possuem um carro na garagem.

Devido à grande concorrência com taxistas, a Uber enfrentou diversos processos para que seus serviços fossem finalizados em algumas cidades, mas ainda está em funcionamento, deixando claro que veio para ficar.

Os preços das corridas no Uber se mostraram incrivelmente baixos quando comprados com os táxis, e um serviço muito superior. A empresa apresenta um sistema de transporte bastante seguro, com um modo de pagamento no qual pode-se vincular o cartão de crédito tirando a necessidade do uso do dinheiro e apresentação do motorista por meio de fotos, juntamente com a placa e o modelo do carro, possibilitando rastreamento caso algo ocorra. Também se destaca pelo conforto, com carros sempre equipados com ar condicionado, rádio, no qual o cliente tem a liberdade de escolher as músicas, e, na maioria dos carros, água gelada e balas.

Acessando o site http://uber.com/pt é possível criar uma conta para se tornar usuário ou um motorista da empresa, caso tenha um carro e um perfil que se encaixe nos requisitos necessários.

Por Rodrigo Souza de Jesus

Uber pelo Google Maps


Dicas para Comprar Carro Mais Barato em Leilão


Confira aqui seis dicas para economizar e comprar carro mais barato em leilão.

Comprar um carro semi-novo em leilão até 30% mais barato do que da forma convencional, pode ser um excelente negócio do ponto de vista financeiro. A oferta vem crescendo e muito nos últimos seis meses, principalmente devido à crise financeira que assola o Brasil, o que faz muitos consumidores que não conseguem pagar as parcelas, perderem o carro.

Segundo a Agência Nacional da Empresas Financeiras da Montadoras (ANEF), esse tipo de inadimplência foi de 4% para 4,7% nos últimos seis meses, o que fez aumentar o interesse de vários empresários do ramo de revenda de automóveis. Mas esse tipo de compra não permite deslizes por parte do comprador e todo detalhe deve ser observado com muita atenção, já que comprar carro de leilão nem sempre é garantia de um bom negócio, já que algumas seguradoras não fazem cobertura para esse tipo de veículo, o que pode salgar o negócio.

O primeiro detalhe a ser observado é a procedência do leilão, se esse é regulamentado e registrado em edital público. Leilões clandestinos não dão nenhuma garantia e as chances de se fazer uma mal negócio são grandes.

Outra dica de extrema importância é ter uma idéia do preço do carro que está sendo leiloado, nas revendas de automóveis. É sempre bom pesquisar qual o preço que as lojas de carros cobram por um similar do mesmo ano e modelo para não se correr o risco do tiro sair pela culatra. O ideal é pesquisar em sites de revenda de carros para se ter uma noção do preço cobrado pelo leilão. Todo cuidado é pouco na hora de dar um lance e acabar pagando caro demais pelo carro que, dependendo do modelo, será díficil a revenda.

Avaliar com cuidado a condição do carro leiloado é crucial, pois em um leilão existem carros em boas e em péssimas condições, já que alguns foram batidos ou roubados e recuperados.

Deve-se levar em conta o dinheiro que a pessoa vai gastar após arrematar o veículo, o que nem sempre é garantia de lucro. Prepare o bolso, pois o pagamento nessa situação é sempre à vista e o auxílio de um mecânico ou alguém mais experiente é sempre bem vindo.

Conheça todos os custos de leilão, pois geralmente paga-se a comissão de 5% para o leiloeiro, também à vista.

Rodrigo Souza de Jesus


Como Preservar o Acabamento do Carro


Confira aqui algumas dicas do que fazer para preservar o acabamento de seu carro.

Quando o assunto é carro, o brasileiro não perde tempo em prestar atenção nas novidades. Inclusive quando citamos alguns cuidados para preservar a beleza do veículo.

E neste post iremos abordar um assunto que pode interessar os apaixonados por automotivos. Aprender a preservar o acabamento do seu carro é muito importante, principalmente quando precisamos vendê-lo.

Atualmente os revestimentos dos carros que são fabricados possuem grande parte coberta por plásticos e os locais mais usados são os painéis e portas. E são nestas áreas que são danificadas pelo tempo.

Estes locais, neste caso, são prejudicadas pela exposição excessiva ao Sol. Confira algumas dicas a seguir de como cuidar destes locais que se desgastam muito fácil

Manter a Limpeza é Essencial

O acumulo de poeira é um veneno para quem tem algum problema respiratório e também ácaros. Por isso use flanelas macias para a limpeza desses locais.

Após fazer a limpeza é importante usar algum tipo de produto específico para plásticos e fibras, com um pano umedecido e uma solução bem diluída em água. Esses produtos devem ser sem querosene, pois o cheiro forte pode até causar intoxicações.

Recupere o Brilho Hidratando

Existem diversos produtos que tratam de plásticos, couros, fibras, entre outros. O uso adequado fará com os materiais dos revestimentos recuperem o brilho e se mantenham hidratados. O resultado será um aspecto de boa conservação.

Protetor de Raios UV

Não são apenas as pessoas que usam protetor solar. Os veículos também possuem protetores contra os raios ultravioletas. Quando for comprar algum produto para passar em seu veículo, busque por aqueles que têm na composição proteção UV.

Saiba que o Sol é o responsável por esbranquiçar as peças originalmente com cores ou escurecê-las.

De Quanto em Quanto Tempo?

Essa é uma pergunta muito importante. É sugerido que se faça a limpeza das peças do revestimento toda semana. No entanto, a hidratação pode ser mensal, ou seja, uma vez por mês.

Agora a parte externa do veículo, no caso, borrachões, plástico, para-choques e algumas molduras são indicados que seja feita semanalmente. Este cuidado é devido a grande exposição.

Cuidado com o Silicone!

Apesar de oferecer um visual brilhante é apontado com um dos maiores vilões dos veículos. O silicone é maravilhoso! Aos olhos de quem vê. Porém, ele acaba ressecando as partes que forem utilizadas e, além disso, deixa totalmente oleosa, facilitando o acumulo da poeira.

Se você gosta realmente do seu veículo e quer manter preservado, siga estas dicas que você e seu carro não vão se arrepender. Fica a dica!

Marcio Ferraz


Vazamento de óleo da caixa de marchas – possíveis razões


Vazamento de óleo da caixa de marchas é um problema grave. Aprenda.

O vazamento de óleo da caixa de câmbio pode ser um problema bastante incômodo para o motorista, e trazer muitas complicações ao veículo se não solucionado a tempo. O óleo da caixa de marchas é fundamental para que o conjunto do carro funcione corretamente, e é sempre bom prestar atenção ao nível do óleo, para solucionar qualquer inconveniente o mais rápido possível. Se seu carro, no entanto, já apresenta vazamento de óleo pelo respiro da caixa de câmbio, saiba quais são as possíveis razões destes vazamentos e como resolvê-lo.

O problema de vazamento de óleo pela caixa de câmbio é bastante comum em carros da General Motors mais antigos, como Corsa e Celta, e o vazamento costuma ocorrer pelo respiro da caixa de marchas. Não há uma razão específica para este vazamento, mas ele costuma ocorrer nestes modelos; para quem é proprietário de um Corsa ou Celta, ou outro carro da General Motors com câmbio manual, é importante verificar periodicamente o nível do óleo da caixa.

Caixa de câmbio de um Celta. Imagem de Dr. Macete

Se o óleo não for verificado a tempo, a caixa de câmbio poderá ter de ser substituída em uma oficina especializada, e gerar gastos inesperados ao proprietário do veículo. Para evitar este tipo de problema, o ideal é verificar o nível do óleo da caixa de câmbio a cada 10 mil quilômetros.

A primeira possível razão, que deve ser descartada, é simples acúmulo de sujeira no respiro da caixa. Qualquer elemento que aumente a pressão do sistema pode gerar um vazamento, e sua solução pode ser bastante simples. Neste caso, o vazamento tende a ser pelo próprio respiro.

Outra possível razão para o vazamento de óleo pela caixa de marchas é algum defeito no atuador do carro, que pode ser resolvido em uma mecânica especializada. Neste caso, dependendo do nível do vazamento, o carro poderá ter problemas sérios na embreagem, por exemplo, e causar ainda mais transtornos ao motorista.

Uma colisão em qualquer veículo também pode resultar em vazamento de óleo pela caixa de câmbio. Para verificar qual é o problema, no entanto, a melhor opção é visitar um mecânico especializado de sua confiança. Muitas vezes é necessário desmontar a caixa de câmbio para encontrar o problema e solucionar o vazamento.

Prevenção

Para evitar gastos desnecessários e problemas com seu carro, o ideal é prevenir o vazamento excessivo do óleo da caixa de marchas revisando o nível do óleo periodicamente, efetivando uma manutenção preventiva para que o câmbio ou peças do câmbio não se desgastem desnecessariamente e quebrem.

O prazo de troca do óleo também deve ser respeitado, e costuma variar de veículo para veículo. Em média, a troca deve ocorrer a cada 50 mil quilômetros rodados ou três anos, evitando assim que o óleo perca sua viscosidade e, consequentemente, sua eficiência. Em caixas automáticas, a troca de óleo pode ser feita a cada 100 mil km.

Lembre: não se deve colocar mais óleo que o indicado, para que o excesso não aumente a pressão no sistema e gere vazamentos.

Vídeos

Vídeo do Dr. Macete, manutenção em um Celta:

Vazamento de óleo de caixa de marchas automática em um carro com mecânica VW (no caso, um Audi A3):

Vazamento de óleo em uma Ecosport 4×4. Vídeo de Clinicar Pisquila:


Vazamento de óleo pelo respiro do motor – possíveis causas


Vazamento de óleo pelo respiro no motor nem sempre é um problema complexo. Veja algumas possíveis soluções simples.

Vazamento de óleo pelo respiro não é, normalmente, um problema tão urgente, mas requer atenção. Isso porque o respiro serve justamente para aliviar a pressão dentro do cárter e não é de se esperar que o carro perca muito óleo dessa maneira.

É senso comum que, quando isso acontece, o motor exige retífica. Mas há outras causas mais simples, ocasionados por erros cometidos pelo proprietário, frentista do posto ou mecânico, que podem causar o vazamento e que são de fácil solução. É recomendável que você verifique tais problemas (ou peça para um mecânico de confiança fazê-lo) antes de partir para uma solução mais cara, como troca da junta do cabeçote ou retífica.

Como funciona o respiro do motor

Funciona assim: o óleo esquenta e, por isso, se expande. Uma parte dele evapora e vai para o respiro, uma peça que recebe o vapor do óleo em alta pressão e o esfria, condensando-o e devolvendo ao sistema de lubrificação. Ou seja: os gases não devem escapar para a atmosfera nem vazar.

Imagem de Milan Dark

Possíveis causas fáceis de resolver

Respiro sujo

Uma primeira causa que deve ser analisada é sujeito presente no respiro ou no cárter. Essa sujeira pode entupir o respiro, atrapalhando a volta do óleo condensado ao cárter ou impedindo o alívio da pressão.

Pode acontecer pela formação de borra, que pode ser causada pelo uso de óleo incorreto ou algum outro problema no motor. Convém retirar a peça para uma limpeza, verificar seu estado e verificar se apenas a limpeza é suficiente para “curar” o motor.

Excesso de óleo

Nos carros, não é recomendado colocar óleo a mais do que o adequado no motor. Quando isso acontece, a pressão do óleo aumenta significativamente, intensificada pelas movimentações do pistão. Na hora de girar, o virabrequim (também chamado de cambota ou veio de manivelas) fica sem ter outro lugar para mandar o óleo a mais, e acaba expulsando-o, em excesso, pelo respiro.

Na verdade, o motor tolera melhor meio litro de óleo a menos do que a mais, pois a resistência da movimentação do virabrequim é reduzida. Quando o virabrequim gira dentro do cárter e não se choca com o excesso de óleo, o motor tende a ficar mais leve, garantindo até melhor desempenho e menor consumo.

De qualquer forma, quando trocar o óleo de seu carro, coloque sempre o tipo especificado pelo seu fabricante, na quantidade recomendada. Nem a mais, nem a menos.

Problemas mais graves

Se nenhum dos problemas acima se aplica, pode ser que exista um anel quebrado em algum dos cilindros ou qualquer outro problema na parte de baixo do motor. É bom retirar e verificar todas as velas. Se alguma delas tiver vestígios de óleo ou estiver escura, não é um bom sinal.

Geralmente, os anéis dos pistões são responsáveis por vedar o óleo, e quando ocorre vazamento sempre há um perigo. Os retentores e raspadores, quando são danificados e saem do lugar, formam uma pequena explosão, que empurra o óleo com força considerável. Isso é muito ruim, pois se a correia dentada for alcançada, esta pode patinar e ter vários dentes arrancados. Os pistões acabam se batendo contra as válvulas acarretando num prejuízo grande.

Nesse caso, o carro para de funcionar na hora. E é necessário realizar uma troca do tubo cilíndrico (camisa) e de pistão, além de retificação do cilindro, um prejuízo de alguns milhares de reais.

Em vídeo

Assista a dois vídeos que tratam do vazamento de óleo pelo respiro do motor:


Dicas para comprar um Carro Usado


Saiba o que analisar na hora de comprar um carro usado.

Uma opção mais barata para ter um carro é comprar um usado. Mas como adquirir um bom carro, com um preço melhor ainda? Pesquisando, pechinchando e analisando os detalhes.

A tabela FIPE costuma ser uma ótima opção para pesquisa e desconfie logo de início quando o preço anunciado estiver muito abaixo da tabela, cerca de 5%. "Quando a esmola é de mais o santo desconfia". Pode ser difícil, mas o pagamento total do veículo e à vista pode ser uma vantagem econômica na hora da compra.

Comprar o mesmo carro em agências ou de donos particulares também tem um fator relevante na hora da negociação. Uma pessoa particular pode vender o mesmo carro por um preço abaixo de um anunciado numa agência. O Código de Defesa do Consumidor obriga, somente, uma pessoa jurídica a dar 3 meses de garantia no produto adquirido e essas lojas tem aluguel para pagar, funcionários e encargos. Uma pessoa física não tem nada disso e o preço, por isso, pode ser mais em conta.

Finalizando a parte de valores, não deixe de pesquisar na internet ou até em outras cidades. Os preços variam muito de uma região para a outra e cada centavo economizado faz a diferença.

No caso de comprar um carro de uma pessoa física (particular), escolha um lugar, durante o dia, com muito movimento de pessoas e sempre vá com alguém, nunca sozinho. Além de testemunhar a negociação, esta pessoa pode ser um mecânico e irá analisar melhor as condições do veículo antes da confirmação de compra e venda.

Motor e câmbio são coisas fundamentais na hora da compra, faça um teste com o carro. Dando uma volta em alguns quarteirões podem mostrar o desempenho e estabilidade do carro, além de barulhinhos escondidos que só se repara quando está andando.

Analisando a parte externa do carro, como lataria e pneus, podemos notar defeitos que num futuro próximo será necessário arrumar. Para isso, uma caidinha no valor final do veículo pode acontecer.

Na parte interna podemos detectar a verdadeira idade do veículo. Um carro com uma quilometragem baixa não terá muito desgaste nos pedais e bancos. Uma preocupação quanto a isso, é com aquele carro que colocou, por exemplo, ar-condicionado em uma loja. Itens de série costumam ter garantias e ter uma assistência técnica mais barata e fácil de achar.

