Saiba aqui como pagar e as consequências do IPVA Atrasado.

O Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor – IPVA, trata-se de um tributo de nível estadual que incide sobre todos os proprietários de veículos. Os valores que decorrem do pagamento são dividos de maneira igualitária entre os municípios e estados.

O não pagamento do IPVA pode trazer uma série de consequências para o motorista, entre as quais ser inscrito na dívida ativa de inadiplentes do tributo.

O não pagamento da dívida do IPVA também pode fazer com o CPF do proprietário do veículo sofra com determinadas restrições. Caso isso ocorra, é muito provável que ele encontre dificuldades para realizar compras à prazo ou ter acesso à crédito bancário.

Se o condutor for parado e for verificado que estava dirigindo com o IPVA atrasado, a atitude é enquadrada como infração gravíssima.

Além disso, ele é obrigado a pagar uma multa e tem o veículo apreendido.

É importante destacar que os valores cobrados pelo IPVA é algo que é definido de forma isolada por cada estado da federação. É por isso que entre um e outro observamos alíquotas diferenciadas e regras diferentes.

Na verdade, esse ponto é esclarecido no artigo 155 da Constituição Federal. Nessa mesma disposição, é possível conhecer a evolução dos prejuízos que podem advir do não pagamento desse imposto.

O que pode acontecer quando o motorista não paga o IPVA?

O primeiro prejuízo que vem com atraso do pagamento do IPVA é o acréscimo de juros e multas que, quanto mais atrasar, mais contribuirá para o aumento da conta.

É por isso que adiar tanto quanto possível o pagamento dessa dívida é uma péssima ideia, pois o que era pequeno começa a se tornar uma verdadeira bola de neve.

E tem mais, se o proprietário do veículo não tem o comprovante do pagamento de IPVA, ele estará automaticamente impossibilitado de fazer o licenciamento do veículo e isso, claro, pode ocasionar multas e apreensão do carro.

Vale lembrar que essa taxa de licenciamento é usada como comprovação de que o carro está liberado para trafegar por todo o território nacional.

As inscrição do nome no cadastro de dívida ativa que apontamos anteriormente, além de tornar mais complicada a aprovação e a obtenção de empréstimos, também aumenta o nível de restrição para as mais diversas formas de crédito.

Vender o carro também fica mais difícil, afinal, dificilmente será possível encontrar alguém que esteja de acordo em assumir as contas pendentes de um veículo.

Por isso, a melhor forma de evitar todos esses problemas é se planejar e cuidar do orçamento para que o pagamento desse tributo seja feito dentro do prazo previsto.

Como fazer para pagar o IPVA atrasado?

Para regularizar sua situação e quitar seus débitos com o IPVA o processo é bastante simples.

Para fazer isso, os proprietários de veículos precisam acessar o site oficial da Secretaria da Fazenda (Sefaz) ou mesmo do Detran de seu respectivo estado.

Depois, é só solicitar uma nova guia que já vem com os cálculos das multas previstas e a nova data em que o pagamento poderá ser feito.

Mas e se você tiver algum tipo de imprevisto?

Não seria surpresa nenhuma se algo surgisse e atrapalhasse o pagamento de sua dívida. A situação econômica do país não está ajudando, não é mesmo?

Mas tem algo que talvez possa te ajudar nesse sentido. É a alternativa oferecida pelos Programas de Parcelamento. Praticamente todos os estados da federação contam com algo nesse sentido para ajudar o devedor a quitar seus débitos aos poucos.

Mas é preciso ter muita atenção, porque mesmo aqui os prazos estipulados precisam ser respeitados.

Para conferir se seu estado oferece algum tipo de serviço nesse sentido, basta acessar o endereço eletrônico da Secretaria de Fazenda.

Agora que você já sabe disso, aproveite e compartilhe esse post em suas redes sociais preferidas!

Denisson A. Soares


Confira aqui mais detalhes sobre o pagamento do DPVAT 2019.

O valor do Seguro DPVAT 2019 sofreu algumas mudanças e a partir de agora está com um preço menor. Devido às modificações ocorridas nos valores, houve uma variação de 35% no custo do seguro imposto por lei para os veículos automotores. Prossiga com a leitura paraentender melhor sobre o que é, como funciona e demais informações acerca do DPVAT 2019.

Inicialmente é necessário conhecer o que é o DPVAT. Nada mais é do que um imposto requerente aos Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, que explica a sigla utilizada. Este tributo é uma taxa obrigatória cobrada anualmente, usada na prestação de assistência em eventos onde ocorram suplementares (DAMS) por danos de menor gravidade, despesas com assistências médica ou invalidez permanente e funciona até mesmo em casos como mortes ocasionadas por acidentes de trânsito em todo o Brasil. O vencimento do DPVAT acontece junto ao do IPVA e para que o motorista adquira o licenciamento anual do veículo, basta pagar a taxa estabelecida.

O valor da indenização DPVAT 2019 varia de acordo com cada caso, naqueles onde é necessário o uso de despesas médicas, a quantia do reembolso é de até R$ 2.700. Em ocasiões onde houve alguma morte, os descendentes ou qualquer herdeiro legal da vítima receberão uma indenização no valor de R$ 13,5 mil. Em circunstâncias de invalidez, o valor se modifica conforme a gravidade das sequelas deixas pelo ocorrido, chegando a ser até R$ 13,5 mil. A fim de receber o benefício é necessário que se comprove a trágica eventualidade.

Para solicitar o seguro DPVAT não é preciso a contratação de terceiros, pois é um procedimento gratuito, fácil e direito do motorista ou da família. É preciso tomar cuidado com aqueles que acusam esse processo de ser difícil, pois é possível que estejam tentando lhe enganar. Pagar para receber esse auxílio seria como ceder uma parte da quantia que pertence apenas a você, portanto, em caso de dúvidas, basta consultar o site do seguro e acompanhar o andamento da solicitação. O prazo para a realização do pedido é de até três anos, independente da eventualidade, o que muda é a data pela qual será iniciada a contagem desses anos. Nas eventualidades onde houve alguma morte, a contagem se inicia partindo da data do óbito. Em casos onde ocorreram despesas médicas, a conta começa desde a data do acidente. Enquanto para os que provocaram invalidez, o cálculo é iniciado na data da ciência de sua invalidez, por meio de laudo médico.

Nas ocasiões onde as vítimas sofreram danos fatais e não podem requisitar o seguro, parentes poderão efetuar o pedido, basta levar os documentos necessários ao ponto de atendimento mais próximo. Como a documentação varia de acordo com a situação, é aconselhável que pesquise quais documentos são necessários para o seu caso. Ao pedir reforço a terceiros, como advogados, esteja ciente de que a indenização do seguro é liberada num prazo de até 30 dias desde sua solicitação, mas a requisição através da justiça pode levar anos para ser liberada. Esteja atento para não ceder uma parcela do beneficio para realizar pagamentos e comissões a terceiros por um serviço que é gratuito.

Os valores do seguro, sem acrescentar outros impostos ou taxas, são de R$ 41,40 para automóveis particulares, carros de aluguel e táxis. A única taxa a não sofrer mudanças é relacionada a motocicletas e motonetas, custando R$ 180,65. O valor de R$ 43,33 é para caminhões, caminhonetes, máquinas de terraplanagem, picapes, reboques, tratores com pneus com reboques acoplados e semirreboques. Para ciclomotores com até 50 cilindradas (as chamadas por “cinquentinhas”), o valor é de R$ 53,24. Micro-ônibus, ônibus sem cobrança na frente e lotação com cobrança na frente (mantendo um limite de até 10 passageiros) devem pagar R$ 99,24. Por fim, o valor de R$ 160,00 se refere as lotações com limite superior a 10 passageiros, ônibus e micro-ônibus que possuem uma cobrança na frente.

Fabio Santos


Confira aqui o calendário de pagamento e os descontos no IPVA MG 2019.

O fim do ano se aproxima, você e sua família começam a se preparar para as festividades. Logo passada as festas, chegam boletos e mais boletos. Para aqueles que possuem um veículo, a dor de cabeça começa a se intensificar. É preciso estar atento para estar regular com os documentos e impostos. Um deles é o IPVA, um imposto que incide sobre propriedade veicular de automotores. O que muitas pessoas não sabem é que este imposto, depois de recolhido, é redistribuído para muitas áreas importante da máquina pública. Começa assim: o contribuinte paga e desse valor 50% fica com o Estado de origem e 50% no município onde foi colocado a placa. Os diferentes Governos redistribuem em áreas como saneamento, saúde, educação, segurança, entre outros.

Os valores de IPVA são diferentes, a depender de cada federação (Estado). Em São Paulo é o Estado onde a alíquota é maior 4% (valor do veículo). Nos demais, variam de 1% a 3%, fazendo com que proprietários busquem licenciar seus veículos onde os valores são mais baixos. Contudo, esta conduta é ilegal e pode causar grande dor de cabeça quando descoberta, pois os proprietários, quando descobertos, devem pagar todos os anos os quais havia pago no Estado escolhido. Ou seja, irá pagar duas vezes o IPVA do veículo. Medidas como esta, buscam cercear pessoas de burlar a lei na busca por impostos mais baratos em estados como o Paraná, que tem uma Alíquota que varia de 1% a 2,5%.

Em Minas Gerais as alíquotas estão bem distribuídas entre 1% e 4%.

Veja cada categoria:

A) 4%: Automóveis, veículos misto, utilitário e não especificados.

B) 3%: Embarcações, furgão, caminhonetes de carga estilo picape

C) 2%: Motocicletas, Triciclos, ciclomotores, quadriciclos, motonetas, automóveis (veículos mistos e utilitários com devida autorização de transporte público de passageiros na categoria “aluguel”).

D) 1%: Veículos de locação, propriedade jurídica exclusivamente para locação.

E) 1%: Aeronaves, ônibus, micro ônibus, caminhão trator, Caminhão.

Outra informação pouco vinculada é a possibilidade de isenção do IPVA. Há alguns casos específicos, como por exemplo, veículos furtados, extorquidos ou roubados; veículo táxi, além de pessoas com necessidades especiais, de acordo com o Decreto n.º 43.709/03.

Para o IPVA de 2019, em Minas Gerais, a Secretaria de Fazenda divulgou informações como Escala de Pagamentos e Descontos. Para o próximo ano, os vencimentos acontecem já a partir de 14 de janeiro de 2019 com placas de finais 1 e 2 e para aqueles que optarem por não parcelar terão um desconto de 3%. Uma outra oportunidade que foi divulgada é o desconto de 3% para bons pagadores nos anos de 2017 e 2018. Ou seja, aqueles proprietários que quitaram seus débitos, incluindo multas, impostos e taxas em dia nestes dois anos, além de conseguirem 3% sobre o valor total, terão mais 3% de desconto automaticamente. Estima-se que serão 2,8 milhões de veículos a receber o incentivo de bom pagador. Este contingente atinge 29% de toda a frota de veículos do Estado. O Governo espera arrecadar R$ 5,44 bilhões dos aproximadamente 10 milhões de veículos com emplacamentos feito até 19 de outubro. O contribuinte pode parcelar em até 3 vezes, observando o valor mínimo de R$ 150,00. O pagamento já está liberado nos terminais autorizados utilizando o RENAVAM do Veículo. É só baixar a guia de arrecadação no site da Secretaria de Fazenda. Outra coisa importante é não esquecer o vencimento do TRLAV – O licenciamento Anual. O valor é de R$ 102,42 com possibilidade de pagamento até de 1º de Abril de 2019. Veja abaixo a escala de pagamentos.