Uma outra coisa interessante é verificar o estado interno do porta-malas e capô. Ferrugem de baixo dos tapetes podem indicar infiltrações e algumas vezes, os parafusos de cores diferentes do para-choque ou aqueles que ligam a carroceria ao monobloco podem indicar uma troca provocada por batida, dianteira ou traseira.

E no que diz respeito ao documento, faça uma pesquisa antes de fechar o negócio. Verifique a situação do mesmo em algum lugar especializado nisso, como um despachante por exemplo. A numeração do chassis é algo crucial para isso.

Como dica final fica a seguinte, quem está vendendo quer ter um lucro maior e quem está comprando quer economizar!

Por Fernando Dias

Comprar carro


Quem tem direito ao Seguro DPVAT


Saiba quem tem direito a receber o seguro DPVAT e suas características.

Você se envolveu em algum acidente de trânsito com vítima morta, inválida ou com gastos médicos e hospitalares decorrentes do sinistro? Você tem direito a receber o seguro DPVAT.

O seguro por Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ‑ DPVAT é devido a qualquer vítima de acidente, seja ela, condutor, passageiro, ou vítima envolvida no acidente mesmo que não esteja no interior do veículo. A carga do veículo, mais comum em caminhões, caso vitime alguma pessoa em acidente, também gera direito a vítima de requerer o seguro.

O seguro DPVAT é devido independente de saber quem é o culpado do acidente ou não, daí a importância de se pagar o seguro, que além de ser requisito obrigatório para o licenciamento anual do veículo, ampara as vítimas envolvidas no sinistro.

Os veículos que por qualquer motivo são isentos de IPVA, obrigatoriamente devem pagar o DPVAT tendo em vista que seu objetivo é dar um suporte as vítimas de acidentes, seu valor é estipulado de acordo com a categoria do veículo.

O seguro possui três tipos de cobertura para os envolvidos no acidente, são elas:

– Vítima morta em decorrência do acidente: R$ 13.500,00 por vítima.

– Vítima acometida de invalidez total ou parcial de acordo com a gravidade das sequelas: até R$ 13.500,00 por vítima.

– Vítima que teve gastos médicos e hospitalares comprovados em decorrência do acidente: até R$ 2.700,00 por vítima.

O seguro pode ser requerido pela vítima envolvida no acidente ou beneficiário, no caso de vítima fatal, até três anos após a data do sinistro. Para a vítima que for acometida de invalidez total ou parcial, este prazo de três anos começa a contar da data em que tomou ciência, sem sombra de dúvidas, da invalidez, formalizada pelo laudo médico emitido.

A indenização não é acumulativa, no caso de invalidez já indenizada que a vítima venha a falecer, a seguradora paga somente a diferença até completar o valor devido para a cobertura por morte. Caso tenha sido paga indenização por despesas médicas e hospitalares, este valor não poderá ser abatido, caso seja necessário pagar a indenização por invalidez ou morte da vítima.

Por Adriano Malaquias

Seguro DPVAT


Importância de trocar o óleo do carro no momento certo


Para evitar manutenções desnecessárias e mais gastos, é importante trocar o óleo do carro no tempo determinado para evitar despesas futuras.

Ter um veículo é o desejo e a realidade de muitas famílias brasileiras, que têm incluído o carro como item essencial para o dia a dia ou para os finais de semana. Este item, porém, traz despesas extras ao longo do tempo, principalmente quando a manutenção do veículo não é realizada corretamente e no tempo certo, como a troca de óleo. Para evitar manutenções desnecessárias e mais gastos, saiba agora o porquê que  trocar o óleo do carro no tempo determinado pode evitar despesas futuras.

Óleo do Motor:

O óleo do carro é essencial para lubrificar, limpar e refrigerar o motor, e tem seu desempenho prejudicado quando não é trocado no prazo correto. Para o motor, existem hoje no mercado três tipos distintos de óleo: sintético, semi-sintético e mineral. O óleo sintético é produzido por reações químicas, e é considerado o óleo mais puro; já o óleo mineral é adquirido através de diversos componentes extraídos do óleo e, o semi-sintético, é conhecido por ser feito a partir de uma mistura dos dois outros óleos. Por isso, a primeira dica em relação ao óleo do motor é evitar misturar óleos diferentes no seu carro, escolhendo aquele que melhor se adapta ao seu veículo e ao seu bolso. A ajuda de um mecânico pode ser útil na hora de escolher o óleo ideal.

Manutenção do Óleo:

Verificar a quantidade de óleo no motor regularmente evita problemas e gastos desnecessários no futuro. O ideal é identificar o nível do lubrificante no motor uma vez ao mês e, caso seja um carro muito antigo, é indicado verificar este nível duas vezes por mês e completar com o mesmo tipo de óleo sempre que o nível estiver baixo.

É indicado também trocar o filtro de óleo quando for feita a troca total do óleo do motor, pois o filtro armazena sujeira e pode não ser boa ideia mantê-lo sujo com óleo novo e limpo. A validade de cada óleo dentro do motor de acordo com o fabricante e o tipo de óleo: muitos devem ser trocados após 5 mil km rodados, e outros após 10 km rodados. Para quem não rodar esta quilometragem em pouco tempo, a recomendação é trocar a cada seis meses, evitando que os componentes químicos do óleo percam a eficiência e, consequentemente, danificando partes do motor do carro, em casos extremos.

Óleo da caixa de câmbio:

Para a caixa de câmbio de carros automáticos, a indicação de especialistas é sempre trocar o óleo a cada 40 ou 60 mil km rodados, ou de acordo com as orientações das montadoras. Carros com caixa de câmbio manual não precisam efetivar a troca de óleo.

Por André Barbirato

Troca de óleo


Dirigir com Vidro Aberto ou Ar Ligado – O Que é Mais Econômico?


Saiba aqui o que é mais econômico, dirigir com o vidro aberto ou com o ar ligado.

Economizar nos dias de hoje é fundamental e não é diferente no caso do combustível. Além da diferença de preços de um posto para o outro, tem aquela desconfiança quanto a qualidade do produto. A diferença de estar rodando em estrada ou dentro da cidade faz o consumo de combustível variar e com um combustível adulterado, a variação é ainda maior.

Para cada carro existente, uma nova aerodinâmica é criada. Os carros mais baixos, onde o coeficiente de atrito (Cx) é menor, consomem mais combustível com os vidros abertos. No caso dos carros mais altos, o consumo excessivo por estar com os vidros abertos é um pouco menor.

Em uma rápida comparação entre um sedã (baixo Cx) e um SUV (alto Cx), levando em consideração dos dois veículos estarem a 100 km/h e com os vidros abertos, o consumo será de 8% a mais no caso do SUV e cerca de 20% do sedã.

É recomendado que acima dos 70 km/h os vidros sejam fechados, caso contrário o desenvolvimento na aerodinâmica não servirá de nada. Isso acontece porque com os vidros abertos, o vento entra pela lateral, onde o atrito aumenta e o consumo também. Ficando com os vidros fechados e o ar ligado, a aerodinâmica faz o trabalho dela e o conforto interno é garantido com a temperatura desejada.

Alguns mitos foram criados quanto ao uso do ar-condicionado e o consumo de combustível pela metade é um deles, mas estudos apontam que de 10% a 20% é o aumento real deste consumo. O gás ou o óleo do aparelho não gasta ou fica velho com o uso, somente em caso de manutenção estes dois itens são completados ou trocados.

A verdade é que uma vez por semana, o ar-condicionado deve ser ligado por aproximadamente 10 minutos, onde este procedimento lubrifica o sistema e evita o ressecamento. É recomendado para quem não usa muito o aparelho.

Outra verdade é que, quando o carro fica parado e todo fechado de baixo do sol forte, a temperatura interna fica escaldante. Se recomenda abrir os vidros, trocando o ar aquecido por um da temperatura ambiente. Logo depois fechar os vidros e, ai sim, ligar o ar-condicionado. O tempo de troca da temperatura é menor quando utilizamos este procedimento.

Mais um ótima dica, que elimina a umidade da tubulação e a proliferação de fungos, é desligar o ar-condicionado e deixar somente a ventilação ligada por alguns minutos.

Por: Fernando Dias


Carro Automático gasta Mais Combustível?


Confira aqui as vantagens e desvantagens do Carro Automático.

Carro automático gasta mais combustível do que manual?

Para desvendar o mistério se o carro automático consome mais combustível do que o manual, primeiramente é preciso conhecer como é o funcionamento de cada um deles.

Automóvel Automático x Manual:

No automático, parte da energia do motor é perdida, já que a ligação é realizada através do conversor de torque, que leva a rotação do motor para a caixa de engrenagens. O automático possui um grupo de engrenagens planetárias e gira em uma rotação maior, por isso tende a usar mais de 15% de combustível em relação a outros carros. Se o motorista utilizar a função “sport”, a rotação aumentará e, com isso, o gasto também.

Já no câmbio manual essa ligação é direta e se trocarmos as marchas em rotação baixa, o automóvel não gastará tanto.

Esses são os motivo de muitas pessoas dizerem que o automóvel automático gasta mais combustível do que o manual.

Reduzindo custos:

Mas é preciso também saber que as tecnologias de hoje em dia, em relação às mudanças de marcha, diminuíram o gasto. Outra boa dica é evitar picos depois do 3 mil rpm, arrancadas ou acelerações muito bruscas.

Pensando ainda na economia de combustível, vale saber que diminuindo o uso do ar condicionado, também cairá o gasto com o álcool ou gasolina. Não colocar muitos objetos pesados dentro do carro, também contribui para essa redução. Ser prudente ao volante também fará muita diferença na conta do posto de gasolina ao final do mês.

Vantagens e Desvantagens:

É fato que a manutenção dos carros que possuem câmbio manual é mais barata, mas, em contrapartida, conta com um número maior de ida ao mecânico para o conserto, além de exigir mais fisicamente do motorista. Já os que contam com câmbio automático, trazem muito mais conforto, mas dão alto custo de manutenção.

A escolha do tipo do veículo deve ser alinhado com a necessidade de cada motorista. A dica é analisar bem antes de realizar a compra.

Gostou do nosso artigo? Esperamos que agora você saiba mais sobre o mito ou verdade do carro automático gastar mais combustível do que o manual. Comente e compartilhe conosco as suas experiências.

Kika Akita


Calibragem dos Pneus – Qual a Importância e Principais Riscos


Confira aqui os principais riscos de se dirigir com o pneu descalibrado.

O fato de deixar de lado a calibração dos pneus do carro dentro do período correto pode trazer diversos problemas para o veículo. Por exemplo, um pneu que não é calibrado com periodicidade pode ter sua vida útil reduzida em quase que pela metade. Outro ponto é que pode ocasionar um aumento de cerca de 4% no consumo de combustível e isso de acordo com dados divulgados pela Continental.

Vamos analisar melhor essa situação usando como exemplo o Chevrolet Onix, que como bem sabemos foi o carro mais vendido no país no ano passado. Os pneus sem a calibração correta poderão fazer com que o dono do carro gaste R$ 10 a mais todos os meses e isso considerando o consumo médio do Onix com câmbio automático e sendo um motor 1.4 movido a etanol.

Mas a coisa toda não fica apenas nisso. Há riscos que ultrapassam os bolsos dos condutores de veículos. De acordo com Rafael Astolfi, atual gerente de assistência técnica da Continental, a calibragem incorreta é um perigo para o próprio carro e como consequência para quem estiver dentro dele.

Astolfi destaca que seria ideal mesmo é que os pneus fossem enchidos toda semana e, claro, respeitando a pressão que a montadora indica. Além disso, é bom procurar fazer a calibragem com os pneus ainda frios… procurar um posto perto de casa ajuda nisso.

Abaixo destacamos alguns riscos que uma calibragem incorreta dos pneus poderá causar ao carro e aos seus ocupantes. Confira:

– Desempenho pior na frenagem do veículo

O gerente da Continental destaca que a lateral do pneu é a parte que fica responsável por carregar a maioria da parte da carga do carro. Se caso houver excesso na calibragem a lateral pode ocasionalmente levantar demais e com isso o contato com o solo irá diminuir.

Junte-se a isso o fato do carro precisar de um maior espaço para a frenagem, já que os chamados ombros dos pneus, ou seja, suas laterais, não possuem um bom contato com o solo.

– Danos causados por impacto

Se a pressão estiver baixa nos pneus, os mesmos acabarão ficando mais vulneráveis a sofrerem danos em suas laterais causados por impacto. Um choque com o meio fio ou uma simples queda em um buraco já pode ser motivo para causar o dano.

– Pneu fora da roda

Isso é uma exceção de acordo com Astolfi, mas pode acontecer. É o que se chama detalonamento. Para ocorrer é preciso que existam certas variáveis de fatores. Por exemplo, além da pressão baixa, o veículo pode estar muito pesado e ter pela frente uma curva fechada.

Esses são apenas alguns simples exemplos que ilustram que passar periodicamente no posto para calibrar os pneus fará mais do que bem para o carro e para o condutor.

Por Denisson Soares


Ar-condicionado do carro eleva muito o consumo de combustível?


Muitos motoristas acham que o seu veículo vai gastar muito mais quando acionam o item. Há também dúvidas sobre coisas como a velocidade ligada do ar no máximo, consumirá mais que quando no mínimo.

 Os motoristas entendem, em grande parte deles, que o uso do ar-condicionado faz o consumo de combustível aumentar em seu veículo. Porém, há uma dúvida se esse consumo elevado acontece mesmo e a sua proporção em caso de você utilizar o ar na velocidade mínima ou máxima.

O mecânico Gabriel Colaço aponta que não há uma diferença muito grande em termos de consumo ou mesmo de potência quando se mexe na temperatura ou na velocidade do ventilador do carro.

Ela aponta que, quando se eleva a temperatura, isso vai alterar a proporção da mistura do ar quente, que segue para a cabine do veículo depois que entra em contato com o motor a combustão, com o ar frio, o qual vai ser refrigerado pelo ar-condicionado.

Em ambas as situações o compressor, que vai ocasionar um aumento pequeno de consumo do combustível, vai continuar com seu funcionamento e exigirá a mesma carga de força que é produzida pelo motor do carro.

Isso também se adere para os sistemas de controles alterados manualmente e para os digitais em multizona. Para os digitais, certos modelos podem fazer com que o compressor fique desacoplado por tempo determinado quando a temperatura ideal consiga ser alcançada. Gabriel dá conta que o consumo vai ser minimamente elevado com o ar-condicionado ligado, mas caso o motorista queira uma economia total, ele terá que desligar o sistema, não importando a sua velocidade.

O mecânico também comentou sobre o momento que se desliga o ar-condicionado durante uma ultrapassagem, onde ocorre um ganho de potência imediato. Isso acontece, segundo Gabriel, pois quando se desliga o sistema de ar-condicionado, não será necessário que o motor a combustão acione a correia que faz com que o compressor trabalhe.

Colaço dá conta que o carro poderá ganhar de maneira imediata aproximadamente 5 cavalos de potência com o desligamento do ar-condicionado. Ele explica que a diferença se vê em maior grau em carros com motor 1.0.

Um adendo que o mecânico faz é que, no momento que desligar o seu ar-condicionado e abrir os vidros do veículo, de acordo com a sua velocidade, o arrastro aerodinâmico que vai ser ocasionado pelos vidros que foram abertos, poderá não compensar esse ganho em termos de potência. 


Pneu do Carro – Dicas, Cuidados e Medidas Certas para Seu Carro


Confira aqui algumas dicas e cuidados que você deve tomar quando for trocar o pneu de seu carro.

Você sabe o que quer dizer os números que estão nas laterais dos pneus do seu carro? Eles apresentam significados e indicações para os donos de automóveis. Os números mais comuns de aparecer são 175, 185 e o 195.

Tais números fazem relação às especificações dos seus pneus referentes a medida das largura e elas são oferecidas em milímetros.

Os motoristas devem ficar atentos no momento que trocam o pneu, pois uma alteração em sua estrutura pode mudar também detalhes da dirigibilidade. Os especialistas apontam que, quanto mais for largo o seu pneu, mas duro o mesmo será. A estabilidade será maior no momento em que o pneu for mais largo. As montadoras fazem a seleção do pneu para determinado veículo com base na relação entre o conforto e a estabilidade.

Detalhes técnicos do seu automóvel vão ter uma relação bem estreita com a medida dos pneus. Quando um carro é mais pesado, por exemplo, ele vai necessitar de pneus um pouco mais largos. Outros detalhes que também fazem jus a um pneu mais largo é a elevação da potência e do torque do veículo. Isso acontece para que seja feita a transmissão de força ao solo sem que haja a diminuição de tração.

Ainda com relação a esse aspecto, os veículos que possuem tração traseira ou integral poderão usar pneus com medidas mais estreitas em comparação a aqueles que apresentam tração dianteira e uma potência semelhante. Quando um pneu conta com medidas muito exageradas, isso vai trazer malefícios para o motorista. Não pense apenas no visual.

Quando o motorista fizer a troca dos pneus, é necessário ficar atento para essas medidas. Determinadas fabricantes vão apontar mais de uma medida para um mesmo carro. Uma boa dica é sempre observar o manual do proprietário ou um mecânico de confiança.

Outra boa dica é não utilizar pneus de marcas distintas em seu veículo, uma vez que cada fabricante vai ter um modelo de pneu e cada um deles apresentará diferenças na construção e desenho. O comportamento destes pneus serão distintos, mesmo que as especificações sejam semelhantes nas medidas. Utilizar marcas distintas nos pneus do carro vai influenciar bastante na dirigibilidade e no comportamento do mesmo. 


Dicas e Cuidados com a Embreagem do Carro


Confira aqui algumas dicas e cuidados que você deve ter com a embreagem de seu carro.

A embreagem é um dos pontos fundamentais para o bom funcionamento do carro e ela necessita de certos cuidados para que o desgaste da mesma não ocorra rapidamente. A função primordial da embreagem é no controle da transmissão do movimento do propulsor para o câmbio e isso vai facilitar o engate das marchas do veículo.

Quando a embreagem está com algum problema, o item começa a passar desconforto para o motorista e também passageiros. Outros componentes do carro também podem ser avariados caso a embreagem seja danificada.

Dicas de Cuidado com a Embreagem:

Pé no Pedal: Evite deixar o pé no pedal da embreagem, uma vez que esse ato pode afastar o platô do disco o que causará o lixamento do mesmo. Quando acontece o desgaste, o motorista vai verificar um superaquecimento do sistema.

Carro Engrenado Parado: Esse ato é outro que deve ser evitado. Quando o motorista para no sinal de trânsito, por exemplo, o correto é deixar o veículo em ponto morto, sem que seja acionado o pedal da embreagem.

Arrancar em Segunda Marcha: Isso não deve ser feito. Sempre arranque com a primeira marcha e depois na sequência as outras. Quando você reduz ou eleva a velocidade, a marcha deve ser trocada de maneira gradativa e sempre na ordem segundo as rotações do motor. Desta maneira, as peças da embreagem vão conseguir trabalhar de maneira suave.

Locais Inclinados: Quando o motorista se encontra em um plano inclinado, como é uma rampa, não é bom usar a embreagem e o acelerador para segurar o veículo. O freio de mão é que deve ser utilizado para esse tipo de função.

Sincronia no Soltar a Embreagem e Acelerar no Arranque: Esse fato é importante em termos de sincronia. Caso o motorista acelere muito e solta a embreagem pouco, pode ocorrer a queimada da embreagem, o que faz com que o automóvel não desenvolva e gaste mais combustível.

Curiosidade:

Você já deve ter visto um automóvel que só consegue dar partida com o pedal da embreagem acionado pelo motorista. Essa foi uma medida que as montadoras adotaram para dar mais segurança ao motorista e também melhorar a vida útil de alguns componentes do carro.

Muitos são os motoristas que tem esse hábito de deixar o carro engrenado e dar a partida sem acionar o pedal. Isso faz com que o veículo dê um tranco e pode até causar um acidente dependendo do local. 


Cuidados para ter com os pneus de seu carro


É bastante comum entre os brasileiros o costume de viajar de carro até países que fazem fronteira com o Brasil, como é caso do Paraguai e do Uruguai, em especial para comprarem produtos. Claro que a situação tem seus atrativos como os preços na maior parte das vezes serem baixos. Porém, é bom ter atenção. Nem tudo que é comprado fora do país pode ser trazido ou usado legalmente por aqui. Entre esses produtos “proibidos” estão os pneus.

Nos últimos tempos a fiscalização sobre esses produtos tem se tornado cada vez mais rigorosa. E de acordo com a situação em que a pessoa for parada ela poderá levar multas e até ter o seu veículo preso.

Se você não quer correr riscos e quer saber como cuidar melhor dos seus pneus confira algumas orientações:

– Alinhamento e Balanceamento: O balanceamento e o alinhamento dos pneus são tão importantes quanto a pressão dos mesmos. Manter o conjunto em perfeito estado permitirá ao condutor garantir uma maior vida útil aos pneus além de ter um comportamento melhor na dinâmica do carro.

– Pressão: Tem gente que desconsidera isso, mas o ideal mesmo é andar com a pressão de inflação que foi recomendada pelo fabricante. Isso vai garantir um bom desempenho dos pneus. Claro que isso influencia como um todo. Por exemplo, o aumento da segurança nas frenagens e o desgaste regular. Isso de quebra ainda aumenta a vida útil do pneu.

– Desgaste: É importante que o condutor sempre verifique se a banda de rolagem está se desgastando de forma irregular. Um dos principais motivos para a ocorrência irregular é justamente o fato de que a suspensão e o balanceamento do conjunto roda-pneu-válvula não estarem corretos.

– Válvulas: Durante as inspeções para manutenção preventiva as válvulas geralmente são esquecidas. Mas elas também sofrem com o tempo e precisam de atenção. Uma boa dica é reparar se elas estão com uma aparência estranha, riscada ou “craquelada” na superfície ou ainda se apresentam algum tipo de rachadura. Caso algum problema seja identificado é recomendado a troca imediata lembrando que problemas com a válvula podem acarretar perda súbita de pressão.

Por Denisson Soares


Como Economizar Combustível – Dicas e Cuidados


Confira aqui algumas dicas do que fazer para economizar combustível em seu carro.

Não há uma matemática exata para que você consiga economizar combustível em seu veículo. São vários fatores que vão auxiliar para que isso aconteça e o seu bolso fique agradecido. Confira abaixo algumas dicas:

– Não ande com pneus murchos: Sempre deixe os pneus calibrados, pois andar com os mesmos murchos podem alterar o consumo de combustível. Faça a calibragem dos seus pneus a cada 15 dias.

– Cuidado na troca de marchas: Observe no manual do seu carro qual é a velocidade correta para a mudança na marcha. Deve-se levar em conta qual é o torque do veículo. Faça o uso do câmbio do carro suavemente e não “estique” até o final.

– Carro pesado é sinal de maior consumo: Verifique também no manual o peso que é recomendado. De acordo com pesquisas no segmento, 40 quilos em excesso no peso podem aumentar o consumo de combustível em 2%.

– Gasolina aditivada: A sua função primordial é a limpeza e a preservação do motor. Porém, com um propulsor mais limpo, isso acarreta em melhor desempenho e também mais economia em um médio prazo.

– Manutenção das velas: Esse é um dos itens que influenciam muito no consumo. As velas precisam ser trocadas de acordo com a quilometragem que é recomendada pela fabricante do veículo. Quando uma destas peças danificar, o conjunto deve ser trocado com velas de mesmas especificações.

– Acessórios no carro: Antes de você fazer a instalação de algum acessório no veículo, faça a consulta de um especialista. Um aerofólio, por exemplo, influencia na aerodinâmica e aumenta o consumo.

– Andar com os vidros abertos: Esse tipo de hábito vai interferir na aerodinâmica. O consumo vai aumentar em especial quando o carro estiver em mais de 80 km/h.

– Utilize combustíveis com qualidade: Saia de perto de produtos batizados. Sempre abasteça em postos que apresentarem selo da ANP.

– Semáforos: Quando chegar perto de um semáforo vermelho, se possível, diminua a velocidade aos poucos para que não seja necessário parar por total. Com isso, você retoma a velocidade mais suavemente.

– Uso do ar-condicionado: Use somente quando é realmente necessário, pois esse item pode aumentar em até 20% o consumo de combustível.

– Troque os filtros de ar e combustível: Esses itens necessitam trocas nas datas que são apontadas pelas fabricantes.

– Alinhamento de rodas: Isso auxilia na aerodinâmica do carro. Sem essa manutenção, o veículo fica fora de geometria e as rodas se arrastam, aumentando o consumo de combustível.

– Evite andar em altas velocidades: Os limites de velocidade devem ser respeitados. Quando um veículo está a mais de 100 km/h, o seu consumo fica em 20% a mais do normal.


Carro Novo x Carro Usado – O Que Considerar na Hora da Compra?


Confira aqui alguns detalhes que devem ser analisados antes de decidir comprar um carro novo ou usado.

Quando você se depara com a seguinte pergunta: o que é melhor carro novo ou um usado? Certamente a primeira coisa que vem à cabeça é um zero quilômetro. Quem tem uma boa situação financeira para tal consegue ter essa opção, mas sabemos que os custos dos automóveis zero no Brasil são muito altos e os usados acabam por ser a escolha de boa parte dos consumidores.

Muitos ficam com a dúvida: posso ter um carro novo ou então outro automóvel superior com melhores itens mas já usado?

O Carro Novo

A grande vantagem e a mais óbvia, é que o carro zero quilômetro não possui um dono antigo. Isso facilita para que seus componentes estejam com um funcionamento que a fabricante dá garantias. Além disso, o carro novo possui seus sistemas operando de maneira folgada, o veículo não passou por reparos devido a acidentes, sua procedência (multas e outras pendências) está regularizada, entre outros detalhes.

Os defeitos de um carro novo são bem poucos em seus primeiros anos, e caso aconteça, a garantia vai cobrir. Os incômodos tem a tendência de serem menores. Geralmente, até os 30 mil quilômetros, a manutenção conta com um custo mais baixo e isso deixa de lado para o dono de algumas boas dores de cabeça.

Os preços de novo e usado

Como citamos no início, a pessoa pode adquirir um carro novo com todas as vantagens que apontamos, mas o preço que ele gastou poderia ser utilizado para comprar um automóvel usado em bom estado e com mais itens de conforto e segurança.

Exemplos: Um modelo Gol Trendline da VW sai por volta dos 30 mil reais com um motor 1.0 e sem itens como ar-condicionado. Pelo mesmo valor você poderia adquirir um Fiesta S 2013 com propulsor 1.5 e bons itens. Isso vale também para veículos que custam mais no mercado, mas que no segmento de usados você encontraria uma alternativa com maior custo benefício.

Desta maneira, o segmento de veículos usados podem mostrar para o consumidor um meio de contar com maior conforto, segurança, entre outros pontos interessantes.

 Outro problema do novo é a desvalorização. Após o primeiro ano, a desvalorização acontece, pois o carro já deixou de ser novo. Um Chevrolet Onix no seu primeiro ano teria uma desvalorização no valor de R$ 12 mil. Para quem tem o usado não conta com esse problema e a vantagem em termos financeiros poderá ser utilizada na manutenção do veículo.

O IPVA e Seguro?

O Imposto de Propriedade sobre Veículos Automotores vai se mostrar parecido entre o novo e o carro usado. Em termos de seguro, a apólice vai ser menor para o veículo zero, mas a cobertura com o decorrer do tempo vai encarecendo.


Passar na lombada de lado danifica o carro?


Com as cidades cada vez mais povoadas pelas lombadas, é preciso um cuidado redobrado com elas. Não é por acaso que seu nome popular é “quebra-molas”. Esses obstáculos nas ruas são capazes de danificar a suspensão de seu carro, além de causar outros transtornos aos motoristas, como a famosa “raspada” no inferior do carro.

Para evitar problemas, alguns motoristas preferem passar com o carro de lado nas lombadas, como forma de amenizar o impacto no veículo. Mas os especialistas alertam que a prática é prejudicial não só aos amortecedores do carro, mas também podem forçar seu rolamento e seus amortecedores, além de causar estresse em certas partes da carroceria, o que pode causar barulhos ao rodar.

Então, a malhor forma de passar por cima de uma lombada é mesmo de frente e mantendo a marcha lenta. Dessa forma, as duas rodas dianteiras do veículo passam ao mesmo tempo sobre a lombada, fazendo com que o movimento de subida e descida comum nesses casos, seja regular, sem prejuízos ao carro.

É preciso também, estar atento aos obstáculos nas vias. Frear de forma brusca também não é aconselhável. Geralmente as lombadas são sinalizadas. Prestar atenção na sinalização é a melhor forma de evitar sustos e prejuizos, já que as lombadas geralmente são colocadas em locais de maior velocidade, justamente para que haja uma redução da velocidade dos motoristas no local. O procedimento correto ao avistar uma placa de sinalização de lombada é reduzir a velocidade antes e depois de passar pelo obstáculo soltar o freio normalmente.

Mas e quando as lombadas estão em subidas ou descidas? Esse tipo de obstáculo é um dos mais traiçoeiros, pois nessas situações a tendência é que a velocidade seja maior. Nesses casos o indicado é frear o veículo aos poucos e diminuir a marcha. Em seguida, o procedimento de passar de frente, com as dias rodas ao mesmo tempo deve ser seguido. Dessa forma, a passagem pela lombada não trará nenhum prejuízo, mesmo em lugares de subida ou descida.

E as motos?

Quem destá sobre uma motocicleta deve ter a mesma atenção dos condutores de veículos. As lombadas não devem ser encaradas como rampas de saltos, para evitar riscos à sua segurança e aos demais motoristas da via. O procedimento correto é levantar-se um pouco da moto, se apoiando em suas pedaleiras, a fim de suavizar a passagem pelo obstáculo. Frear ao chegar na lombada também é um procedimento padrão para os motocilistas.


Moto ou Carro – Saiba qual é a melhor opção para seu perfil


Motos e carros apresentam vantagens e desvantagens que variam de acordo com o perfil de cada pessoa.

Diversas pessoas desejam adquirir um carro ou moto para se locomover com mais rapidez e facilidade. No entanto, surgem muitas dúvidas na hora da compra e uma delas é se a melhor escolha é uma moto ou um carro. É importante analisar as vantagens e desvantagens de cada um, para fazer uma escolha adequada. Alguns dos fatores mais importantes a ser considerados são: o custo, a segurança que o veículo proporciona, o gasto que o comprador terá com combustível, o conforto, entre outras coisas.

As motos costumam economizar uma quantidade muito maior de combustível do que os carros, pois precisam de menos. A economia pode ser de cerca de 50% em relação a um carro convencional. Para pessoas que pretendem utilizar a moto pela maior parte do tempo, será uma grande vantagem. No entanto, se há necessidade de fazer uma viagem longa, que dure horas ou até mesmo dias, considerando outros fatores como segurança e conforto o carro pode ser uma melhor opção.