Tabela de pagamento IPVA 2019 MG

  • Final de Placa 1: Dia 14 de Janeiro, 14 de Fevereiro e 14 de Março
  • Final de Placa 2: Dia 14 de Janeiro, 14 de Fevereiro e 14 de Março
  • Final de Placa 3: Dia 15 de Janeiro, 15 de Fevereiro e 15 de Março
  • Final de Placa 4: Dia 15 de Janeiro, 15 de Fevereiro e 15 de Março
  • Final de Placa 5: Dia 16 de Janeiro, 18 de Fevereiro e 18 de Março
  • Final de Placa 6: Dia 16 de Janeiro, 18 de Fevereiro e 18 de Março
  • Final de Placa 7: Dia 17 de Janeiro, 19 de Fevereiro e 19 de Março
  • Final de Placa 8: Dia 17 de Janeiro, 19 de Fevereiro e 19 de Março
  • Final de Placa 9: 18 de Janeiro, 20 de Fevereiro e 20 de Março
  • Final de Placa 0: 18 de Janeiro, 20 de Fevereiro e 20 de Março

DOUGLAS MARCOS PEREIRA DE PAULA


A partir de Novembro Carros Elétricos e Híbridos devem ficar mais baratos.

Na última sexta-feira (dia 06 de Julho de 2018) finalmente foi publicada as alíquotas e suas respectivas faixas de redução de preço para veículos elétricos e híbridos a serem vendidos no mercado nacional, a principal novidade é que a redução será baseada em dois critérios principais, a eficiência energética e o peso, exemplificamos elas abaixo:

Carros Híbridos com índice de eficiência energética igual ou menor a 1,10 Mj/km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 9%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 10%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 11%

Carros Híbridos com índice de eficiência energética entre 1,11 Mj/km e 1,68 Mj/Km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 12%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 13%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 15%

Carros Híbridos com índice de eficiência energética acima de 1,68 Mj/Km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 17%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 19%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 20%

Carros Híbridos com índice de eficiência energética acima de 1,68 Mj/Km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 17%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 19%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 20%

Carros Elétricos com índice de eficiência energética igual ou menor que 0,66 Mj/Km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 7%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 8%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 9%

Carros Elétricos com índice de eficiência energética entre 0,67 Mj/km e 1,35 Mj/Km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 10%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 12%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 14%

Carros Elétricos com índice de eficiência energética acima de 1,35 Mj/Km

  • Pesando até 1.400 kg: alíquota de 14%
  • Pesando na faixa de 1.401 kg até 1.700 kg: alíquota de 16%
  • Com peso superior a 1.701 kg: alíquota de 18%

(Futuros) Híbridos Flex também podem entrar na conta

O governo também sinalizou descontos de até 2% no IPI para Carros Híbridos com motorização que aceita tanto etanol como gasolina, isto significa uma redução de imposto de 7% a 18%, dependendo sempre do seu índice de eficiência energética e peso. Por enquanto a única montadora com projetos e interesses nesta área é a Toyota, que já anunciou estar fazendo testes com o seu modelo híbrido Prius, gerando uma versão flexível (Prius Flex), porém, não existe informação oficial quando ou se efetivamente o veículo será lançado.

Os preços tendem a ser reduzidos a partir de Novembro, o mercado costuma reagir positivamente a este tipo de incentivo, porém, a quantidade de modelos e suas versões para o mercado ainda é uma incógnita, o governo respondeu a uma necessidade primária de oferecer regras mais claras com políticas de incentivos e reduções de impostos desde que a indústria obedeça determinadas regras, agora cabe ao mercado responder com os seus interesses e produtos.

A título de informação, atualmente o mercado conta com pouquíssimas opções para venda, dentre elas a mais popular é o Toyota Prius, um carro híbrido com preço em torno de R$ 126 mil, que acumula vendas até o mês de Junho de 2018 de 1.472 unidades ou em média 245 carro ao mês, quer dizer um volume muito baixo e com certeza aquém da demanda de consumidores interessados neste tipo de produto.

A BMW também oferece o BMW i3, trazendo sua nova geração por pouco mais de R$ 200 mil, com maior autonomia devendo baixar seu preço final, uma vez se enquadrando nas faixas propostas.

Apesar da aparente escassez a curtíssimo prazo, as montadoras nacionais e importadores prometem movimentar este cenário ainda este ano, a Volkswagen promete trazer o Golf GTE e a Nissan também confirmou seu elétrico, o Nissan Leaf, o carro elétrico mais vendido no mundo.

Tudo isto somado ao novo conjunto de regras positivas anunciadas pela Rota 2030 e que deve finalmente fazer deslanchar todo mercado automotivo.

Autor: Carlos B.


A obrigatoriedade passa a valer no ano de 2019, por isso é importante saber como fazer a declaração e ficar atento aos detalhes.

Neste ano, ainda não é obrigatório preencher os campos relacionados à compra, venda ou parcelamento de veículos na declaração do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física). A obrigatoriedade passa a valer no ano de 2019, porém, especialistas recomendam desde já o preenchimento desses campos. E é nisso que é necessário um pouco mais de atenção!

Além disso, atualmente, quando se declara um veículo no IR, é solicitado ao declarante o Renavam (Registro Nacional do Veículo).

Confira a seguir algumas das maiores dúvidas que os contribuintes têm ao declarar carro financiado no IR.

Como declarar o carro?

Na ficha “Bens e Direitos” haverá um campo chamado “veículo automotor terrestre”, de código 21, onde se deve informar o modelo, marca, placa ou registro, ano de fabricação, data, valor pago e forma de aquisição do veículo.

Caso o carro tenha sido comprado no ano de 2017, basta informar no campo “situação em 31/12/2017”, Caso contrário, será preciso repetir a informação no ano anterior.

Como declarar a compra de um carro quando se deu outro como entrada em 2017?

Ainda na seção “Bens e Direitos”, será necessário informar a operação realizada com o veículo entregue como entrada, colocando o CNPJ e nome do comprador, junto da data e do valor da entrega. Além disso, ao informar os dados do novo veículo, é preciso também informar o valor de entrada e as parcelas pagas no ano de 2017, no campo “situação em 31/12/2017”.

Como declarar veículos de transporte de carga?

Nesse caso, a previdência irá considerar como tributável apenas 10% do rendimento do trabalho no transporte de cargas. Basta preencher os valores nas fichas “rendimentos tributáveis recebidos de pessoa física/exterior” ou em “rendimentos tributáveis recebidos de pessoa jurídica”. Em seguida, preencha o valor da diferença não tributada em “rendimentos isentos”.

Como declarar um veículo que foi roubado e que o seguro reembolsou um valor abaixo do pago na compra?

Informe toda a situação no campo “discriminação”, de “bens e direitos”, junto com o valor recebido do seguro na ficha “rendimentos isentos e não tributáveis”. Além disso, não preencha o campo “situação em 31/12/2016”.

Como declarar veículo financiado em 2016 já declarado anteriormente?

Neste caso, apenas retifique a declaração de 2016 e altere o valor pago. Em seguida, preencha o campo “situação em 31/12/2017” com o valor correto e que consta no último dia de 2016, junto das parcelas pagas no ano de 2017.

Como declarar um carro quitado, porém, com financiamento e documentos no nome de outra pessoa?

Quando isso ocorre, basta preencher todos os dados (data de compra, nome e CPF/CNPJ do vendedor, forma de pagamento etc) na ficha “bens e direitos” e, no campo “situação em 31/12/2017”, informar o valor pago até essa data.

Como declarar a venda de um carro que continua em meu nome?

Neste caso, basta somente indicar a venda do veículo no campo “bens e direitos”, com o nome e CPF/CNPJ do comprador.

Como declarar um veículo comprado no ano de 2016, mas não declarado?

Quando acontece isso, é necessário retificar a declaração do ano de 2016, colocando a aquisição do veículo na ficha chamada “bens e direitos”.

Como declarar um carro vendido para uma concessionária como entrada em outro veículo e parcelamento do valor restante?

Primeiramente, informe a venda e os dados da venda do carro na ficha de “bens e direitos”, sem preencher o campo “situação em 31/12/2017”. Após feito isso, informe a compra do carro novo, junto com a forma de pagamento e os dados da concessionária, colocando o valor da entrada e o valor das parcelas já pagas no campo “situação em 31/12/2017”.

Como declarar a aquisição e a venda de um veículo realizadas no ano em que era isento?

Informe os dados do automóvel na seção “bens e direitos” e esclareça a venda e seus dados.

Por Felicia Lopes

Carro financiado IR


Governo lançará um projeto que beneficiará quem deseja comprar carros híbridos e elétricos no Brasil.

O presidente anunciará em breve um programa de incentivo ao setor automobilístico, que incentiva as pessoas a adquirirem carros híbridos e elétricos.

Esse projeto é um dos entraves de negociação sobre o livre comércio entre todo o Mercosul e também a União Europeia.

Porém, uma versão anterior do projeto já foi barrada na hora de sua votação, portanto há uma grande expectativa que dessa vez seja aprovado.

Todas as medidas preventivas foram tomadas para que o projeto dê certo desta vez.

Fazendo assim com que a renúncia dos tributos chegue a 1,5 bilhão de reais no período de quinze anos. Neste montante total estão englobados os impostos sobre todos os veículos híbridos e elétricos, como também de todas suas peças, abaixando de forma muito significativa os impostos sobre o veículo.

A política do programa não consiste em subsídios para os compradores em si, mas tem como foco principal trazer um certo interesse de investidores para que possam trazer para o Brasil essa tecnologia desenvolvendo novos produtos por aqui.

As regras serão praticamente as mesmas para as montadoras nacionais quanto para as internacionais igualando assim a disputa por mercado e encorajando ambas a investir pesado na produção desse tipo de automóveis.

Os créditos chegarão até 30% do valor nos veículos podendo assim abater no Imposto de Renda e na Contribuição Social.

Porém, quem descumprir as normas do projeto terá que desembolsar 20% do valor total de suas vendas, e essa regra serve tanto para as montadoras nacionais quanto para as importadoras.

Esse abatimento pode chegar a 40% se forem investidos nas áreas indicadas pelo governo.

Essa lista se estende a outros tipos de desenvolvimento na área assim como: nanotecnologia, big data, conectividade, motores a biocombustível e inteligência artificial os veículos autônomos.

Portanto, o governo espera que em breve nosso mercado automobilístico esteja completamente desenvolvido tecnologicamente, dando uma experiência de trânsito completamente diferente com a que temos no atual momento em nosso país.

Na parte das vendas, o governo tem desenvolvido um plano econômico também bem sugestivo abaixando o IPI e as alíquotas dos carros elétricos e híbridos.

As taxas variam de acordo com o peso do motor. Chegando a um IPI de até 7%, vale ressaltar que esse valor hoje é de 25%. Como podemos observar essa diferença será bem significativa.