Quando se trata de segurança, é evidente que o carro se torna a primeira opção. O carro possui um cinto de segurança, acessório inexistente em uma moto, e que salva vidas. Assim como airbags no caso de batidas e até capotamentos.

Enquanto o motociclista não tem nenhuma estrutura protegendo seu corpo, a estrutura grande de um carro pode poupar o motorista de diversos ferimentos, leves ou graves, no caso de acidentes. Na moto, as opções para melhorar a segurança são: o capacete, botas e roupas especiais que costumam ter um alto custo, mas podem se mostrar um bom investimento.

No entanto, há pessoas que, apesar da falta de segurança, preferem as motos. Tanto pela sensação de liberdade ou até mesmo a melhor visão de uma paisagem em viagens a moto se torna um veículo insubstituível para alguns consumidores. Ela também é mais fácil de manobrar até em engarrafamentos.

Em situações de chuva ou neve os motociclistas acabam tendo grandes dificuldades. Um carro pode ser bem mais prático para chegar a seu destino nessas condições climáticas.

Enquanto as motos são bem mais econômicas, os carros são mais seguros. A escolha final dependerá da vontade do consumidor, assim como seu orçamento e estilo de vida.

Por Isabela Palazzo

Moto e carro

Foto: Divulgação


BlaBlaCar – Serviço de Caronas para Viagens chega ao Brasil


Funcionamento do serviço é semelhante ao Uber e promete valores mais baixos que passagens convencionais.

O serviço de carona já é algo bastante antigo, principalmente no Brasil, mas recentemente uma startup francesa chamada BlaBlaCar, que possui atualmente mais de 20 milhões de usuários e está disponível em 19 países, desembarcou em nosso país. No Brasil, a proposta é a mesma dos outros países e inclusive bem semelhante a do aplicativo UBER, que atualmente está em pé de guerra com os taxistas devido às taxas que eles não pagam e consequentemente cobram um preço menor atraindo mais clientes.

O BlaBlaCar é um serviço para quem está com vaga sobrando no carro e quer rachar a gasolina, pedágio ou simplemente cobrar uma taxa fixa para chegar ao destino desejado. Já existem outros aplicativos com a mesma proposta, mas o BlaBlaCar parece que vem com uma forte clientela no cenário mundial e isso pode atrair bastante os brasileiros, principalmente porque o aplicativo tem um nível avançado de desenvolvimento e possui poucos erros.

Na própria página do aplicativo na versão brasileira estão sugeridos alguns preços como: “Rio – São Paulo por R$ 80,00”, o que é uma ótima pedida pois estas longas viagens saem bem mais em conta do que o preço comum de uma viagem de ônibus ou avião. Em alguns casos, dependendo do motorista, ele pode cobrar apenas pedágio e gasolina, o que pode sair muito mais em conta ainda.

Mas ainda assim o BlaBlaCar já é polêmico, na Espanha, que é um dos países com maior número de usuários da “carona amiga”, ele enfrenta uma batalha judicial da empresa de transportes de ônibus Confebús, que alega competição desleal, já que os preços das viagens saem com um valor muito mais em conta do que o da linha de transportes rodoviários.

O que para uns é problema para outros pode ser uma solução, atualmente o sistema é bem simples e funciona da seguinte maneira: quem vai viajar de carro e possui uma vaga sobrando no veículo publica na plataforma o trajeto que será percorrido com detalhes de partida, chegada, data e hora, mas quem decide se aceita ou não é o condutor, proprietário do veículo, algo bem prático, funcional e barato.

Gabriel Tirado Teixeira Neves Valladão


Significado das Siglas nos Carros


Confira aqui qual o significado das principais siglas presentes nos carros.

Já se tornou comum citar os equipamentos dos automóveis pelas siglas criadas pelas fabricantes, mas muitas vezes sem saber o real significado de cada recurso.

Abaixo segue uma lista dos principais equipamento e tecnologias com seus significados.

  • ABS: Sigla de Antilock Braking System, recurso que impede o travamento das rodas durante uma frenagem brusca. Com isso, evita que o carro deslize e o motorista perca o controle da direção do veículo. O sistema se tornou obrigatório no Brasil para veículos fabricados a partir de 2014.
  • AC: Significa ar condicionado.
  • AT: Automatic Transmission, indica que o veículo possui câmbio automático. No caso do veículo possuir câmbio manual, a sigla é MT.
  • EFI: Sigla de Electronic Fuel Injection, não está sendo muito utilizado atualmente pois a injeção eletrônica de combustível está no mercado a mais de 20 anos e foi o motivo da aposentadoria do carburador.
  • EV: Significa Eletric Vehicle ou Veículo Elétrico. Ainda pouco utilizado no Brasil, mas deve ganhar mercado com o corte da taxa de importação pelo governo brasileiro.
  • GNV: Gás Natural Veicular, combustível gasoso que possui menos impostos que os combustíveis derivados do petróleo e menos poluente. Os carros que utilizam o GNV possuem uma perda de potência considerável.
  • GPS: Sigla de Global Positioning System, através de sinais de satélite e rádio indica o posicionamento global do veículo.
  • RECALL: Não se trata de uma sigla, mas sim de um termo inglês para rechamada. A fabricante do veículo solicita um retorno do veículo à fábrica para que um problema de fabricação seja sanado.
  • RPM: Significa rotações por minuto, indica a quantidade de voltas feitas pelo virabrequim em um minuto.
  • SUV: Sigla de Sport Utility Vehicle, trata-se de veículos utilitários esportivos que possuem maior espaço para os passageiros e para carga.
  • SW: Station Wagon, chamada popularmente de perua. Com a chegada dos modelos SUV, acabaram perdendo espaço.

Jean Fretta Pereira


Dicas de Como Não Embaçar o Vidro do Carro


Confira aqui algumas dicas para evitar que o vidro do seu carro fique embaçado.

Quando tempo está chuvoso ou com muita umidade, é bem comum que você esteja em trânsito e o parabrisa de seu carro comece a embaçar. Isso vai fazer com que você tenha que ligar o ar-condicionado muitas vezes para fazer com que o problema seja resolvido e a atenção com o que acontece no trânsito terá de ser redobrada por conta da falta de visibilidade total.

Para você que não tem ar-condicionado ou quer outra maneira de resolver essa situação, confira algumas técnicas simples para você.

Sabão Líquido e Papel Toalha:

Você vai colocar o sabão líquido (detergente) em um pedaço de qualquer papel toalha. Depois, espalhe o produto no vidro até que o mesmo desapareça. Sim, é só isso. Agora você vai fazer o teste. Desligue o ventilador do seu carro e o local onde passou o sabão não vai mais embaçar.

Isso vai ocorrer, pois o sabão líquido vai quebrar a tensão superficial da água. O processo impede que as gotas de vapor fiquem acumuladas no vidro. Isso é uma mão na roda para quem não conta com ar-condicionado ou ainda quer economizar combustível.

Areia Sanitária de Sílica:

Sim, você pode controlar esse problema de embaçar o vidro com areia higiênica para felinos. O produto que você deverá usar é areia sanitária de sílica, que são cristais absorventes de umidade. Outra forma de encontrar esse tipo de produto é em pequenos sacos em bolso de jaquetas novas.

Para o processo você vai necessitar dos cristais de sílica de higiene para gatos, de um par de meias que não utiliza mais e um rolo de fita adesiva. Você vai colocar os cristais dentro da sua meia e utilize a fita adesiva para que consiga mais facilmente fazer o trabalho.

Uma das meias que não usa deverá ser cheia de cristais até a altura do seu calcanhar. Retire agora a fita adesiva que lhe ajudou a encher a meia até o local certo e dê um nó na mesma. Com o outro par da meia, envolva o trabalho que produziu para que não se desfaça o nó e o carro fique sujo.

Agora, coloque sobre o painel, mas não é algo muito bonito. O melhor é colocar embaixo do banco. Isso vai fazer com que seja absorvido qualquer tipo de umidade que esteja no interior do carro. Quem já fez dá conta que depois de alguns dias há uma grande diferença.


Melhores Carros para levar Crianças – Dicas de Modelos


Confira aqui algumas dicas dos melhores modelos de carro para levar crianças.

Criança no carro é preocupação para os pais. Acomodar as crianças e ainda todos os pertences e bagagens que demanda esta locomoção no carro são um desafio. Todas as coisas do bebê, os pertences da mamãe, os brinquedos do filho mais velho… Sim, precisamos de espaço!

Quando se trata de transportar crianças o espaço é a necessidade fundamental. É preciso saber escolher o automóvel ideal, com espaço interno e porta-malas que atenda todas as necessidades da família.

Prestar atenção aos detalhes técnicos é somente uma das boas dicas para se adquirir o automóvel ideal para levar todos e tudo com conforto e sem preocupações. Para saber se o carro tem espaço interno, deve-se prestar atenção à distância entre os eixos das rodas, denominados distância entre-eixos. Verificar o porta-malas é fundamental, a litragem do porta-malas deve ser sempre questionada antes da decisão de compra.

Algumas pessoas relatam que após tornarem-se pais resolveram trocar de carro, justamente por não conseguir mais comportar todos os pertences e mais os seus filhos no automóvel. Sendo assim, os casais que já possuem filhos ou desejam ter filhos em curto prazo já devem ir se atentando para esta preocupação.

Dentre as opções do mercado, verificamos o HATCH COMPACTO, que atende ao casal com apenas um filho e oferece preços mais suaves, entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, com destaque para o Renault Sandero, que do seguimento é o que possui maior espaço interno e porta-malas.

O HATCH MÉDIO possui modelos com distância entre-eixos ideal para família com dois e/ou três filhos, com preços que vão de R$ 60 mil a R$ 80 mil, como por exemplo o Chevrolet Cruze.

O SEDÃ COMPACTO supre as necessidades de quem tem até três filhos, o Chevrolet Cobalt é um belo exemplar e possui o maior porta-malas da categoria.

Já o SEDÃ MÉDIO também atende a família com dois ou três filhos e traz itens de conforto e tecnologia. A variação de preço é de R$ 70 mil a R$ 80 mil. O destaque desta categoria vai para o Peugeot 408.

Já o SUV COMPACTO é para quem tem dois ou três filhos. O carro possui carroceria alta e o destaque vai para o chinês JAC T6, que oferece o maior porta-malas da categoria e custa R$ 70 mil.

Já entre os GRANDALHÕES, o Fiat Doblò acomoda uma família de três ou mais filhos, possui compartimento de bagagem que chama atenção e custa até R$ 100 mil.

LILIAN JEANE SANTOS DE OLIVEIRA


Dicas e Cuidados ao Comprar Carros Seminovos de Locadoras


Confira aqui alguns conselhos antes de comprar o seu carro seminovo em locadoras.

Com a alta dos preços referente aos carros 0km, comprar um veículo seminovo está bem mais interessante, porém, é preciso muito cuidado ao comprar um veículo nestas condições para não se arrepender depois.

Quem compra um seminovo sempre imagina que vai adquirir um veículo quase novo, sem nenhum problema e que nunca teve qualquer tipo de problema, mas nem sempre é assim. Apesar as empresas procurarem garantir a satisfação dos clientes, é sempre bom não confiar demais e verificar se de fato o veículo realmente atende às suas expectativas.

E a primeira dica, claro, é pesquisar muito e nunca fechar negócio na primeira locadora que entrar. Mesmo que o desconto lhe pareça tentador, ainda que lhes ofereçam o tanque cheio ou o IPVA pago, ainda assim não compre seu seminovo. Anote todas as vantagens e pesquise bem para no final comparar todas as propostas e aí sim, ver qual realmente lhe traz mais benefícios.

Fique muito atento à quilometragem do seminovo, pois estes veículos geralmente contam com 18 meses de uso em média e já rodaram de 20 a 30 mil quilômetros. Se for um seminovo com quilometragem bem acima desta media, aí é bom você desconfiar e não adquirir o veículo.

Um seminovo pode ser adquirido através de um financiamento, mas isto não quer dizer que é a melhor opção, pelo contrário, pode ser um péssimo investimento. Procure se informar sobre a taxa de juros, os valores das parcelas que serão pagas até a última prestação e faça bem seu controle financeiro para ter certeza que não irá se complicar mais adiante.

Outro cuidado que se deve ter é quanto a integridade do automóvel. Claro que as locadoras sempre procuram oferecer aos seus clientes carros que passaram por uma manutenção preventiva e também oferecem garantias, mas ainda assim é preciso muito cuidado.

Se você não entende nada de carro é bom levar um mecânico de sua confiança para fazer uma verificação minuciosa e certificar-se que de fato, não há nada de errado com o veículo.

Conferindo tudo antes, você evitará aborrecimentos posteriores e aí sim poderá ter certeza de que irá fazer um ótimo negócio.

Por Russel


Problemas no Freio do Carro – Como Verificar?


Confira abaixo os problemas mais comuns com os freios e como resolvê-los.

Você está sentindo que o seu carro pode estar com problemas no freio? Mas e como posso diagnosticar tal coisa no meu veículo?

Meu pedal está duro:

Segundo o nosso mecânico Gabriel Colaço, em grande parte dos casos, o problema está no servo do freio ou hidrovácuo. A peça funciona para amplificar a força que o motorista vai aplicar no pedal e, assim, deixá-lo com maior eficiência.

Quando há algum problema no mesmo, o pedal do freio ficará duro. O seu veículo conseguirá parar, mas o motorista achará mais pesado para que isso aconteça e a força que é aplicada no pedal é maior.

Pedal parece que vai ceder:

Isso acontece quando, por exemplo, o motorista está parado em algum farol com o pé no frio e começa a perceber que ele cede aos poucos. Nesse momento, pode acontecer algo de errado com o cilindro mestre. Verifique se encontra algum tipo de vazamento no circuito hidráulico.

O pedal também pode parecer que não está sendo bem eficiente. Esse problema ocorre quando o sistema hidráulico se encontra com bolhas de ar. Caso seja isso que esteja acontecendo, a solução é trocar o óleo de freio e fazer a sangria do sistema. Se não resolver o problema em questão, é indicado observar de maneira mais atenta o servo freio e também o cilindro mestre.

Outro problema pode ser o nível de óleo baixo. Quando o carro é mais novo, isso poderá indicar que as pastilhas estão com um desgaste excessivo. Caso o carro conte com mais de 30 mil quilômetros, o dono deverá fazer uma verificação de um possível vazamento nos cilindros de freio das rodas traseiras.

O importante nestes casos é saber indicar a causa do problema que está se passando nos freios. Desta maneira, o dono do veículo pode chegar com uma informação pronta para o mecânico, o qual poderá solucionar com mais rapidez o problema. 

Confira no vídeo abaixo mais algumas dicas de cuidados que você deve ter com os freios:


Comprar Carro Usado – Dicas e Cuidados


Confira aqui algumas dicas e cuidados na hora de comprar um carro usado.

Você vai comprar um carro usado e deve estar ciente das coisas que vai verificar para não ter prejuízo depois. Muitos donos e até revendas não solucionam problemas que poderão dar dores de cabeça no futuro. Pois bem, com o carro comprado, agora você deve levar ao mecânico de confiança para verificar o que deve ser feito.

O que devo fazer no motor?