Essa medida do governo também prevê um outro Programa, que regulará e alavancará de forma positiva o mercado de veículos elétricos e híbridos.

Medidas como desenvolvimento de postos de recarga já estão sendo trabalhados em todo país através de empresas privadas.

Até o ano passado o Brasil possuía um registro de aproximadamente três mil veículos elétricos ou híbridos. Portanto, com esses projetos governamentais, a estimativa é que esse número cresça de forma inimaginável até 2020, fazendo que quase toda população brasileira já tenha trocado seus carros por carros desta categoria. Contribuindo de forma totalmente positiva com a preservação do meio ambiente.

Como vimos há pouco tempo a greve dos caminhoneiros que parou o país, pelo motivo do preço de combustível, com certeza esse problema nunca mais existirá em nosso país se o governo conseguir realizar esses projetos com eficiência.

Vamos aguardar as novidades sobre o assunto, pois com certeza é o sonho de todo brasileiro poder carregar seu próprio carro em casa, tendo como custo apenas sua energia elétrica que já tem que ser paga todo mês mesmo.

Realizando viagens sem gastar valores absurdos com combustíveis, essa será uma realidade totalmente diferente com a que estamos acostumados a viver até hoje em nosso país.

Um dos maiores problemas econômicos que enfrentamos nos últimos anos é o valor do combustível, será que esse será o fim dessa luta contra as empresas petroleiras?

Por Ricardo Ferreira Rodrigues

Carro elétrico no Brasil


Saiba aqui como fazer a declaração do seu carro no Imposto de Renda 2018.

Até o dia 30 do mês do abril. Esta é a data final que a Receita Federal determinou para que os contribuintes que têm a obrigação de declarar o Imposto de Renda de Pessoa Física, possam realizar suas declarações sem o risco de pagarem multas. Porém, muitas pessoas possuem muitas dúvidas sobre alguns pontos da declaração que deve ser feita ao Fisco, já que algumas mudanças ocorreram neste ano.

Entre as mudanças nas declarações de dados do IRPF de 2018 está a forma de declarar bens como carros. Se esta é a sua dúvida, continue lendo este artigo e saiba como declarar o carro que você comprou ou vendeu no ano de 2017.

Para declarar carros, caminhões e motos é preciso procurar pela aba de “Bens e Direitos”, que possui o código “21”, que tem a seguinte descrição: “ Veículo automotor terrestre: caminhão, automóvel, moto, etc.". Feito isto, procure pelo campo “Discriminação” e coloque todos os dados do veículo, como o modelo, marca, ano de fabricação, número da placa e etc. Outro dado importante que não pode ser esquecido é a data em que o veículo foi comprado, inclusive os dados do seu vendedor, como nome, CPF, CNPJ e até mesmo a forma em que foi pago.

Depois de preencher todos os dados você vai encontrar um campo descrito como "Situação em 31/12/2016 (R$)" e outro como "Situação em 31/12/2017 (R$)". Neles você irá informar o quanto você pagou pelo carro no ano indicado.

No campo “Dívidas e Ônus” não é preciso informar nada. Somente no campo "Discriminação" que você deve informar se o veículo foi financiado.

Caso o carro tenha sido comprado em outros anos e já estiver pago, é só colocar a soma total paga pelo veículo. Clicando na opção repetir, o sistema vai copiar o valor informado no ano passado.

Este ano a Receita Federal pede que outros dados sejam incluídos, como o nº do Renavam ou o nº de seu registro.

Muitas pessoas estão em dúvida se devem informar valores de gastos que tiveram com seus veículos ao longo do ano de 2017. A resposta é não. A não ser que o carro tenha passado por uma benfeitoria que o valorize no mercado.

Em casos em que o declarante teve seu veículo roubado ou a sua perda total, na mesma aba “Bens e Direitos”, no campo “Discriminação” é preciso informar o que se passou com o veículo, assim como o valor que a seguradora pagou em caso de indenização. Também é importante informar os dados da seguradora, como CNPJ e nome. O campo "Situação em 31/12/2017 (R$)" deve ser deixado em branco.

Quem é isento e comprou um carro em 2017 não precisa realizar a declaração, a não ser que o valor do carro em questão seja maior que R$300.000, pois sendo assim será obrigado declarar.

Já para aqueles que venderam um carro no ano passado, é preciso ir na aba descrita como "Bens e Direitos", na "Discriminação", informar que o veículo foi vendido, colocando dados como data da venda, os dados de quem comprou, como CPF ou CNPJ, além claro do valor.

Se o carro tiver sido comprado por financiamento, os passos são os mesmo, só que será informado o valor pago até a data do dia 31/12 2017. O valor restante das parcelas ainda não pagas não precisa ser informado.

Para quem está pagando um consórcio, o certo é informar a soma total paga no ano de 2017 na aba “Bens e Direitos” e para isso use o código 95 relativo a “Consórcio não contemplado".

Agora, se você é casado e os dois fazem declarações separadas e o carro for dos dois, neste caso apenas um irá fazer a declaração do valor do veículo.

Enfim, embora pareça complicado a declaração e veículos, na realidade ela não é. Basta se informar um pouco mais e preencher todos os dados com atenção, para que tudo saia da da forma correta, sem chances de aborrecimentos futuros.

Sirlene Montes


Confira aqui todos os detalhes sobre o IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores).

O início de cada ano tem para as pessoas que possuem qualquer tipo de automóvel movido a motor um gasto adicional relacionado com o pagamento vinculado ao imposto conhecido de forma básica como IPVA.

Em decorrência dos diversos detalhes que devem ser considerados para o cumprimento adequado deste dever enquanto contribuinte, serão abordados a seguir alguns pontos básicos quanto a este assunto delimitado.

Conceitos essenciais sobre funcionamento IPVA

De forma conceitual, o IPVA é a sigla utilizada para Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, sendo devido por todas as pessoas ou empresas que possuem qualquer espécie de veículo como motos, carros, caminhões, caminhonetes, vans e outros.

Ao se considerar o valor do IPVA, seu pagamento varia de um estado para o outro, consistindo na incidência média de 2% a 4% sobre o valor de venda para cada veículo analisado, de acordo com o mercado automotivo do ano considerando, neste caso, a chamada Tabela PRICE.

O pagamento do valor determinado por cada estado brasileiro para o IPVA ocorre uma vez a cada ano pelo proprietário ou responsável de cada veículo que roda no território nacional.

Consultas ao valor do IPVA

Em virtude do fato de que tanto o valor de venda dos veículos quanto a alíquota cobrada por cada estado varia de um ano para o outro, é preciso consultar o valor que deve ser pago no ano vigente.

Para isso é preciso acessar o site do Detran específico de determinado estado, de posse do número referente ao documento do veículo que será cobrado o imposto para identificar o novo valor.

Em geral, existem situações de veículos que permitem descontos importantes neste montante a ser pago, como os seguintes:

· Redução de 1% da alíquota relacionada ao IPVA em São Paulo para veículos que usam como combustível gás natural veicular.

· Alíquota de 3,5% na Bahia para aqueles automóveis que utilizam diesel como combustível, a qual é 1% maior do que a praticada para os outros veículos.

· Em Goiás os automóveis que possuem motor de 1.0 litros pagam apenas 2,5% como alíquota relacionada ao IPVA.

Como realizar pagamento do IPVA

Quando se considera o pagamento do IPVA, estados como Santa Catarina, Espírito Santo e Sergipe tem as menores taxas, ao contrário de outras localidades como São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, que praticam a alíquota máxima nesta modalidade de imposto.

O período de pagamento desta obrigação é sempre nos primeiros meses de cada ano, com modalidade à vista, a qual geralmente apresenta descontos, ou de forma dividida em algumas parcelas.

Para conseguir pagar o IPVA de seu veículo basta ir em qualquer agência bancária ou correspondente deste tipo de estabelecimento com o número do RENAVAM respectivo para que seja feita a quitação de maneira única ou fracionada.

Existe ainda a alternativa de efetuar este pagamento de maneira online, utilizando os sistemas de internet banking dos diferentes bancos presentes no país, facilitando este processo.

Atividades necessárias quanto ao IPVA atrasado

O atraso no pagamento delimitado para o IPVA de determinado ano impede os proprietários de determinado veículo de pedirem o seu licenciamento, o qual, por sua vez, pode demandar multa e apreensão do bem considerado.

Nesta situação, caso este tipo de imposto de seu veículo esteja atrasado, você pode ir a uma agência bancária com o número de RENAVAM, pagando o valor inicial acrescidos de juros e correção monetária de acordo com o tempo de atraso.

Caso haja valores que superam um ano para pagamento do IPVA, é preciso antes ir na unidade do Detran mais próxima de sua cidade para uma negociação antes do devido pagamento bancário.

Conclusão

Assim, através das informações apresentadas neste artigo, sobre o processo de funcionamento do IPVA, ficou mais claro a sua dinâmica básica que deve ser seguida para quem possui um automóvel e precisa manter suas obrigações quanto a ele devidamente atualizadas.

Ana Camila Neves Morais


Confira aqui todos os detalhes sobre o IPVA 2018 no estado do Paraná.

Em 2018 o ano promete para a população do Paraná, isso porque há chances de o valor do IPVA ser reduzido.

Sabe-se que o imposto deve começar a ser cobrado dos cidadãos habilitados logo no início de janeiro de 2018, mas especificamente no dia 10 de janeiro.

A mudança prometida para o ano de 2018 se deve ao fato de que aqueles que tiverem como posse veículos que já pertenceram a segundos, a partir do ano que vem, têm o direito de pagar um Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, também conhecido como IPVA, por um preço mais reduzido no estado do Paraná.

A maior responsável por essa mudança foi a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, usualmente chamada de Fipe. Para entendermos melhor, a Fipe ficou encarregada de realizar pesquisas e com os resultados obtidos fazer cálculos sobre o imposto. Dessa forma, os resultados mostraram que, nos últimos tempos, inúmeros bens que estavam sobre a guarda do Estado sofreram certa desvalorização. Nesse caso, principalmente, essa desvalorização é de quase 3,5%. Mas vale ressaltar ainda que essa é uma média e, desse modo, a redução no valor do imposto não ocorre de forma padronizada, mas sim de acordo com as características de cada veículo, isto é, o ano de fabricação, o modelo e até mesmo a marca.

É importante salientar ainda que o desconto de 3% será concedido pelo Estado àqueles que decidirem realizar o pagamento do IPVA em apenas uma parcela, a partir do dia 10 de janeiro de 2018. No entanto, os que já estão acostumados em quitar o imposto em parcelas, não precisam se preocupar, uma vez que ainda continua aquele mesmo processo em que o dono do veículo pode pagar divido em até três parcelas.

Estimativas realizadas pela Fipe apontam que a grande maioria da frota deve ter uma alíquota de aproximadamente 3,5%. Além disso, o Estado espera que a arrecadação do IPVA 2018 traga cerca de 3 bilhões e mais 200 mil reais de imposto aos cofres públicos.

Há ainda mais novidades por aí, isto é, em 2018, pessoas que são cadastradas como contribuintes no Nota Paraná também vão ganhar um desconto no IPVA. Essa não é a primeira vez que isso ocorre no Paraná, mas sim a segunda. Tudo funciona da seguinte maneira: aqueles que acumularam créditos durante um certo tempo que participam do programa, desta vez, podem descontar esses créditos no valor do final do IPVA 2018. Esse desconto pode ser tanto parcial quanto integral, isto é, se for parcial, isso significa que haverá desconto sob uma parte do valor total. Se esse for o caso, a Secretaria de Estado da Fazenda deve emitir um boleto com a quantia que está faltando para que o imposto seja quitado. Mas, se houver um desconto integral, isso significa que os pontos que o cidadão conseguiu obter foi o suficiente para quitar todo o imposto.

Para realizar o pagamento basta apenas que seja usado o número do Renavan, tantos nos bancos que já são credenciados quanto pelo Guia de Recolhimento do Estado do Paraná, que pode ser encontrado no seguinte endereço eletrônico: www.fazenda.pr.gov.br.

Então é isso! Vale lembrar a importância de estar com os documentos do carro sempre em dia já que dessa forma o motorista pode andar com mais segurança e sem receio de que o carro possa ser apreendido pela polícia militar ou pela polícia rodoviária. Além disso, sabe-se que boa parte desses impostos são revestidos para melhorar a qualidade das estradas federais e estaduais.

Ana Paula Oliveira Coimbra


Saiba aqui qual o prazo de pagamento e como pagar o Licenciamento do Carro 2017.

O ano de 2017 começou e agora é que começam a ser tributados todas as pessoas que possuem algum bem patrimonial.

Se você possui um imóvel, são taxas de IPTU. Caso não seja isento na Receita Federal são impostos de Pessoa Física ou Jurídica das declarações de imposto de renda.

E por consequência, se possuir um veículo, também será tributado por alguns impostos, neste modelo são o IPVA, DPVAT e Licenciamento.

Neste artigo vamos trazer algumas informações sobre o Licenciamento 2017, que começa a ser exigido em Maio deste ano.

O que é o Licenciamento?

Não basta apenas estar em dia com seguro do carro, dirigir segundo as normas de segurança de trânsito ou estar com o veículo em perfeitas condições de uso.

Também é necessário estar com a situação das taxas que regularizam a permissão de locomoção do veículo pelas vias das cidades e estados.

O licenciamento, junto com o IPVA e o DPVAT, são exatamente as taxas que regularizam o veículo junto aos órgãos de trânsito.

E para você estar em condições para transitar com seu veículo sem que seja multado ou guinchado, é preciso pagar a licença junto com o IPVA que vai permitir a emissão do novo CRLV (Certificado de Registro de Licenciamento de Veículo)

Este CRLV é um documento de porte obrigatório, na qual fica armazenado nos sistemas do Contran e Denatran o número que recebe o veículo que permite o trânsito em todo território nacional.

Exigências e Prazos para emissão do Licenciamento

Para quem possuí veículo, um semireboque ou reboque, cujas placas são de final 1, tem o período de 1 a 28 de Abril para efetuar o licenciamento equivalente ao ano de 2017. Válido em todo território nacional.

Algumas blitz feitas nas rodovias vão começar a exigir a partir de Maio e os condutores de veículos que não tiverem o CRLV em mãos atualizado, poderão ser multados e ter seu veículo rebocado (apreendido).

Uma das exigências para efetuar o recolhimento da CRLV é ter pago o IPVA e o DPVAT, para posteriormente efetuar o licenciamento até data limite referente ao final da placa do veículo.

Valor das taxas e locais de pagamento

Para regularização do licenciamento é preciso pagar o valor de R$ 85,24 (este valor pode sofrer variações entre os estados). No caso de não pagamento, poderá incidir multa e juros.

Os locais de pagamento do licenciamento para obter o CRLV podem ser feitos pela internet, em agências bancárias ou caixas eletrônicos.

Após efetuar os pagamentos, o documento pode ser enviado pelo Correio pagando a taxa de envio de R$ 11,00 ou ser retirado no poupatempo, nos postos do Detran ou Ciretran das cidades em que o veículo foi licenciado.

Multas

Quem não estiver com o licenciamento em dia e for pego em fiscalização poderá pagar uma multa no valor de R$ 293,47e ainda levar 7 pontos na carteira de motorista (gravíssima).

Calendário – Final das Placas

  • Mês de Abril – Final 1
  • Mês de Maio – Final 2
  • Mês de Junho – Final 3
  • Mês de Julho – Final 4
  • Mês de Agosto – Final 5 e 6
  • Mês de Setembro – Final 7
  • Mês de Outubro – Final 8
  • Mês de Novembro – Final 9
  • Mês de Dezembro – Final 0

Marcio Ferraz


Saiba aqui como declarar carros no Imposto de Renda 2017.

No dia 28 de abril é encerrado o prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda 2017. E elaborar esse documento sem erros é sempre um desafio para os contribuintes em diversos aspectos. Entre eles está a inclusão de bens como carros, que devem obrigatoriamente constar na declaração. Veja a seguir como fazer isso, em casos de posse, compra e venda de automóveis em 2016.

Posse de veículo

A posse de automóvel deve ser incluída na ficha “Bens e Direitos”, com código “21 – veículo automotor terrestre”, da Declaração de Imposto de Renda. Já em “Discriminação”, devem ser colocados dados do carro, como: modelo, placa e ano de fabricação; informações do vendedor: nome, CPF ou CNPJ e forma de pagamento.

Se foi adquirido em 2016, mantenha em branco o campo “Situação em 31/12/2015” e depois insira o valor pago por esse bem no local “Situação em 31/12/2016”. Entretanto, se o carro tiver sido comprado em períodos anteriores, basta apenas repetir o valor em ambos os campos, de acordo com o que foi feito em outras declarações.

Vale lembrar que esse valor deve ser sempre o pago no ato da compra do veículo. Isso só pode ser alterado se foram feitas alterações que elevem o preço do automóvel, como blindagem. Demais gastos não precisam ser informados.

Carros comprados através de financiamento

Se seu carro foi adquirido através de financiamento, ele também deverá ser incluído na Declaração de Imposto de Renda, mas não é necessário incluí-lo na ficha “Dívidas e Ônus Reais”.

Porém, será preciso informar o valor total pago pelas prestações até 31/12/2016. Em “Discriminação”, devem ser colocados dados como: modelo, placa e ano de fabricação; informações do vendedor: nome, CPF ou CNPJ e valor de entrada (se paga em 2016), além do valor total das parcelas e número de parcelas pagas até 31/12/2016.

Já no campo “Situação em 31/12/2015”, será necessário colocar valores pagos até então, incluindo entradas e parcelas, mesmo que seja a primeira vez que esteja sendo feita declaração. Porém, se o financiamento foi iniciado em 2016, essa coluna não deverá ser preenchida.

Se o financiamento foi contratado em 2016, na opção “Situação em 31/12/2016” será preciso adicionar à quantia de 31/12/2015 o valor pago ao longo do ano de 2016.

Automóveis vendidos em 2016

Mas se você vendeu seu veículo em 2016 por menos de R$35 mil deve informar que esse bem já não faz mais parte de seu patrimônio. Para isso, basta manter em branco a opção “Situação em 31/12/2016” e preencher em “Discriminação” a venda, informando CPF ou CNPJ da pessoa que comprou o automóvel. Porém, se a venda for acima do valor citado, era necessário ter acessado o programa GCAP 2016, para recolher o imposto de 15% sobre esse ganho e inserir dados da negociação. Se isso já tiver sido feito, é só importar as informações do GCAP na opção “Ganhos de capital”, para que ocorra de forma automática o recolhimento do imposto. Caso esse procedimento não tenha sido feito, será preciso pagar o imposto agora com juros e multas. Esse valor pode ser calculado por meio do programa Sicalc da Receita Federal.

É sempre importante ficar atento a essas e outras informações da Declaração do Imposto de Renda. Dependendo do caso, é mais seguro contratar os serviços de um contador, para que isso seja feito de maneira adequada.

Camilla Silva


Confira aqui as alíquotas e como fazer o pagamento do IPVA CE 2017.

No dia 29 de dezembro de 2016, a Secretaria da Fazenda do Ceará divulgou as datas bem como as regras do Imposto sobre a Propriedade de Veículos, o IPVA 2017. Um dos principais destaques foi o IPVA de veículos de baixa potência, haja vista que o imposto para tais veículos será, em média, 6,43% mais barato que o valor do IPVA em 2016 para o mesmo tipo de automóvel. Tais veículos vêm contando com reduções no IPVA, sendo que em 2016 a redução média foi de 4,01%.

Um detalhe muito importante é que, pela primeira vez, o valor da alíquota a ser paga foi estabelecido a partir da potência do veículo. Anteriormente, tal alíquota era de 2,5% para todos os veículos. Com as novas regras estabelecidas, tal valor se manteve para os automóveis com até 100 cavalos-vapor (considerados de baixa de potência), passou a ser de 3% para os automóveis com potência entre 100 e 180 cv e 3,5% para aqueles acima de 180 cv.

Além disso, é importante destacar que a mesma regra será estabelecida para as motocicletas, sendo que na regra anterior a alíquota era de 2% para esta categoria. A alíquota se manteve para as motos de até 125 cilindradas, sendo que tal alíquota pode cair para 1% caso a moto não tenha multas. Já as motos com potência entre 125 e 300 cc contam com alíquota de 3%, enquanto que motocicletas acima de 300 cc ficam com 3,5%.

Estarão isentos do pagamento do IPVA 2017 no Estado do Ceará os seguintes veículos: micro-ônibus, veículos cujos donos são deficientes físicos, vans, topics e ônibus intermunicipais responsáveis por transporte público, máquinas agrícolas e de terraplenagem, táxi e mototáxi, veículos com mais de 15 de fabricação, veículos com potência menor que 50 cilindradas, ônibus urbano e metropolitano, além dos veículos de corpo diplomático.

Para quem deseja ainda mais desconto, saiba que existe a opção do pagamento da parcela única, que pode ser feita até 31 de janeiro e oferece desconto de 5% no valor do IPVA. Os que optarem pelo parcelamento deverão efetuar o pagamento em cinco parcelas, com vencimento no dia 10 dos meses de fevereiro a junho. É importante destacar que o valor das parcelas não pode ser menor que R$ 50,00.

Por Bruno Henrique


Saiba aqui como pagar e o valor dos descontos no IPVA 2017 de Alagoas.

Os motoristas alagoanos podem quitar o IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) com desconto, no caso, o tributo fica até 20% mais barato em relação ao ano passado, segundo informações do Sefaz (Sigla para Secretaria da Fazenda). Lembrando que o pagamento do imposto pode ser parcelado em até seis vezes.

O secretário de Fazenda, George Santoro, explica em artigo na página da Secretaria, que a medida visa realizar “reajustes fiscais” e “movimentar a economia” no Estado. De acordo com ele, essa redução no imposto traz “poder de compra” ao motorista e até pode contribuir para melhora no comércio de automóveis.