Verifique se há algum vazamento de água ou de óleo. É sempre bom trocar o óleo e o filtro do motor. A correia dentada é outro item que deve ser substituído. A correia poli V também deve ser observada e, se estiver muito ressecada ou quebradiça, pode ter certeza que pouca manutenção foi feita. Faça a troca e também coloque outros esticadores da correia.

Quando andar com o veículo, observe se o motor está rodando na faixa de temperatura correta. Faça a troca da água e coloque um bom aditivo. Se for necessário, consulte o manual do veículo para trocar algum fluído do carro. As velas também devem ser vistas, pois a manutenção delas ajuda na economia do combustível.

Os freios:

Fique atento para as pastilhas e sua espessura, além de observar lonas, discos e cilindros das rodas traseiras. Outro ponto a ser verificado é se há vazamento de óleo de freio.

Pneus:

O carro necessita ser levantado e observe, então, os pneus. Verifique cada um deles sobre cortes, desgaste e até bolhas.

Suspensão:

Como estão agindo os amortecedores? Há vazamentos? A direção hidráulica e o câmbio também devem ser observados sobre possíveis vazamentos. Quando o carro conta com transmissão automática, o ideal é verificar o manual para a troca do óleo hidráulico.

Há casos em que o carro conta com muitos problemas. Desta maneira, o aconselhável é conversar com o dono do veículo ou da revenda antes que o mecânico faça tudo o que for necessário. Você tem o direito de que o carro esteja em bom estado e que a manutenção seja feita pela pessoa que vendeu (a não ser que ele avise dos problemas e que coloque um preço com base no que precisa ser feito).

Segundo o Procon e dados do Código de Defesa do Consumidor, a pessoa que vende o veículo deve dar uma garantia de 90 dias.

Confira mais algumas dicas no vídeo abaixo:


Dicas de Como Lavar o Carro Corretamente


Lavar o carro exige uma série de cuidados. Confira aqui algumas dicas de como lavar o seu carro adequadamente.

Você quer lavar o seu carro periodicamente para deixá-lo em bom estado, mas quer algumas dicas de como fazer isso da melhor maneira? Fique ligado na matéria e economize dinheiro que daria para serviços de lava-car.

Pano Seco:

Nunca passe um pano seco em seu veículo antes de lavá-lo. Muitas pessoas tem esse costume, mas pode dar alguns problemas na pintura do veículo. O pano pode ter um acúmulo de poeira e isso pode fazer com que se arranhe a pintura.

Feche Bem o Carro:

Feche o seu carro (portas e vidros) e tire os tapetes de dentro do mesmo antes que comece a lavar. Jogue agora uma quantidade considerável de água, para que nenhuma parte do veículo fique seca.

Os tapetes do carro deverão ser lavados com água e o sabão deve ser utilizado somente se for necessário.

Sabão em Pó é o Melhor?

Algumas pessoas podem achar que sim, mas alguns produtos contam com algumas pedras maiores do sabão e isso pode danificar a pintura do carro. O correto é utilizar um shampoo próprio para automóveis ou um detergente neutro. Qual você selecionar deverá ser misturado com água. Utilize de luvas próprias que são feitas para lavar carros ou algum pano bem macio.

Tenha uma Ordem para Ensaboar o Carro:

Primeiro vá no teto, depois para os vidros, nas portas, capô, no porta-mala, siga ao para-choque e para as rodas. Não é aconselhável deixar a água secar enquanto ensaboa. O sabão também não deve ficar seco ou a pintura poderá manchar.

Secar:

Uma boa pedida é utilizar uma palheta de para-brisa, utilizando ela como um rodo (passar sem forçar). Para o restante do carro, pegue panos limpos e que sejam macios, não podendo soltar muitos fiapos. Seque o carro e utilize outro para tirar alguma possível marca do primeiro pano.

Pneus:

O motorista pode usar silicone ou algum produto para pneus que ajude o mesmo a ficar limpo e com cara de novo.

Interior:

Passe um aspirador no carpete e também nos bancos. Dependendo, pode passar também no teto e em outros locais que tenham tecido. No painel e em outras partes que são de outro material, passe um pano úmido. Muitos produtos podem deixar essas partes gordurosas, ou seja, tome cuidado com o que for usar no interior. Se quiser, pode colocar um produto que deixe o carro mais perfumado.


Espuma Especial Ajuda a Eliminar Ruídos do Carro


Produto especial é utilizando em oficinas especializadas para eliminar barulhos estranhos no carro.

Em bancos, assoalho, painel, atrás das portas, muita gente reclama daqueles barulhos ou “grilos” indesejados em seus automóveis. Se você é mais um que deseja eliminar ruídos indesejáveis de seu veículo, saiba que algumas oficinas são especializadas no serviço.

Como as pessoas hoje em dia estão mais dentro dos seus carros do que fora, devido ao trânsito intenso e ao trabalho de muitos, ficar com barulhos indesejáveis dentro do mesmo é bem chato. Os ruídos, normalmente, chegam com o tempo, desgaste de algumas peças, entre outros fatores que ocasionam esses rangidos.

Especialistas apontam que o mais correto é levar o carro em uma oficina especializada para que sejam verificadas as portas, painel, bancos, piso, entre outros detalhes. Atualmente, uma espuma é utilizada para que sejam eliminados esses “grilos” de seu carro.

Os mecânicos vão fazer uma avaliação geral do carro para identificar a origem deste barulho e qual a solução que pode ser feita. De modo geral, apenas uma rápida volta no carro da pessoa pode ser o suficiente para o profissional verificar de onde vêm os ruídos.

As partes que contam com esse problema são desmontadas e revestidas (os vãos das mesmas) com espumas para que não haja o atrito entre as peças. Em outros casos, produtos como silicone, graxas e lubrificantes também dão conta desses barulhos chatos.

Um dos ruídos que são bem comentados por donos de automóveis é nas borrachas de trilhos que correm os vidros da janela. Isso acontece por elas ressecarem com o tempo. Muitos “grilos” também podem ser reduzidos com simples apertos de parafusos.

As pessoas que contam com carros off-roads também tem muitos problemas com ruídos. Geralmente, os veículos chegam nessas oficinas com muitas das suas partes soltas. Outros automóveis que apresentam barulhos chatos são os carros blindados. Para esse tipo específico de automóvel, os mecânicos normalmente envolvem as chapas de blindagem com as espumas.

Caso o seu carro conte com algum desses ruídos indesejáveis, procure um profissional para que ele possa lhe ajudar a resolver o problema. Muitas vezes ele é bem simples.


Revisão do Carro – Volante, Freio de Mão, Pneus e Palhetas


Confira aqui alguns itens que devem ser verificados pelo motorista na hora da revisão.

Na primeira parte desta matéria sobre a revisão de pontos importantes do carro que o próprio motorista pode observar, falamos sobre a água, óleo, estepe, luzes e extintor. Agora, na segunda parte, você vai ficar de olho em outros itens que você mesmo pode observar e deixar o seu carro em dia. Confira!

Macaco e itens para troca de pneus:

Nunca deixe seu veículo sem contar com o macaco, o triângulo (que serve para a sinalização a outros motoristas) e a chave de roda. São esses os itens que vão ajudar você em algumas situações. Quando está em uma via de grande movimento e precisa trocar o pneu de seu carro, o triângulo pode sinalizar o fato e ajudar que acidentes graves não aconteçam.

Olho no seu volante:

Quando você vai viajar ou fazer um trajeto mais longo, é bom fazer um teste no seu volante. Observe se há algum tipo de trepidação. Se isso for verificado, o veículo poderá estar com falta de balanceamento. É bom notar se o veículo está puxando para algum dos lados também. Se a afirmação for positiva, há um desalinhamento no seu carro. Caso um desses itens seja verificado pelo motorista, será preciso levar o veículo até um mecânico de confiança para solucionar o problema.

Regulagem do freio de mão:

O motorista deve verificar se o freio de mão está regulado. Caso o item estalar entre duas a três vezes no momento em que puxar e o seu veículo ficar estático, sinal que ele está em dia. Caso apareça qualquer sinal diferente disso, como o freio de mão estiver alto demais, por exemplo, é preciso levar o carro até o mecânico. Isso poderá indicar que o freio traseiro esteja com algum tipo de problema, como a lona gasta ou ainda o seu tambor muito gasto.

Pneus sempre em dia:

Olhe muito bem os quatro pneus de seu veículo. Quando algum deles está meio gasto, já é sinal de que um problema pode ocorrer. O motorista deve ficar de olho na chamada marca de indicador de desgaste (TWI). Se for notado que uma das partes que estão próximas desta marca chegou ao nível do TWI, é indicado que o pneu seja trocado.

Checar as palhetas:

Esse tipo de verificação das palhetas pode ser feito visualmente pelo motorista. Na parte de borracha da palheta, observe se as mesmas não estão cortadas nem ressecadas. Quando há uma chuva forte, qualquer dano nas palhetas pode dificultar seu uso. 


Revisão do Carro – Água, Óleo, Extintor, Estepe e Luzes


Confira aqui os principais itens do carro que podem ser revisados pelo motorista.

Todo bom dono de carro que se preze sabe que a revisão de certos equipamentos do veículos deve ser feita de maneira periódica. Normalmente, boa parte dos detalhes é vista por um mecânico, mas saiba que existe algumas coisas que o motorista mesmo pode observar. Confira!

Fique de olho na água!

O motorista deve prestar atenção no nível da água. Antes de uma viagem, é essencial que esse item seja bem revisado. A pessoa deverá abrir o capô e verificar, através do reservatório de água, as linhas de marcação (mínimo e máximo). O nível de água deverá estar entre os dois níveis indicados. Caso esteja abaixo dos mesmos, é necessário completar com água, sempre com motor frio.

Nível do óleo:

Além da água, fique esperto com o nível do óleo. Ele funciona em conjunto com o motor do carro. O nível do óleo nunca deverá ficar abaixo do seu mínimo. O motorista deverá observar o nível através da vareta. Faça a limpeza dos resíduos que se encontram na mesma. Depois disso, vai poder verificar de maneira mais clara a marcação do óleo do seu veículo, que também está entre o mínimo e o máximo. Faça essa observação sempre com o motor do carro frio e em um local que seja plano.

Extintor do seu carro:

O motorista deve verificar se o extintor está no local adequado e se o mesmo está com a sua validade em dia. Quando ocorre um acidente um tanto quanto mais grave, será o extintor de incêndio que poderá salvar a sua vida.

O estepe em dia:

O bom motorista deverá deixar sempre em bom estado o estepe. Ele é de muita importância para algumas situações. Verifique o manual de seu carro para conferir a pressão ideal. Em alguns modelos de veículos, tais informações estarão contidas em etiquetas na coluna central do seu carro.

A importância das luzes:

Vai pegar a estrada? Então fique de olho em luzes como os piscas e faróis (alto e o baixo, de freio, de alerta e de ré). Teste sempre bem esses equipamentos para evitar dores de cabeça. Você poderá pegar ruas em que não há iluminação pública e a sinalização feita pelo veículo é de muita importância para melhor tráfego.


Cinto de Segurança no Banco Traseiro – Qual a Importância


Uso do cinto de segurança no banco traseiro é obrigatório e pode evitar tragédias.

As últimas notícias badaladas da internet, acerca da morte do cantor Cristiano Araújo e sua namorada, trouxeram novamente à tona uma preocupação que deveria ser constante no nosso dia a dia: o uso do cinto de segurança no banco traseiro.

Os especialistas em trânsito afirmam o que todos já imaginávamos, andar no banco traseiro é mais seguro que andar no banco da frente, mas se o passageiro estiver sem o cinto, o risco é redobrado: além de colocar sua própria vida em risco, ele estará colocando a vida do motorista e do carona da frente também em perigo.

O que acontece é que quando ocorre um impacto, os passageiros do banco de trás são projetados com força para o banco da frente, podendo machucar gravemente e até matar os ocupantes do banco dianteiro. Além disso, dependendo do impacto há o risco dos ocupantes do banco traseiro serem lançados para fora do veículo, o que na maioria das vezes provoca a morte certa.

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) realizou uma pesquisa em que mostra que o uso de cinto de segurança no banco da frente pode reduzir o risco de morte em até 45% e o seu uso no banco de trás reduz o risco em até 75%.

O problema é que a maioria dos brasileiros não possui o hábito de usar o cinto quando estão no banco de trás. Segundo o IBGE, 79,4% dos usuários usam regularmente o cinto quando viajam no banco da frente, mas esse número cai para 50% quando o passageiro está no banco de trás.

É importante criar um hábito do uso do cinto também no banco de trás, com fiscalização mais acirrada nas blitz pela cidade, para que acidentes fatais pela falta do uso no banco traseiro, como o que vitimou o cantor Cristiano Araújo e sua namorada, cada dia mais sejam eliminados das estatísticas de trânsito. O uso do cinto de segurança também no banco traseiro é indispensável para a segurança de todos os integrantes do veículo.

Por Patrícia Generoso


Transferência do Carro – Como Fazer e Documentos Necessários


Transferir o carro para um novo dono é uma tarefa bastante simples, porém, meio burocrática. Confira aqui todos os passos para você realizar a transferência de um veículo.

Existem basicamente três tipos de transferência de propriedade de veículos:

  1. Veículos provenientes de outros países;
  2. Veículos de outros estados;
  3. Veículos do mesmo município.

A transferência mais simples obviamente é a realizada dentro de um mesmo município, quando o endereço do comprador e do vendedor está localizado na mesma cidade.

Basicamente os documentos necessários para a transferência são:

  • Original e cópia da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou de algum documento pessoal com foto (RG, Reservista);
  • Original e cópia do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do novo proprietário do veículo;
  • Original e cópia do comprovante de endereço;
  • Original e cópia do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV);
  • Original do Certificado de Registro de Veículo (CRV) do proprietário anterior, preenchido em nome do comprador e com firma reconhecida;
  • Original e cópia do comprovante de pagamento da Taxa de Emissão do novo CRV (pagável com antecedência em agências bancárias) e comprovante de quitação de eventuais débitos, como IPVA, licenciamento e multas;
  • Decalque legível do chassi e do motor;
  • Formulário RENAVAM preenchido em duas (2) vias.

Para a transferência de propriedade de veículo entre municípios do Estado de São Paulo ou até mesmo de outro estado para o estado de São Paulo, os documentos exigidos são os mesmos, mudando apenas os procedimentos a serem tomados como o pagamento da taxa de emplacamento e lacração e a troca da placa em uma unidade do Detran.

Para verificar se há alguma pendência quanto às taxas e multas, o proprietário pode pesquisar pela internet ou dirigir-se a uma unidade de trânsito do Detran no seu município.

Na maioria dos municípios do país, é exigida a vistoria de identificação veicular, devendo o proprietário levar o veículo a um dos locais indicados pela unidade de atendimento ou então comparecendo em uma Empresa Credenciada de Vistoria.

Os decalques de chassi e motor serão extraídos pelo próprio agente vistoriador do Detran do estado em que está sendo realizada a transferência, exceto nos casos de difícil acesso à numeração do motor, quando o respectivo decalque poderá ser apresentado pelo proprietário ou substituído por um laudo de vistoria de ECV, na maioria das vezes identificado como Laudo Fotográfico e expedido pela própria Empresa Credenciada de Vistoria.

Os sites dos respectivos órgãos de competência para transferência de propriedade veicular (Detran) indicam as documentações necessárias, links para pesquisa de pendências e locais para vistoria e lacração. Na impossibilidade de acesso às pesquisas pela internet, Postos de Atendimento como Atende Fácil e Poupa Tempo ou até mesmo Delegacias podem direcionar o motorista a como proceder, além de obviamente utilizar-se de Despachantes Credenciados pelo órgão local para tal finalidade.

O custo do serviço é composto pela taxa de transferência e eventuais débitos pendentes, sendo que estes valores deverão ser pagos em um dos bancos conveniados, com o CPF (pessoa física) ou CNPJ (pessoa jurídica), para recolher a taxa e com o documento do veículo para obtenção do número do Renavam.

Francisco Sanches de Aguiar


Quando eu devo usar a luz alta do carro?


Muitas pessoas não fazem ideia de quando devem utilizar esse recurso do carro. Confira dicas nessa matéria para não passar vergonha e cometer alguma infração.

Quando devo usar a luz alta do meu carro?

Os motoristas nem sempre sabem quando e como usar a luz alta do carro, não é mesmo? As vezes utilizamos em momentos errados e recebemos “buzinadas” do carro que vem do lado contrário, e com razão. Nessa matéria você confere o que precisa saber para utilizar bem esse recurso de seu veículo.

Luz Alta

Você poderá utilizar ela apenas em vias que não sejam iluminadas. A mesma deverá ser desligada imediatamente no momento em que o motorista avistar um outro carro que venha no sentido contrário, ou então, quando estiver atrás de outro automóvel no mesmo sentido.

De acordo com o Códito de Trânsito Brasileiro, é permitido que o motorista pisque a luz alta para indicar uma ultrapassagem ou quando há algum tipo de risco na via.

Porém, quando a um abuso disso, ocorre uma infração média e quatro pontos na carteira. Há também uma multa no valor de R$ 85,13. Muitos veículos que possuem o farol em xênon ou LED já de fábrica, contam com regulagem que alterna a intensidade da luz de maneira automática de acordo com a necessidade da estrada ou quando se cruza/segue outro carro.

A permanência com a luz altas em vias públicas que contem com boa iluminação, dá três pontos na carteira e uma multa no valor de R$ 53,20.

Todo o cuidado é pouco e é bom sempre saber quando e como utilizar esse recurso do veículo.

Luz de Freio

A luz dos freios tem uma luminosidade mais forte frente a luz de posição da lanterna. Isso se faz necessário para que os outros motoristas possam notar que o veículo à sua frente está freando. Em janeiro de 2009, a chamada luz breaklight, terceira luz do freio, é obrigatória no Brasil. Caso a luz esteja queimada, da mesma maneira como as luzes da frente, o motorista poderá perder quatro pontos na carteira e levar uma multa de R$ 85,13.

Luz da Ré

O CTB aponta que andar em marcha à ré é permitido para uma distância pequena para se fazer manobras, as quais não causam riscos para a segurança. Não é libertado aquele recuo em ré em uma via pública para que você escape de uma faixa de trânsito mais cheia ou corrigir o seu trajeto.

A luz da marcha à ré deve ter a cor sempre branca. Se ela for pintada em outra cor ou um agente de trânsito veja um movimento mais perigoso, o condutor levará cinco pontos na CNH e uma multa de R$ 127,69.

Seta ou luz de mudança de direação

Essa causa muita dor de cabeça para alguns que não sabem usá-la ou deixam de fazer isso. Ela é obrigatória para ultrapassagens, conversão de vias, retorno e mudança de faixa. Não precisa ser acionada para casos de embarque e desembarque, por exemplo, pois o CTB aponta o uso da luz de posição. Quando ela pode ser utilizada, é necessário fazer gestos com o braço esquerdo. Quando a luz da seta é usada de forma errônea, é infração grave, com cinco pontos na carteira e multa de R$ 127,69. 


Garantia do Carro – Tipos e Como Funciona


Carros novos e usados possuem dois tipos de garantia. Confira como funciona cada uma delas.

Comprar um carro, seja ele novo ou usado, sempre gera ao comprador um certo receio de que este possa ter um problema depois de um certo tempo. E para proteger o consumidor deste problema, é que existe a garantia. De acordo com o Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor), atualmente são oferecidos dois tipos de garantia aos consumidores: a Garantia Legal a Garantia Contratual. Estas garantias possuem grandes diferenças e é bom o consumidor ficar atento a elas, para evitar "dores de cabeça no futuro". Se você não sabe como funciona cada um destes tipos de garantia, confira abaixo mais detalhes sobre elas:

Garantia Legal:

A garantia legal é fornecida por todos os fabricantes de bens duráveis e serviços. Esta garantia é obrigatória por lei e possui um prazo de 90 dias. Durante este período, as empresas deverão garantir o perfeito funcionamento de seus produtos ou serviços (desde que estes sejam utilizados adequadamente), o que dá ao consumidor a garantia de que está adquirindo um produto ou serviço de qualidade. Vale lembrar que durante este período as empresas são obrigadas a concertar o produto independente do problema e da quantidade de peças que será necessário trocar para que o produto volte a funcionar perfeitamente.

Segundo a lei, existem dois tipos de defeitos: o Aparente e o Oculto. Os defeitos aparentes, que são problemas mais superficiais e fáceis de constatar, possuem uma garantia de até 3 meses após a entrega do produto ou serviço. Já os defeitos ocultos, que são os defeitos mais difíceis de perceber, geralmente demoram para ser constatados e justamente por isso o seu prazo só começa após a constatação do problema, mesmo que se leve anos para que o problema seja constatado. Com isso, o consumidor está protegido contra defeitos de fabricação menos óbvios, mas é importante salientar que neste caso às vezes será preciso à apresentação de um laudo técnico atestando que o defeito é realmente de fábrica.

Um detalhe muito importante de se mencionar é que a Garantia Contratual é complementar a Garantia Legal. Ou seja, a Garantia Contratual só poderá começar a valer após o período de 90 dias em que está vigente a Garantia Legal. Isso é garantido pelo artigo 50 do Código de Defesa do Consumidor. É preciso ficar bastante atento a isso, pois muitas montadoras e revendedoras insistem que a garantia contratual engloba a garantia legal. No entanto, se no termo de Garantia está mencionado à validade de um ano, após este período o consumidor pode reclamar da Garantia Legal de 3 meses. 

Garantia Contratual:

A garantia contratual nada mais é do que a garantia fornecida pela fabricante. O prazo de validade desta garantia varia de acordo com a empresa, apesar de geralmente ser de um ano. É importante lembrar que cada montadora ou revendedora segue a sua própria política de garantia, ou seja, ela pode definir o prazo e as peças cobertas pelo seguro. No caso dos carros, geralmente as montadoras dão uma garantia de um ano e cobertura para itens mecânicos, para a suspensão e para os acessórios originais.

Já com relação às peças com desgaste natural como pastilhas de freio, pneus, estofamentos, borrachas, amortecedores e itens da suspensão, geralmente estão excluídos das garantias. Vale lembrar que apesar de não estarem inclusos na Garantia Contratual, estes itens estão cobertos nos 90 dias de Garantia Legal. Outra informação importante de se salientar é que a Garantia Contratual não cobre acessórios que não sejam de fábrica.

Falando um pouco sobre os carros usados, eles também possuem garantia, porém, é preciso ficar atento à política da revendedora. Estes veículos obrigatoriamente estão cobertos pela Garantia Legal de 90 dias. Porém, as revendedoras não são obrigadas a fornecer Garantia Contratual e por isso o consumidor deve ficar bastante atento. Além disso, o consumidor deve olhar a Garantia Contratual fornecida pela montadora, pois muitas vezes o veículo ainda pode estar coberto por esta garantia (que mesmo com a mudança de dono do veículo ela continua valendo).

Outro detalhe importante de se mencionar é que as montadoras obrigam os consumidores a seguirem exatamente o manual do veículo para que este esteja coberto pela Garantia Contratual. Ou seja, é preciso fazer todas as manutenções e concertos dentro de oficinas autorizadas pela marca. Caso o consumidor faça qualquer manutenção fora destas oficinas, ele perderá na hora a Garantia Contratual da peça que foi trocada (mantendo esta garantia para os outros itens).

Por fim, com relação aos carros importados, é a Importadora ou a Filial da Montadora que será responsável pela garantia. Se a montadora possui filial no Brasil, é ela a responsável pela garantia, mesmo que o veículo tenha sido produzido em outro país. Já quando a montadora não possui filial no Brasil, quem fica responsável pela garantia é a importadora que vendeu o carro. 


Dicas de Como Saber se o Carro já foi Batido


Confira aqui algumas dicas para saber se o carro que você está pensando em comprar já foi batido.

Na hora de comprar um carro usado, é preciso muita cautela, principalmente para descobrir se o veículo já foi ou não batido. Para muitos, esta parece ser uma missão quase impossível, mas com estas dicas abaixo você vai ver que é fácil descobrir se o carro já sofreu alguma colisão.

O primeiro cuidado que você deve ter é de analisar o carro totalmente seco. Se for um dia de chuva e o carro estiver todo molhado, as gotas de água poderão esconder várias imperfeições na lataria e na pintura também. Se for o caso do carro estar molhado, então é bom secá-lo primeiro.

Com o carro já seco, procure por imperfeições na lataria, verifique se há ondulações na chapa ou desalinhamento das portas. Fique de frente para o automóvel, se afaste um pouco e mantendo esta distância você poderá vê-lo por inteiro e fazer uma boa análise. Tente descobrir se um lado está diferente do outro e procure nesta hora, deixar de lado a observação da cor ou beleza do modelo, fique focado nos detalhes, procurando por ondulações ou partes diferentes.

Outra ótima dica para lhe ajudar nesta verificação é encostar seu rosto no para-lama do veículo, assim você poderá analisar a lateral com mais facilidade. Realmente pode parece estranho para quem te ver fazendo isso, mas não se importe, porque está é uma excelente forma de descobrir imperfeições na lataria do carro.

Para descobrir se o carro teve alguma batida dianteira, abra o capô do veículo e analise as "paredes" por dentro. Neste local, a pintura não pode estar novinha, pois isso é sinal que foi pintado recentemente, ou seja, teve uma batida frontal.

Verifique também os parafusos internos que ajudam a fixar o painel da grade, pois eles deverão estar na mesma cor do veículo.

Utilize seu dedo para medir o espaço entre o capô e o pára-lamas e caso perceba diferenças é sinal que este capô já foi retirado ou então, que o para-lama já foi substituído.

Fique atento também aos faróis e lanternas, pois se não forem os originais, é porque foram substituídos e isso é feito quando o veículo já foi batido.

Procure também por marcas de tinta na grade dianteira ou nos faróis e lanternas, pois algumas oficinas não tiram estas peças para pintar e um sinal de tinta pode indicar que já teve uma batida.

Foto: Marco Antônio Teixeira / Agência O Globo

Por Russel


Seguro do Carro – O Que Aumenta e O Que Diminui o Valor?


Confira aqui alguns fatores que podem aumentar ou diminuir o valor do seguro do seu carro.

Diversos fatores influenciam no valor de contratação do seguro de um veículo. Para calcular o preço da apólice, as seguradoras avaliam várias características, como por exemplo, idade do motorista, estado civil e local em que reside. Abaixo estão listados alguns motivos que possibilitam que o valor do serviço de seguro seja menor:

  • Quando a pessoa já fechou um contrato anteriormente com a empresa e não acionou o serviço de seguro no período de contrato. O valor da cotação tende a diminuir, a cada ano que o cliente renovar o contrato.
  • Quando o motorista já tem carteira de habilitação acima de 5 anos, nível superior de escolaridade e carteira assinada no mercado de trabalho, o valor da cotação tende a ser 35% menor.
  • Quando o proprietário deixa o carro em uma garagem e também quando o automóvel possui sistema de alarme, o preço tende a diminuir pois o risco de furto é menor.
  • Quando o modelo apresenta o menor número de furtos, a cotação do seguro é menor.
  • Quando o motorista é do sexo feminino e casada. Isso se deve pelo fato das mulheres terem mais cautela no trânsito e dirigirem o veículo em uma velocidade menor, se for comparado com a maior parte dos homens.

Existem também alguns motivos que possibilitam que o valor do seguro seja maior. São eles:

  • Na circunstância em que o local em que o proprietário reside é considerado arriscado. As regiões de risco são aquelas que apresentam o maior número de furtos e enchentes.
  • O condutor acabou de ter a sua carteira de habilitação. Isto se deve ao fator do índice de acidentes ser maior com jovens motoristas que ainda não tem experiência no trânsito.
  • O automóvel é blindado. O motivo do preço do seguro ser mais alto é devido o valor de conserto ser maior, em caso de sinistros.
  • Quando o veículo é de estilo esportivo. Isto porque os motoristas tendem a dirigir com uma velocidade mais alta, aumentando o risco de acidentes.

Confira agora quais são os principais tipos de cobertura dos seguros:

  • Cobertura Básica: Prevê a indenização de prejuízos de danos materiais causados no veículo segurado ou de sua perda. Além disso, esta cobertura também prevê o indenização do segurado em casos de incêndio ou roubo do veículo.
  • Cobertura Adicional: Este tipo de cobertura amplia a Cobertura Básica. Ela pode indenizar por danos referentes a partes do veículo, assim como oferecer carro reserva, entre outras vantagens.
  • Serviços de Assistência: Este tipo de cobertura nada mais é do que o serviço de assistência 24horas, onde o assegurado pode solicitar auxílio para qualquer problema que acontecer com o carro, como troca de pneus, falta de bateria, reboque e coisas do tipo.
  • Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V): Este seguro cobre danos materiais ou corporais involuntários que venham a acontecer com terceiros. Ele reembolsa os terceiros até o valor estipulado em contrato.
  • Acidentes Pessoais de Passageiros (APP): Este seguro indeniza os passageiros do veículo quanto a morte, invalidez e despesas médicas e hospitalares decorrentes de acidentes.

Felipe Couto de Oliveira


Dicas e Cuidados com o Carro em Enchentes


O período chuvoso é responsável por diversos acidentes no trânsito e danos nos veículos. Fortes chuvas diminuem a visibilidade do motorista e ainda diminuem a aderência dos pneus ao solo. Em grandes cidades como São Paulo, há também o risco de alagamentos. Para evitar danos ao veículo e outros riscos pessoais, é necessário que tomemos uma série de medidas preventivas, além de cuidados especiais.

Ao visualizar um trecho alagado, a melhor alternativa é não passar por ele. Se possível procure outro caminho que não esteja alagado. Caso seja necessário passar por aquele trecho que está alagado, podemos analisar antes se a travessia é relativamente segura. Isso pode ser feito primeiramente analisando a profundidade da água, que pode ser feito observando os demais veículos passando pelo trecho que está coberto por água e comparando com as calçadas e construções. Essa observação pode ser feita até mesmo pelos veículos grandes como caminhões e ônibus que estão passando pelo local.

Quem está em um automóvel, o ideal é que a água não ultrapasse o meio da roda do veículo. Já para picapes esse nível pode ser um pouco acima do meio da roda, no entanto, não deve ultrapassar em muito a parte de baixo da carroceria da picape. Isso para água parada, pois caso aja correnteza, os cuidados devem ser redobrados. Lembrando que veículos de grande porte como ônibus e caminhões também provocam ondas que elevam o nível da água. Para trechos com profundidade acima de 60 centímetros, é necessário veículos fora de estrada projetados para esse tipo de travessia.