Os boletos para pagamento serão gerados a partir do dia 16 de janeiro de 2017. Cada final de placa tem uma data de vencimento para quitar o tributo. Outras informações, acesse: https://apl03.sefaz.al.gov.br/ipvaonline/.

Ainda é importante destacar que o valor a ser pago pelo cidadão varia de acordo com a marca, modelo e ano do carro. É importante ressaltar que carros com mais de 15 anos de existência não geram cobrança do imposto. Além disso, os motoristas que adquiriram carros novos têm a comodidade de parcelar o IPVA ainda na loja/concessionária.

O que acontece se o IPVA não for pago?

Quem estiver com o imposto em atraso pode enfrentar situações complicadas como o risco de ter o carro apreendido por policiais durante fiscalizações nas rodovias, por exemplo. Nesse caso, o veículo segue para o pátio do Detran e o motorista paga uma diária, enquanto o carro estiver por lá – o que pode custar bem caro. Além desses valores, saiba que a pessoa ainda tem de pagar pela dívida em atraso, para poder circular com o carro nas vias.

E se o cidadão não tirar o carro do pátio? Nesse caso, o veículo pode ir a leilão, de acordo com o previsto na legislação atual. Não quitar o tributo também acarreta inclusão do nome da pessoa aos órgãos de proteção ao crédito, como o Serasa.

Seguro obrigatório e licenciamento

O início de ano também é uma data propícia para pagar o DPVAT (Danos Pessoais acusados por Veículos Automotores de via Terrestre), seguro obrigatório que garante assistência a vítimas de acidentes de trânsito. Para saber mais, clique em: http://www.detran.al.gov.br/educacao-1/seguro-dpvat.

Além desse custo, o cidadão ainda precisa pagar o licenciamento do veículo, uma vez ao ano. Esse documento é obrigatório e deve estar em dia. O motorista que não estiver com o licenciamento regularizado e for abordado por agentes de trânsito ou policiais, está sujeito a multas.

Por Letícia Veloso


Confira aqui calendário de pagamento do IPVA 2017 no estado de Tocantins.

Já está disponível para consulta o calendário do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2017 no estado do Tocantins. De acordo com as informações apresentadas pelo governo, as alíquotas são as mesmas usadas em 2016. Elas oscilam entre 1,25% e 3,5%. Os vencimentos acontecem já a partir de fevereiro.

No caso do vencimento com parcela única, no qual há um desconto de 10%, o calendário marca o início para o dia 15 de fevereiro. Aqui são considerados os veículos que tem placas que terminam com o final 1 e 2. Seguindo as informações do calendário o último vencimento do tributo está marcado para o dia 14 de junho de 2017 para os veículos cujas placas terminam em 9 e 0.

Para o caso de parcela única sem o desconto, o calendário terá início no dia 15 de maio (placas finalizando em 1 e 2) e terminam no dia 15 de agosto com as placas que finalizam em 0 e 9.

Além dessas alternativas, os valores do IPVA 2017 também poderão ser pagos divididos em até 4 parcelas. Os boletos para o pagamento do tributo podem ser retirados do próprio site da Sefaz.

Cálculo

O cálculo do IPVA 2017 pode ser feito tomando o valor venal do veículo. Para isso a Sefaz irá considerar o preço que foi disponibilizado na tabela divulgada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, a Tabela Fipe.

A tabela com os valores venais pode ser conferida via internet por meio deste link.

Conforme consta, as alíquotas do IPVA para cada categoria em específico são as seguintes: Para os veículos terrestre usados para transportar passageiros e cargas tais como ônibus, caminhão e cavalos mecânico são de 1,25%. Para os veículos aquáticos e aéreos de 2%.

A alíquota de 2,5% é considerada para os veículos automotores de passageiros. Essa mesma alíquota também é aplicada para motocicletas e ciclomotores que sejam equipados com um propulsor de até 180 cm3 de cilindrada.

Para se fazer o cálculo é preciso primeiro se localizar o modelo e ano do veículo na tabela Fipe para então saber seu valor venal:

Exemplo:

Valor do veículo – R$20.050

Alíquota de 2%

O cálculo seria: 20.050×0,02= 401.O valor obtido é o que será cobrado como IPVA.

Por Denisson Soares


Confira aqui como consultar o valor e efetuar o pagamento do IPVA SC 2017.

Quando o ano novo se inicia é hora de os brasileiros começarem a pensar em alguns impostos que sempre são cobrados. Entre eles está o famoso IPVA. O Imposto sobre Veículos Automotores é uma cobrança que recai sobre cada veículo que o cidadão tem. Basicamente isso quer dizer que você sempre terá que pagar uma taxa para o governo no caso de possuir uma moto, um carro, um caminhão ou outro veículo.

Se você mora em Santa Cataria, esse artigo irá te trazer os principais pontos sobre o pagamento do IPVA 2017 SC para que você não perca a data de pagamento e corra o risco de sofrer com juros e multas ou ainda chegar no ponto de ter o carro apreendido.

Como Consultar o IPVA 2017 SC

Os moradores de Santa Catarina que quiserem saber qual o valor que terá que pagar para o IPVA 2017 SC ou que quiserem se inteirar sobre demais informações sobre a contribuição poderão fazer suas consultar online. Para isso o contribuinte poderá acessar o seguinte endereço http://www.detran.sc.gov.br/. É preciso preencher todos os campos com atenção. Também será requerido o número do RENAVAM do veículo e da placa.

Depois de inserir todos os dados solicitados você irá ter acesso a um portal. Nele se encontram todas as informações sobre o IPVA 2017 SC. Também é possível saber qual o valor do desconto se o pagamento for feito à vista. As datas para o pagamento, juros, entre outras coisas que também se encontram detalhadas.

Pagamento

É importante lembrar que os valores cobrados como IPVA 2017 SC irão variar de acordo com as particularidades do veículo. Com isso, aqueles veículos que forem mais caros terão um imposto maior. Isso acontece porque o imposto é cobrado sobre o preço que cada veículo possui seguindo o estabelecido na tabela FIPE.

Os contribuintes que tiverem o veículo que conte com mais de 20 anos de fabricação ele estará isento do pagamento do tributo.

Para fazer o pagamento do IPVA você só precisa acessar o site http://www.detran.sc.gov.br/ e imprimir a Guia. O pagamento pode ser feito em qualquer agência bancária, posto de atendimento das agências ou casas lotéricas.

Os vencimentos já acontecem na primeira semana de janeiro. Confira a tabela completa clicando aqui.

Por Denisson Soares


Confira aqui o valor cobrado pelo Seguro DPVAT no ano de 2017.

Os valores do DPVAT, o seguro obrigatório, para o ano de 2017 serão reduzidos. Nesta quarta-feira, dia 21 de dezembro, foram publicados os valores no Diário Oficial. Quem possui carro, menos picape, irá pagar R$ 63,69. Já as motocicletas terão o valor de R$ 180,65. O custo ainda pode ser quitado em até três parcelas.

Segundo a Susep, a Superintendência de Seguros Privado, a redução nos valores de 37% aconteceu devido à quantidade de indenizações que foram pagas desde o ano de 2014, ou seja, diminuíram, inclusive em casos de invalidez.

Será cobrada ainda uma taxa para todas as categorias de R$ 4,15, para que seja emitido o seguro para os que optarem pelo pagamento em parcela única. Já para parcelamento do DPVAT a taxa a ser paga será de R$ 9,63.

Haverá também cobrança de IOF, o imposto sobre operações financeiras.

Confira a tabela do DPVAT 2017 (desconsiderando imposto e taxa):

– Motocicletas: era de R$ 286,75 e passou para R$ 180,65

– Automóveis: era de R$ 101,10 e passou para R$ 63,69

– Micro-ônibus e ônibus sem lotação de até 10 passageiros ou cobrança de frete, com cobrança de frete: R$ 152,67

– Ônibus e micro-ônibus com lotação de mais de 10 passageiros e cobrança de frete: R$ 246,23

– Ciclomotores com até 50 cc: era de R$ 130 e passou para R$ 81,90

– Caminhões e caminhonetes: era de R$ 105,81 e passou para R$ 66,66

O que é o seguro obrigatório DPVAT

O seguro Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre – DPVAT cobre casos de invalidez permanente, despesas com assistências médica, morte ou assistências por lesões de gravidade menor causadas que sejam causadas por acidentes de trânsito no Brasil.

O seguro é obrigatório e recolhido anualmente para todos que possuem veículos automotores.

O vencimento do mesmo ocorre junto com o IPVA e o pagamento é necessário para o condutor licenciar seu veículo para o ano.

As vítimas e em caso de morte, seus herdeiros possuem um prazo de três anos depois do acidente para realizar a requisição do seguro. Informações sobre o DPVAT podem ser adquiridas através do telefone 0800-022-1204.

FILIPE R SILVA


Confira aqui a tabela de valores venais e o calendário de pagamento do IPVA 2017 no Paraná.

Na sexta-feira, dia 16 de dezembro, o Governo do Estado do Paraná informou que o IPVA PR 2017 – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores terá início para pagamento o dia 23 de janeiro. Quem realizar o pagamento à vista terá direito a 3% de desconto. O Governo acredita que arrecadará cerca de R$ 3,38 bilhões, aumentando em 5% a previsão de 2016, que foi cerca de R$ 3,22 bilhões.

Acredita-se que por volta do dia 28 de dezembro os contribuintes começarão a receber os boletos, com as informações dos veículos automotores, os valores a serem pago, bem como as formas de pagamento e as guias para pagamento à vista ou parcelado em três vezes.

Com apenas o número do RENAVAM do veículo automotor, o contribuinte poderá realizar o pagamento nos Bancos Conveniados (Rendimento, Itaú, Sicredi, Banco do Brasil e Bancoob), pessoalmente ou via Internet, pela Guia de Recolhimento do Estado do Paraná, a GRPR.

A maioria dos veículos pagará cerca de 3,5%. Já quem utiliza GNV ou possui veículo como caminhão, ônibus, de carga ou de aluguel, pagará 1%. Veículos como os de propriedade da União, Estado ou Municípios, ônibus de transporte para deficientes, escolares, táxis ou que tem como data de fabricação anterior a 1997 são isentos do pagamento.

O cálculo é realizado com base na Tabela FIPE, que apresenta os valores de venda, isto é, de mercado, dos veículos automotores.

Quem optar por pagar à vista, terá que fazer isso de 23 a 27 de janeiro, de acordo com o número final da placa do veículo. Já a segunda cota tem por vencimento de 10 a 24 de fevereiro e a terceira de 20 a 24 de março. Já o Licenciamento Anual de Veículo terá como data o segundo semestre de 2017.

Em caso de dúvidas, o contribuinte pode acessar o site da SEFAZ – Secretaria da Fazenda do Estado do Paraná, pelo site http://www.fazenda.pr.gov.br ou o da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, pelo link http://veiculos.fipe.org.br/, para checar a Tabela FIPE.

O que achou do nosso post? Ele foi útil para você? Compartilhe e comente conosco a sua opinião!

Kika Akita


Veja aqui a tabela de valores venais e o calendário de pagamento do IPVA 2017 no Distrito Federal.