Caso decida atravessar o trecho alagado, tome os seguintes cuidados:

  • Primeiro: Velocidade moderada, de 10 a 20 km/h;
  • Segundo: Usar primeira marcha na rotação entre 2000 e 2500 rpm, mesmo para câmbios automáticos;
  • Terceiro: Procure passar por onde estão passando os demais veículos, geralmente o centro da água é mais raso;
  • Quarto: Depois de atravessar o alagamento, acione os freios de modo a não parar o carro para que eles se sequem.

Caso a água chegue ao local onde o veículo capta o ar para o motor, essa água vai parar nos cilindros onde deveria haver somente vapor de combustível. Os veículos captam o ar em diferentes locais, geralmente próximo à grade da frente. Caso essa agua vá para os cilindros, o motor do veículo sofrerá diversos danos.

O principal para essas ocasiões é manter a calma e ter paciência.

Se você quiser conferir mais informações e dicas de como dirigir em enchentes, confira o vídeo abaixo:

Dalmo Rocha


Dicas de Como Dirigir na Chuva, com Neblina e à Noite


Com as estações do ano todas alteradas e com chuvas que nem sempre vem naquelas estações nas quais já estávamos acostumados, os motoristas devem estar preparados para enfrentar todas e quaisquer tipo de adversidade climática ao volante, principalmente, no período noturno, quando a visibilidade dos condutores fica muito prejudicada. Pensando nesses problemas vividos por inúmeros motoristas, foi desenvolvida pelo Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI), uma cartilha contendo as principais dicas de como dirigir com segurança na chuva ou com neblina no período noturno. Então, pensando na segurança, vamos repassar as principais dicas contidas nesse manual.

Primeiramente, na chuva os motoristas devem ter bastante cautela, haja vista que a realização de manobras fica mais complicadas devido à diminuição do atrito que as rodas do veículo tem com o asfalto. Outra dica muito importante é que os motoristas aumentem significativamente a distância de segurança entre um veículo e outro, uma vez que com o solo molhado e com a possível presença de resíduos de óleos deixados pelos veículos na pista, a frenagem tende a necessitar de um espaço muito maior, principalmente se for necessário imobilizar o veículo de forma repentina. Em casos de possas d’água muito grandes ou alagamentos, evite-os, pois a água pode comprometer o funcionamento de todo o conjunto do motor do veículo. Outra dica relevante é que se a chuva estiver muito forte, o condutor deve trafegar com os faróis baixos para serem visualizados com maior facilidade.

Outro problema muito crítico é a neblina. Caso o motorista depare com uma região de neblina, uma das principais e mais importantes regras é que ele não faça a utilização do farol alto, mas sim do farol baixo, mesmo durante o dia. Se existente no veículo os faróis de neblina, o condutor deverá liga-lo. Como a neblina prejudica muito a visibilidade, as ultrapassagens devem ser evitadas a não ser que o condutor tenha a total certeza da manobra que está realizando.

O certo é que em clima adverso a atenção e os cuidados devem ser redobrados, pois a incidência de acidente aumenta de forma significativa.

Por Adriano Oliveira


Como Dirigir em Enchentes – Dicas e Cuidados


Nesta época do ano, os temporais são frequentes, principalmente nos fins de tarde e nesta hora, muita gente é pega de surpresa! Pessoas que estão no trânsito já voltando para casa, se veem diante de enormes alagamentos e por falta de preparo ou simples falta de conhecimento sobre o assunto, acabam sem saber o que fazer e muitas vezes, acabam tomando a decisão errada!

Por isso é bom ficar atento a estas seis dicas que daremos agora, para que você saiba o que fazer antes de enfrentar uma enchente, assim, estando preparado, poderá evitar uma série de transtornos.

– Evites regiões onde há alagamento:

Enfrentar as enchentes é a pior coisa que podemos fazer, pois a força da natureza é muito grande! Na cidade onde você mora, com certeza já se sabe quais são as regiões que ficam alagadas quando a chuva é mais intensa. Então, se você ver que o tempo está fechando, nem espere a chuva começar, tome imediatamente a decisão de fazer uma nova rota. Mesmo que o caminho seja mais longo, o importante é que seja mais seguro.

– Verifique bem as condições antes de enfrentar a água:

Mas se você foi pego de surpresa, a chuva começou de repente e o nível da água já está cobrindo a pista, então analise muito bem a situação e verifique se o nível da água onde você está oferece segurança para que seu carro possa atravessar. É só você observar se o nível da água está acima do meio da roda do carro, porque se tiver, nem pense em seguir adiante. Volte imediatamente e espere a água baixar para então poder atravessar.

– Mantenha aceleração constante:

Se você notar que o nível da água ainda não está acima do meio da roda do veículo e decidir atravessar a área alagada, fique atento à forma como você acelera, pois deverá ser uma aceleração constante e sempre em baixa rotação. Deixe o motor na média dos 2.500 RPM, porque acima desta rotação as chances de que entre água no motor são imensas e isto vai fazer com que seu carro pare de funcionar e você tenha um enorme prejuízo financeiro!

Cuidado dobrado com o freio:

Quando está sob uma forte chuva e a região já começa a ficar alagada, a eficiência do freio fica comprometida, o carro demora mais tempo para parar, então é bom prestar ainda mais atenção, manter uma velocidade reduzida e sempre testar o freio para não ter uma desagradável surpresa. Querer correr para sair logo desta situação é um péssimo negócio!

Se o motor desligar, deixe:

Se você estiver em uma região alagada e o motor do carro desligar, deixe assim. Nem pense em tentar ligar o veículo novamente, porque isto vai causar um grande estrago e seu prejuízo será muito maior! Somente um profissional qualificado poderá tentar ligar seu veículo novamente, após analisá-lo com calma, por isso, se o motor desligou, abandone o veículo imediatamente!

Se o veículo estacionado foi inundado, não ligue-o:

Se o seu veículo estava estacionado e foi atingido por uma enchente ou alagamento, após a água baixar, chame um mecânico de sua confiança para averiguar a situação. Tentar ligar o veículo para levá-lo a uma oficina ou retirá-lo daquele lugar, poderá danificar vários componentes e a manutenção custará muito cara.

E o melhor remédio é prevenir, então, na parte da tarde, sempre que possível, fique atento à rádio de sua cidade e aos noticiários, seja pela TV ou Internet, assim, se você ficar sabendo que há riscos de temporais, terá tempo de tomar providências, para evitar que o pior aconteça!

Foto: Maurício Glauco/ EPTV

Por Russel


Cuidados e Dicas de Como Limpar o Capacete


O número de motos nas ruas continua aumentando, tanto pela agilidade deste meio de transporte como também pela economia de combustível, mas os motoqueiros na grande maioria das vezes esquece de um detalhe muito importante, que é a limpeza adequada do capacete!

O capacete sujo pode acumular um grande número de germes, ácaros, bactérias e pode até mesmo vir a causar um câncer nas vias aéreas por gerar microtoxinas, por isso, é tão importante ficar atento à limpeza!

O capacete deve passar por uma limpeza mais profunda a cada 60 dias no período de calor e a cada 30 dias no período de frio.

A parte externa é mais fácil de ser limpa, pois com água e sabão neutro você pode limpar o casco e até passar aquela cera protetora, que passamos na lataria do carro, pois ajudará a proteger o capacete.

Já a viseira precisa de um cuidado extra, pois ela deve ser retirada e lavada em água corrente. Não utilize sabão ou esponja para limpar sua viseira, pois isso poderá danificá-la, principalmente se ela possuir antiembaçante, anti-raios UV, entre outros protetores.

Depois de lavada, a viseira deverá secar à sombra, naturalmente.

Por dentro, o capacete requer uma limpeza mais cuidadosa. As partes que podem ser removidas, deverão ser retiradas para que assim a limpeza possa ser feita de forma correta. Veja se o seu capacete permite a retirada do forro, da viseira e até mesmo da narigueira.

Lave cada parte separadamente, utilizando água morna, shampoo infantil ou sabão de coco. Você pode utilizar uma escova para ajudar na limpeza, desde que seja com cerdas bem macias.

A secagem deve ser feita naturalmente, à sombra, em local ventilado.

A limpeza feita em casa nem sempre garante uma total eficiência, por isso, sempre que possível você poderá optar pela higienização feita com ozônio. Este serviço é prestado por empresas especializadas e o produto é natural, não deixando nenhum odor ou resíduo em seu capacete.

O indicado é que a higienização seja feita pelo menos a cada 2 meses.

Por Russel


Dicas e Cuidados para Comprar Moto Usada ou Seminova


Você que está pensando em comprar uma moto seminova ou usada, já parou para pensar quais são os requisitos fundamentais para se viabilizar um bom negócio? E quais são os cuidados que você dever tomar para que não haja prejuízos futuros em relação a moto que você vai comprar?

Primeiramente, motos seminovas são classificadas por especialistas como motos com até dois anos de uso ou motos que tenham quilometragem máxima de 25 mil quilômetros rodados. Então, se você que está pensando em adquirir um moto seminova, observe essas dicas, pois muitos vendedores oferecem motos acima de dois anos de uso e com quilometragem maior que 25 mil quilômetros, fazendo propaganda enganosa e dizendo que a moto é seminova.

Outro fator primordial é verificar a documentação da moto, hoje em dia existem empresas especializadas em prestar serviço de vistoria, que são capazes de fornecer laudos detalhados sobre a procedência da motocicleta, relatando se a documentação está em ordem ou se a motocicleta já foi fruto de sinistro, se é um produto adquirido em leilão e até se a moto já sofreu acidente com classificação de perda total.

Agora se você tiver dúvidas em relação ao estado da moto ou em relação a quilometragem indicada, observe alguns detalhes como:

O estado da manopla, que se tiver com aspecto visual muito desgastado indica que a moto já foi bastante usada.

A pedaleira, observe o estado da pedaleira pois ela pode te indicar um uso muito acima do que a quilometragem mostrada no painel.

Olhe os estados dos pneus, pois se eles estiverem “carecas” indicam que a moto já rodou muito acima de 25 mil quilômetros e se houver diferenças de um lado ao outro, pode ser que a moto já tenha participado de eventos de corrida.

Olhe o estado das cabeças dos parafusos, pois eles indicam se a moto já teve suas carenagens e pneus trocados ou se já passaram muitas vezes na oficina para manutenção.

Então fique atento as dicas acima para fazer um bom negócio, lembre-se, se você for comprar uma moto usada de uma pessoa física, procure um amigo ou parente, pois dessa forma você poderá saber da procedência da moto, agora se você quer comprar de uma pessoa jurídica exija o seu direito de garantia, pois todas as concessionárias tem o dever de te oferecer uma garantia mínima de três meses.

Foto: G1

Por Rodrigo da Silva Monteiro


Diferenças entre Motor a Diesel e a Gasolina


Hoje em dia é primordial saber diferenciar os desempenhos de motores e dos combustíveis que os movem, não somente porque é importante e fundamental sempre ter um conhecimento amplo das coisas que estão ao nosso redor, mas também na hora de comprar um veículo, para que não haja arrependimentos futuros em relação ao que busca o usuário em relação a sua aplicação, por essas razões, essa matéria visa esclarecer as principais diferenças entre motores movidos a óleo diesel e motores movidos a gasolina.

A diferenciação básica entre esses dois motores está na capacidade de gerar rotações dentro dos cilindros, ou seja, fazendo a comparação, o motor a gasolina é capaz de gerar até 6000 mil rotações em contrapartida o motor a óleo diesel é capaz de gerar até cinco mil, uma diferença de mil rotações.

Essa diferença de rotação se dá porque que o motor a óleo diesel possui uma taxa muita alta de compressão (em suma ele explode a mistura ar + combustível mais rápido), sendo que o motor a gasolina tem uma taxa de compressão menor, o que faz com que ele seja mais “fraco” em relação à força ao desempenhar a função da combustão, por isso, o motor movido a óleo diesel é utilizado em veículos e máquinas mais pesadas, como caminhões, barcos, trens, navios, compressores e bombas.

Por sua vez, o motor movido a gasolina consegue uma performance de velocidade melhor que o motor movido a diesel, isso o faz ser mais utilizado em veículos de pequeno porte, como carros de passeio e motocicletas, que requerem menos força e mais velocidade.

Outra importante diferença que deve ser gravada pelo leitor, é que o motor movido a diesel é mais econômico em relação ao motor movido a gasolina, pois a composição de hidrocarbonetos que constituem a gasolina são mais “leves” que aqueles que compõem o óleo diesel.

Por Rodrigo da Silva Monteiro


Como cuidar da pintura do carro para evitar a desvalorização?


Quem tem carro precisa cuidar da pintura para manter a boa aparência do veículo, evitando assim sua maior desvalorização. O que pode dificultar a venda ou a troca por um modelo mais novo. Confira algumas dicas para manter a pintura sempre nova.

Cuidado na escolha do lava – jato. Nesses tempos de escassez de água, o ideal é optar por lavagens ecológicas. O tempo é menor e as vantagens também, principalmente para quem possui consciência de que é preciso poupar este recurso. Se não tiver essa opção, verifique se o lavador começa o serviço pelo teto e não por baixo, dessa forma se gasta menos água e a sujeira de cima não desce para a parte inferior do veículo. O que poderá deixar o veículo sujo nesta parte.

Deixe – o veículo sempre debaixo da sombra, principalmente se ele for repintado. Isso porque as funilarias utilizam pintura com base em Poliuretano ao invés do Poliéster, empregado pelas montadoras. O PU não exige uma aplicação de verniz, tornando a pintura mais vulnerável a ação do sol. Nesses casos o ideal é a aplicação da cera.

Polimentos, cristalizações e outros procedimentos podem remover parte do verniz, devido a utilização de politrizes de alta rotação juntamente com a massas abrasivas. Esses procedimentos são indicados somente para pinturas com manchas e queimaduras do sol.

Evite utilizar capas protetoras de plástico, que aumentam a quantidade de poeira e de umidade. Opte por modelos forrados por dentro e que aumentam a ventilação em seu interior. Além disso, ela deve ser usada sempre limpa e seca. Sempre que surgirem amassados repare sempre que puder e não deixe que se acumulem, pois pode haver a necessidade de pintar todo o veículo.

Deixe o carro sempre longe de agentes que podem comprometer a pintura. Entre eles destacam-se a goteira de cimento, óleo de freio, sujeira de pássaros, querosene, tinta, marcas de demarcação de asfalto e outros. Com essas medidas ficará fácil manter a pintura sempre bem apresentável. 

Ana Rosa Martins Rocha


Dicas e cuidados para trocar o limpador de para-brisa do carro


Ter um carro é algo que se tornou extremamente comum em todo o mundo. Porém, muitas pessoas não dão o devido cuidado que o seu carro deve ter. Dessa forma, os mesmos se esquecem de realizar manutenções, bem como dar atenção aos mínimos detalhes. Um bom exemplo é quanto ao limpador de para-brisa, pois muitos não sabem que essa peça deve sofrer manutenção e ser limpa para que nada inconveniente venha a ocorrer.

Vale ressaltar que os limpadores de para-brisa são feitos de borracha, ou seja, após algum tempo de uso essa parte do automóvel irá se desgastar naturalmente. E quando isso ocorrer, saiba que você possui duas alternativas para fazer a manutenção de seu limpadores de para-brisa. A primeira delas é recorrer a um mecânico, enquanto que a segunda é a sugestão de você mesmo fazer o serviço, haja vista ser algo simples.

A grande indicação de muitos especialistas é que a borracha seja limpa a cada dois meses e a palheta que contem a mesma deve ser trocada em, no máximo, uma vez por ano. Vale destacar que é a parte com borracha a responsável pela limpeza dos vidros, dessa forma, essa será a parte que deve ser trocada.

As palhetas desgastadas podem trazer vários tipos de riscos para a segurança do motorista, bem como dos passageiros. Saiba que as palhetas desgastadas irão fazer com que o sistema do braço do motor elétrico tenha um trabalho maior que o normal. Essa sobrecarga no motor elétrico pode trazer algumas consequências e até mesmo a paralisação do equipamento.

Um prejuízo muito comum entre aqueles que utilizam palhetas desgastas são os riscos que vão surgindo no vidro do carro. Normalmente esses riscos são nos vidros dianteiros, haja vista o limpador de para-brisa dianteiro ser o mais utilizado. E como todos bem sabem a manutenção do vidro, bem como a troca do mesmo possui um preço bem alto.

Se você está passando por este tipo de problema, saiba que os cuidados são simples. Além da troca de peças desgastas você também pode fazer limpezas. O mais indicado nas limpezas é o uso de produtos neutros juntamente com o auxílio de um pano umedecido. Produtos como álcool, querosene e derivados não são indicados, pois os mesmos irão ressecar a borracha.

Por Bruno Henrique


Confira Dicas para instalar bateria automotiva no seu veículo


A Bateria Automotiva é um dos itens mais significativos do seu veículo porque além de fornecer energia elétrica para ignição eletrônica, unidade de comando e para o motor de arranque ela tem também como função nutrir todo o sistema elétrico do automóvel quando o motor não está em funcionamento. É necessário ter algumas precauções quando do momento da instalação e seguir alguns procedimentos para evitar aborrecimentos como curtos, descarregamentos, entre outros dissabores causados por uma má substituição desse componente.

Para uma correta substituição da bateria siga alguns passos importantes recomendados pelo fabricante do veículo. Para isso consulte o manual fornecido pelo fabricante do veículo ou mesmo um catálogo fornecido pela marca da bateria que estão disponíveis nos postos de trocas.

Uma forma de constatar se a bateria está com um nível ideal de carga, ou seja, tensão acima de 12,3 Volts (V), como também se já está com a data limite vencida a partir do dia de aquisição. Para efetuar a troca é necessário que todos os componentes ( rádio, farois, luzes, setas, etc), estejam todos desligados antes de efetuar a troca.

Segundo técnicos do ramo de troca de bateria, em primeiro lugar desconecte primeiro o polo negativo e em seguida o polo positivo para em seguida retirar  bateria. Já para o procedimento de instalação da nova bateria você deve conectar o cabo positivo primeiro e verificar se está bem apertado para depois conectar o cabo negativo. Ressalte-se que conexão dos polos quando feito de maneira incorreta pode acarretar vários riscos ao sistema elétrico do carro.

É importante constatar que os terminais dos cabos e os polos da bateria estão em bom estado, porque a limpeza dos polos e dos terminais é fundamental para haver bom um contato. Não se deve passar nenhum produto químico com graxa, óleo ou combustíveis para limpeza dos terminais.

O controle de qualidade deve ser realizado antes de colocar a bateria em funcionamento para evitar que algum parafuso, chave de fenda ou porcas esquecido ao lado da bateria para evitar que esses objetos perfurem a caixa da bateria. Bem como observar se ela ficou bem fixada

Certifique-se após instalar a bateria se o alternador, gerador, motor de partida estão em perfeitas condições de funcionamento e se não há perda de corrente que irão ocasionar um desgaste prematuro da bateria.

Por Alexandre de Sá


Sistema de Arrefecimento – Como diagnosticar um problema no carro?


Vários condutores de veículos quatro rodas já tiveram experiência de parar o veículo em algum lugar e notar uma fumaça do capô se manifestar, fazendo com que a luz que marca a temperatura do líquido de arrefecimento se acenda. Outro problema que acontece é o motorista estar dirigindo por uma estrada em um dia de temperatura mais fria e notar que o veículo está consumindo mais combustível, além de o aquecedor não funcionar.

Situações como as supracitadas são sintomas que o arrefecimento do veículo está inoperante e/ou ineficiente. Mas como ter certeza que o problema é mesmo esse? A resposta é que não é preciso ser mecânico para diagnosticar a incômoda situação, bastando apenas uns 50 minutos de trabalho para constatar a irregularidade e fazer uma verificação.

Num primeiro momento, é importante perceber quando o carro exige o trabalho em alta temperatura, já que isso pode ser em virtude de falhas em variados componentes do sistema de arrefecimento; outra medida é observar se há vazamentos, conferindo se o líquido de arrefecimento está no nível correto, além, é claro, da conferência da temepratura operacional.

Geralmente, quando se tem vazamentos nesse sistema, os problemas estão nas magueiras sque fazem o elo entre os componentes, tendo uma magueira inferior e outra superior ao motor, mais duas mangueiras do aquecedor; o vazamento também pode ser constatado se observando o exterior do radiador e os anéis e/ou braçadeiras que prendem as mangueiras.

Outra medida é, após o carro tiver esfriado, remover a tampa do radiador e conferir o funcionamento do termostato, que se estiver em pleno funcionamento permitirá que se veja o fluxo do líquido, mas caso esteja com problemas estará travado e será necessário que seja feita a substituição.

Lembrando que as medidas acim são manutenção e verificação em primeiro escalão, ou seja, caso seja algo mais complexo é indispensável a análise por um profissional competente, que analisará os demais componentes do sistema, como funcionamento correto das ventoinhas ou até mesmo um radiador obstruído.

Vinícius Cunha


Dicas de Mecânica – Defeitos mais comuns da Vela de Ignição


As velas de ignição utilizadas em carros e motos têm a finalidade de queimar o combustível inserido e comprimido na câmara de combustão, cuja explosão impulsiona o sistema mecânico que transmite essa energia às rodas e impulsiona o carro para movimentar-se. Mesmo com o avanço tecnológico para o controle da ignição, vários fatores podem influenciar no seu perfeito funcionamento, por exemplo: quantidade, qualidade e temperatura do ar admitido para a câmara de combustão, tendo-se a necessidade periódica da limpeza ou substituição do filtro de ar; quantidade e qualidade do combustível, tensão correta enviada às velas e isolação dos cabos de alta tensão.

Para tanto, antes mesmo de checar a necessidade de reposição ou limpeza das velas, deve-se checar tais ítens necessários para o correto funcionamento das mesmas. As velas possuem especificação única por fabricante, para cada modelo de veículo além de necessitar corrigir o espaçamento entre as pontas do eletrodo central e lateral, cujo distanciamento proporcionará a faísca correta para a queima do combustível. Tal regulagem como a substituição necessitam de conhecimentos e ferramentas específicos, pois cada modelo de veículo possue suas características próprias determinadas pelo fabricante.

As velas por sua vez, identificam a origem dos defeitos nela causados, como exemplo mais comum a baixa octanagem, na maioria das vezes indica o uso de um combustível com propriedades alteradas. Um outro defeito característico, a vela de ignição muito quente sugere em grande parte dos casos, a utilização de modelo e especificação de vela incorreta.

E uma visualização mais aproximada nas velas, pode-se perceber a causa através de colorações e/ou deformidades existentes nas velas. Por exemplo: resíduos de coloração vermelha, marrom ou amarela no bico do isolador, indica Impurezas ou aditivos no álcool ou lubrificantes que não se queimam em determinadas condições, havendo necessidade de substituir as velas posto que tais resídulos são de difícil remoção.

O isolador quebrado ocorre normalmente pela expansão térmica ou choques térmicos, originados por aquecimento e resfriamento brusco ou pelo choque mecânico da detonação, popularmente conhecido como "batida de pino", mais provavelmente oriundo do uso de ferramenta inadequada para a calibragem da folga.

Outro aspecto também visualizado em velas de ignição, são os eletrodos fundidos. Nos casos extremos, o eletrodo desaparece completamente na ponta ignífera, ocorrendo também a fusão do isolador. Tal anomalia causa grande perda de potência no motor, além de subir rapidamente a temperatura na câmara de combustão causando inclusive danos no pistão.

Com o motor em boas condições, as velas apresentam depósitos de coloração marrom, marrom claro, cinza ou cinza claro, resultando desempenho e consumo de combustível satisfatórios. Para assegurar essa operação de maneira contínua e satisfatória, limpe as velas e regule as folgas dos eletrodos a cada 3.000 km e troque-as conforme a especificação no manual do proprietário.

Francisco Sanches de Aguiar


Dicas para economizar combustível


Um transporte público ineficiente para atender a toda população. Esta é sem dúvida uma das causas que mais contribuem para que milhões de brasileiros sejam obrigados a colocar todos os dias seus carros nas ruas e avenidas de todo o país para se deslocarem até o trabalho, levar e buscar seus filhos na escola e realizar outras atividades diárias.

Mas com o alto valor dos combustíveis nas bombas, está ficando cada vez mais difícil para os brasileiros conseguirem encher o tanque de combustível de seus carros. E para você e muitas outras pessoas que não têm outra opção senão utilizar seu carro no dia a dia, aqui vão 10 dicas simples que podem te ajudar a entrar menos nos postos de combustíveis para abastecer.

1.       Calibragem dos pneus: Andar por aí com os pneus do carro murchos ou com a calibragem errada, faz com que haja um atrito maior do pneu com o solo, ocasionando um consumo maior de combustível e também um desgaste maior dos pneus. A calibragem deve ser feita regularmente a cada 15 dias e de acordo com o especificado pelo fabricante do veículo.

2.       Manter alinhamento em dia: Um carro desalinhado acaba consumindo mais, pois nestas condições há um aumento da resistência dos pneus contra o solo, o que ainda acaba dificultando a dirigibilidade. O ideal é realizar um alinhamento a cada 10.000 km rodados.

3.       Uso do ar-condicionado: Este pode ser considerado um dos grandes vilões da atualidade para o alto consumo de combustível dos carros. Caso o clima da cidade onde você esteja se encontre mais ameno e o trajeto ao qual você for fazer não seja muito longo, experimente desligar o ar e abrir as janelas. Você vai notar uma diferença no consumo de combustível do seu carro. Já se você estiver transitando por estradas ou em vias expressas onde a velocidade é maior, a dica é inversa, feche as janelas. Nesta situação, os vidros fechados contribuem para diminuir a resistência do ar com o veículo.

4.       Excesso de peso: Esta equação é simples, pois quanto mais peso o carro estiver carregando, maior será o esforço do motor para fazer com que o carro se movimente e com isto, seu consumo vai às alturas.  Verifique no porta-malas e no interior do seu carro o que você anda carregando todos dos dias desnecessariamente e pare de queimar combustível atoa.

5.       Controle o acelerador: Procure não acelerar de forma brusca e desnecessária. Uma aceleração tranquila e gradativa ajuda a diminuir o consumo de combustível, além de contribuir para a vida útil do motor do seu carro. Ah, e quem nunca deu aquela última acelerada antes de desligar o carro? Pois é, sabe para que ela serve? Para nada, apenas para gastar mais combustível. Portanto, este é mais um hábito a ser deixado de lado para o bem do seu bolso.

6.        Esquentar o motor do carro: Hoje isto não é mais necessário. Os motores dos carros com injeção eletrônica são aquecidos automaticamente por este sistema. Há apenas uma recomendação para os carros novos com menos de 1.000 quilômetros rodados, que é apenas ligar o carro, esperar alguns poucos minutos e aí sim começar a andar. Nos carros novos que já atingiram esta quilometragem, basta ligá-los e seguir viagem.

7.       Troca de marchas: Você já teve a impressão que o motor do seu carro está literalmente gritando ou mais popularmente dizendo, “esgoelando”? Pois é, ele está tentando te alertar que está consumindo mais combustível que o necessário e que está na hora de você fazer a troca de marcha. Procure não esticar demais as trocas de marchas e também mantenha a rotação do motor sempre mais baixa. E lembre-se, marchas fortes são para subidas íngremes e também podem ser usadas como freio motor nas descidas. Agindo assim você consegue frear o carro e ainda economiza combustível, pois a injeção eletrônica identifica que não é preciso acelerar durante a descida e interrompe o envio de combustível para o motor. A famosa banguela deve ser evitada, pois além de uma ação perigosa, ela não contribui em nada para a economia de combustível, já que mesmo em ponto morto, o motor continua trabalhando.

8.       Evite o excesso de acessórios: Não vá fazer do seu carro uma árvore de natal, um trio elétrico ou um carro alegórico com vários acessórios. Qualquer alteração que você faça nas características originais do veículo pode provocar uma resistência maior ao ar e juntamente com esta resistência, vem o aumento do consumo de combustível.

9.       Reduza a velocidade: Você não é um piloto de Fórmula 1 ou da Indy, então não há necessidade de sair por aí em alta velocidade, ziguezagueando entre os carros,  colocando a sua vida e a de outros motoristas em risco. Além de perigoso e arriscado, você só vai aumentar seu consumo de combustível e diminuir a vida útil do seu carro. Se você gosta de velocidade e quer correr, vá para um kartódromo. Lá você vai poder fazer isso em uma pista própria, com orientação e segurança.

10.   Visite seu mecânico: Não se esqueça de visitar regularmente o seu mecânico para fazer uma revisão no seu carro. O desgaste natural de algumas peças, um motor desregulado, filtros de ar e velas sujas, podem contribuir para um aumento no consumo de combustível do seu carro. Portanto, siga as instruções do manual do veículo e não deixe seu carro sem as revisões necessárias.

Por André F.C.

Economizar combust?vel


Dicas de Como Conseguir Descontos em Concessionárias


Os impostos irão encarecer mais os carros em 2015 e qualquer desconto é uma boa ideia para quem deseja começar o ano de modelo novo. Algumas situações ajudam ao consumidor, que pode solicitar valores mais atrativos na hora de negociar com a concessionária. O ideal é não ter pressa e não ceder a pressão imposta pelo vendedor, que muitas vezes, consegue levar o cliente no “papo”.

É importante ter tranquilidade, tanto na escolha do modelo que mais interessou quanto a concessionária e as condições de compra. Visite mais de uma loja, converse com o gerente, mas cuidado para não ser influenciado, principalmente se for leigo no assunto. Pesquise direito sobre o modelo, as condições de compra e não faça a compra por impulso. É importante também tomar ciência das taxas, juros (caso for financiar) e também sobre a concessionária, para verificar se ela tem boa índole.

Os modelos mais vendidos podem ser até o que passam maior credibilidade, contudo, são os que as concessionárias estão dispostas a oferecer menores descontos. Se a compra será realizada com base nos valores, fuja do top 10 para conseguir um preço mais interessante. Se aquele que mais interessa for um deles, negocie bastante. Tente fechar o negócio no fim do mês, pois os vendedores estão mais flexíveis nessa época, sobretudo se as vendas durante o decorrer do mês não foram satisfatórias.

Se você quer transparência na compra, o ideal é que seja sincero e transparente com o vendedor. Afinal, ele também é uma pessoa e pode não ser amigável com os clientes que exigem demais. Geralmente são esses que acabam pagando mais, principalmente se não forem educados com as pessoas. Seja sempre cortês e sincero, afirmando quanto pode (ou deseja) pagar, sempre prezando pelo bom senso. Lembre-se também que existem limites que o vendedor pode oferecer e ele nem sempre está disposto a chegar até ele.

Foto: Renato Araújo / ABr

Ana Rosa Martins Rocha