A partir do ano que vem, 2017, os contribuintes do IPVA – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores do Distrito Federal terão um prazo maior para fazer o pagamento, já que agora poderão dividir o valor do Imposto em até quatro parcelas. Anteriormente as cotas só eram parceladas em até três vezes.

Com essa medida, o objetivo do governo é fazer com que a taxa de inadimplência caia, já que anualmente chega até a 6%, além de espalhar o fluxo da arrecadação. Durante o calendário do IPVA a falta de pagamento acontece, mas os proprietários de veículos voltam sempre no mês de outubro para regularizar a situação, já que é nessa época o Detran – DF, Departamento de Trânsito do DF, emite o CRLV, certificado de registro e licenciamento de veículos. Quem optar por parcelar, tem ainda a vantagem do pagamento pesar menos no orçamento mensal.

O valor a ser pago de IPVA DF 2017 – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores varia de acordo com o valor de mercado do veículo, com base na Tabela FIPE – Fundação de Pesquisas Econômica, sendo 3,5% a taxa para o Imposto.

Para realizar a consulta do valor exato, bem como datas de pagamento e valores do desconto, a sugestão é acessar o site da SEFAZ – Secretaria da Fazenda do Distrito Federal (http://www.fazenda.df.gov.br), digitar o número do RENAVAM do seu veículo automotor, selecionar a opção que deseja e clicar em executar. Depois de realizar estas etapas, além do boleto aparecerão informações sobre a data de vencimento do Imposto e multas em atraso.

O pagamento para o IPVA DF 2017 pode ser realizado pessoalmente, através de caixas lotéricas ou agências bancárias, ou ainda via Internet, pelo site do banco que tiver parceria com o Governo do Distrito Federal.

Acredita-se que somente em Brasília há mais de um milhão de veículos que não estão isentos do pagamento do IPVA DF 2017. É preciso reforçar que o pagamento deste imposto é obrigatório e que o atraso implica na não entrega do licenciamento de veículos.

Conte para a gente qual é a sua opinião sobre o IPVA DF 2017. O que achou do nosso post?

Kika Akita


Veja aqui a Tabela de Valores Venais e o Calendário de Pagamento do IPVA CE 2017.

O IPVA CE 2017 é o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores do Estado do Ceará, que é obrigatório e anual. É muito importante mantê-lo em dia com o pagamento para que o veículo possa circular.

O valor a ser pago no IPVA não é fixo, pois ele varia de ano para ano e de estado para estado, conforme o valor de Tabela FIPE do veículo.

Todos os anos é divulgada uma tabela, bem como os prazos e parcelas a serem pagas, de acordo com o final da placa de cada veículo. Essa informações referente ao IPVA CE 2017 ainda não foram divulgadas, por isso é preciso que você fique atento ao site do Detran, do Estado do Ceará, para realizar a sua consulta: http://portal.detran.ce.gov.br/

Como os valores ainda não foram divulgados, a Sefaz – Secretaria da Fazendo do Estado do Ceará faz um alerta aos proprietários de veículos, quanto a golpes na Internet. Algumas mensagem dizem que há contribuintes que já receberam boletos referentes a janeiro, referente ao IPVA CE 2017, mas ao pagar este boleto o dinheiro vai direto para conta de terceiros, o que faz com que a vítima caia no golpe e ainda tenha prejuízos financeiros. Outro ponto importante é que por conta da segurança, desde o ano de 2015, a Secretaria mudou seu sistema e não realiza mais cobranças por boletos. O próprio contribuinte deve acessar o boleto através do site da Secretaria da Fazenda ou ir até uma das unidades de atendimento, munido da documentação do veículo.

A Secretaria não tem conhecimento sobre os golpes, mas alerta que se algum contribuinte já realizou pagamento por boleto enviado pelo Correio, deve denunciar o caso na Delegacia de Defraudações e Falsicações (DDF), localizada a Rua do Rosário, 199 – 1º andar, no Centro – telefone: 3101-7331.

Em caso de dúvida, o proprietário de veículos automotores também pode entrar em contato com a Sefaz – Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará, pelo telefone: 0800 7078585 ou pessoalmente no endereço Avenida Pessoa Anta, 274, no Centro da cidade.

O que achou do nosso artigo? As informações aqui destacadas foram úteis para você? Comente conosco.

Kika Akita


Confira aqui a tabela de valores venais e o calendário de pagamento do IPVA GO 2017.

Estabelecido desde o mês de setembro de 2016, o calendário da cobrança do IPVA GO 2017 – Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, já se inicia no mês de janeiro. Quem pretende parcelar e tem placa com final 1 tem o prazo da primeira cota dia 23/01/17 e da segunda em 23/02/2017. Quem optar pelo pagamento à vista poderá realizar até dia 21 de março (placas finais 01, 11, 21, 31 e 41) e 23 de março (placar com final 51, 61, 71, 81 e 91).

Quem tem veículo com final 2 na placa também deverá quitar até 27 de janeiro a primeira e 24 de fevereiro a segunda. Já para os contribuintes dos finais 02, 12, 22, 32 e 42 podem realizar o parcelamento até 28 de março à vista e os 52, 62, 72, 82 e 92 até dia 30 de março.

Os últimos a serem cobrados serão proprietários do final 0 de placa, pois terão até julho para realizar o pagamento à vista ou iniciar em maio e terminar em junho a cota parcelada.

Uma novidade para este ano é que a Nota Fiscal Goiânia dará até 10% de desconto sobre o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores – IPVA GO, com proporção aos bilhetes acumulados a partir de dezembro deste ano. Até este ano, quem se cadastrasse no site da Nota Fiscal Goiânia já tinha 5% de desconto no Imposto para 2017. Mas para 2018 os descontos variarão de 5% a 10%, de acordo com as notas emitidas e cadastradas no CPF do contribuinte. A regra pede que se tenha no mínimo 12 cupons para se conseguir o desconto mínimo de 5%. Outro item importante é que a cada R$ 100 em compras ganha-se um bilhete. Quem comprou e cadastrou no mês de dezembro de 2016, já tem desconto acumulado para o IPVA GO 2018.

Essa iniciativa foi criada com o intuito de fazer com que o contribuinte seja incentivado a solicitar a nota fiscal, pensando no desconto no IPVA que terá lá na frente.

Conte-nos se o nosso post lhe ajudou com as informações sobre o IPVA GO 2017. Qual é a sua opinião sobre o nosso artigo? Compartilhe e comente com a gente!

Kika Akita


Confira aqui o calendário de pagamento e a tabela e valores venais do IPVA 2017 na Bahia.

A SEFAZ da Bahia – Secretaria da Fazenda, divulgou no dia 15 de dezembro, terça-feira, a tabela do IPVA BA 2017 – Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores, com os valores a serem pagos em 2017, bem como o número da frota de veículos pagantes, que é de cerca 1,8 milhão.

A boa nova é que os contribuintes pagarão cerca de 3% a menos do que o referente a 2016. Para motos e utilitários, o valor caiu 2,8%, já para os caminhões o valor caiu 2,5%, enquanto que para os micro-ônibus e ônibus o valor também caiu 2,5%.

Segundo a Secretaria, essa redução aconteceu por conta do cálculo realizada pela Tabela Fipe – Fundação de Pesquisas Econômica, que apresenta os valores dos veículos usados no mercado, tendo como base o mês de outubro de 2015.

O prazo final para pagamento da parcela à vista e com desconto de 10% é no dia 05 de fevereiro de 2017, de acordo com o calendário divulgado. Ainda há a opção de pagamento com desconto de apenas 5%, que deverá ser realizado integralmente, até o vencimento da primeira cota, de acordo com o número final da placa.

O parcelamento das cotas também poderá ser feito em três vezes, sempre observando o calendário.

Já os valores pendentes de multas, de IPVA anteriores e referentes à taxa de licenciamento podem ser quitados até o vencimento da terceira parcela. Quem perder a data de pagamento da primeira parcela também deixa de ter o benefício de parcelar em três vezes.

Mas é preciso se atentar que a SEFAZ – Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia não envia os boletos referentes ao IPVA pelo Correio. Para fazer o pagamento, o contribuinte, proprietário de veículos automotores deve se dirigir a uma das agências do Bancoob, Bradesco ou Banco do Brasil e mostra apenas o número do RENAVAM.

Caso tenha dúvidas ou precise consultar outras informações sobre o IPVA BA 2017, o contribuinte pode entrar em contato com a Secretaria da Fazenda pelo número: 0800 0710071, por meio de uma ligação gratuita ou até mesmo pelo site: www.sefaz.ba.gov.br.

Gostou do nosso artigo sobre o IPVA BA 2017? Ele lhe ajudou? Compartilhe sua experiência.

Kika Akita


Confira aqui a tabela de valores venais e o calendário de pagamento do IPVA 2017 no Rio Grande do Sul.

A cada início de ano, tradicionalmente, os motoristas de todo o Brasil precisam quitar obrigatoriamente o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores). No Rio Grande do Sul, por exemplo, o contribuinte já pode ter acesso às datas de pagamentos, disponíveis desde início de dezembro. No caso, acesse a página: http://www.detran.rs.gov.br/.

A data limite para pagar o tributo para quem tem veículo com placa 1 é 3 de abril de 2017. Proprietários de carros com a placas final 2 devem pagar até 5 de abril do ano que vem. Confira abaixo os demais prazos estabelecidos pelo Detran gaúcho:

  • Final 3 = 07 de abril
  • Final 4 = 10 de abril
  • Final 5 = 12 de abril
  • Final 6 = 17 de abril
  • Final 7 = 19 de abril
  • Final 8 = 24 de abril
  • Final 9= 26 de abril
  • Final 0 = 28 de abril

O motorista pode pagar o valor integral, mas também é possível parcelar o imposto. Quem quiser pagar com desconto de 3%, deve quitar o imposto à vista até o dia 2 de janeiro de 2017, conforme informações do Detran-RS. O pagamento deve ser feito nas agências bancárias.

Inadimplência

Quem não pagar o imposto pode ter carro apreendido e ter o nome incluído nos órgãos de proteção ao crédito. Em situações em que o carro é apreendido pela polícia, além de pagar o tributo, é preciso ainda quitar multa diária pelo tempo que o veículo ficou no pátio. Se o motorista não pagar a dívida, o carro pode ir a leilão.

Valores do imposto a serem pagos

Os valores do imposto variam conforme ano, tempo de uso e modelo do carro. Lembrando que veículos com mais 20 anos não precisam pagar o imposto. No site do Detran é possível consular o valor a ser pago pelo motorista. Para saber a respeito dos dados, basta inserir informações do veículo. Dessa forma, acesse: http://www.detran.rs.gov.br/consulta-veiculos.

Por Letícia Veloso


Confira aqui a tabela de valores venais e o calendário de pagamento do IPVA 2017 em São Paulo.

O governo do Estado de São Paulo, na quinta-feira, dia 6 de novembro, anunciou o calendário para que sejam realizados os pagamentos do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, conhecido como IPVA, no ano de 2017. O tributo tem como base de cálculo os valores venais dos veículos, que são determinados pela FIPE e em São Paulo este ano, esta 4,8% mais barato.

Os donos de veículos automotivos contam com dois meios para pagamento: a primeira, quitando o imposto em cota única, no primeiro mês do ano, tendo um desconto de 3%. A segunda é parcelando em três vezes, sendo nos meses de janeiro, fevereiro e a última em março, de acordo com o dígito final da placa. Pode-se pagar o tributo também em única cota no mês de fevereiro, sem desconto.

Valores Venais

O IPVA com valor mais alto no Estado é R$ 126.105,16, que corresponde a Lamborghini Avent Road ano 2015, que custa R$ 3.227.629. Já o menor valor é de R$ 9,50, para a motocicleta Hero Puch 65, modelo 1997, que custa R$ 475.

Como calcular

Primeiramente, você precisa localizar o ano e o modelo do seu veículo na tabela para encontrar o valor venal. Então, para realizar o cálculo do valor do tributo é necessário aplicar a alíquota sobre este valor, veja abaixo:

Valor venal do veículo: R$ 20.050

Alíquota:4%

Cálculo: 20.050 x 0,04 = R$ 802 (este será o valor do IPVA)

As alíquotas do tributo continuam a mesma. Os proprietários de veículos a gasolina e também bicombustíveis pagarão 4% em cima do valor venal. Automóveis que usam somente álcool, gás ou eletricidade, ou então que os combinem, terão alíquota de 3%. As picapes com cabine dupla recolhem 4%.

Já os utilitários, micro-ônibus, ônibus, motocicletas, quadriciclos, motonetas e similares pagarão 2% do valor venal e os caminhões 1,5%.

O levantamento da Fipe, Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, que teve como base os valores de mercado do mês de setembro deste ano, encontrou uma maior queda de valores de venda para caminhões usados, apresentando um recuo de 7,9%.

Já os utilitários contaram com uma redução de 5,4%, sendo seguidos pelos automóveis, micro-ônibus e ônibus tendo uma redução de 5,3%. Os valores de venda das motocicletas estiveram 2,9% abaixo do valor de 2015.

FILIPE R SILVA


A Associação Brasileiras das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa) anda preocupada com os números que vem registrando. Para termos uma ideia mais ampla da questão basta considerarmos que a quantidade de veículos importados que foram vendidos no Brasil durante o mês de abril deste ano pelas 18 marcas que são associadas a Abeifa sofreu uma queda. De acordo com os números apontados a redução foi de 13,9% se comparado com março. O mês acabou fechando com um total de 2.856 unidades emplacadas.

Durante uma coletiva o presidente da Abeifa José Luiz Gandini colocou a culpa do problema ou ao menos parte dele na cobrança que envolve 30 pontos do IPI que são voltados para a importação de veículos que se encontram fora da cota prevista do Inovar-Auto. Para completar a situação ainda há a questão da alta do dólar que dificulta e até mesmo torna inviável a competitividade dos importados.

Em momento anterior Gandini já tinha deixado claro sua posição afirmando que a associação estava de acordo que não é sustentável aguardar até dezembro de 2017, ocasião em que o IPI adicional deixa de ser cobrado. Com isso a Abeifa deve questionar e propor mudanças antes. Mas apesar de todos os aspectos negativos a associação compreende que o momento político pelo qual o Brasil passa não é tão propício para tratar questões assim.

Gandini destaca também que a remoção do IPI adicional não traria nenhum impacto significativo no teor geral da arrecadação de impostos uma vez que haveria um relativo aumento nas vendas.

Outro aspecto ressaltado pelo presidente diz respeito a diferenciação na tarifa no Inovar-Auto. Segundo ele a mesma deveria considerar a questão de eficiência energética do carro. Nas suas próprias palavras se o carro poluir mais deve pagar mais.

Quando pegamos o acumulado de janeiro a abril as marcas associadas junto à Abeifa chegaram a emplacar 12.716 unidades importadas. Com isso a retração registra um índice de 44,6% comparando com o mesmo período do ano passado, época em que os números chegaram a 22.944 carros.

Aquelas empresas que possuem fabricação local como é caso da Suzuki, Mini, Chery e BMW fecharam o mês de abril com 841 veículos licenciados que foram fabricados aqui no Brasil. Comparando novamente no mês de março houve um aumento de 18,5% , mas mesmo assim em relação a Abril de 2015 uma queda de 42,9%.

Por Denisson Soares


Confira os 20 carros de São Paulo com maior valor de IPVA 2016.

A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo divulgou recentemente a lista dos valores de IPVA válidos para 2016, os preços foram embasados na Tabela Fipe.

O IPVA é um imposto estadual que deve ser pago anualmente, o valor varia de acordo com o combustível e tipo de veículo. Confira com a gente os 20 IPVAs de SP com o valor mais alto.

De acordo com os dados, pela segunda vez consecutiva, o IPVA mais caro de SP ficou com o Porsche 918 Spyder. O modelo de fabricação 2014 possui um imposto que custa nada mais nada menos do que R$ 126.920,92. Com esse dinheiro seria possível adquirir até 04 automóveis zero quilômetro de modelos mais populares. 

O segundo lugar ficou com o Lamborghini Aventador Roadster, o IPVA no valor de R$ 123.701,32 também assusta grande parte dos brasileiros.

Já a terceira posição pertence ao Rolls-Royce Wraith, o IPVA de R$ 122.107,68 também é pouco acessível.

O quarto e quinto lugar ainda mantêm a casa dos 100 mil reais, o Rolls Royce Ghost e a Ferrari F12 Berlinetta possuem IPVA no valor de R$ 101.721,76 e R$ 100.940,96, respectivamente.

Acompanhe abaixo o ranking das demais posições:

  • 6º – A Ferrari FF: R$ 90.284,68
  • 7º –  Ferrari 458 Speciale A: R$ 83.907,36
  • 8º –  Lamborghini Aventador LP700-4: R$ 75.191,72
  • 9º –  Mercedes-Benz SLR McLaren 722S: R$ 66.965,64
  • 10º –  Ferrari 458 Spider: R$ 66.646,72
  • 11º –  Ferrari 599 GTO: R$ 62.877,92
  • 12º –  Ferrari 599 GTB: R$ 62.639,24
  • 13º  –  Ferrari 599 SA Aperta: R$ 61.313,04
  • 14º –  McLaren MP4-12C: R$ 55.756,96
  • 15º –  Lamborghini Gallardo LP560-4: R$ 55.500,64
  • 16º –  Rolls-Royce Phantom Drophead Coupé: R$ 53.138,92
  • 17º –  Lamborghini Huracán LP610-4: R$ 52.883,24
  • 18º – Ferrari California-T: R$ 46.675,12
  • 19º – Lamborghini Gallardo LP570-4 Spyder Performante: R$ 45.358,44
  • 20º-  Lamborghini Gallardo LP570-4 Superleggera: R$ 44.864,08

E então? O que achou do ranking? Compartilhe conosco suas impressões!

Por Beatriz


Confira aqui mais informações sobre o pagamento do IPVA 2016 na Bahia.

Começo de ano é a hora ideal para colocar todas as contas na ponta do lápis e não deixar nada irregular. Um dos impostos que preocupa muitos contribuintes é o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores).

Em 2015, a Secretaria da Fazenda da Bahia divulgou a tabela de pagamento do IPVA 2016 e os contribuintes tiveram uma surpresa: Proprietários de automóveis pagarão cerca de 3% a menos do imposto este ano. A redução varia conforme o tipo de automóvel e em média representou 2,8% para motos, 2,7% para caminhões, 2,5% para ônibus e 2,8% para micro-ônibus.

O pagamento do IPVA é obrigatório e requer que todos os proprietários de veículos em circulação quitem esta obrigação. Ficam isentos do IPVA 2016 veículos com baixa cilindrada ou isento por idade.

Confira no post como não perder os prazos do pagamento do IPVA BA 2016!

Consulta IPVA BA 2016:

É importante não perder os prazos e não deixar passar a oportunidade de realizar o parcelamento. Existe também a possibilidade de pagar à vista e por isso acompanhar os prazos se torna importante, uma vez que é com base nas datas estabelecidas que você garante o desconto.

O IPVA BA 2016 é cobrado uma vez no ano e atualmente pode ser realizado o pagamento em até três vezes sem juros, o que torna tudo mais acessível e facilitado.

A Guia de Recolhimento do IPVA já pode ser emitido pela internet, o que economiza tempo, além do proprietário do veículo poder se manter informado a respeito dos prazos de pagamentos.

O DETRAN da Bahia disponibiliza no site www.sefaz.ba.gov.br um calendário com todas as informações sobre o pagamento do IPVA 2016, a tabela é composta pela definição dos prazos de pagamento de acordo com o final da placa de cada veículo.

O pagamento do IPVA BA 2016 poderá ser efetuado em cota única com desconto de 10% até o dia 05/02/2016 ou em até 3 cotas, sem a incidência de desconto. É importante ressaltar que o pagamento deve ser efetuado dentro do prazo de vencimento, caso contrário, o contribuinte ainda pagará multas se ficar com seu veículo circulando irregularmente.

Gostou do post? Compartilhe conosco sua opinião!

Por Carla Geremias


Confira aqui mais informações sobre o pagamento do DPVAT 2016.

Com o início do ano, as pessoas já ficam preocupadas com a obrigatoriedade de pagar os mais variados impostos estipulados pelo poder público. Um dos impostos que não fogem desta lista é o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT).

O valor do seguro DVAT neste ano de 2016 não sofrerá nenhum reajuste, sendo que o valor cobrado será de R$ 105,65 para automóveis, R$ 292,01 para motocicletas, R$ 110,38 para caminhões e caminhonetes, R$ 396,49 para os ônibus e micro-ônibus com cobrança de frete e lotação de mais de 10 passageiros e R$ 247,42 para os ônibus e micro-ônibus sem cobrança de frete ou com lotação de até 10 passageiros com cobrança de frete.

A grande novidade ficou por conta dos ciclomotores de até 50 cilindradas, os quais terão que pagar o seguro, tendo em vista que foi criada uma nova categoria que contempla os ciclomotores de até 50 cilindradas, o valor do seguro para as conhecidas “cinquentinhas” ficou inferior ao valor cobrado pelas motocicletas de maior porte e ficou fixado em R$ 134,66.

O pagamento do seguro DPVAT é feito anualmente e é obrigatório para todos os proprietários de veículos automotores, a data do seu vencimento é junto com a data do vencimento do IPVA, o pagamento do DPVAT é um dos requisitos exigidos pelo poder público para que os proprietários de veículos obtenham o licenciamento anual dos seus veículos.

O seguro DPVAT é muito importante, pois ele ampara os cidadãos nos casos de morte, invalidez permanente ou até mesmo com as despesas oriundas de assistências médicas e suplementares por lesões menos graves causadas por acidentes de trânsito em todo território nacional.

No caso de acidente com vítimas fatais, o seguro possui um teto máximo de R$ 13.500. Para as pessoas que sofrerem lesões permanentes, o valor do benefício pode chegar até os R$ 13.500 e para cobrir despesas de reembolso médico hospitalar o valor pode chegar a R$ 2.700.

O prazo para o requerimento do seguro no caso de morte é de 3 anos após o acidente, para maiores esclarecimentos sobre as questões envolvendo o seguro DPVAT é disponibilizado o seguinte telefone: 0800 022 1204.

Por Adriano Oliveira


Confira aqui todas as informações sobre o IPVA (Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores).

O Brasil é um dos países com o maior número de impostos. É IR (Imposto de Renda), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), IOF (Imposto sobre Movimentações Financeiras), IPTU (Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana), IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores)… São tantos que se quer dá para listarmos todos aqui. E você sabe o que significam?

Nesse artigo vamos falar do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). Todos os dias vemos muitos veículos circulando pela cidade, cada um deles paga uma taxa que varia de 2% a 4% do valor da tabela FIPE, dependendo do estado onde foi emplacado. Já parou para pensar? É muito dinheiro. Mas para que serve o IPVA?

O dinheiro arrecadado vai para o Tesouro, que é o valor acumulado de verba para obras e serviços. Outros impostos também são direcionados ao tesouro.

Na teoria, não há obrigatoriedade de que tal verba seja gasta na melhoria de estradas ou construção de novos acessos. Talvez por isso seja tão difícil fiscalizar. O dinheiro entra no bolo do orçamento e segue para investimento onde os governantes acham melhor. Dessa forma, as estradas continuam um caos, sem segurança e sem infraestrutura, enquanto sabe-se lá qual outro departamento está sendo beneficiado por tanto dinheiro.

De acordo com a Secretaria de Estado da Fazenda de Minas Gerais, somente em 2015 foram arrecadados mais de R$ 3 bilhões somente referente ao IPVA.

Já a Secretaria de Estado da Fazenda do Estado de São Paulo, afirmou que mais de R$ 14 bilhões entraram para os cofres públicos apenas esse ano com o IPVA.

Para pagar a alíquota basta se dirigir a rede bancária com o número do RENAVAM do veículo. Na aquisição de um veículo novo ou usado, é importante lembrar desse detalhe, o imposto incide sobre o valor venal do veículo, por isso vai diminuindo com o passar dos anos juntamente com a desvalorização do automóvel.

Por Vivian Schetini


Governo do Paraná inicia a cobrança do Licenciamento 2015. Imposto deverá ser pago entre os meses de Agosto e Novembro de 2015.

Os donos de veículos no Paraná deverão pagar uma taxa de R$ 68,42 até novembro para o Governo, pois a cobrança do licenciamento veicular começará a ser cobrada a partir desta segunda-feira (dia 3 de agosto).

O mesmo valor deverá ser pago para todos os tipos de automóveis e o prazo máximo para a quitação do licenciamento irá variar de acordo com o final das placas dos veículos.

Já no mês de agosto, os motoristas donos de veículos com placas de final 1 e 2 deverão pagar seu licenciamento. Em setembro é vez dos donos de carro de final 3, 4 e 5. Em outubro o pagamento é para os que têm final 7 e 8. Os últimos a pagar o licenciamento são os donos de veículos com placas de final 9 e 0, que deverão quitar sua pendência até o mês de novembro.

Quem não pagar o licenciamento ficará sujeito à cobrança de multa, que está no valor de R$ 191,54. Além disso, o carro será apreendido e o motorista ganhará 7 pontos na carteira. Caso o motorista seja realmente multado, o carro só é liberado novamente após a quitação de todos os impostos que puderem estar atrasados. Uma dor de cabeça desnecessária que pode facilmente ser evitada com o pagamento da taxa de licenciamento na data correta. Por isso é importante estar de olho nos prazos.

O pagamento deve ser feito exclusivamente em uma das agências do Banco do Brasil, Banco Rendimento ou Sicredi. Quem possuir conta no Banco do Brasil terá a facilidade de poder pagar a taxa pela internet ou por um terminal eletrônico, mas quem não possuir conta no BB, pode efetuar o pagamento em qualquer um dos caixas eletrônicos dos bancos citados acima.

O procedimento para pagar o licenciamento é simples:

Em um dos terminais dos bancos citados, ache a opção de pagamento do licenciamento veicular, em seguida, aperte a tecla enter e selecione a opção de consulta.

Logo depois, selecione o protocolo para que o pagamento seja feito online e selecione as taxas do Detran para o seu estado (Paraná).

Depois, basta selecionar a opção de licenciamento anual / DPVAT, digitar corretamente o número de seu Renavam, escolher a opção de pagamento desejado do licenciamento e retirar o protocolo necessário. Em seguida é só pagar seu documento em uma das agências dos bancos conveniados.

Não deixe para depois, o pagamento da taxa é essencial para que você não tenha maiores problemas com seu veículo. Fique atento ao final de sua placa e aos procedimentos necessários para que seu veículo tenha todas as taxas em dia.

Por Patrícia Generoso


Até o final do mês de maio de 2012, o governo brasileiro deverá anunciar uma medida que irá aliviar os efeitos do novo Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) frente às montadoras de automóveis importados que foram prejudicadas pelo reajusta da alíquota do tributo.

Segundo o diretor-presidente da Jaguar Land Rover e também residente da Abeiva (Associação das Empresas Importadores de Veículos Automotores), Flavio Padovan, o Ministro Fernando Pimentel apontou que algo acontecerá até o final deste mês:

 “Tive uma promessa do ministro (Fernando) Pimentel de que até o final do mês alguma coisa seja publicada e anunciada pelo governo”.

Nesta medida deverá estar incluso a criação de um novo sistema de cotas isentas da nova alíquota que se parece com o acordo formalizado com o México em 2012.

Tal ação é vista com bons olhos por Padovan, que acredita que “a melhor solução é a cota, e é o caminho mais fácil para o governo também”.

Mesmo que o reajuste do IPI tenha sido apontado no final de 2011, as marcas que não têm fábricas no Brasil começaram a sentir os efeitos da ação somente em abril deste ano, momento em que os estoques formados antes da elevação do imposto começaram a esgotar.

As empresas afiliadas à Abeiva registraram uma queda de 28,1% no volume no mês passado, fazendo uma comparação com o mesmo período registrado em 2011.


O Brasil é um dos países que tem a maior carga tributária, porem isso se revela bastante intenso no setor automobilístico.

Um veículo fabricado em território nacional, poderá custar bem menos na Argentina e até metade do preço no México, por exemplo. Os impostos são uma das razões para ter essa diferença de valores.

Para você ter uma breve idéia, um veiculo que custa cerca de R$ 32 mil aqui no Brasil, encontramos no país vizinho por aproximadamente R$ 22 mil e ainda na cidade do México por nada mais que R$ 18 mil.

Claro que o veiculo fabricado no Brasil deveria ter custo menor aqui, porem o nosso país está entre as cinco cargas tributarias mais altas do mundo, informa Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

Vai entender!

Por José Alberi Fortes Junior


Com a chegada do mês de Abril veio também à volta da cobrança do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados), o que promete mudar o panorama do mercado de automóveis novos e usados no país.

O benefício da redução do imposto fez com que a venda de veículos novos aumentasse 11% em 2009, em relação ao ano de 2008, mas agora com volta da cobrança os preços podem subir até 5%, deixando o mercado de carros usados mais atrativo, pelo menos por até que as montadoras achem o equilíbrio entre as novas tabelas de preço e a necessidade de vender os novos estoques.

Mas se o objetivo for adquirir um carro usado, os próximos dias serão o período certo para comprar, pois a oferta ainda é grande o que mantém os valores mais baixos, mas isto por pouco tempo, pois a reboque do aumento dos “zeros”, espera-se uma elevação do preço dos usados e seminovos, assim que a procura aumentar. No entanto, se o seu caso for vender, faça justamente o contrário. Aguarde alguns dias e provavelmente obterá um preço um pouco mais alto.

Por Mauro Câmara


Os últimos dias de desoneração do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) parecem ter surtido um resultado positivo à indústria brasileira de veículos.

Levantamento recente feito pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) assinala um crescimento de 4,7% em fevereiro ante janeiro e 10,45% em detrimento ao período igual de 2009.

Ao todo, 211.371 unidades de automóveis e comerciais levem foram comercializados que, se somados também a ônibus e caminhões, alcança quase 221 mil veículos automotores. Ainda de acordo com a Fenabrave, se se considerar motocicletas, o número ultrapassa a marca de 341 mil unidades.

No acumulado de janeiro a fevereiro, 396.789 unidades foram emplacadas entre todos os setores automotivos analisados. Resta saber, porém, como o segmento se comportará após 31 de março, último dia em que a redução do IPI será aplicada.

Fonte: G1

Por Luiz Felipe T. Erdei


IPI deve se manter no atual patamar até outubro, ou seja, mais uma vez não haverá aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados para o mercado automobilístico.

Depois de outubro, o imposto subirá gradualmente até o mês de dezembro, quando provavelmente estará com o valor original de antes da redução.

Em resumo, os brasileiros podem comprar carros com preços mais acessíveis até outubro, e o ano de 2010 começará sem qualquer ajuda do Governo às montadoras.

… isso se o Governo não mudar de idéia mais uma vez! 🙂


Um deficiente físico, que naturalmente não possa guiar carros comuns, pode adquirir veículos adaptados com câmbio automático e com isenção de IPI.

Sabe como fazer para obter o desconto? Basta apresentar à concessionária os seguintes documentos:

  • Cópia da carteira de identidade e da carteira de habilitação;
  • Atestado de incapacidade física (providenciado pelo Ciretran);
  • Documento da Receita Federal que reconheça o direito à isenção do IPI.

E o melhor de tudo. Após comprar o carro, ainda é possível obter isenção do ICMS e também do IPVA, bastando que seja feito um pedido formal à Secretaria da Fazenda do seu Estado.


Boas notícias (não, não é brincadeira de 1º de abril, apesar da data): a redução do IPI ainda está valendo pelos próximos 3 meses. Mais 3 meses de carro barato!

Não só isso, o governo também cortou o COFINS para motos. Sim, cortou. Era 3%, agora é zero.

Além disso, o IPI para o setor de construção civil também sofreu redução. Em contrapartida, o governo quer que esses setores não demitam mão de obra.

Via IG


Ainda não teve tempo de comprar seu carro novo com preço reduzido por conta do IPI? Sem problemas! O presidente Lula deve prorrogar o prazo da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados por mais três meses, devendo ir até junho ou julho de 2009.

Lula parece estar convencido de que a medida colaborou com relação aos efeitos nocivos da crise, porém, a redução traz um déficit aos cofres públicos na ordem de R$ 1,35 bilhão de reais.

A venda de veículos tem crescido bem nos últimos meses, devido à queda do preço dos veículos novos. Em contrapartida, os veículos usados estão cada vez mais desvalorizados. Alivia de um lado, piora de outro!

Em fevereiro foram vendidos quase 200 mil carros, o que representou uma pequena alta em relação ao mesmo período do ano anterior.


Para acompanhar o aumento da busca por carros usados, o Governo Federal abriu uma linha de crédito para que as revendedoras de veículos possam ampliar o capital de giro, além de possuir juros reduzidos.

Assim, comerciantes de carros esperam aumentar suas vendas, uma vez que com a redução do IPI, não tem valido muito a pena comprar os usados.

Espera-se que o segmento venha a respirar novamente e que a taxa de juros fique em torno de 1,8% ao mês, o que ainda é bastante elevado.





CONTINUE NAVEGANDO: