Modelo deve chegar sendo o carro elétrico mais barato do Brasil.

Diversos especialistas na área automotiva são unânimes em apontar os veículos elétricos como o futuro da indústria automobilística. Não é para menos, eles não são poluentes, são extremamente econômicos e usam tecnologia de ponta em seus conjuntos motrizes garantindo o máximo de eficiência no seu rodar.

Porém, nem tudo são rosas, o principal ponto negativo continua sendo à baixa autonomia em comparação aos modelos atuais a combustão, boa parte devido suas baterias ainda estarem aquém do esperado, isto causa reflexos negativos também nos preços, bem mais altos que à maioria dos outros veículos “normais”, impossibilitando o acesso a todos seus consumidores interessados.

Preços salgados e volume pequeno de vendas

Por enquanto este é o retrato dos veículos elétricos no mercado nacional, pouca oferta de modelos, preços altos e baixas vendas, com isto fica difícil medir o interesse real do público e a sua aceitação em diferentes nichos de venda.

Nos mercados mais maduros (Estados Unidos e Europa) a situação é um pouco melhor porquê os governos incentivam a aquisição destes modelos dando subsídios nos valores finais de vendas para os compradores interessados.

JAC iEV40 desponta como o veículo elétrico mais barato

A JAC Motors resolveu investir neste nicho e anunciou o JAC iEV40 para os seus interessados já na opção pré-venda desde o final do mês de Janeiro, a boa notícia é que o veículo será comercializado a partir de Junho de 2019 com o menor preço desta categoria: R$ 139.990, valor abaixo dos modelos da concorrência já anunciada, que podem chegar facilmente aos R$ 200.000.

O JAC iEV40 terá diferenciais bem interessantes como 5 anos de garantia, potência de 115 cv, permitindo o veículo fazer de 0 a 50 km/h em 4,5 segundos e de 0 a 100 km/h em 11 segundos, uma razoável autonomia de 300 km graças a sua bateria de 40 kWh e a opção de realizar uma recarga rápida de 80% da bateria em até 60 minutos, fora a carga completa de 8 horas que pode ser realizada através de uma tomada 220V.

O objetivo da JAC Motors é demonstrar e convencer todos seus interessados sobre o baixo custo de quilometragem se compararmos com um modelo que utiliza motorização a combustão, a JAC enumera que dependendo da tarifa da energia elétrica da cidade aonde o iEV40 é carregado o custo pode chegar a ser seis vezes menor, possibilitando uma economia real já no curto prazo pelo proprietário

Cheio de requintes tecnológicos, o iEV40 também conta um sistema de frenagem automática acionado a partir do momento que o motorista tira o pé do pedal do acelerador, o sistema também é regenerativo, isto quer dizer que os freios alimentam às baterias do veículo quando são utilizados, garantindo o máximo de eficiência do conjunto.

Dentre seus principais equipamentos, o JAC iEV40 ainda oferece central multimídia com tela de 8 polegadas, com câmera integrada de 360 graus, câmera frontal, alerta sonoro para ser ouvido por pedestres (útil uma vez que a motorização elétrica não emite nenhum ruído), painel e bancos revestidos de couro e conveniências como sensor de pressão dos pneus e assistente de partidas do veículo especificamente para rampas.

Mercado ainda incipiente, mas promissor

Mesmo com todas estas dificuldades iniciais e um marco regulatório ainda carente de mais detalhes, às montadoras já divulgaram seus modelos para venda a partir deste ano, são eles o Chevrolet Bolt, o Renault Zoe e o Nissan Leaf, todos já estão disponíveis na opção pré-venda para os interessados e vão se juntar a interessante opção da montadora chinesa.

Resta agora esperar e acompanhar as próximas novidades.

Autor: Carlos B.


Modelo deve ganhar nova versão elétrica no próximo ano.

Cada vez mais preocupadas com o conceito “verde”, as montadoras tem se adaptado à nova realidade no que diz respeito aos seus carros e a emissão de gases poluentes. E aqui no Brasil não podia ser diferente. Prova disso é que a Nissan já confirmou, além da importação do Leaf, que poderá lançar ainda em 2020 um carro híbrido no país. E para quem pensa que esse assunto começou a ser discutido agora pela japonesa, está muito enganado. Isso porque há um bom tempo a marca já está sondando a ideia, sendo o registro de sistema publicado apenas em janeiro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o INPI.

Batizado com o nome de E-Power, o sistema funciona com um princípio diferenciado daquele que é encontrado em híbridos convencionais, nos quais o motor a combustão é o grande responsável pela tração do veículo. Assim, o propulsor elétrico realiza todo o movimento do automóvel, estando o motor a combustão presente apenas para que a eletricidade seja gerada e as baterias alimentadas.

Nissan Kicks: modelo em testes

A Nissan tem amplo interesse em nacionalizar a tecnologia. As especulações são de que seja no Kicks, um SUV com boa aceitação e vendas positivas. Conforme informações divulgadas, o modelo já estaria inclusive em fase de testes, com a fabricação em Resende, no Rio de Janeiro. Assim, o Kicks E-Power estaria utilizando, na comparação, o mesmo conceito que já é usado no modelo BMW i3, já a venda no Brasil. Porém, diferentemente do alemão, o sistema desenvolvido pela Nissan não necessita de carregamento com o uso de uma tomada. Ou seja, a energia é gerada unicamente pelo motor a gasolina, com um pacote de baterias muito pequenas que ocupam pouco espaço e ficam embaixo dos bancos dianteiros, não exigindo também uma plataforma nova.

Essa mesma tecnologia e plataforma já tem a sua aplicação no modelo Note, que foi construído todo em Oppama, no Japão. O propulsor elétrico do carro japonês gera uma potência equivalente a 110 cavalos e torque de 25,9 kgfm, considerado o suficiente para um toque ágil ao veículo.

Conforme dados da Nissan, o consumo médio do carro chega a até 34 km/l. Além disso, o fabricante ainda afirma que o motor a combustão funciona de forma silenciosa, não atrapalhando em nenhum ponto o conforto dos ocupantes. Isso porque o veículo não necessita dos grandes períodos de recarga que são esperados para os carros híbridos que funcionam com o sistema de plug-in. E, apesar de não ser 100% sustentável e verde como o Leaf, a tecnologia é bastante promissora e de fácil adaptação.

São Paulo: 72,6% em emissões de gases efeito estufa

Para se ter uma pequena ideia de como os automóveis afetam a emissão de gases do efeito estufa, um estudo realizado pelo Instituto de Energia e do Meio Ambiente, o IEMA, traz um dado assustador. Somente em São Paulo, o levantamento diz que os carros são responsáveis por 72,6% das emissões totais.

Considerados como os grandes vilões responsáveis pelo aquecimento do mundo, o estudo está disponível em um inventário que se refere às emissões atmosféricas correspondentes ao transporte rodoviário de passageiros da cidade de São Paulo.

A pesquisa foi realizada no decorrer de 24 horas de um dia normal na grande cidade.

Outro dado coletado é de que aproximadamente 40% das pessoas na cidade utilizam um transporte público e coletivo, como é o caso do trem, metrô e ônibus. Já outras 30% se deslocam em um carro ou moto.

Para acessar todo o estudo, é possível fazê-lo pelo endereço eletrônico http://emissoes.energiaeambiente.org.br/. Lá, é possível encontrar outros detalhes sobre a participação dos diferentes meios de transporte na capital e quais os combustíveis utilizados.

Kellen Kunz


No mercado brasileiro, Jac iEV 40 já se encontra em período de pré venda, custando quase 140 mil reais.

A montadora chinesa de automóveis Jac Motors já iniciou na última sexta-feira, dia 25 de janeiro, o período de pré venda de seu veículo pioneiro no segmento de carros elétricos no mercado brasileiro, o qual recebeu o nome de Jac iEV 40. Este modelo terá as primeiras unidades disponibilizadas já no mês de junho deste ano e é desembarcado no mercado brasileiro com R$ 10 mil acima do valor que foi informado anteriormente pela marca, sendo assim ele passou a custar R$ 139.990 agora.

Tendo como base o modelo Jac T40, o novo iEV 40, que anteriormente era conhecido como Jac E40, agora está equipado com um propulsor movido a eletricidade e que possui a capacidade de gerar uma potência de 115 cavalos e um torque de 27,5 kgfm, os quais são entregues de maneira instantânea. De acordo com a própria montadora do veículo, a autonomia do modelo com uma carga atinge a marca de 300 km. Com esse conjunto, o lançamento consegue se deslocar da inércia até os 100 km por hora em um tempo de 11 segundos.

Para que a recarga do modelo seja realizada, é necessário apenas conecta-lo a uma tomada convencional, como a que se encontra nas residências brasileiras. Em uma rede com uma tensão de 220 V a carga completa de sua bateria necessita de 8 horas conectada a tomada para carrega-la de forma completa. Já na função com recarga rápida, a qual necessita de um carregador especial, este que é ofertado à parte, em apenas 1 horas a bateria consegue atingir 80% de carga.

O iEV 40 possui uma tecnologia em sua bateria que faz com que ela se alimente da regeneração gerada pela energia dos próprios freios. Este sistema de frenagem que acontece de maneira automática trabalha logo que o condutor retira o seu pé do pedal de acelerador. Caso o modo Eco esteja ativado, a tecnologia de frenagem regenerativa trabalha de uma maneira ainda mais intensa, sendo assim, o pedal de freio quase que passa a ser inutilizado em um trajeto no dia a dia.

O modelo oferece entre os seus principais equipamentos, central multimídia com display de 8 polegadas e tela sensível ao toque, bancos de couro, câmera com visão de 360 graus, frenagem, alerta sonoro para os pedestres, isso porque seu motor trabalha com eletricidade, sendo assim não emite ruídos, monitoramento da pressão de seus pneus e assistente para partida em aclives.

Ainda que recém conhecido o modelo já possuem concorrentes fortes

Ainda que nenhum dos modelos de veículos elétricos anunciados a pouco tempo esteja disponível nas concessionárias do mercado brasileiro, a concorrência já está bem definida neste segmento.

No período em que ocorreu o Salão Internacional do Automóvel, em novembro do ano passado, na cidade de São Paulo, a montadora da gravata dourada, a Chevrolet, acabou por anunciar o desembarque do seu modelo, chamado de Bolt, para o ano de 2019, com custo de R$ 175 mil. Após ela, a montadora Nissan também deu o pontapé na pré-venda do Leaf, por meio de seu site, onde o mesmo é oferecido por R$ 178.400.

Para finalizar, a fabricante Renault anunciou o Zoe, o qual já está em pré-venda também no mercado do país, sendo comercializado pelo preço de R$ 149.990. Suas entregas terão início no próximo mês.

Ainda no ano de 2019 se pode aguardar pelos lançamentos Audi e-tron e também o Kia Soul EV. Prometido para o Brasil, também está o Hyundai Ioniq, porém, ainda sem nenhuma data oficial para que seja lançado.

FILIPE R SILVA


De 2019 a 2021, a FCA irá lançar 13 novos veículos elétricos e híbridos plug-in.

O grupo FCA – Fiat Chrysler Automobiles – irá voltar a ter diversas novidades após um tempo bem complicado passado pela empresa, que foi a morte Sergio Marchionne, o CEO da companhia. Foi realizado um encontro com sindicatos da Itália, onde Mike Manley, o novo CEO da empresa apresentou os planos para o futuro e por fim revelou que pretendem realizar um investimento de US$ 5,6 bilhões nos três anos próximos (de 2019 até 2021) para que consigam lançar 13 novidades.

O conglomerado ítalo-americano apresentou o plano global de eletrificação que pretendem trabalhar nos próximos três anos. A ideia do grupo é lançar veículos elétricos e híbridos plug-in neste triênio. Os investimentos apresentados pela marca irão ser utilizados para trabalhar sobre novos modelos e também sobre novos propulsores. Além disso, destes fatos, a companhia informou que desejar elevar sua produção em território italiano para que assim consiga melhorar suas próprias margens de lucro.

Desta forma, o plano é que se concentre a produção de modelos da Jeep, Maserati e Alfa Romeo na Itália, visto que lá seus custos para produzir são superiores e somente produtos que possuem um maior valor agregado iriam conseguir oferecer melhores margens de lucro. Sendo assim, modelos como o Panda e o Fiat 500 devem se manter na Polônia, que possui menores custos e mão de obra mais barata.

A FCA, ainda assim, pretende produzir o novo Fiat 500 com motorização elétrica na cidade de Turim, bem como o Panda, um híbrido leve, isso devido aos elevados custos. O modelo Fiat 500X irá receber uma nova versão, a híbrida plug-in e ainda continuará sendo fabricado na comuna de Melfi, de forma conjunta com o modelo Jeep Renegade, o qual também contará com uma variante equivalente.

Entretanto, a apresentação deste plano estratégico envolve também o desenvolvido de um novo lançamento, o qual está deixando a imprensa bem atenta. O produto é um novo SUV compacto para a marca Alfa Romeo, porém ao contrário de fazer uso da plataforma Giorgio mais curta, contará como base a do Jeep Renegade ou do Compass, muito provável que seja deste segundo.

A referida plataforma irá ser utilizada pela Alfa Romeo já tendo uma alternativa como híbrido plug-in. A sua fabricação será realizada na comuna de Pomigliano, porém no atual momento ainda não se tem um nome para produto. Enquanto o modelo Jeep Compass, que hoje é o campeão de vendas no segmento de SUVs no mercado brasileiro, será desenvolvido agora na Itália, porém em Melfi, além do Fiat 500X e do Renegade.

Quando se trata da marca Maserati, existirá também uma variante equivalente ao luxuoso da marca Alfa Romeo Stelvio, o qual é desenvolvido igualmente na planta de Cassino, local onde são produzidos veículos tendo Giorgio como base. Por outro lado, o esportivo, já aguardado, Alfieri, o qual contará com opções conversível e cupê, deverá ser desenvolvido na comuna de Modena, o qual sairá de fábrica eletrificado, já partindo da sua primeira versão.

Os modelos Maserati Quattroporte, Levante e Ghibli irão receber variantes com motores híbridos plug-in. A montadora tem a pretensão de realizar uma expansão em sua produção de veículos elétricos em um segundo momento depois deste período, o que irá envolver de maneira direta as plantas que já existem, sendo elas a da Sérvia, Turquia e Polônia. Quando se trata de mercados automobilísticos emergentes, como é o caso da Índia, da Américas e também da China, nenhum comentário sobre o assunto foi feito por parte Fiat Chrysler Automobiles, entretanto fica-se na espera, para que possa aparecer por aqui o mais rápido possível.

Por Filipe Silva

Lançamentos da FCA


Muito tem se falado sobre os carros elétricos e seus benefícios, mas será que você está por dentro dos modelos disponíveis no Brasil? Neste artigo você verá 5 modelos de carros elétricos que você deve conhecer. Acompanhe.

Os carros elétricos estão ganhando cada vez mais espaço em conversas entre amigos e no mercado. Esse é um movimento normal, visto que, além de serem veículos bonitos, econômicos e politicamente corretos, uma vez que não poluem o meio ambiente, eles também são potentes.

No entanto, esses modelos, além de caros, ainda são pouco conhecidos. Mesmo sendo pauta em conversas, poucas pessoas realmente sabem quais são os carros elétricos disponíveis no mercado. Por isso, preparamos este artigo com os 5 modelos de carros elétricos.

5 modelos de carros elétricos que você deve conhecer

Lexus CT200h

Um dos modelos mais potentes e de melhor preço entre os disponíveis no país, o Lexus CT200h, apesar de ser 1.8, dispõe de 99 cavalos de potência e um torque de 14,5 kgfm que, quando combinado ao motor elétrico de 82 cavalos e um torque de 21 kgfm, soma grande eficiência e economia. Este modelo custa em torno de R$ 135.750.

Para se ter uma ideia, o preço do seguro do CT200h 1.8 16V é de R$ 4.035 para um morador de Ponta Grossa, Paraná.

Toyota Prius

O modelo da Toyota foi lançado no Brasil em junho 2016 e, apesar de custar R$ 126.600, é o modelo mais barato entre os carros elétricos disponíveis no país.

Um sedan elegante que conta com um motor 1.8 98 cavalos de potência e um torque de 14,2 kgfm, que combinado com o motor elétrico de 72 cavalos e um torque de 16 kgfm, tornam esse veículo uma bela máquina.

O preço médio do seguro do Toyota Prius 2018 é de R$ 2.740 para um condutor e mora em São Paulo, o que pode não ser tão caro comparado a outros modelos.

Volvo XC60 T8

Figura 3: www.gazetadopovo.com.br

O modelo SUV da Volvo chegou ao Brasil em outubro deste anoe, ainda na pré-venda, estava custando R$ 299.950 mil.

Esse preço pode ser facilmente justificado por seu motor 2.0 Turbo, seus 320 cavalos de potência e sua autonomia de 50 quilômetros, além de toda a beleza e espaço interno, claro.

Porsche Cayenne Hybrid

Este modelo SUV alemão, além de contar com um acabamento verde nos freios, também possui um motor elétrico de 95 cavalos de potência, que quando tem o V6 acionado, pode chegar a 333 cavalos de potência com um torque de 60,2 kgfm.

Ford Fusion Hybrid

O novo modelo do já conhecido Ford Fusion, veio com linhas modernas e um motor híbrido 2.0 com 140 cavalos de potência, que aliado ao elétrico com 50 cavalos permitem ao veículo desempenhar um excelente resultado, tanto em potência como em economia. Este modelo é comercializado por um valor médio de R$ 160.900 mil.

O valor médio do seguro do Fusion Hybrid pode ser de R$ 12.636,11.

Estes são os 5 modelos de carros elétricos que você deve conhecer, comercializados no Brasil e, que apesar de terem um valor de compra um pouco, ou muito, mais alto que os veículos apenas movidos a combustível, poderão lhe proporcionar muito mais economia no dia a dia.

Vale mencionar que o valor do seguro é apenas uma estimativa baseada em algum perfil e para ter acesso ao valor correto do seguro para você é preciso realizar uma cotação personalizada.

E você, gostou de qual desses modelos?

Por Jeniffer Elaina, do SeguroAuto.org


O Renault Zoe foi lançado no Brasil como carro elétrico mais barato do mercado nacional.

A Renault prometeu no lançamento do seu carro elétrico, o Hatch Zoe, no Salão do Automóvel em 2018 a disponibilização do modelo para todos seus interessados a partir do começo do mês de Novembro, precisamente no dia 07. E realmente cumpriu o prometido!

Um dos principais atrativos do compacto elétrico da marca francesa é o seu preço, vendido por R$ 149.990, o Zoe tem o mérito de ser o carro elétrico mais barato até então comercializado em território nacional.

A concorrência ainda é pequena com destaques para Chevrolet Bolt, partindo dos R$ 175.000 e do Nissan Leaf, vendido por uma pequena diferença a mais, na casa dos R$ 178.400. O mais caro do segmento e também o mais veterano ainda é o BMW i3 saindo por quase R$ 200 mil (R$ 199.990).

A Renault ainda salienta seu baixo custo de rodagem, segundo ela o Zoe custa apenas 10 centavos por km rodado e traz uma autonomia razoável para seu porte (cerca de 300 km).

O modelo atual já pertence a nova geração lançada em 2016. A primeira foi lançada em 2012, o hatch elétrico compartilha diversos equipamentos, componentes e a mesma plataforma com o modelo Clio, por aqui descontinuado dando lugar a Hatch médios como o Logan e traz visual moderno e interior requintado com inúmeros acessórios.

Inicialmente oferecido somente para frotistas, a Renault já habilitou duas concessionários no país para poder expor e vender seu carro elétrico, a primeira na cidade de São Paulo representada pela revenda Sinal no bairro do Ibirapuera e a segunda representada pela revenda Globo na cidade de Curitiba.

Principais Especificações do Zoe

a. Mecânica

  • Motorização Elétrica com Potência Máxima de 92 cavalos até 11.300 rpm;
  • Torque do modelo: Até 220 Nm em 2.500 rpm;
  • Autonomia do modelo: cerca de 300 km (dependendo do uso);
  • Bateria com capacidade para 41 kWh, podendo ser recarregada entre 2 até 8 horas dependendo do modo de condução. A Renault disponibiliza um simulador através do link: https://www.renault.com.br/veiculos/veiculos-eletricos/renault-zoe/autonomia.html;
  • Câmbio do tipo Automático;
  • Direção do tipo Elétrica.

b. Cores ofertadas pela Renault: Branco e Preto.

c. Principais Dimensões: Comprimento de 4080 milímetros (aproximadamente), Largura de 1730 milímetros (aproximadamente), Altura de 1.562 milímetros (aproximadamente) e Altura livre do solo de 120 milímetros (aproximadamente).

d. Peso, sempre computado em ordem de marcha de 1480 kg.

e. Principais Acessórios:

  • Quatro Airbags no interior do veículo;
  • Assistente para partida em rampas;
  • Faróis com Acendimento automático em caso de frenagens extremas;
  • Sistema ABS com controle de tração e estabilidade;
  • Travamento das portas de maneira automática;
  • Pneus com indicador de pressão;
  • Sistema Isofix para fixação;
  • Ar-condicionado no interior do veículo automático;
  • Sensores de Chuva e de Luminosidade;
  • Chave do veículo do tipo hands-free;
  • Amplo porta-luvas com 7 litros de capacidade;
  • Computador de Bordo embutido;
  • Controlador de Velocidade com limitador para velocidade;
  • Vidros Elétricos nas quatro portas;
  • Volante com revestimento em couro e regulagens de profundidade e altura;
  • Sistema Multimídia conjugado com uma tela touch de 7 polegadas;
  • Veículo equipado com a Função do Tipo Eco Mode;
  • Painel de Instrumentos do Motorista do tipo TFT;
  • Sistema de Som da marca Bose;
  • Luzes de LED diurnas;
  • Maçanetas com acabamento em cores igual a cor da carroceria do veículo;
  • Grade da frente do veículo com acabamento todo cromado;
  • Rodas com aro de 16 polegadas e com acabamento diamantado.

Todos os detalhes estão disponíveis no Site da Renault

Gostou? Nós também! Um amplo detalhamento técnico com a possibilidade de fazer o download do catálogo do Zoe e inclusive reserva-lo e tirar suas principais dúvidas podem ser feitos através do site do modelo na Renault disponível no endereço: https://www.renault.com.br/veiculos/veiculos-eletricos/renault-zoe.html.

Parabéns a Renault pela sua iniciativa!

Por Carlos. B

renault-zoe

Renault Zoe

Renault Zoe


Novo modelo pode rodar até 450 km com apenas uma carga de energia elétrica. Ele será apresentado no Salão do Automóvel de Paris 2018.

O setor automotivo agora passa a ter uma nova paixão no segmento de utilitários, os veículos que não utilizam um pingo de combustível. Após o lançamento do modelo Tesla Model X e depois do mais novo Jaguar I-Pace, a montadora alemã finalmente chegou para a disputa com o modelo EQC 400.

O utilitário esportivo passou a ser o primeiro membro a fazer parte da família Electric Intelligence, tornando-se realidade após dois anos de ter o conceito Generation EQ apresentado no Salão do Automóvel de Paris, no ano de 2016. O veículo, que é movido por meio de dois motores elétricos, gera uma potência combinada de 408 cavalos e uma autonomia que permite rodar até 450 km com apenas uma carga, distância essa que se aproxima do percurso entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

A função primária fica por conta do motor dianteiro. Este propulsor é o único a funcionar quando o motorista estiver conduzindo o veículo de forma mais tranquila. Em momentos que requeiram mais potência, como em casos de realizações de ultrapassagens o segundo motor começa a agir. Neste momento a tração deixa de ser dianteira, passando a ser integral.

As responsáveis por oferecer a energia necessária para os propulsores são as conhecidas baterias de íons de lítio, as quais são compostas de 384 células localizadas no assoalho do veículo entre os dois eixos. Elas são divididas em módulos, sendo dois com 40 células e os outros quatro com 72.

As mesmas representam 650 kg de um total de 2.425 kg presentes no EQC. Embora o modelo conte com essa massa toda, o SUV robusto necessita de simples 5,1 segundos para que possa alcançar os 100 quilômetros horários, sendo que a velocidade máxima pode chegar a 180 km/h.

O novo Mercedes EQC possibilita que as cargas sejam realizadas através de tomadas convencionais, além das estações nas ruas. Segundo informações do fabricante, um carregador que possua alta potência, permite que a bateria, estando zerada, chegue em 80% em apenas 40 minutos.

Pela própria nomenclatura sabe-se que o utilitário esportivo não faz uso de uma plataforma totalmente nova, mas sim uma derivação que advém da Modular Rear Architecture, conhecida como MRA, a mesma arquitetura presente no Classe C e também no GLC, modelo este que é a base para EQC.

Entretanto, os engenheiros da montadora realizaram algumas modificações visando a melhor acomodação do pacote de baterias e do powertrain. Desta forma, foi dado o nome de MEA, Modular Electric Architecture para esta base.

Sendo assim, foram alteradas algumas dimensões, passando agora a ter 4,76 m de comprimento, um aumento de 10,5 cm e na altura 1,62 metros, uma redução de 21 centímetros. Já o entre-eixos, se mantem o mesmo, sendo 4,87 metros.

Sobre AMG

A montadora germânica também aproveitou a chance e já mostrou a versão AMG Line, porém não houve grandes alterações, sendo apenas mudanças estéticas, como desenho dos para-choques que passaram a ser mais esportivos e a exclusiva roda com 21 polegadas.

O novo EQC 400 será apresentado no Salão do Automóvel de Paris, que irá acontecer agora no mês de outubro entre os dias 4 e 14. A produção do novo SUV se dará a partir do primeiro semestre do próximo ano em dois países: China e Alemanha.

Com o objetivo de testar o modelo em diversas condições de relevo e temperatura foram produzidos cerca de 200 protótipos os quais foram enviados para vários países do globo, entre eles os das regiões polares e da África.

O EQC vem para disputar um páreo duro com Tesla Model X, que possui autonomia de 414 km e o Jaguar I-Pace com autonomia de 380 km.

Por Filipe Silva

Mercedes-Benz EQC 400

Mercedes-Benz EQC 400

Mercedes-Benz EQC 400


O Volvo XC40 será o 1º carro elétrico da marca a ser lançado. O lançamento oficial se dará em 2019.

Uma das mais famosas companhias automotivas em todo o mundo, a Volvo, deu um grande passo adiante com sua próxima estreia inteiramente inédita no mercado brasileiro. A montadora sueca está pronta para lançar um veículo totalmente diferente, em termos de meios de funcionamento do motor. O novo modelo está programado para ser comercializado, no máximo, a partir de meados de 2019.

A presença deste novo automóvel significa a participação inicial da Volvo no cerne do segmento de SUVs compactos. Portanto, o modelo XC40, além dos novos atributos e especificações, constitui o início de uma nova e importante fase da empresa, inserindo a mesma no mercado atual de carros elétricos. Recentemente foi anunciado, por meio da liderança da Volvo, que este inédito automóvel consistirá no primeiro veículo 100% elétrico a ser comercializado nesta marca. Entretanto, maiores detalhes a respeito deste powertrain permanecem em segredo. O lançamento oficial se dará em 2019.

Este novo modelo, o XC40, será a realização de um grande salto qualitativo dentro do setor de automotores no Brasil, consistindo esse veículo a porta de entrada para uma futura produção em larga escala heterogênea, dentro do padrão de elétricos. Nos EUA, o carro elétrico começou a rodar há alguns anos, embora não tenha suplantado o comércio de automóveis movidos a combustível padrão.

De acordo com os gestores da companhia, já estão em projeto outros modelos além dessa estreia, ou seja, em breve mais elétricos surgirão dentro desse passo a passo no próprio portfólio de modelos da Volvo. O modelo que se encaminha como o próximo da fila será intitulado XC90, dando continuidade a esta geração.

Em suas versões, o XC40 EV fará par com o híbrido plug-in XC40, em um rol estabelecido para complementar todo o complexo processo de eletrificação proporcionado pela Volvo. O objetivo é o de que, até o ano de 2025, a companhia consiga atingir uma marca de 50% em suas vendas de veículos elétricos, dentro da totalidade de seus autos comercializados. Uma meta promissora dessas pode alavancar o sucesso da empresa até à estratosfera, já que o processo de eletrificação engendra o futuro da indústria automotiva, conforme a declaração de alguns executivos.

Outra informação angariada é a de que a Volvo visa intensificar este modo de produção, ou seja, tenderá a eletrificar todo o seu rol a partir do ano de 2019, conforme as metas sejam atingidas.

A linha escolhida como início dessa nova estrutura foi a Polestar. Este SUV compacto, o XC40, está sendo produzido na Bélgica, como o primeiro carro elétrico. Trata-se do primeiro automotor elétrico e nada exótico da Volvo. Outra notícia importante é a de que a totalidade dos tipos SUVs elétricos da companhia Volvo serão produzidos sobre uma plataforma sutil e apenas na mais nova indústria da Volvo, situada em Charleston, na Carolina do Sul, nos EUA. Essa nova linha de veículos elétricos faz parte de um rigoroso processo de engenharia, fora dos padrões clássicos. Será que os motores à explosão estão com os dias contados?

É possível que alguns tipos híbridos, nesse sentido, entre combustível e corrente elétrica, possam ser elaborados, projetados e produzidos. Tudo é possível. Já que todas as empresas pretendem sempre avançar sobre os seus concorrentes, é evidente que toda flexibilidade de combinações comecem a surgir de modo impressionante. O carro elétrico atende não apenas a uma espécie de demanda de baixo custo, mas, e, sobretudo, a uma demanda pela preservação ambiental. Portanto, é uma questão social, cultural e de vanguarda da preservação do meio ambiente. Vale a pena conferir esta novidade prestes a aterrissar no brasil.

Por Paulo Henrique dos Santos

Volvo XC40 2019

Volvo XC40 2019


O veículo poderá chegar ao Brasil entre 8 e 18 de novembro do ano que vem sendo uma das apostas de presença confirmada no Salão do Automóvel em São Paulo.

A Jaguar nos presenteou com seu primogênito carro 100% elétrico (o primeiro da marca), o I-Pace, que chegará aos mercados automobilísticos e promete ser um concorrente forte para o Tesla Model X. As pessoas que deram origem a este carro garantem que ele tem a mesma qualidade e execução de um veículo esportivo, muito semelhante a um SUV, e que inclui em suas características uma tecnologia IA muito atual e procurada nos dias de hoje.

O carro, além de todas as outras qualidades, tem dois motores elétricos (localizado um no eixo da frente e o outro no de trás) que combinados, podem fazer a produção de até 400 CV de potência. Segundo o fabricante do carro ele tem autonomia de 480 km e pode chegar alcançar a velocidade de 0 a 100 km por hora em poucos segundos.

Outra coisa que chamou bastante atenção dos compradores é que além do carro ser automático o câmbio também é, sendo sua tração integral.

Para que os compradores interessados no I-Pace tenham uma ideia da potência que o carro pode chegar, a Jaguar publicou um vídeo onde mostra o novo modelo automobilístico. No vídeo, a marca coloca o carro ao lado de um Tesla Modelo X, e além do Jaguar conseguir ultrapassar o seu adversário com facilidade, ele ganha a disputa.

De acordo com a montadora, com carga de 100 kW, com uma contínua corrente, o veículo pode recuperar 80% da sua carga total em apenas meia hora a quarenta minutos. Com uma de 50 kW, o tempo para que a recarga seja feita seria de 1h e 25 minutos.

E para os curiosos, a bateria dessa máquina é de lítio-íon, com potência de 90 kWh, que está localizada bem abaixo do carro (entre os eixos) o que faz com que o peso seja bem distribuído.

Outra beldade desta máquina está localizada em suas chaves, pois traz uma tecnologia digna de parabéns. Cada chave em si é ligada ao motorista, e tem a capacidade de guardar posições do banco dianteiro, temperatura do ar condicionado, as favoritas estações de rádio do condutor, e fazer o cálculo de autonomia, levando em conta o modo em que cada condutor dirige o I-Pace.

Outra coisa a ser levada em conta sobre o veículo, é que ele é mais baixo e esteticamente mais largo que os outros Pace’s da Jaguar. A parte de cima tem uma leve inclinação, como nos SUVs cupê, e possui traseira reta enaltece a aerodinâmica, o que torna o carro inconfundível e elegante.

Na parte de dentro, se encontra um painel com Touch Pro Duo, onde será exibido todas as informações sobre o veículo, dentre elas, o desempenho do carro, consumo de combustível, além de outras funções do carro, facilitando muito mais o controle para o motorista. Também possui três telas digitais, que lembra fielmente o layout utilizado no Range Rover Velar (outro ótimo veículo).

O veículo poderá chegar ao Brasil entre 8 e 18 de novembro do ano que vem sendo uma das apostas de presença confirmada no salão do automóvel em São Paulo.

Para os amantes de carros interessados nessa belezura, deverá saber que ele foi lançado pelo preço de R$ 283.134, o que é um preço bem salgado, porém, quem adquiri-lo será recompensado pelo seu conforto e tecnologia.

Ele será vendido em quatro diferentes versões na Europa que são elas: S, SE, HSE, e First Edition.

Se quiser ficar por dentro de todas as novidades da Jaguar, e saber mais sobre o I-Pace acesse https://www.jaguarbrasil.com.br/jaguar-range/i-pace/index.html e saiba de tudo! No site você também pode montar seu próprio I-Pace.

Por Gabriel Pierini

Jaguar I-Pace


Projeto da marca conta com seis propulsores elétricos e garante uma autônomia de 1920 km

Muitas empresas do setor automotivo estão investindo altamente no desenvolvimento de motores movidos a novas fontes de energia. É neste contexto que assim como a fabricante de veículos automotores Tesla, a Nikola Motors, empresa que também tem o seu nome inspirado em um dos grandes gênios da engenharia eletrotécnica e mecânica, está trabalhando a todo vapor no projeto de novos veículos propulsionados por eletricidade. Dessa vez, a empresa apresentou oficialmente o projeto de um caminhão híbrido, este projeto da empresa acabou impressionando bastante não só público, mas também diversos especialistas do ramo automotivo, pois além de ter sido empregado um alto grau de tecnologia o veículo possui uma excelente autonomia.

Essa grande inovação da Nikola foi batizada com o nome de Nikola One, este caminhão é equipado com nada mais nada menos que seis propulsores elétricos, sendo que cada um deles tem a capacidade de gerar uma potência combinada de 2027 cavalos e um torque de mais de 500 Kgfm. A autonomia deste caminhão é de incríveis 1920 quilômetros, mas o veículo conta com o auxílio de um extensor de autonomia que é movido a gás natural.

Segundo os dados estatísticos da Nikola Motors, este caminhão possui a capacidade de acelerar de 0 a 100 Km/h, totalmente carregado, em apenas 30 segundos, tempo este que é a metade do tempo utilizado por um caminhão convencional propulsionado a diesel.

No projeto deste caminhão, a empresa alocou dois motores elétricos em cada eixo, sendo que ele conta com um sistema de suspensão independente em suas seis rodas, outra grande inovação é a presença de freios do tipo regenerativo, os quais possuem a capacidade de fazer a recarga da bateria durante as frenagens.

No interior da cabine, o painel de instrumentos chama bastante atenção devido ao fato de ter sido feito com a utilização de displays digitais de 10 e 15 polegadas e para quem acha que as novidades tecnológicas pararam por aqui, o veículo possui internet 4G sem fio, televisor com tela de 42 polegadas, teto solar, forno micro-ondas, freezer, geladeira e até mesmo duas camas, itens estes que proporcionam um conforto excepcional para os condutores que trabalham realizando viagens de longas distâncias.

Todo esse conjunto de equipamentos é alimentado por um grupo de baterias que fornecem 320 kWh e permite com que os usuários utilizem todos os aparelhos elétricos por um período de até uma semana.

Com relação ao preço dessa maravilha tecnológica, os valores destes caminhões irão variar de US$ 350 mil podendo chegar a até US$ 450 mil, preços estes que convertidos em moeda nacional ficariam em torno de R$ 1,2 milhão e R$ 1,57 milhão, respectivamente.

Por Adriano Oliveira


Carro da Hyundai possui motor 1.6 GDI e será lançado inicialmente na Coreia e Europa.

O novo Prius da Toyota, o carro híbrido mais vendido do mercado, chegará ao Brasil em 2016 importado do Japão e a possibilidade de um concorrente já existe. A Hyundai revelou seu novo híbrido, o Hyundai Ioniq, que está em testes finais na Coreia do Sul e deve aparecer por aqui em 2016. O nome do carro foi registrado dia 5 de junho desse ano na Coreia e posteriormente também na Europa, Canadá, Malta e Grã-Bretanha, ele se refere a um conceito exibido pela Hyundai no Salão de Genebra em 2012, o I-onic. O modelo da época tinha motor 1.0 de três cilindros com motor elétrico e a autonomia era de 120 km com zero de emissões.

O carro possuirá um motor 1.6 GDI de injeção direta, que será combinado a um bloco elétrico, essa alternativa de motor foi criada especialmente para o modelo e é similar ao motor do Prius da Toyota. A aposta está na economia de combustível, que com a alta da gasolina no Brasil é muito bem-vinda, inclusive o design deve ser focado em eficiência aerodinâmica para aumentar ainda mais a economia.

Concorrer com o novo Toyota Prius não será nada fácil. A Toyata afirma que o modelo de 2016 está 40% mais eficiente que seu predecessor. O preço também teve um incentivo e foi reduzido para R$ 111.000 após aplicar a isenção de imposto de importação para carros híbridos e elétricos, uma redução de 4,2% no preço.

Apesar de custarem bem mais caro que as versões convencionais, carros híbridos de várias marcas começam a ser introduzidos no Brasil. O Toyota é o dominante por enquanto, mas existem alternativas de outras marcas como o Caynee da Porsche, o S 400 da Mercedes-Benz, o Ford Fusion e o Série 7 da BMW. Outras marcas também prometem lançar híbridos no Brasil, assim como a BMW com seu ActiveHybrid 3 e a Kia com seu Optima Híbrido.

Por Gizele Gavazzi


Veículo elétrico tem redução de R$ 60 mil após decisão da Câmara do Comércio Exterior reduzir a alíquota de importação de carros elétricos e híbridos.

A decisão da Câmara do Comércio Exterior (CAMEX) de zerar o imposto de importação em veículos movidos a hidrogênio ou eletricidade veio dia 27 de outubro de 2015, última terça-feira, e já entrou em vigor. A alíquota que antes era de 35% caiu para 0% nos modelos que usam somente eletricidade e vai de 0% a 7% nos híbridos (que usam também motor a combustão). Essa é uma ótima novidade para quem pensava em investir no novo BMW i3, o elétrico da marca que chegou ao Brasil em 2014.

O carro, que é o único elétrico disponível para compra em lojas, já que os concorrentes Nissan Leaf e i-Miev da Mitsubishi só vem sob encomenda, teve o valor reduzido em até R$ 60.000,00. Ao chegar ao Brasil seu preço estava ao redor de R$ 225.950,00, agora o site da BMW indica seu valor como a partir de € 38.250 (cerca de R$ 162.608,40 na cotação de hoje) na versão básica. No site de notícias G1, a informação era de que o BMW i3 está custando R$ 169.950 na versão básica (versão Rex) e R$ 179.950,00 na versão de topo (Rex Full).

A marca de luxo dá grande ênfase a não emissão de carbono, chamando a atenção de um público cada vez mais preocupado com sustentabilidade. No entanto, esse modelo tem seus limites, especialmente no Brasil, onde não existe grande infraestrutura para receber carros elétricos. O público por enquanto encontra-se desconfiado dos carros elétricos e tem medo de ser deixado na mão, apesar da autonomia de até 300 km e contando com o motor a combustão para recarga de bateria. No país, postos de recarga para veículos elétricos são ainda raros, o que limitará a venda desse modelo para algumas poucas cidades já equipadas. A BMW também oferece um carregador para o carro que diminui o tempo de recarga pelo preço de R$ 745,00.

Por Gizele Gavazzi


Veículo deverá chegar ao país para concorrer diretamente com o Toyota Prius, híbrido mais barato vendido atualmente no Brasil.

A Kia acabou de anunciar que irá vender o Soul elétrico no Brasil. Uma notícia e tanto para quem admira a marca e não via grandes novidades nos últimos anos. A decisão ocorreu logo após uma redução de impostos para esse tipo de carro no Brasil, concedido pela Câmara de Comércio Exterior. Mas nem adianta ir correndo na concessionária. Ainda não existe uma data programada para o lançamento, nem um preço estimado. A Kia ainda espera que exista um incentivo maior para esse tipo de produto, afinal, estamos falando de um carro que muito interessa em medidas futuras em prol do nosso planeta.

E falando um pouco mais do Kia Soul elétrico, a sua autonomia poderá chegar até 220 km na cidade ou 179 km na estrada. A velocidade máximo chega a 145 km/h. Por sinal, uma das maiores entre esse tipo de carro. É um avanço para montadora, já que este será o primeiro veículo Kia nessa categoria. 

Para quem já está pesquisando sobre a praticidade, outra boa notícia. Existem dois tipos de entrada para carregar o Soul. Uma delas é mais rápida, com 480V. Se optar por uma tomada de 120V, você precisará de 24 horas para que a bateria fique totalmente cheia. A 240V, o tempo cai para cinco horas. Já com a primeira recarga rápida citada, a resposta é ainda mais animadora. Será possível preencher 80% da bateria em pouco mais de meia hora.

Sobre os concorrentes no país, por enquanto temos um compacto da BMW, lançado no ano passado a um preço de R$ 226 mil e outros velhos conhecidos das marcas Toyota e Nissan.

Com a isenção do imposto de importação (que era de 35%) e a redução do IPI, o Kia Soul elétrico poderá ter preço atraente. Hoje o Toyota Prius, o híbrido mais barato do país e o de maior sucesso do mundo, custa R$ 116.660 e por isso tem vendas baixas no Brasil. Ao contrário do híbrido Prius, o Soul EV tem propulsão puramente elétrica, como o Nissan Leaf.

Ou seja: mais um ponto favor para o nosso querido Kia Soul elétrico. E não podemos esquecer que o carro tem um design interessante. Mesmo perdendo espaço por causa da bateria, a montadora garantiu que vai manter o tamanho do porta-mala. Todos gostam. E já estava mesmo na hora de ganhar uma nova cara. Ou nesse caso, uma nova função e uma nova categoria.

Marcela Simões Egito


Governo Federal zera imposto de importação para veículos movidos a Eletricidade e Hidrogênio.

Em busca de novas opções para diminuição da poluição, o Governo Federal diminui para zero o percentual de importação para modelos veiculares movidos unicamente a partir da eletricidade ou do combustível hidrogênio.

Para carros elétricos ou movidos a hidrogênio, o imposto que era de 35% e agora cai para 0%, enquanto os veículos híbridos que combinam a propulsão elétrica com outro combustível envolvido terão alíquota de 7%, variando conforme a potência do veículo e a eficiência energética do modelo.

A medida tomada pelo Governo Federal entra em vigor a partir do dia 27 de outubro de 2015, porém, valerá somente para modelos que tenham autonomia de no mínimo 80 quilômetros a cada recarga. Unidades importadas, tanto desmontadas quanto semidesmontadas, serão beneficiadas pela medida.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e de Comércio Exterior informou que o Brasil busca com essa atitude se inserir em novas formas tecnológicas com baixo consumo de combustível, eficiência energética cada vez maior e reduzir a emissão de poluentes dos veículos automotores.

Atualmente o mercado brasileiro conta com um pequeno nicho de opções veiculares nesse segmento. Os chamados carros “verdes”, que tem emissão mínima ou nula de poluentes na atmosfera, ainda não se popularizaram por aqui. Mas essa medida tem por objetivo permitir que cada vez mais apareçam opções ecológicas por aqui, tanto com fabricação local quanto de fora do país.

A maior barreira encontrada pelo segmento ainda é o alto custo na aquisição dos modelos, pois segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico, o Brasil possui em torno de 3 mil unidades compreendendo veículos elétricos ou híbridos.

O único modelo elétrico comercializado no país atualmente é o BMW i3, lançado em 2014 no valor 226 mil reais. Para o modelo híbrido, o país conta com a comercialização de 5 modelos: o esportivo BMW i8 por R$ 799.950,00, o Mitsubishi Outlander PHEV por quase 200 mil reais, o Ford Fusion por 142 mil reais, o Lexus CT200 por 134 mil reais e o modelo mais barato do segmento o Toyota Prius por 116 mil reais.

Jean Fretta Pereira


Novo veículo deverá se chamar \”Titan\” e será elétrico e autônomo.

Há tempos temos ouvido sobre diversos rumores envolvendo a introdução da Apple no mercado de automóveis. Muito tem se falado sobre a possibilidade da empresa de tecnologia americana estar trabalhando no desenvolvimento de um automóvel totalmente high-tech. Fontes familiarizadas com o assunto afirmaram que a Apple já teria data para lançar seu primeiro carro.

Segundo o jornal americano The Wall Street Journal, o ano escolhido para a Apple apresentar seu primeiro carro é 2019. Ou seja, ainda há um tempo razoável para o desenvolvimento do veículo.

De acordo com o jornal, o sinal para o lançamento veio após meses de pesquisas sobre a viabilidade de oferecer um automóvel da marca. Líderes do projeto da empresa de ter um automóvel, batizado de Titan, já receberam permissão para expandir a equipe, que hoje é composta por 600 pessoas.

Apple conta com especialistas em automóveis autônomos e com isso deve lançar o seu primeiro veículo elétrico totalmente autônomo.

De acordo com especialistas do ramo automotivo, não é incomum que um projeto tão completo e de grande dimensão sofra atrasos. No entanto, pessoas familiarizadas com o projeto afirmaram que dentro da empresa há a crença de que é possível lançar o carro em 2019. Outros rumores indicam que não se trata necessariamente de quando o carro será lançado, mas sim de quando ele entrará na linha de produção.

Os testes envolvendo o possível carro da Apple não devem demorar para ser realizados. Em relação ao valor do automóvel, ainda não há qualquer estimativa. Tendo em vista que os produtos da empresa não costumam ser baratos, podemos esperar que o automóvel tenha um preço bastante salgado.

A introdução da Apple neste mercado é ditada pela grande influência atual que os automóveis estão sofrendo para se tornarem mais tecnológicos. Empresas como Google e Tesla já estão bem avançadas em relação aos carros autônomos. Grande montadoras alemãs também estão investindo pesado em novas funcionalidades para deixarem os carros mais conectados.

Por William Nascimento


O veículo foi apresentado em Las Vegas (EUA) e traz diversas novidades. O carro será vendido inicialmente no Japão no final deste ano de 2015.

A grande e renomada fabricante de veículos automotores Toyota fez o lançamento em Las Vegas (EUA) do novo Toyota Prius, veículo este que é bastante conhecido no mercado automobilístico devido ao fato de ser o veículo automotor híbrido mais vendido até o presente momento.

Essa já é a quarta geração do Prius e nessa edição o modelo passou pela sua maior modificação de todos os tempos. O design, que sempre foi motivo de muita controvérsia, desta vez ficou ainda mais polêmico, haja vista que os seus traços ficaram muito parecidos com os do seu primo, o Toyota Mirai, que é movido a hidrogênio.

Segundo os projetistas da fabricante que desenvolveram este novo visual do Prius, o principal foco dado no projeto foi para que as mudanças não fossem apenas estéticas, mas também funcionais. Para atender a este objetivo o veículo veio com faróis em tamanho menor, a fim de que houvesse uma redução no tamanho da área frontal, já as lanternas traseiras se iniciam no spoiler traseiro e vão acompanhando os vincos do veículo.

Uma nova plataforma foi utilizada para que o Prius conseguisse crescer, com este crescimento o carro ganhou 6cm a mais que a versão anterior e passou a ter 4,54m de comprimento, a distância do entre-eixos foi mantida, na altura o veículo ficou 2 cm mais baixo medindo 1,47m e na largura houve um acréscimo de 1,5 cm, o que fez com que ele chegasse a 1,76m.

A comercialização do Toyota Prius inicialmente será feita no Japão e está prevista para começar no final deste ano de 2015. Este veículo já tem confirmação para chegar aqui no Brasil, porém, ainda não foi divulgada a data prevista, o certo é que a Toyota está estudando a possibilidade de que, quando a produção deste carro for iniciada aqui no país, ela seja feita na fábrica da empresa da cidade de São Bernardo do Campo (SP).

Por Adriano Oliveira


Na sociedade em que vivemos estamos fadados a realizar várias atividades ao mesmo tempo, e para aqueles que dependem do transporte público isso se torna uma verdadeira batalha.

Para muitos, a solução mais aceitável é justamente conseguir adquirir um veículo e, com isso, não ter que depender de problemas como transporte lotado, aquecimento, desconforto e atrasos. Pelo contrário, quando compramos um veículo podemos desfrutar de bancos confortáveis, ar condicionado, rádio e demais acessórios que transformam a nossa viagem para qualquer lugar de uma forma um pouco mais prazerosa, sem acrescentar os problemas do trânsito congestionado, principalmente nas grandes cidades.

Agora que foi resolvido o seu problema, no sentido de adquirir um carro, ocorre outra questão: onde estacionar com essa quantidade de carros?

Existe um carro fabricado pela Innovative Mobility Automobile GmbH que consegue resolver esse problema do espaço para estacionar e, com isso, acabar as suas preocupações nesse sentido. 

O Colibri é o nome dessa solução e está disponível por enquanto na Alemanha para test-drives e pré-vendas ainda no ano de 2015, mas a sua produção em série somente vai surgir com força total exatamente no ano de 2016, tanto que 1.200 pessoas já fizeram a sua encomenda para adquirir esse veículo.

Foto: divulgação

Um ponto interessante dessa situação é que especula-se que mais 5 mil carros serão vendidos através das mais de 150 revendedoras que querem o comercializar ao redor do mundo.

O que faz esse carro com o nome de pássaro se tornar tão interessante?

Esse pequeno notável, com apenas 440 quilos distribuídos por 2,7 metros de comprimento, 1,2 metros de largura e 1,3 metros de largura veio para ficar, pois, além dessas características, estamos de frente para um carro que ainda consegue ser ágil e veloz.

Para esses fatos, podemos destacar que o seu motor elétrico de 50 kw conseguem produzir 67 cv, fora que a tração traseira possui um aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 9,9 segundos, além de um sistema de transmissão de velocidade única e ainda consegue atingir uma velocidade máxima de 120 km por hora.

Foto: divulgação

Você deve pensar, mas quanto vai custar esse veículo?

Esse veículo tem um preço de 10.990 euros e um aluguel de R$ 125,00 por mês com relação à bateria.

Por Fernanda de Godoi


A montadora Nissan apresentou uma grande inovação no setor automobilístico. Essa grande inovação foi o desenvolvimento de uma tinta orgânica para veículos automotores que brilha no escuro, com o objetivo de demonstrar como o seu veículo totalmente elétrico, Nissan LEAF, foi desenvolvido para ajudar um crescente número de pessoas a converter-se para a compra de veículos movidos à energia solar.

Com o surgimento dessa inovação, a montadora tornou-se a primeira fabricante de veículos automotores a aplicar este tipo de tinta em seus veículos. Essa inovação se dá devido um composto que é capaz de absorver a energia UV produzida pela luz solar durante o dia e que, após o pôr do sol, ela brilha por aproximadamente 8 a 10 horas.

Foto: divulgação

Este tipo de tinta de automóveis, assim como os adesivos para automóveis que brilham no escuro, não é uma novidade tão exclusiva, porém o fato dessa nova tinta ser alimentada pela luz solar é única, pois foi desenvolvida através de uma fórmula secreta a qual é composta por materiais totalmente orgânicos.

Em comunicado oficial, a Nissan explicou que o desenvolvimento dessa inovação foi feito em conjunto com o inventor Hamish Scott, que é o criador do STARPATH. Para quem não conhece este nome, é um revestimento que é aplicado por meio de um spray e funciona nos mesmos moldes dessa nova tinta.

Apesar da fórmula ser secreta, o fabricante adiantou que o nipônico, um elemento natural muito raro, mais conhecido como Aluminato de Estrôncio, é um dos principais componentes dessa tinta. O mais interessante é que este elemento é um sólido sem odor e que é biologicamente inerte.

Foto: divulgação

Com esta invenção ficam evidentes que as empresas ligadas ao setor automobilístico estão investindo cada vez mais em recursos ecologicamente sustentáveis e que chamem a atenção dos consumidores de todo o mundo.

Ainda que estejamos distantes de sanarmos o problema com o meio ambiente devido ao número de carros nas ruas, já é um começo animador.

Por Adriano Oliveira


Foi confirmado através de informação oriunda do presidente da General Motors (GM), na América Latina, Jaime Ardila, no salão de Detroit que a montadora Chevrolet irá trabalhar na criação de um novo modelo SUV compacto exclusivamente destinado para atender o mercado brasileiro. A criação desse novo SUV compacto segundo as informações desse executivo terá a finalidade única de substituir o Tracker no Brasil.

Essa nova mudança de estratégia da Chevrolet ocorreu porque a montadora observou que as vendas do Tracker aqui no Brasil estavam muito prejudicas, o principal motivo das baixas vendas desse modelo aqui no país ocorre devido ao fato de que esse modelo, quando chega para ser vendido aqui no Brasil, é inserido no famoso sistema de costas de importação de carros oriundos do México.

Por esse motivo a Chevrolet optou por desenvolver um novo modelo de SUV compacto ao invés de simplesmente fazer a reinserção do Tracker no país ou até mesmo fazer investimentos para que esse veículo pudesse ser fabricado em solo tupiniquim.

A previsão do lançamento desse novo modelo de SUV compacto da Chevrolet é entre os anos de 2017 e 2018, contudo ainda não temos muitas novidades e adiantamentos com relação aos detalhes específicos de como será esse veículo, a única dica que podemos deduzir é que a montadora, possivelmente, deverá utilizar, na criação desse novo SUV Compacto, a mesma plataforma que atualmente é utilizada nos compactos nacionais, como por exemplo, no Onix e no Prisma.

De fato essa é uma decisão que a Chevrolet tomou após estudos das tendências do mercado automobilístico brasileiro, pois de alguns anos para cá o perfil do consumidor brasileiro vem mudando consideravelmente, haja vista que devido aos espaços cada vez mais reduzidos para se transitar e estacionar veículos nos grandes centros urbanos os consumidores brasileiros estão, cada vez mais, dando preferência para os veículos compacto de menor porte e que tenham custos de aquisição, de manutenção e de consumo de combustíveis mais baixos.

Por Adriano Oliveira


A Chevrolet trouxe ao Salão de Detroit seu mais novo conceito que funciona totalmente movido a energia elétrica: o Bolt EV.

A marca aposta no modelo investindo em baixo custo e facilidade de recarregamento. O veículo foi projetado para custar aproximadamente R$ 80 mil e contará com autonomia de aproximadamente 320 quilômetros por carga. Mary Barra, CEO da General Motors, afirmou na apresentação do veículo: “O conceito do Bolt EV quebra paradigmas no mercado de veículos elétricos, pois foi feito para as massas, não para milionários”. O comentário do CEO bate diretamente na tecla acessibilidade já que os carros elétricos atualmente são muito caros.

A montadora afirmou que o veículo tem comportamento programável de acordo com a necessidade do motorista. As configurações têm como base três pilares: Urbano, rodoviário e fim de semana. Cada uma delas tem diferentes padrões de resposta de aceleração, altura do carro em relação ao solo e firmeza da suspensão.

O design segue o esperado para os carros elétricos da geração atual: toques de modernidade e futurismo com linhas curvas longe da simplicidade de modelos mais populares com motor a combustão. O carro conta com diversas aberturas nos para-lamas traseiros para facilitar a passagem de ar além de contar com teto e aerofólio integrados. A montadora usou e abusou de acrílico em toda a estrutura do carro para melhorar a iluminação no interior do carro. A empresa também investiu em materiais leves para compor a estrutura do veículo reduzindo assim seu peso. O carro tem como foco principal a economia e isso se reflete claramente em cada detalhe da sua estrutura. A montadora ainda não revelou detalhes a respeito do motor do carro conceitual.

Além da tecnologia em prol da economia o modelo também conta com tecnologia de conforto e segurança podendo inclusive contar com o auxilio de um smartphone para desenvolver diversas funções básicas. O carro contará com um aplicativo de celular que permitirá ao motorista travar e destravar portas do veículo a distância, usar o carro de modo compartilhado ou ainda fazer com que o veículo encontre uma vaga livre e estacione sozinho sem necessidade de ninguém a bordo.

Por Nosf

Chevrolet Bolt EV

Chevrolet Bolt EV

Chevrolet Bolt EV

Fotos: Divulgação


É de conhecimento geral que os países do mundo inteiro vêm buscando alternativas sustentáveis, menos poluentes e de menor custo para serem utilizadas como propulsores de veículos automotores. No Brasil, onde não é diferente, há anos surgiu o etanol (popularmente conhecido álcool combustível), alternativa sustentável para substituir a famosa gasolina (que é derivada do petróleo), contudo, diante das inúmeras pesquisas relacionadas ao assunto, outras fontes de energia estão surgindo pelo mundo e as montadoras de veículos vêm fazendo as suas apostas em qual dessas opções irá revolucionar o mercado automotivo.

No Brasil, a última novidade nesse sentido foi a inserção de veículos movidos a eletricidade. Ter um carro movido à eletricidade é um ótimo negócio, haja vista que o carro elétrico não polui, é mais silencioso que os veículos movidos por outras fontes de energia, mais econômico, tem baixo custo de manutenção mecânica, além de ter impostos reduzidos em alguns estados do país.

Segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), no mundo atualmente há cerca de 7 milhões veículos elétricos leves e pesados em circulação, enquanto no Brasil atualmente a frota desse tipo de veículo não passa de 3 mil carros, ou seja, apenas 0,04% do total da frota existente.

O grande atrativo para o consumidor adquirir um veículo elétrico no Brasil é o fator de que para se rodar com um veículo movido à etanol o consumidor gasta em média R$ 0,19 por quilômetro, já com um veículo movido à eletricidade o consumidor gasta apenas a quantia de R$ 0,05 por quilômetro.

No entanto, os obstáculos para os consumidores adquirirem esse tipo de veículo 100% elétrico no país ainda são enormes, porque esses carros tem um preço muito alto, sendo que as opções são bem escassas. Uma opção recém-lançada no mercado brasileiro foi o BMW i3, que custa cerca de R$ 226 mil. O outro obstáculo para aquisição desse tipo de carro é o fator de que no Brasil ainda não há infraestrutura e muito menos logística para que estes veículos sejam recarregados nos grandes centros urbanos.

Por Adriano Oliveira


A empresa automobilística alemã Audi quer lançar um modelo para concorrer com os competitivos carros da Tesla. A montadora quer lançar uma versão totalmente elétrica que poderá chegar até 450 km de autonomia, algo bastante agressivo para os modelos do segmento produzidos atualmente.  

É interessante notar que as principais e consagradas fabricantes estão investindo capitais em tecnologias de motores que não dependerão mais de petróleo para funcionarem. Além de ser um passo importante para a sustentabilidade ambiental, é um momento para trazer à mente das pessoas que recursos limpos também podem ser potentes e eficientes.  

A montadora parece ser a primeira marca escolhida pelo grupo Volkswagen para produzir um automóvel totalmente elétrico. Sendo assim, será possível concorrer em pé de igualdade com modelos da Tesla Motors, que já possui protótipos de carros altamente tecnológicos.  

É esperado que o novo automóvel da Audi 100% movido a eletricidade tenha baterias capazes de aguentar até 450 km sem precisar ser recarregadas. Tal informação foi emitida pelo chefe de desenvolvimento, Ulrich Hackenberg, em uma feira de Los Angeles chamada de Auto Show.  

Não é possível ainda saber como será o modelo do carro. Poderia ser um sedan ou um modelo bastante esportivo. De qualquer forma, o modelo será grande e permitirá espaço para cinco ocupantes e suas bagagens.  

Com poucas especificações apresentadas, muitos já se aventuram em posicioná-lo como concorrente direto do Tesla Model S. No entanto, teremos que aguardar mais informações sobre o novo veículo da Audi para que especulações mais reais possam ser afirmadas.  

É provável que o modelo da montadora alemã chegue ao mercado no ano de 2017. Mesmo que demorada, a tecnologia de carros híbridos ou 100% elétricos é uma tendência bastante forte para o futuro automobilístico. Investimentos agora certamente serão fundamentais para que bons modelos sejam fabricados futuramente, tornando reais para os consumidores em qualquer parte do mundo.

Por William Nascimento

Audi

Audi R8 E-tron

Fotos: Divulgação


Se uma fabricante de automóveis pode ser considerada arrojada no desenvolvimento de seus veículos, a Lamborghini certamente e uma delas. Ela é especializada em investir boas cifras na produção de automóveis que são desenhados para serem mais rápidos e também mais caros.

A crise do petróleo e a urgência em alternativas para estabelecer um planeta sustentável levaram diversas fabricantes a desenvolverem carros mais ecológicos. Até então, a Lamborghini não se apresentava interessada nesse tipo de conceito. Mas isso mudou.  

A montadora italiana revelou o Asterion LPI 910-4, sua primeira incursão em veículos de motores elétricos. No Salão do Automóvel de Paris, na França, a fabricante apresentou o seu mais novo protótipo de primeiro veículo com motor misturada a potência de combustível e eletricidade.

O Asterion LPI 910-4 tem um motor normal de 5,2 litros V10 com potência de 610 cavalos e uma velocidade máxima que pode chegar até 320 km/h. Bem rápido, não? O motor elétrico que impulsiona as rodas dianteiras do automóvel oferecem 300 cavalos de potência extra, o que torna o modelo da Lamborghini bastante potente mesmo sendo híbrido. Isso traz à tona o conceito de que carros híbridos não conseguem ser tão potentes.

O Asterion tem baterias de lítio em seu motor elétrico. Elas estão localizadas atrás dos bancos e contribuem para que o veículo passe a pesar cerca de 250 kg. No entanto, o restante do corpo do automóvel é desenvolvido com materiais bastante leves para compensar o peso do motor híbrido.

Enquanto alguns questionam a inserção da Lamborghini no mercado de motores híbridos, a montadora italiana continuará a fabricar carros superpotentes, continuando com sua fama de carros rápidos. A casa italiana também se esforçará para provar que o Asterion é um automóvel atraente e de baixo consumo. Conforme divulgado pela fabricante, o novo carro consome apenas 4,12 litros de combustível por 100 km, o que é incrível! Outros modelos da mesma marca chegam a consumir uma média de até 16 litros. Por outro lado, utilizando apenas os motores elétricos, o Asterion consegue rodar por 50 km em uma velocidade de até 125 km/h, número semelhante ao dos melhores híbridos do mercado global.

Por William Nascimento

Lamborghini Asterion LPI 910-4

Lamborghini Asterion LPI 910-4

Lamborghini Asterion LPI 910-4

Lamborghini Asterion LPI 910-4

Fotos: Divulgação


A BMW lançou no dia 10 de setembro seu primeiro carro elétrico no mercado brasileiro: o i3. Com um lote reduzido de apenas 120 veículos, a marca alemã aposta na praticidade e no dinamismo do i3, que chega nas versões Rex Entry, vendida por R$ 225.950, e Rex Full, oferecida por R$ 235.950. Devido à quantidade inicial limitada de exemplares no Brasil, a BMW criou um hotsite específico para o modelo, onde também os interessados podem fazer um pré-cadastro para poder adquirir o modelo elétrico da BMW.

A maior diferença entre as duas versões fica restrita apenas aos equipamentos de série. Entre tantos outros, a versão de entrada do i3 traz de destaque os faróis em LED, teto solar e as rodas de liga leve de19 polegadas, enquanto que a configuração Rex Full dispõe de sensores de estacionamento, câmera de segurança para manobras em marcha ré, rodas de liga leve de 20 polegadas e o sistema Stop&Go, que freia o carro sozinho ao detectar um obstáculo.

Um grande diferencial do novo BMW i3 é o fato de contar com a célula de passageiros feita totalmente em fibra de carbono, sendo a primeira a ser produzida em série, e o módulo Drive, em alumínio. Com isso, a BMW consegue obter uma ampla redução de peso, já que o carbono é cerca de 50% mais leve que o aço e 30% que o alumínio, conseguindo compensar o peso adicional devido ao acréscimo das baterias de íons de lítio. Além disso, o carbono também é um material mais adaptável a características específicas, o que acarreta em um aumento na segurança oferecido aos passageiros.

As baterias de íons de lítio que alimentam o i3 estão localizadas na parte central do carro e garantem uma autonomia entre 130 e 160 quilômetros. Contudo, essa autonomia pode ser ampliada até 20 e 40 quilômetros caso o condutor opte pelos modos de condução ECO PRO e ECO PRO+, respectivamente. No Brasil, para que o modelo tenha sua autonomia ampliada para cerca de 300 km, às versões trazem um extensor. Este extensor é um motor de dois cilindros de 34 cv, abastecido a gasolina, que entrega energia suficiente para recarregar as baterias.

Com apenas 1.315 quilogramas, o BMW i3 vem equipado com motor elétrico de 125 kW de potência (170 cv), que gera um torque de 25,5 kgfm. Com essa configuração, o compacto elétrico acelera de 0 a 100 km/h em 7,9 segundos, com velocidade máxima de 150 km/h.

BMW i3

BMW i3

BMW i3

Fotos: Divulgação


Os veículos apelidados de “verdes” no mercado atual pagam mais impostos que os carros convencionais. Entretanto, com o fim do período de carnaval já são esperadas taxas com descontos. Confira os detalhes:

Com o objetivo de ficarem mais baratos e populares, os carros que apresentam uma baixa ou uma emissão nula deverão ganhar incentivos. A redução dos preços em questão será voltada para os modelos que sejam híbridos ou elétricos.

A novidade já estava prevista, mas deverá começar com uma certa força no período pós carnaval. Ao menos essa foi a ideia expressa pelo presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O assunto parece estar caminhando com passos firmes até porque foi um dos assuntos mais discutidos na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, sessão que foi requerida pela senadora Ana Amélia, que é partidária do PP – RS e foi realizada na terça dia 25.

Entre os diversos detalhes positivos que envolvem o tema Moan antecipou que eles vão do incentivo para a produção de carros verdes em terras nacionais quanto para a importação desses veículos. Outro detalhe importante, é que para beneficiar e de certa forma chamar a atenção para a ação será criada uma espécie de complementação ao programa Inovar-Auto uma vez que a categoria em questão será a responsável por gerar menos poluição.

Segundo o presidente da Anfavea, o plano proposto pela Associação ao governo tem seus fundamentos em três etapas: a primeira delas tratará de propor a redução do Imposto sobre os Produtos Industrializados – o famoso IPI – que no momento atual do mercado tem um percentual de 25% para modelos de veículos híbridos e elétricos. A título de curiosidade isso é quase que o dobro da tributação cobrada em relação aos veículos movidos com motor a combustão no mercado brasileiro.

A ideia toda é boa, mas vai ser demorada. Para se ter uma noção disso o segundo passo do projeto deverá levar algo em torno de três anos período em que está prevista a nacionalização dos componentes para os veículos verdes.

Por fim, a última etapa que terá uma fase de dois anos prevê a fabricação de carros alternativos no Brasil.

O projeto em si já está adiantado e depende basicamente do apoio a ser dispensado pelo governo.No mais a previsão é de que o primeiro carro verde que tem boas chances de estrear por aqui já nacionalizado será o Toyota Prius. Sem os “detalhes” do IPI o preço do híbrido poderia em tese baixar dos R$ 120 mil atuais para menos de R$ 100 mil. É esperar para ver.

Por Denisson Soares

Foto: divulgação


A maior empresa de transporte expresso do mundo, a FedEx Express, encerrou esta semana os testes realizados com a marca Nissan para o lançamento do e-NV200, um automóvel comercial 100% elétrico.

Na cidade do Rio de Janeiro, sede da Nissan no Brasil, aconteceu testes reais para o programa global de avaliação e de desenvolvimento do veículo, que é realizado pelas duas empresas. Além do Brasil, o e-NV200 já foi testado no Japão, Reino Unido e Cingapura. A próxima cidade será em Washington, nos Estados Unidos.

O programa visa atender o objetivo das duas empresas que querem crescer cada vez mais no quesito sustentabilidade. A Nissan, por exemplo, já constrói uma fábrica em Resende (RJ) para ser uma das mais sustentáveis do mundo.

A sustentabilidade também está nos planos da FedEx. A empresa colocou em circulação no mês de dezembro de 2013, seis veículos elétricos no Rio de Janeiro e São Paulo. A operação para introduzir o carro elétrico não só no Brasil, mas em outras partes do mundo, chama-se EarthSmart, que tem o intuito de trazer o compromisso ambiental para a sociedade.

Caso os testes se saiam positivos, a versão deve começar a ser fabricada em Barcelona, na Espanha, na sede da Nissan.

Segundo a marca, o veículo não perde por ser elétrico. Pelo contrário, oferece as mesmas qualidades da van compacta NV200. Além disso, o fabricante da bateria do automóvel afirma que 80% da capacidade total do equipamento é carregado em uma média de 30 minutos.

E quem ganha com essa jogada não é somente a natureza. Com os carros elétricos, a FedEx já economizou aproximadamente 2,4 milhões de litros de combustível de 2005 a 2012. O negócio é promissor e tem tudo para dar certo. Na verdade, já vem dando certo, a empresa já tem 167 veículos elétricos e 365 híbridos elétricos na França, Alemanha, Japão, Estados Unidos, China, Itália e Brasil. A tendência é só de crescimento.

Por Carolina Miranda

Foto: divulgação


Apresentado no início do segundo semestre de 2013 juntamente com a versão elétrica do compacto Up!, o Golf elétrico já teve as vendas iniciadas na Europa, chegando primeiramente ao mercado alemão, sendo a principal aposta atual da Volkswagen no segmento dos veículos ecológicos.

Batizado de e-Golf, o hatch é movido por um motor totalmente elétrico, alimentado por uma bateria de íon-lítio com capacidade de 25,6 kWh, responsável por oferecer uma autonomia que varia de 130 km a 190 km, sem a necessidade de recarga. O propulsor movido a eletricidade oferece potência de 115 cavalos e torque de 27,5 kgfm, desempenho que permite sair da inércia e chegar aos 100 km/h em 10,4 segundos.

O novo carro elétrico da VW conta com três modos de condução. No modo normal, quando é utilizada toda a potência disponível do motor, o veículo pode alcançar até 140 km/h de velocidade máxima, enquanto no modo Eco, a potência é diminuída para 93 cv e a velocidade máxima fica limitada a 120 km/h. Já no modo Eco+, ainda mais econômico, a potência máxima é de 73 cv e a velocidade não passa dos 95 km/h. Nesse último caso, o ar condicionado é desligado, para poupar mais energia.

Segundo a montadora alemã, quando a recarga do e-Golf é feita nas tomadas domésticas, de 220V, o tempo para que ela seja totalmente completada é de cinco horas. Mas se o proprietário optar por uma tomada trifásica, o tempo de recarga é reduzido para apenas 20 minutos.

Com relação ao preço, o VW Golf Elétrico custa a partir de 34.900 euros, o equivalente a pouco mais de R$ 115.000 em conversão direta, pela cotação atual, sem levar em conta impostos e taxas.

Em breve, ele estará disponível em outros países do velho continente, chegando a seguir à Ásia e aos Estados Unidos. Para o mercado brasileiro, não há nenhuma previsão de chegada do modelo, por enquanto.

Por André Gonçalves

Volkswagen e-Golf

Foto: Divulgação


Atualmente os híbridos não estão em grande evidência no Brasil, mas no mundo a realidade é diferente. A Toyota, uma das montadoras que aposta há algum tempo na tecnologia, tem o que comemorar, afinal, a empresa comercializou mais de 6 milhões de unidades desde 1997. Ano em que começou a produzir os carros movidos a combustível e eletricidade.

O número total de híbridos vendidos pela montadora foi de 6.072.923 no início de 2014. 30% destes foram comercializados no Japão, país de origem da montadora e que também compra a maior parte da produção. Prius é o mais vendido acumulando mais de 4 milhões de unidades. Só no ano de 2013 foram vendidos 1.279.407 carros.

O pioneirismo da montadora foi crucial para o sucesso nas vendas. Em 97 ela lançou o primeiro veículo híbrido produzido em massa. Atualmente, quase toda a carta de veículos da montadora possui uma versão ecologicamente correta. Aqui no Brasil somente 380 unidades do Prius foram vendidos.

A economia em relação ao combustível paga o valor um pouco maior do veículo. O sedan custa pouco mais de R$ 120 mil. Nos Estados Unidos ele é vendido por US$ 25 mil, o que mostra que aqui no Brasil, a consciência ecológica custa caro. Mas vale a pena, o Prius possui uma tecnologia no motor que usa a energia proveniente da desaceleração não dissipada. Ela é usada para alimentar o motor elétrico, aproveitando melhor a energia. A resposta da aceleração também é usada para economizar combustível, além de intensificar a resposta em até 25%.

Mais do que uma mudança de hábitos, os modelos híbridos representam uma conscientização, aliada com mobilidade, e é esta a vantagem tanto para os modelos movidos só a combustível, quanto os veículos elétricos. O Prius atende bem as necessidades de quem quer ter um modelo híbrido, não é a toa que é o mais vendido do mundo. 

Por Robson Quirino de Moraes

Toyota Prius

Foto: Divulgação


Alguns países já demonstram interesse em aumentar a frota de carros elétricos, a fim de diminuir a necessidade de utilizar combustíveis fósseis. O que levou as montadoras a investirem mais no setor nos últimos anos. Contudo o Brasil ainda está muito atrás apresentando inclusive políticas de incentivo à gasolina e etanol. Os números são bem desanimadores apesar de muitos esforços: no mundo são mais de 340 mil veículos movidos a eletricidade, enquanto no Brasil são apenas 70.

Levando em consideração que o Brasil é uma das maiores economias do mundo e que aqui a energia elétrica produzida é em sua maioria limpa, é uma incoerência muito grande estarmos tão atrasados quanto ao uso de carros elétricos. Isso ocorre principalmente pela falta de incentivos do Estado, já que os modelos são mais caros. Em países como Noruega, foram adotadas medidas em que o proprietário de um veículo elétrico pode utilizar o corredor exclusivo de ônibus, não paga pedágio nem estacionamento em diversos estabelecimentos, além da isenção de impostos.

Na China, o governo isenta a cobrança de US$ 15 mil em impostos na compra de um carro elétrico, provando que o mercado de elétricos deve ser incentivado já que não é um processo que ocorre de maneira espontânea. A parceria entre montadoras e Estado também pode ser um pilar para a implementação em massa dos veículos menos poluentes.

Outras medidas que devem ser tomadas referem-se à estrutura para a recarga das baterias. Os veículos 100% elétricos têm uma eficiência menor, contudo são uma ótima alternativa para distâncias curtas, na área urbana. O investimento na tecnologia deve ser maior, sobretudo para um uso mais eficiente da bateria e menor tempo de recarga. São poucos os postos de recarga, porém os usuários podem usar a energia convencional de suas casas. Há modelos que precisam de 20 minutos para carregar 80% da capacidade. 

Por Robson Quirino de Moraes

Carros eletricos no Brasil

Foto: Divulgação


A novidade da Yamaha traz o carro elétrico Motiv que está sendo apresentado no Salão de Tóquio. O evento  vai até o dia 1º de dezembro e a  novidade da montadora pode combinar o uso da gasolina com o motor elétrico sendo possível até mesmo uma combinação híbrida entre os dois modos.

O pequeno compacto de dois lugares ainda está em fase de desenvolvimento e testes, porém o minicarro já promete ser um sucesso no futuro próximo, já que atraiu a atenção do público feminino desde o início do evento – visualmente falando. 

A fabricante conta com a parceria do estúdio Gordon Murray Design que leva o nome do renomado designer de carros da Fórmula 1, o Prof. Ian Gordon Murray e que também  já teve outras parcerias da categoria ultracompacto. As dimensões do Motiv são: 2.690 mm de comprimento X 1.470 mm de largura X 1.480 mm de altura distribuídos em um peso total de 730 quilos.

O modelo possui controle de estabilidade e tração, freios ABS e airbags de fábrica. O sistema de produção utilizado é o iStream.

A Yamaha até então conhecida principalmente no mundo das duas rodas, visou à preocupação em relação ao trânsito das grandes metrópoles além da falta de espaço para a circulação de carros, daí o porque do seu tamanho.

O sucesso dos motores elétricos deverá alcançar o seu pico máximo apenas nos meados de 2020 e poderá representar até 48% de crescimento ao ano, segundo pesquisadores da China e Japão. O Motiv é uma promessa mais próxima e até 2016  pretende ter a sua popularização assim como o Renaut Twingo e o Ford Ka, modelos compactos que já atingiram altos índices de vendas nos anos 1990 e  2000. A novidade segue a mesma linha dos modelos já apresentados como Honda P-NUT Smart Fortwo, Mitsubishi i e Toyota iQ.  

Por Luciana Ávila

Yamaha Motiv

Foto: Divulgação


A Nissan, fabricante multinacional japonesa de automóveis, esteve revelando a partir desta última sexta-feira (8) as primeiras imagens do carro-conceito BladeGlider. O veículo será apresentado no Salão de Tóquio, a partir do dia 23 de novembro.

De acordo com o comunicado da fabricante em 2010, o veículo tanto é uma proposta de desenvolvimento para futuros projetos de novos automóveis elétricos, como também um protótipo de produção.

O modelo BladeGlider tem a forma de triângulo, com frente estreita, com as rodas bem mais unidas, traseira mais larga e formato adaptado para diminuir o arrasto e melhorar a estabilidade. O veículo ainda possui portas que se abrem totalmente para cima e a carroceria é feita de fibra de carbono.

Este modelo comporta até 3 pessoas, neste caso, o motorista fica sozinho na frente, em posicionamento central, se sentindo como uma peça única do carro. Para uma melhor facilidade na entrada dos passageiros, o banco do condutor desliza-se para fora quando a porta é aberta. O objetivo deste design foi revolucionar a arquitetura do automóvel para proporcionar novas emoções, além de agregar valor e se tornar claro para os consumidores sustentáveis, pois seu sistema é o único de emissão zero (de poluentes), podendo redefinir seus conceitos básicos de um carro.

A Nissan ainda ressalta que o conceito ainda partilha diversos outros recursos de sustentabilidade com os modelos Leaf e ZEOD RC, carro de emissão de poluentes zero para corrida, no qual será apresentado ainda nas 24 Horas de Le Mans, no ano que vem. Os motores estão nas rodas e são controlados de forma independente. Com este design totalmente arrojado e emprestando os principais elementos de veículos de corrida, a montadora diz que ainda pretende levar aos carros modelos de produção outras sensações novas que só se têm na pista.

O consumidor poderá acompanhar todos estes e outros detalhes a cerca do carro no site www.nissan.com.br.

Por Daniela Almeida da Silva


Fusca elétricoO Fusca é um carro clássico, sem dúvida. O queridinho da Volkswagen foi o primeiro a ser fabricado pela companhia e ainda hoje possui uma legião de fãs pelo mundo todo.

Embora a geração clássica tenha deixado de ser fabricada em 2003, voltando novamente às linhas de produção com um design mais moderno e estilizado, ele ainda é amado por muitos que o consideram o início de uma era. Foi movido por essa paixão que o dono de uma empresa alemã em Hamburgo resolveu realizar algumas modificações e transformou o veículo produzido em 1997 em um carro elétrico. O motor movido a gasolina deu lugar a uma bateria de 80 kg e um propulsor elétrico.

O carro elétrico tem se tornado uma tendência nos dias atuais, principalmente devido aos preços crescentes dos combustíveis fósseis e à preocupação com o meio ambiente. A vantagem é que o aumento na produção desses veículos fez crescer toda uma infraestrutura nas cidades mais modernas, com pontos de carregamento e acessórios exclusivos para esses veículos.

O pacote de modificações é chamado de Reevolt e-Kaefer e custa cerca de 11.400 euros, que é equivalente a R$ 35.000 aproximadamente. Com as mudanças o veículo passou a pesar 850kg, com potência de 35,4 cv e velocidade máxima de 105 km/h. Com a bateria, o clássico elétrico possui uma autonomia de 120 Km.

Embora a ideia seja bastante interessante e ecologicamente correta, alguns fãs podem se sentir incomodados com a falta do barulho clássico do motor ou cheiro de gasolina.

Por Ebenézer Carvalho


Agrale Marruá AM 50A empresa Agrale levará ao evento "9° Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias" o seu modelo de jipe chamado Marruá AM 50, uma variação elétrica de seu utilitário considerado com bom desempenho. O veículo foi fabricado no ano de 2012, em ação conjunta entre a companhia de origem gaúcha e a Itaipu Binacional.

Abaixo do capô, um motor pequeno do tipo elétrico tem capacidade para gerar 54 cavalos de potência e 13,3 kgfm, divididos entre as 4 rodas através do sistema da tração total permanente, elemento que a empresa manteve no modelo. A energia é originada por 2 baterias (sódio) – com menos peso do que as de chumbo-ácido –  acopladas na parte de trás do veículo. Elas impelem uma independência de aproximadamente 100 quilômetros ao carro, que tem uma proposta de utilização em regiões ambientais preservadas, sem qualquer emissão de gases poluentes.

O Nono Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos ocorre entre 10 e 12 de setembro e será realizado no Expo Center Norte, Zona Norte de São Paulo. Serão apresentadas propostas referentes à ampliação do uso de veículos do tipo elétrico no Brasil.

Por Marcelo Araújo


A empresa Detroit Electric, que teve suas atividades industriais recentemente retomadas, está enfrentando uma infinidade de problemas para iniciar a produção do seu primeiro veículo, que foi batizado com o nome de SP:01. Segundo dados publicados pelo portal de notícias regionais “The Detroit News”, o começo da produção será adiado por um período de tempo que ainda não foi determinado pela empresa.

A razão de tal atraso é a difícil tarefa da empresa em garantir a disponibilidade de uma unidade fabril na região de Wayne County, localizada dentro da própria Detroit (cidade dos EUA). Nesta fábrica, a marca teria planos de produzir 2.500 unidades de veículos do tipo elétrico por ano.

A principal proposta da Detroit Electric, desde o período de planejamento de vendas da empresa, era emplacar ao menos 999 unidades referentes ao SP:01 para, em uma segunda fase, fabricar um segundo veículo esportivo. A conclusão que os especialistas de mercado chegaram é de que, após a consolidação de ambos os planos, a empresa irá lançar carros com mais unidades fabricadas e custo menor.

De acordo com o “The Detroit News”, “esse seria um primeiro passo para a revitalização do campo industrial da cidade, visto que o Detroit pediu concordata ao governo recentemente”.

No final de julho, a cidade dos EUA ficou conhecida como uma das maiores a entrar em processo de falência completa. Além disso, passou por diversos problemas judiciais devido ao não pagamento de benefícios aos funcionários da região.

Por Marcelo Araújo

SP:01


Nissan Leaf Os veículos utilizados pela Polícia Militar carioca agora são modelos desenvolvidos com o intuito de não poluir o meio ambiente. A empresa Nissan, em ação conjunta com a PM do Rio de Janeiro, deu 2 veículos da versão elétrica do Leaf com o objetivo de instrumentar a frota referente ao Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas do Rio, ajudando a polícia na patrulha dos locais mais frequentados por turistas dentro da capital carioca.

De acordo com informações da empresa, o modelo Leaf apresenta independência elétrica que alcança 160 quilômetros, e, para recarregar as baterias, a polícia utilizará a sede da PM ou um posto localizado na região da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Ainda de acordo com a marca, há 35 unidades do carro atuando em todo o Brasil e grande parte da frota tem sido usada como táxi. A empresa também já firmou, há algum tempo, uma parceria junto à Prefeitura da cidade de São Paulo, além de associações ligadas a companhias de táxi da capital, dando 10 veículos do Leaf que foram transformados em veículos de praça a serem utilizados em serviços de utilidade pública.

Por Marcelo Araújo


BMW i3A empresa alemã BWM irá lançar o modelo i3 no Brasil em 2014. O híbrido de gasolina e energia elétrica já foi mostrado ao público em Londres, Nova York e Pequim. Projetado para o meio urbano, ele possui uma autonomia de até 160 quilômetros. Segundo o executivo da marca no Brasil, Carlo Cortês, o modelo chegará ao país no segundo semestre de 2014.

Apesar das dificuldades que o mercado brasileiro enfrenta, a empresa está confiante quanto ao mercado brasileiro.

A empresa deverá regulamentar o veículo segundo as normas brasileiras, além de ensinar ao cliente como funciona a mobilidade elétrica, que permite uma autonomia pequena já que existem poucos postos públicos de recarga no país. Para sanar esse problema, a BWM estuda criar parcerias estratégicas para aumentar o número de postos de recarga.

O i3 foi construído sob uma plataforma de fibra de carbono e alumínio para ser mais leve, além das células produzidas em plástico para compensar o peso extra da bateria de íon-lítio. O motor elétrico pesa cerca de 50 quilos e desenvolve uma potência de 125 kW, o que equivale a 170 cavalos de potência.

O torque máximo é de 255 kgfm, permitindo uma aceleração constante. O modelo pode chegar a 100 km/h em 7,2 segundos.

Por Robson Quirino de Moraes


Os carros elétricos já somam vendas substanciais em vários países da Europa. Pouco mais de 4,7 mil modelos foram vendidos na França no primeiro semestre do ano. Parece pouco, contudo, é uma ótima oportunidade para as montadoras, que somam prejuízos significativos nos últimos anos.

No mesmo período de 2012, o número de veículos elétricos vendidos na França era de 2,27 mil, que representa menos da metade dos números de 2013. O aumento nas vendas é algo surpreendente, tendo em vista que os valores cobrados pelos modelos elétricos são salgados para o padrão europeu. Eles podem variar entre € 13,7 mil e € 27,9 mil.

Entre as montadoras mais atuantes está a Renault-Nissan, que já vendeu mais de 100 mil carros elétricos desde 2010. 61% do mercado é europeu e o restante asiático, onde é comercializado o Nissan Leaf. Lá, o modelo compete com o Mitsubishi i-Miev.

Outras montadoras prometem fazer concorrência com o modelo da Renault. Em julho, a BMW anunciou o lançamento o i3, o primeiro híbrido da montadora alemã. O veículo tem uma autonomia que varia entre 130 e 160 quilômetros e será vendido por € 27,9 mil

Por Robson Quirino de Moraes


Recarga de carro elétricoAs quatro gigantes da indústria automobilística do Japão se uniram para lançar nesta última segunda-feira (29) um sistema integrado para recarga de veículos elétricos. A medida vem como solução para o problema de estrutura e suporte que estes veículos enfrentam no dia a dia.

Atualmente o Japão é um dos países em que os veículos elétricos e híbridos estão mais avançados. No entanto, até mesmo o país do sol nascente enfrenta problemas de infraestrutura. Atualmente o Japão conta com pouco mais de 1.700 postos que realizam recargas rápidas e apenas 3.000 que realizam recarga plena em veículos elétricos, quantidade que até mesmo para o pequeno (em extensão) Japão é muito pouca.

A falta de pontos de “abastecimento” é um dos principais obstáculos que afastam os interessados em adquirir um veículo elétrico. No entanto, a parceria das principais montadoras japonesas promete acabar de vez com este problema.

Todas as montadoras se compactuaram a fornecer serviços de suporte para os veículos independente da marca e modelo, bastando para isso apenas que o veículo seja elétrico ou híbrido, é claro.

O pacto é regulamentado de perto pelo governo japonês que ainda de quebra está subsidiando grande parte dos investimentos necessários.

O que podemos perceber é que quando empresas e governos querem tudo funciona muito bem, o Japão é líder em mostrar para o resto do mundo a forma correta no que se trata de gestão pública.

Por Fernando Setoue


Segundo informações do INPI, o Hiriko, veículo elétrico ultracompacto, foi registrado recentemente no Brasil. O veículo, que foi apresentado no Salão de Genebra de 2013, funciona com 100% de energia elétrica e estava em desenvolvimento desde o ano de 2010.

O Hiriko apresenta direção e tração nas 4 rodas. Além disso, ele apresenta 2 lugares, possui apenas uma porta frontal para acesso e conta com um compartimento de cargas de 300 litros. As baterias são do tipo íon-lítio e o carro possui força autônoma de 120 quilômetros entre cada recarga de energia. Sua velocidade tem o limite de 90 quilômetros por hora.

O Hiriko será introduzido com ênfase em empresas e entidades pública que sejam focadas no compartilhamento dos automóveis, sendo que os veículos podem ser usados por qualquer pessoa.

Uma das principais características do pequeno carro é que na hora de estacionar ele encolhe, indo dos 2,7 metros de comprimento para 2 metros na hora da baliza.

O INPI não informa sobre quem fez o registro da patente do Hiriko no Brasil, mas o setor aguarda com curiosidade os possíveis investimentos que serão feitos.

Por Marcelo Araújo


BMW i3: novo carro totalmente elétricoA fabricante BMW produzirá o seu primeiro carro totalmente elétrico, o i3 que provavelmente será lançado no Salão de Frankfurt em setembro, na Alemanha. 

É um carro com aspecto futurista, emite 0% de poluentes, a carroceria é feita com fibra de carbono reforçada com plástico e o chassi é de alumínio. Por causa desse conjunto a nova BMW está com 250 a 350 kg mais leve que um carro elétrico convencional, a produção exige somente a metade do tempo de fabricação por ter menos peças. 

O i3 tem o conjunto elétrico que gera 170 cv de potência e o motor fica na parte de trás do veículo. A BMW oferece a opção de motor de 2 cilindros movido a gasolina para que aumente sua autonomia. É um carro movido a bateria de íon-lítio criada pela BMW, sendo que os detalhes desse desempenho não foram divulgados. 

O i3 terá um sistema de mapeamento do trajeto programado através do GPS e também calculará a existência de carga suficiente de bateria para chegar ao destino desejado. 

Esse carro será vendido ainda neste ano e no Brasil será vendido a partir do ano que vem.

Por Mariana Rodrigues


As montadoras estão investindo em carros urbanos que sejam estreitos, compactos, elétricos e com apenas dois lugares. Seguindo essa categoria a Toyota apresentou um protótipo em Genebra, o i-Road.

O i-Road tem três rodas sendo que existe apenas uma roda na parte de trás, elas se inclinam nas curvas através de um volante convencional que transmite as informações para os sensores do sistema chamado de Active Lenan.

O i-Road mede 2,35 m de comprimento, tem 1,44 m de altura, uma distância entre-eixos de 1,7 m e sua largura é de 85 cm fazendo com que o carro fique do tamanho de uma moto, mas é considerado um automóvel normal possuindo toda a segurança de um carro comum.

Esse modelo da Toyota tem dois motores elétricos com 2 kW montados nas rodas dianteiras, a bateria pode ser carregada por uma fonte de energia elétrica doméstica por 3 horas apenas.

Esse automóvel tem iluminação interior, aquecimento, sistema de áudio e conectividade via Bluetooth.

É um carro bem parecido com o da General Motors que está em desenvolvimento na China e o EN-V que é o modelo que a Renault já comercializa com o nome de Twizzy.

Por Mariana Rodrigues


Adquirir um automóvel facilita a vida de todos, porém os carros convencionais, movidos à gasolina, etanol e diesel prejudica a saúde do ser humano, como também prejudica o meio ambiente e. pensando nisso, a indústria automobilística está se aprofundando nas pesquisas para desenvolver carros ecológicos.

A indústria automobilística está se empenhando para produzir o automóvel híbrido, cujo carro é movido tanto pela eletricidade, quanto pelo petróleo. Mas no Japão, desenvolveram os automóveis movidos somente pela eletricidade e já estão se tornando bem populares entre os japoneses.

Um carro solar, conhecido mundialmente como Nuna II, foi construído por estudantes de uma universidade holandesa e venceu um evento chamado Desafio Solar Mundial (World solar Challenge), na Austrália. o carro percorreu 3.000 km pela Austrália em uma velocidade de 97 km/h.

Uma montadora na China desenvolveu um carro chamado YeZ, que em mandarim significa “folha”, pois é baseada na fotossíntese dos vegetais. Esse carro absorve CO2 da atmosfera liberando o oxigênio. Ele é movido de energia vinda pela luz do sol no teto e de energia eólica, realimentada nas rodas através de algumas pás, mas ainda está em fase de teste.

Conheça um pouco mais sobre carros elétricos:

http://exame.abril.com.br/topicos/carros-eletricos

http://www.abve.org.br/

Vídeo do Nuna II:

http://www.youtube.com/watch?v=YLfBuqzfGqK

Vídeo do automóvel YEZ:

http://www.youtube.com/watch?v=pObxCXhf9-E

Por Mariana da Silva


Logo na sua chegada ao Brasil, nos anos 90, os veículos da marca Lada fizeram bastante sucesso por conta de seu estilo diferenciado. No entanto, depois de uma rápida popularização, os carros perderam força em terras tupiniquins e a montadora acabou suspendendo as vendas de suas criações em nosso país no ano de 1997.

Ainda assim, a empresa continuou realizando operações em outras nações, projetando inovadores conceitos e fabricando carros interessantes ao redor do mundo. Um desses carros é o famoso El Lada, carro elétrico, bem parecido ao hatch Kalina. O que diferencia os dois automóveis é justamente a motorização elétrica do El Lada.

Segundo a Lada, o novo carro será equipado com um exclusivo pacote de baterias de baterias íon lítio, que fica acomodada no amplo porta-malas do modelo. Esse conjunto oferece uma autonomia equivalente a 150 km, ou seja, o carro pode percorrer essa distância sem a necesside de recarregar a bateria.

Ainda de acordo com informações da fabricante, a bateria do novo El Lada é totalmente carregada em 8 horas e tal processo é realizado através de tomadas. O carro em questão atinge no máximo 130 km/h, uma marca excelente para um carro elétrico.

O novo El Lada ainda será sujeitado a testes, mas a previsão é que comece a ser vendido no final deste ano, custando o equivalente a R$ 67.615.

Por Larissa Mendes de Oliveira


Mais uma notícia muito boa chegou ao agitado mercado de veículos, pois a Cadillac (empresa que atua no ramo específico de produção e comércio de carros) informou que vai iniciar a produção no final do ano de 2013 do seu primeiro veículo híbrido movido a eletricidade: o Cadillac ELR.

Este automóvel de luxo será montado na mesma fábrica do Chevrolet Volt e consiste na manutenção da política de crescimento e busca de novos mercados consumidores por esta consagrada marca de veículos.

Ainda não foram fornecidos pela Cadillac informações técnicas mais precisas sobre o ELR, mas ele terá o mesmo padrão dos modelos da marca com revestimento de couro nos bancos, freios ABS, ar condicionado, vidros e travas elétricas, direção hidráulica, câmbio com seis marchas em transmissão automática, airbags frontais e laterais, painel de instrumentos, sistema multimídia, além do conforto e sofisticação típicos da Cadillac.

Assim que a sua produção for finalizada o novo modelo da Cadillac estará disponível para vendas inicialmente nos Estados Unidos e depois na Europa e demais países do mundo.

Por isso, se você gosta de veículos que unem sofisticação, luxo e conforto em pouco tempo o Cadillac ELR será mais uma interessante opção de compra.

Por Ana Camila Neves Morais


Outra novidade interessante está sendo ofertada no mercado de automóveis, pois a Mercedes apresentou o SLS AMG Electric Drive que consiste, segundo a montadora, no carro elétrico mais potente do mundo.

Este modelo possui quatro motores elétricos com potência máxima de 750 cavalos e um torque de até 101,8 kgfm fazendo uma velocidade máxima de 250 km/h.

O Mercedes SLS AMG Electric Drive vem com duas caixas de marchas independentes, conta ainda com o AMG Torque Dynamics, que oferece ao veículo potência adicional de acordo com a tração feita pelo carro nos modos Sport, Comfort e Sport Plus. Com relação ao gasto de eletricidade, os motores deste automóvel possuem baterias com 60 kWh feitas de íon-lítio.

Do ponto de vista estético, o novo carro da Mercedes conta com rodas de liga leve com 19 polegadas, pneus maiores e opções de conforto, como painel de instrumentos, bancos revestidos, sistema multimídia de entretenimento, dentre outros.

Para quem deseja adquirir esta inovação no mercado de carros ecológicos, o novo Mercedes SLS AMG Electric Drive estará disponível para compras a partir do início de 2013 com valores iniciais de 43.000 euros, que equivalem a cerca de R$ 1 milhão.

Por Ana Camila Neves Morais


O conceito de preservação ambiental já chega de forma avançada aos veículos que unem tecnologia e formas alternativas de energia. No início da última semana a Toyota fez o lançamento de um carro elétrico que recebeu o nome de eQ.

O lançamento foi realizado na capital japonesa e a montadora usou como base para o novo carro o já lançado iQ, um modelo que roda com motor à combustão.Com motor elétrico, o eQ pode marcar 125 km/h.

A Toyota pretende vender cerca de 100 unidades deste veículo nos Estados Unidos e no Japão já em dezembro deste ano. De acordo com a montadora, o carro será usado inicialmente por autoridades do governo e também clientes chamados especiais e o valor de venda gira em torno de 46 mil dólares. Para fazer uma média de 100 km, o eQ precisa de um período de tempo entre 3 e 8 horas de carregamento da bateria.

PLANO VERDE

Durante o lançamento do eQ, a Toyota falou dos planos para o desenvolvimento de modelos híbridos e elétricos. Com isso, a empresa pretende lançar até 2015 outros 21 modelos híbridos, com o objetivo de responder a demanda da criação de novos veículos que apresentem consumo eficiente de combustível de forma limpa.

Por Flaviane Oliveira


De acordo as informações da Toyota, a empresa tem o objetivo de lançar pelo menos 21 modelos híbridos para os próximos 3 anos. Dentro do grupo destes 21 veículos, 14 serão completamente novos e a montadora tem planos de chegar à marca de 1 milhão de unidades comercializadas começando em 2013. Na previsão que totaliza todas as vendas da empresa neste período, a parcela referente aos híbridos é de 10%.

A Toyota ainda soltou informações de que, em 2015, produzirá um veículo que se movimentará com a utilização de pilha a combustível, que, a partir de uma reação química, produz energia elétrica. Fora essas novidades, a marca passa a comercializar o elétrico eQ nos mercados japonês e norte-americano. Este veículo terá somente 100 unidades comercializadas e o foco das vendas são empresas de frota. O valor inicial do automóvel elétrico será de R$ 90 mil, sendo que o veículo apresenta autonomia para rodar 100 quilômetros entre as recargas da bateria.

A tradição da Toyota em carros híbridos teve início no ano de 1997, quando lançou o pioneiro Prius. Um dos grandes desafios da empresa é conseguir aumentar as vendas deste tipo de veículo em mercados emergentes como o brasileiro.

Por Marcelo Araújo


Na Europa, as regulamentações sobre o índice da emissão de gases poluentes ao meio ambiente têm órgãos e regras mais enérgicas do que na América do Sul. Dentro deste contexto, empresas têm investido em carros elétricos e híbridos com o objetivo de produzir veículos ecológicos no continente europeu. 

O Brasil pode fazer parte deste panorama no ano de 2014, pois a BMW anunciou as vendas de seu modelo compacto i3 daqui a dois anos. Além disso, a montadora irá entrar com o i8 em 2015. Desta forma, o mercado nacional ganha dois investimentos de peso para os próximos anos e, apesar do valor alto, os modelos são uma opção sustentável para o segmento.

Entre as características do i3, estão as baterias de íons de lítio que servem para sua alimentação, consideradas o que se tem de mais moderno no mercado de autos. Desta forma, o carro pode rodar até 160 km antes de ser obrigado a parar para um carregamento que dura cerca de 6 horas.

No caso do i8, o modelo é um híbrido diesel-elétrico, que pode atingir os 100 km/h em menos de cinco segundos. Mesmo com a alta performance, o veículo consome somente 33 km/L de combustível.

Por Marcelo Araújo


Ford.

Uma matéria publicada no site Automotive News, aponta que a Ford está investindo US$ 135 milhões para o desenvolvimento e testes de algumas tecnologias que serão utilizadas para a fabricação de motores elétricos.

A montadora, segundo a publicação, aumentou também o número de profissionais engajados neste projeto para 1.000 pessoas com a contratação de 60 novos engenheiros.

A fabricante apontou que as ações vão reduzir o custo final de um sistema híbrido em cerca de 30%. A empreitada também fará com que se acelere em 25% o desenvolvimento da tecnologia.

A previsão é que até o final de 2012, cinco modelos da Ford com motor elétrico devem ser lançados. Entre os modelos estão carros que serão 100% elétricos, híbridos e híbridos plugin.

A Ford estima que até o ano de 2020, 25% de seus veículos comercializados sejam movidos de modo parcial ou total por motores elétricos.


Foi anunciado pela Mazda que a montadora vai colocar à disposição 100 unidades de seu carro elétrico: Demio.

A montadora vai abrir a oportunidade para que os modelos sejam alugados no oeste do Japão. O objetivo da marca é acompanhar junto aos clientes, quais são as necessidades dos usuários de veículos elétricos.

O planejamento é de aperfeiçoar a tecnologia que é utilizada para a sua fabricação. O Demio é disponibilizado com um motor elétrico de 101 cavalos, com o nome de Demio EV e tem autonomia de 20 km.

Para efetuar a carga completa do carro leva-se oito horas. Porém, um sistema de carregamento rápido pode fazer com que os níveis cheguem a 80% em 40 minutos.

A Mazda tem planos de lançar as primeiras versões de produção de carros elétricos somente no ano de 2018.


Entre os dias 08 e 18 de março de 2012, a montadora Renault está participando do Salão do Automóvel de Genebra, na Suíça. A grande aposta da marca francesa é a nova versão do hatchback elétrico Zoe.

Com várias modificações estéticas e mecânicas, o lançamento já está sendo produzido e quase pronto para chegar ao mercado.

O preço de partida da versão mais simples, o  Zoe Life, será comercializado por 15.700 euros. O modelo de entrada conta com exclusivos itens de série, como moderno sistema Multimídia R-Link, controle automático de  temperatura e carregador de bateria Chameleon.

Já as versões mais elaboradas, a intermediária Zoe Zen e a top de linha Zoe Intense, custam  a partir de 17.500 euros. Ao adquirir um dos três modelos, o usuário terá que pagar a manutenção mensal da bateria, no valor de 79 euros.

Segundo a  Renault, a autonomia é bastante satisfatória no modo  elétrico, sendo de 100 km em baixas temperaturas  e 150 km em temperaturas mais amenas. Vale destacar que o Zoe é o primeiro carro elétrico passível de carregamento em qualquer voltagem. Além disso, sua recarga total demora apenas uma hora para ser realizada.

A expectativa é de que o Zoe chegue à Europa no final do primeiro semestre, entretanto, não há previsões para seu lançamento no Brasil.

Por Larissa Mendes de Oliveira


A Nissan apresentou na semana passada, durante o Salão do Automóvel de Detroit, o seu novo carro elétrico e-NV200. De acordo com informações da montadora, o veículo foi baseado no modelo NV200 Lief.

Ao contrário do Lief, o novo utilitário esportivo da Nissan é um carro de grande porte, com bancos flexíveis que possibilitam o aumento do porta-malas para se adequar a necessidade do cliente, além de possuir um painel inteligente de fácil operação.

A bateria do carro é de íon-lítio e o seu motor é capaz de gerar 280 Nm/RPM de torque.

O e-NV200 é capaz de atingir a marca de 160 km/h.

Ao contrário dos carros tradicionais, que emitem gazes tóxicos que degradam a camada de ozônio, o novo veículo não vai emitir CO2 (dióxido de carbono). Além disso, ele também não terá escapamento, o que faz o e-NV200 ser extremamente silencioso.

O carro deverá ser lançado nos Estados Unidos no segundo semestre de 2012.

2012 Detroit: Nissan e-NV200 Concept

 

2012 Detroit: Nissan e-NV200 Concept

 

2012 Detroit: Nissan e-NV200 Concept

Por Luana Lima Mercado


A Nissan vai apresentar, durante o Salão do Automóvel de Tóquio, que abrirá as portas ao público logo no início do mês de dezembro, uma nova família de carros elétricos. Entre eles estará o PIVO 3 Concept, um modelo que já vem sendo desenvolvido há alguns anos, e que pode ganhar uma versão de produção em breve.

O protótipo, de visual futurista, é um mini carro urbano, com capacidade para 3 pessoas, dispostas na configuração “1+2”, ficando o motorista na parte central. Ele tem aproximadamente 3m de comprimento, e é equipado com rodas que possuem a capacidade de girar de forma independente, facilitando a mobilidade nas grandes metrópoles, principalmente na hora de estacionar.

Falando nisso, outra novidade do PIVO 3 é o Automated Valet Parking (AVP), algo como “serviço de estacionamento automatizado”, que permite ao pequeno veículo pesquisar por uma vaga disponível, ir até ela e realizar a manobra de estacionamento, tudo isso sem a interferência do motorista. Na hora de sair, o condutor não precisa ir até o carro. De onde ele estiver, basta usar o smartphone para chamar o veículo. O mesmo sistema automático também poderá ser utilizado para a recarga dos motores elétricos.

A montadora japonesa ainda não divulgou as informações completas sobre o conceito. Até o momento, sabe-se que ele terá dois motores elétricos, integrados às rodas, e que outras tecnologias estarão presentes, como no painel de instrumentos, totalmente digital, e na utilização de duas câmeras laterais, que farão a função dos espelhos retrovisores.

Fonte: Autocar

Por André Gonçalves


A DeLorean Motor Company realizou no último sábado (15) um dos maiores sonhos dos fãs do DMC-12. A empresa anunciou que irá produzir uma nova versão do veículo, que deve chegar ao mercado no ano de 2013.

O novo modelo será elétrico, atendendo às tendências ambientalistas. Originalmente o DMC-12 funcionava a gasolina e era um dos grandes poluidores. A companhia acredita que o novo carro fará ainda mais sucesso, pois o fato de ser não poluente o deixa mais tecnológico.

O veículo ficou famoso na década de 1980 por ser utilizado na franquia cinematográfica ‘De Volta Para o Futuro’. Os personagens principais da trama, Marty McFly (Michael J. Fox) e Dr. Emmett (Christopher Lloyd) viajam no tempo a bordo do estiloso DeLorean.

A aparência do carro deve manter a tradição para agradar aos fãs. A imagem de carro da década passada não será alterada e as portas continuarão abrindo para cima, uma das principais características do veículo.

A empresa ainda não confirmou se o motor ficará na parte de trás do novo DeLorean, como era em sua primeira versão. A expectativa é que a “máquina do tempo” atinja 260 cavalos de potência e alcance cerca de 200 km/h.

Confira no vídeo a versão antiga do carro:

Por Mozart Artmann


As montadoras de automóveis têm investido cada vez mais em veículos alternativos para melhorar a mobilidade urbana. Nos últimos meses foram apresentados diversos modelos compactos, movidos a energia elétrica, que podem ser boas opções para um futuro bem próximo. Quem também resolveu seguir este caminho foi o grupo PSA Peugeot-Citroën, que apresentou o Velv Concept, veículo de três rodas e com capacidade para 3 pessoas, de design futurista e bastante semelhante a um triciclo.

O protótipo Velv, cujo nome significa “Veículo elétrico leve para a cidade”, tem apenas 7,2m de diâmetro de esterçamento, o que lhe proporciona uma boa agilidade, fator essencial para o trânsito nos grandes centros urbanos. Conforme indica o seu nome, o peso do veículo também chama a atenção: 650 kg.

Ele é equipado com um propulsor elétrico capaz de gerar 27 cv, potência suficiente para levá-lo a atingir uma velocidade máxima de até 110 km/h, desempenho nada ruim para um veículo destinado ao tráfego dentro das cidades.

De acordo com a montadora, o Velv consegue rodar por 100 km, antes que seja necessária recarregar as baterias de íon lítio, responsáveis pela alimentação do motor. Para não ficar no meio do caminho, o modelo conta com um software que informa ao condutor a carga restante da bateria, calculando quantos quilômetros o compacto elétrico ainda conseguirá se movimentar.

Por enquanto, não há previsão de quando a versão definitiva do Velv será lançada.

Fonte: PSA Peugeot-Citroën

Por André Gonçalves


A Audi está trazendo de volta o A2, compacto produzido entre os anos de 1999 a 2005, mas que acabou saindo de linha. A nova geração do modelo, equipada com um propulsor elétrico, surge ainda como protótipo, mas poderá estar à venda a partir de 2013, segundo especulações da imprensa internacional, para fazer concorrência ao elétrico i3, da BMW, recém-apresentado.

O A2 Concept tem design futurista e carrega bastante tecnologia. O painel de controle, por exemplo, utiliza uma tela flutuante para mostrar ao condutor todas as informações sobre o veículo, além de permitir acesso à internet e aos diversos comandos do carro. Quanto ao design, as novidades são a carroceria em alumínio e fibra de carbono, que contribuiu para a diminuição do peso; o capô curto; o teto panorâmico de vidro, que permite alterações na transparência; e o feixe de lâmpadas de LED, que percorre toda a lateral da carroceria.

Com relação à parte mecânica, a montadora alemã não liberou os dados oficiais, porém especulações dão conta de que se trata de um motor alimentado por baterias de íon lítio, capaz de gerar 113 cv de potência e torque de 27,5 kgfm, o suficiente para levar o A2 Concept a uma velocidade máxima de 150 km/h. A autonomia do propulsor deve ficar em torno de 200 km, e a recarga completa, feita em qualquer tomada doméstica, vai durar 4 horas.

Fonte: Autocar

Por André Gonçalves


Se o Smart Fortwo já era tido como uma boa alternativa para o trânsito dos grandes centros urbanos, esta característica estará ainda mais reforçada com o lançamento de sua versão elétrica, que acontecerá em setembro, pois além de bastante compacto, o novo modelo tem índice zero de emissão de poluentes.

Batizado de Smart Fortwo Electric Drive 2012, o modelo é a versão definitiva do protótipo que vem sendo desenvolvido há alguns anos, e que finalmente chegará às ruas de 30 países, a partir do próximo ano. Ele conta com um motor totalmente elétrico, abastecido por baterias de íon lítio, que dão uma autonomia de 140 km, segundo a Mercedes-Benz, proprietária da Smart. O bloco gera cerca de 75 cv de potência e pode levar o veículo a uma velocidade máxima de 120 km/h. Já a recarga das baterias pode ser feita em qualquer tomada doméstica.

O novo Fortwo ED vai contar com ar condicionado, vidros elétricos, conexão para iPhone e volante em couro, e poderá ser adquirido juntamente com uma bicicleta elétrica, como opcional, pelo preço de 2.900 euros (R$ 6.647), que pode ser transportada em um rack na traseira do veículo, completando o pacote ecologicamente correto desenvolvido pela Smart.

Fonte: World Car Fans

Por André Gonçalves


A KTM resolveu entrar no novo mercado de mini-carros elétricos que está nascendo aos poucos, com a produção do modelo Eletric 3 Wheeler, ou E3W, como também é conhecido o pequeno veículo de 3 rodas, que parece ter saído de um filme de ficção científica, devido ao seu design futurista, que apresenta, entre outras novidades, as portas em formato de tesoura.

O carrinho é movido por um motor elétrico, abastecido com baterias de íon lítio, que dão uma autonomia de aproximadamente 100 km, segundo a fabricante austríaca. A potência do bloco é um pouco limitada, cerca de 20 cv, mas é suficiente para a sua proposta, que é a de ser um veículo alternativo para o trânsito de grandes centros urbanos.

O E3W utiliza o plástico como base para a construção de sua carroceria, o que ajuda na diminuição do seu peso final, que é de 500 kg. Sobre o interior ainda não foram revelados maiores detalhes, guardados para o Salão de Frankfurt, em setembro, quando será apresentado oficialmente, mas sabe-se que ele tem capacidade para duas pessoas.

A expectativa da KTM é de produzir 50.000 unidades por ano, e entrar forte na concorrência, principalmente com o recém-lançado Renault Twizy.

Fonte: Autoevolution

Por André Gonçalves


Um veículo diferente e bastante camuflado, flagrado rodando pelas ruas da cidade de Berlim, na Alemanha, tem chamado a atenção nos últimos dias. O modelo, batizado de City E-tron Concept, é um mini-carro urbano desenvolvido pela Audi, que deve ser apresentado oficialmente durante o Salão do Automóvel de Frankfurt, no mês de setembro.

Ele tem um design diferenciado, com destaque para as rodas “saltadas” da carroceria e os pequenos faróis com lâmpadas de LED. De acordo com o site World Car Fans, o pequeno veículo tem capacidade para levar duas pessoas, sendo que o passageiro fica em uma poltrona localizada atrás do motorista.

Ainda não se sabe maiores detalhes sobre o protótipo, uma vez que a montadora alemã não se pronunciou sobre ele. Segundo especulações da imprensa europeia, o E-tron seria uma evolução do L1 Concept, desenvolvido pela Volkswagen em 2008, como uma alternativa econômica para o mercado do velho continente, pois rodava cerca de 100 km com apenas um litro de combustível.

Já no caso do E-tron, tudo aponta para que seja movido por energia elétrica, devido à ausência de som do motor, mas não há confirmação se será um modelo híbrido ou 100% elétrico.

Por André Gonçalves


A BMW apresentou os primeiros detalhes oficiais da sua nova linha de veículos elétricos, que vinha sendo desenvolvida desde 2009, com o projeto MegaCity. Um dos veículos é o i3 Concept, hatch compacto voltado ao trânsito urbano, que deve ser o primeiro da família a chegar às revendedoras, possivelmente a partir de 2013.

Além do visual futurista e das portas traseiras que se abrem em sentido contrário, o grande destaque do modelo é o motor 100% elétrico, que entrega 172 cv de potência e 25,4 kgfm de torque, capaz de acelerar a até 150 km/h de velocidade máxima, segundo a montadora alemã. A alimentação do bloco vem das baterias de íon lítio, instaladas na parte traseira do hatch, que podem ser totalmente recarregadas em qualquer tomada convencional, em até 6 horas. Outra fonte de energia é o sistema de freios regenerativos, que fornece carga extra às baterias.

A autonomia do propulsor é de 160 km, o que pode desagradar a alguns compradores, que esperavam poder rodar mais tempo sem recarregar as baterias do carro. Para estes, a BMW informa que está preparando um motor híbrido, para versões futuras do i3.

A apresentação definitiva está programada para o mês de setembro.

Fonte: BMW

Por André Gonçalves


O VW Gol elétrico já está entre nós. Porém, não se trata de uma versão oficial, e sim de um protótipo, desenvolvido pelo engenheiro Elifas Gurgel e pelo advogado Paulo Elifas, que realizaram a conversão completa do motor de um Gol G4, transformando-o em um propulsor elétrico. O projeto, que custou cerca de R$ 300.000 e teve como parceiros o Centro de Pesquisa e Qualificação Tecnológica do Ceará (CPQT) e o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), nasceu de uma tentativa de diminuir a emissão de poluentes. 

O bloco flex original, a alimentação, o escapamento, os sistemas de ignição e arrefecimento foram completamente retirados. No lugar destes componentes entraram o motor elétrico FB1-4001A, de 70 cv de potência, da fabricante Advanced Motors e 40 baterias de íon lítio. O novo conjunto de propulsão tem autonomia de 150 km, quando utilizado em velocidades entre 60 a 80 km/h, e pode ser recarregado em qualquer tomada doméstica de 220 volts. A recarga completa dura 8 horas.

De acordo com Elifas Gurgel, o projeto foi apresentado a Volkswagen, que por sua vez não se manifestou nem a favor nem contra. Ele aguarda a homologação do veículo para poder circular pelas ruas de Brasília.

 

Por André Gonçalves


O projetista Gordon Murray vai mostrar ao público mais uma de suas criações, que será apresentada oficialmente em novembro, na Inglaterra. Trata-se do T.27, um compacto elétrico que, segundo o seu criador, é o modelo ecológico mais eficiente do mundo. Ele é equipado com um propulsor elétrico que gera 33,5 cv de potência, abastecido através de uma bateria de íon lítio de 12 kWh, que fornece autonomia de 160 km.

Acoplado a uma transmissão de apenas uma marcha, o motor é capaz de fazer o T.27 acelerar a até 105 km/h de velocidade máxima, segundo a empresa Gordon Murray Design.

Além do desempenho, o design e o peso do compacto também chamam a atenção. Desenvolvido especificamente para o trânsito urbano, ele pesa 680 kg e mede 2,5m de comprimento, 1,3m de largura e 1,6m de altura, além de possuir distância entre-eixos de 1,78m. O espaço na cabine, de acordo com a fabricante, é o suficiente para levar 3 pessoas.

Agora, a empresa procura parceiros interessados na produção em série do pequeno carrinho, que custou um total de 9 milhões de libras (R$ 22 milhões) para ser criado.

Conheça mais sobre o T.27 na página da Gordon Murray Design.

Por André Gonçalves


A Renault acaba de lançar na Europa o seu mais novo modelo de carro elétrico. Chamado de Twizy, o veículo vem equipado com baterias de lítio, que ficam devidamente instaladas na parte de baixo do banco do condutor.

Segundo a montadora, a ideia é desenvolver duas versões do Twizy, sendo uma com motor de 20 cavalos de potência, podendo atingir a velocidade máxima de 80 km/h, e outra voltada para o público adolescente, que será batiza de Twizy 45, pois poderá chegar apenas a 45 km/h.

Um detalhe interessante do carro é que ele não vem com vidro nas portas, mesmo na opção com portas do tipo tesoura.

A maioria dos carros elétricos que estão sendo produzidos, vem com a função de carga rápida, em que a bateria pode ser recarregada em tomada de alta tensão. Mas no caso do Twizy, a recarga pode ser feita através de um cabo, que pode ser encaixado em qualquer tomada comum.

Se a bateria estiver totalmente sem carga, vai levar cerca de 3,5 horas para efetuar a recarga.

A Renault afirma que o carro pode ter até 115 km de autonomia; tudo vai depender de como o condutor dirige.

O preço sugerido do Twizy, no mercado europeu, é de R$ 19 mil.

Por Andrea Gomes


Além do Duster, uma das principais novidades presentes no estande da Renault, no Salão do Automóvel de Buenos Aires, é o Fluence Z.E., versão elétrica do sedã médio da montadora, que já roda pelas ruas europeias desde 2010. Esta é a primeira vez que o modelo ecológico aparece na América do Sul, aumentando os rumores de que em breve ele possa ser comercializado por aqui.

O Fluence Z.E. (Zero Emissions) é equipado com um propulsor elétrico que gera 95 cv de potência e 22,6 kgfm de torque. Ele é alimentado por uma bateria de íon lítio, instalada atrás do encosto dos bancos traseiros, cuja capacidade energética é de 22 kw/h. Uma das formas de se recarregar a bateria é por meio de uma tomada doméstica de 220V. Neste caso, a recarga demora de 6 a 8 horas. Já na recarga através de terminais rápidos de 400V, o tempo cai para 30 minutos. Há ainda a opção pelo sistema “Quickdrop”, no qual a bateria é substituída por outra, em apenas 3 minutos.

A título de comparação, a versão convencional do Fluence (vendida no mercado brasileiro a partir de R$ 59.900) utiliza motor flex 2.0 litros, que desenvolve 143 cv de potência.

Fonte: Renault

Por André Gonçalves


Um dispositivo desenvolvido pela Mitsubishi e utilizado durante o auxílio às vítimas do forte terremoto que abalou o Japão, em março, passará a ser oferecido, em breve, aos proprietários do compacto elétrico i-MIEV. A ferramenta, na verdade um kit de emergência, permite utilizar a bateria do veículo como uma fonte de energia alternativa, para manter em funcionamento alguns aparelhos elétricos, que sejam essenciais em situações adversas.

Ligado à bateria de 16 kWh do i-MIEV, o dispositivo se transforma em uma tomada de 100 volts, à qual pode ser conectado qualquer aparelho elétrico que apresente consumo de até 1.500 watts de potência máxima. Um dos exemplos citados pela Mitsubishi é a utilização da ferramenta como fonte alimentadora para eletrodomésticos, para o acendimento de lâmpadas, para aparelhos eletrônicos (computadores, telefones, TVs) e para o acionamento de algum aparelho médico. A capacidade de armazenamento das baterias do i-MIEV é equivalente ao que consome uma residência japonesa média, em um período entre 24 a 36 horas.

O kit, cujo preço não foi divulgado, deverá estar disponível ainda em 2011.

Por André Gonçalves


Entre os dias 31 de maio e 3 de junho, irão se reunir, em São Paulo, os representantes do C40, grupo das 40 maiores cidades do mundo. A associação, que conta com as cidades de São Paulo, Nova York, Tóquio, Londres, Madri, Cidade do México, Rio de Janeiro, Paris, Milão, Toronto, entre outras, discute, durante os encontros, diversas ações e soluções para tentar diminuir os efeitos das mudanças climáticas em todo o planeta.

Para se locomover pelas ruas da capital paulista, os participantes do encontro irão reforçar o comprometimento com as questões ambientais, já que vão usar o carro elétrico Nissan Leaf, que rodará pela primeira vez em território brasileiro, disponibilizado pela montadora japonesa como o carro oficial do evento.

O modelo utiliza uma bateria de íon lítio, que gera 90 KW de potência, como fonte de alimentação para o motor. O conjunto é capaz de atingir uma velocidade máxima de 145 km/h, e possui autonomia de 160 quilômetros. A recarga completa dura cerca de 8 horas, e pode ser feita em uma tomada convencional de 110 volts. 

O Leaf é um hatch médio, com capacidade para 5 passageiros. Ele foi escolhido recentemente como o “Carro do Ano 2011”.

Fonte: Nissan

Por André Gonçalves


Que os carros movidos a energia elétrica foram um grande avanço para a indústria automobilística e que são o futuro do segmento, ninguém nega. O problema é que a maior parte das baterias utilizadas nos veículos ainda possui uma autonomia baixa, se comparada às fontes tradicionais de combustível. Além disso, um dos piores problemas que o motorista de um carro elétrico pode enfrentar é a falta de opções para recarregar as baterias de íon lítio durante uma longa viagem.

Pensando nisso, algumas empresas começam a desenvolver soluções, e uma delas acaba de ser apresentada no Japão. Trata-se de um novo carro elétrico, batizado de SIM-Lei, que segundo os engenheiros, consegue rodar 333 quilômetros com uma única carga. Criado pela pequena SIM-Drive, em parceria com outras 33 empresas, entre elas a Mitsubishi Motors, o protótipo é equipado com quatro motores de alto desempenho, sendo um para cada roda. A fabricante não revela muitos detalhes sobre a motorização e as baterias. Ela apenas informa que um dos fatores que contribui para tamanha eficiência é o peso do chassi, bastante leve.

Os criadores do projeto acreditam que em breve a novidade vai ganhar as ruas, em parceria com grandes montadoras.

Fonte: The Independent

Por André Gonçalves


Carros elétricos estão cada vez mais populares mundo a fora. Mais que isso, eles estão evoluindo e estão quase prontos para substituir os modelos tradicionais. Alguns são capazes de percorrer milhares de quilômetros sem recarregar. Outro são ultra-velozes, como é caso do Peugeot EX1.

Criado como um carro-conceito, o EX1 foi demonstrado pela montadora francesa durante o Salão do Automóvel de Paris 2010, e a impressão que temos é que ele é mais que uma simples vedete. Criado para comemorar os 200 anos de aniversário da Peugeot, o EX1 não deve ser lançado no mercado, mas está sendo usado para testes, aparentemente.

Esta semana, o carro foi levado para o circuito de Nürburgring na Alemanha e obteve o melhor tempo já feito por um carro elétrico naquela pista, com 9 minutos e 1,338 segundos. O recorde anterior, de 9 minutos e 51 segundos, pertencia a uma versão modificada de um Mini E e foi batido mesmo em condições climáticas adversas.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Auto Blog Green


A busca por veículos com emissão zero de poluentes é a tendência da indústria automobilística para os próximos anos. Tanto que diversas montadoras de porte se já não possuem um modelo elétrico pronto para fabricação ou lançamento, possuem projetos para o desenvolvimento de modelos desse tipo e as tecnologias necessárias.

E o interesse é tanto, justificado por uma demanda de mercado que crescerá impulsionada por pressões ambientais e legislativas, que até mesmo montadoras menos conhecidas investem em projetos de carros ecologicamente corretos. Esse é o caso da montadora Luxgen da Tailândia que apresentou no Salão do Automóvel de Xangai um carro conceito elétrico que além de bonito, constituído de linhas elegantes formando um desenho moderno e bem equilibrado visualmente e com itens de sofisticação, parece ter dado início à solução de um dos maiores problemas com carros elétricos: a capacidade de carga e autonomia do veículo.

Chamado de Neora, o conceito da montadora tailandesa tem capacidade de armazenar uma grande quantidade de carga em suas baterias de íon-lítio, mais precisamente 48 kWh, o que lhe permite, de acordo com a montadora, a autonomia de 400 quilômetros com uma carga completa, o que é bastante alto para os elétricos em movimento atualmente.

O propulsor do Neora pode gerar 245 CV de potência, o que lhe dá um arranque de 0 a 100 Km/h em 6,5 segundos, com a máxima alcançando 250 Km/h. Números bem superiores aos apresentados pelos modelos atuais.

De acordo com sites especializados não existe uma confirmação de que o conceito Neora será produzido em série, mas o projeto indica um avanço na tecnologia para carros elétricos.

Foto: Dream Car

Por Mauro Câmara

Fonte: Carro Online


O Salão de Genebra 2011 reserva diversas surpresas para os amantes de carros. Uma delas será apresentada pela empresa alemã, Edag.

A empresa apresentará o carro conceito Light Car Sharing Concept e promete dar muito o que falar no evento.

O carro, além de ser elétrico, é feito por materiais leves e seus componentes podem ser trocados facilmente quando desgastados. O veículo possui ainda um avançado GPS, capaz de monitorar todos os movimentos do carro.

Com relação ao motor, o Light Car Sharing possui sistema de transmissão e motor elétrico com baterias de íon-lítio capaz de ultrapassar os 100km/h.

Para maiores informações acesse o site da EDAG (site em inglês).

Confira algumas imagens do carro:


Ana Flavia Furlan e outros repórteres brasileiros foram até o Salão Detroit, nos EUA, onde fica a sede da GM, para saber se realmente o Volt seria aprovado após o seu test-drive.

O carro funciona da seguinte maneira: você aperta o botão start ele liga com motor térmico ou com o motor a combustão. O motor a gasolina serve como uma reserva caso a energia do carro acabe. Mas ele não é capaz de movimentar o carro, ele serve apenas como um gerador.

Se você dirigir todos os dias o veículo sem acionar o motor térmico (gasolina), um modo de segurança da partida no motor térmico será acionado automaticamente até que se esgote a gasolina. Isso impede que a gasolina apodreça dentro do tanque e garante que a unidade se mantenha lubrificada.

O marcador de fluxo de energia do carro e do uso de eletricidade é indicado por uma bola verde que fica flutuando no painel virtual, a ideia é sempre mantê-la centralizada.

Fonte: Motor Show

Por Edson Nascimento


O setor de veículos automotores é um dos que mais investe em novas tecnologias. Exemplo disso são os carros elétricos e híbridos, voltados, obviamente, a um futuro de ar mais limpo e economia ao bolso da população. Montadoras têm procurado voltar suas atividades para esse nicho, como é o caso da Volkswagen.

Em breve, mais especificamente no Qatar Motor Show, a fabricante apresentará o novo XL1, com capacidade de rodar incríveis 111,11 quilômetros por litro. A emissão de CO2 do novo modelo é de 24 g/km devido a uma série de combinações, tais como sistema híbrido plug-in, estrutura leve (comporta peças em fibra de carbono) e transmissão de sete velocidades com dupla embreagem, além de baterias íon-lítio.

De acordo com a assessoria de imprensa da VW, o XL1 também pode transitar por até 35 quilômetros utilizando somente eletricidade. Por ser plug-in, permite recarregar a bateria numa tomada elétrica comum, de casa.

Por enquanto, não há preços sugeridos, embora as tendências indiquem que sejam elevados quando forem anunciados.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Volkswagen


Prática comum na atualidade, as pequenas, médias e grandes empresas têm optado por terceirizar serviços ligados à informática. Quando um servidor apresenta defeitos, por exemplo, um técnico pode realizar a manutenção remotamente, ou seja, a partir de outro computador, mesmo estando a quilômetros de distância.

Esta introdução tem por finalidade elucidar a ideia levada adiante pela montadora Nissan, que pretende oferecer um serviço de manutenção denominado “Assistência Técnica Remota” exclusivamente ao modelo elétrico Leaf, já comercializado no Japão e nos Estados Unidos, à beira de estrear na Europa.

A assistência permitirá aos engenheiros da fabricante monitorar, através de câmeras e pela rede mundial de computadores, a atuação dos mecânicos situados nas concessionárias. O principal ganho será o de reparar o veículo de maneira mais rápida e eficaz, uma vez que as baterias carecem atenção especial, podendo os especialistas intervir quando necessário.

Por Luiz Felipe T. Erdei

Fonte: Fenabrave


Os carros elétricos estão mesmo chegando para ficar. Com a mais que louvável missão de diminuir a poluição do ar e economizar nos combustíveis, eles devem tomar conta das ruas em breve. Pensando nisso, a GM apresentou no Salão de Guangzhou, na China, o novo Sail EV. A nova versão do hatch, que foi desenvolvida em parceria com o Centro Automotivo Técnico Pan Ásia, vai ter um motor elétrico de 65 kW, capaz de alcançar 88 cv de potência e um torque de 22,44 Kgfm. A velocidade máxima que ele atinge é de 130 km/h.

Uma única carga na bateria de íon-lítio, responsável por gerar a energia do motor, dá ao Sail EV um autonomia de 150 km. Além do motor elétrico, chama a atenção o visual futurista, com suas rodas e maçanetas estilizadas e a grade dianteira, derivada do Volt. Ainda não há previsão de quando o Sail EV será produzido.

Acesse aqui uma foto do modelo no site internacional Inside Line.

Por André Gonçalves


A Europa está mesmo na frente de outros continentes quando o assunto é baixa emissão de poluentes por automóveis. A Think, tradicional fabricante norueguesa de carros elétricos, lançou a mais nova versão do compacto City, cuja principal novidade está no acréscimo de dois lugares, ficando agora com capacidade de transportar até quatro pessoas.

O motor, 100% elétrico, também vai apresentar novidades. A nova versão do City sairá equipada com a quarta geração do G4 EV Drive Controller, que está totalmente dentro das novas convenções européias de emissão de poluentes (ele tem emissão zero). Com esse motor, que tem velocidade máxima de 110 km/h, é possível trafegar por uma distância de 160 km com apenas uma carga nas duas baterias de lítio, que são a sua fonte de energia.

O modelo deve estar nas ruas da Noruega, Espanha, Holanda, Dinamarca, Áustria e Suécia ainda no final de 2010. 

Confira o vídeo do modelo:

Por André Gonçalves


Os fãs de carros antigos e também os defensores da natureza vão gostar dessa notícia. Foi apresentado no Japão o Takayanagi Miluira Retro EV, um carro elétrico inspirado nos automóveis dos anos 1920.

O modelo, que pesa 350 kg, não tem portas nem teto. Tem apenas um banco. Outro fato que chama a atenção é que o motor de 3.5 KW retira seu “combustível” de baterias de chumbo-ácido, ao invés das tradicionais e eficientes baterias de íon-lítio. Para carregá-lo, são necessárias cerca de 12 horas.

Com o pequeno motor, o carro não é muito veloz. Alcança uma velocidade máxima de 60 km/h e consegue percorrer 35 km sem precisar de recarga. Ele deverá estar à venda a partir de março de 2011 pelo preço de 6,3 milhões de ienes, o que equivale a aproximadamente R$ 126.600.

Confira fotos do modelo:

Por André Gonçalves

Fonte: Autoevolution


Já estamos acostumados a ler notícias sobre os futuros veículos híbridos e elétricos que estarão circulando por aí em alguns anos. Espere aí. Eu disse “anos”. Não, aqui mesmo, no Brasil já é possível ter um veículo elétrico por apenas 52 mil reais. Como? Através da conversão de um veículo comum num elétrico. Simples.

A conversão é feita pela empresa Electro, que trabalha especificamente com veículos da Fiat. Assim, que tem um Palio pode facilmente transformá-lo num Palio Electro. Depois de convertido o veículo pode rodar alimentado por baterias de ácido (as de lítio ainda são muito caras) com um custo diário de cerca de R$ 1,50 em média em São Paulo.

O Palio Electro tem autonomia de 70 km e atinge até 93 km/h. As baterias podem ser recarregadas em tomadas de 110 e 220 volts por cerca de 10 horas. O motor é produzido pela Siemens.

Mais detalhes podem ser conferidos neste site.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: NA


A mini-van Meriva é bem conhecida do público brasileiro. Por aqui ela é vendida pela Chevrolet. Já na Europa, como não podia deixar de ser, o veículo leva o nome da Opel em sua carroceria. Bem, é de lá, do braço europeu da GM que vem os primeiros detalhes sobre a Meriva elétrica.

Nas palavras da própria Opel, por fora a Meriva até parece um veículo pronto para ser produzido. Mas com seu motor elétrico de 60 kW com 80 cv de força e autonomia 64 Km/h e 130 km/h de velocidade máxima, a Meriva elétrica é apenas um protótipo, um veículo experimental, que ainda tem muito caminho a percorrer antes de chegar às ruas.

Um de seus maiores problemas como dá para notar é a autonomia. 64 km é muito pouco. Além disso, outro questão precisa ser melhorada: o carregamento. Apesar de ser possível recarregar as baterias em apenas uma hora, para isso é preciso achar uma tomada de 400v. O que não é nada fácil ainda.

Por Maximiliano da Rosa


O Salão do Automóvel de Paris acaba de abrir as suas portas, e o que se vê é uma situação quase inédita em se tratando de grandes marcas de automóveis: as maiores montadoras do planeta estão planejando um futuro mais limpo, com menor dependência do petróleo e emissões zero de poluentes.

Várias marcas exibem modelos que utilizam formas alternativas de combustível. O destaque fica para os híbridos, claro. Mas também há lugar para os 100% elétricos. E uma das empresas que aposta nesses últimos é a Renault-Nissan. A empresa, comanda pelo brasileiro Carlos Ghosn parece determinada em pular essa fase intermediária entre os carro elétrico e o automóvel à combustão.

A Renault-Nissan venderá dois modelos puramente elétricos: a van Kangoo e o sedã Fluence. Com o apoio de incentivos, os dois veículos serão vendidos na frança, Espanha e Israrel já em 2011.

Por Maximiliano da Rosa


Não poderia ser diferente, o primeiro carro 100% elétrico tinha que começar a rodar na capital ecológica do Brasil, em Curitiba. A capital paranaense será a primeira de muitas capitais que terá o veiculo circulando e fazendo seus testes.

O veiculo já circula nas ruas da capital paranaense, mas ainda não tem data para começar a sua fabricação e comercialização, apesar de já ser vendido no Japão.

A montadora responsável por tal avanço é a Mitsubishi e o modelo é o i-MiEV, um mono volume que deve ser destaque dos próximos salões do automóvel de Paris e São Paulo.

Para recarregar a bateria bastam 14 horas em tomadas 110V e o tempo cai para metade em tomadas 220V.

A montadora japonesa ainda não quer inserir o veiculo no Brasil devido ao preço, que giraria em algo perto de R$ 120 mil, sendo que a Mitsubishi não vê mercado caso o carro não fique perto dos R$ 50 mil.

Por José Alberi


A montadora francesa Peugeot apresentou essa semana o conceito EX1, um superesportivo elétrico que pretende entrar para a galeria dos modelos mais rápidos dessa categoria. Embora não divulgue números absolutos sobre o desempenho como velocidade, autonomia, tempo de recarga, etc, a Peugeot garante que o EX1 é um recordista.

Segundo a empresa ele detém o recorde mundial de aceleração partindo do estado de repouso. E não é de se duvidar da montadora, já que o veículo tem um visual arrojado, e é equipado com dois motores elétricos, um em cada eixo. Juntos esse motores são capazes de conferir 340 cv de potência ao veículo.

E o que deve contribuir para o desempenho desse roadster, além do design aerodinâmico, são os materiais usados em sua construção como fibra de carbono e alumínio, o que certamente deve fazer dele um veículo bem leve. Se Peugeot EX1 é tudo isso, certamente ouviremos falar mais dele no futuro.

Por Maximiliano da Rosa


Enveredando também pelo filão dos carros com propulsão alternativa aos combustíveis comuns e poluentes, a Chevrolet iniciou os testes de uma versão totalmente elétrica do seu Sedã Cruze na Coreia do Sul. O projeto foi desenvolvido pela General Motors, a Daewoo, que pertence ao grupo GM e LG Equipamentos Eletrônicos, que fornece as baterias que equipam esta versão.

Os testes têm por objetivo desenvolver a experiência da montadora neste segmento e avaliar o comportamento do mercado da região no tocante a aceitação dos consumidores em relação a este novo tipo de veículo. E o campo na Ásia é fértil para os carros movidos a energia elétrica já que diversos países, entre eles Japão e Coreia do Sul, estão implementando políticas de incentivo a compra e utilização de carros com propulsores movidos a eletricidade.

Quanto ao modelo não houve alterações no desenho, carroceria ou no interior d Sedã Cruze que nesta versão continua igual ao modelo convencional. A grande diferença está no motor totalmente elétrico que produz 203CV de potência com aceleração em 8,2 segundos, indo de 0 a 100 Km/h. As baterias LG são de 31 kWh com autonomia de até 160 quilômetros com a carga completa e a velocidade máxima pode chegar ao limite de 160 Km/h. O calcanhar de Aquiles, no entanto parece ser o tempo de recarga completa das baterias, que nesta versão varia de 8 a 10 horas em tomada convencional na tensão de 220 Volts, de acordo com informações da Chevrolet.

Por Mauro Câmara

Fonte: Carro Online


O homem mais rico do Brasil, Eike Batista, está sempre envolvido, obviamente, em negócios concernentes a uma das maiores riquezas do ponto de vista comercial, o petróleo. Procurando expandir horizontes e mostrando-se um empresário nato, anunciou na última quarta-feira, 15 de setembro, a edificação de uma fábrica designada à construção de veículos elétricos de origem nacional.

A previsão para a frota começar a circular pelas ruas brasileiras é 2014, ano em que o país será sede da 20ª edição da Copa do Mundo. Com custo inicial estimado em R$ 1,72 bilhão, contará, possivelmente, com financiamento proveniente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O empresário acredita que 100 mil veículos contemplarão a produção inicial, movidos, como a modalidade sugere, por baterias elétricas advindas de tecnologias da Europa e do Japão. Segundo Eike em reportagem emitida pelo portal R7, em uma década o país consumirá 8 milhões de carros por ano, quantidade que possibilita novas oportunidades de trabalho e maior espaço à indústria brasileira.

Mesmo em outras palavras, Eiki indica que em média o brasileiro gasta R$ 200 mensais no abastecimento de seu veículo por meio dos tradicionais combustíveis. Com os carros elétricos o custo será de R$ 20, ou seja, uma tendência irreversível aos próximos anos.

O local especialmente almejado ao intento será, provavelmente, do lado do Super Porto do Açu, no norte fluminense.

Por Luiz Felipe T. Erdei


Ideias para o futuro não faltam. Principalmente quando o assunto é carro elétrico. A tecnologia para tornar esses veículos populares ainda tem muito o que evoluir para superar seus problemas. Um deles diz respeito ao tempo de recarga das baterias, que ainda é muito alto. Isso sem falar na disponibilidade dos postos para recarregá-las.

Pensando nesse problemas estudantes de uma Universidade na Alemanha projetaram o e-Quickie. O veículo usa um sistema totalmente diferente do atual. O veículo simplesmente retira a energia necessária para se locomover da própria estrada através de uma placa embaixo do veículo. A transmissão da energia é totalmente sem fio.

O peso do e-Quickie é de apenas 60kg, e ele pode atingir 40 km/h. A meta dos estudante é diminuir o peso do pequeno veículo para apenas 40 kg.

Por Maximiliano da Rosa


Projetos para os veículos do futuro é que não faltam. E motivo para preocupação com o clima e a utilização dos recursos naturais também. Por isso veículos híbridos e elétricos deixaram de ser apenas uma utopia distante, e vão aos poucos ganhando as ruas, e se inserindo na realidade urbana.

E o projeto de um designer sueco vai além de apenas imaginar um veículo com propulsão elétrica. O carro-conceito Opel Icona além de utilizar uma fonte de energia limpa, pretende ser solução para outro problema: o avanço da maré causada pelo degelo das calotas polares.

O Ople Icona é um veículo elétrico. Ao mesmo tempo pode ser usado tanto para locomoção em terra firme como na água, o que faz dele um veículo anfíbio elétrico. E nessa situação ele pode se locomover usando o vento através de suas velas.

E como eu disse no início, o Icona é para o futuro. Mais especificamente para o ano de 2050.

Por Maximiliano da Rosa


Uma iniciativa que com certeza nos próximos anos deverá ser seguida na Ásia e Europa e provavelmente em todo o mundo em um futuro não tão distante foi anunciada no último dia 09 de Setembro, quando da apresentação do primeiro veículo elétrico a ser produzido pela montadora sul-coreana Hyundai, o modelo chamado BlueOn.

No evento que teve a participação de autoridades governamentais da Coreia do Sul, o presidente do país anunciou que o governo vai incentivar a produção em larga escala de carros elétricos a partir do ano que vem e criará programas para financiar a aquisição por órgãos públicos deste tipo de veículo. A intenção é que até o ano de 2015 o número de carros elétricos corresponda a 10% da frota de passeio da Coreia do Sul, crescendo para 20% em 2020.

O modelo apresentado pela Hyundai, por suas características tem tudo para agradar, o carro foi projetado com base no Hatch compacto i10 e guarda da sua base as dimensões compactas do design absolutamente urbano e atual. O motor movido a eletricidade produz 81CV de potência e sua bateria ao contrário de ser de íon-lítio, foi utilizada a tecnologia LiPoly, que usa polímeros de lítio. De acordo com a fabricante esta tecnologia produz a mesma carga com peso e volume dos acumuladores reduzido, que reverte em mais espaço interior.

O modelo terá também um sistema para resolver o problema de falta de ruídos do motor elétrico que é totalmente silencioso. O sistema VESS (Virtual Engine Sound System) que produz um ruído artificial para segurança dos pedestres. Conforme informações da montadora o carro pode chegar a 130 Km/h de velocidade máxima com aceleração de 0 a 100 Km em 13,1 segundos e a autonomia das baterias chega a 140 km e tempo de seis horas ainda com a opção de um dispositivo de carga rápida que em 25 minutos chega a 80% do total da carga.

Foto: Ontorejo Collection

Por Mauro Câmara

Fonte: G1


O compacto E-UP! é a aposta da alemã Volkswagen para tentar dominar o mercado de automóveis elétricos no futuro. O seu lançamento está previsto para acontecer em 2013. Até lá a demanda por esse tipo de veículo deve ter crescido bastante, e a concorrência promete ser acirrada.

Enquanto isso a montadora alemã segue o desenvolvimento do E-UP!. O site americano Autoblog até flagrou dois protótipos do veículo rodando camuflados em pleno Death Valley, nos Estados Unidos.

Embora o próprio site mencione que a VW não tem planos para uma versão à gasolina do Up!, os dois modelos flagrados parecem não ser idênticos. Especula-se que a montadora alemã planeje lançar uma versão maior do Up!, pois há receio de que o mercado americano não tenha espaço para um modelo compacto.

Uma galeira de fotos do veículo pode ser vista aqui.

Por Maximiliano da Rosa


Ao que tudo indica, a tecnologia para construir os futuros veículos elétricos está evoluindo rapidamente, e já estão dando alguns resultados, em termo de performance e desempenho. Se o que a espanhola Izaro está divulgando estiver correto, os veículos elétricos e híbridos não deverão ficar devendo nada em relação aos seus congêneres à gasolina.

Pelo menos o Izaro GT-E, não. O elétrico deverá ser capaz de alcançar 100 km/h em apenas 4s. E, com autonomia de 250 km, ele alcançará a casa dos 280 km, o que não é nada mal. Toda esse desempenho será possível graças aos propulsores que poderão gerar cerca de 500 cv de potência.

Outro fator que contribui para que o veículo atinja esses números é o peso de menos de mil quilos.

O GT-E também terá uma versão híbrida. Um pouco menos potente (416 cv), ela terá autonomia de aproximadamente 600 km.

Os preços estimados do Izaro GT-E devem ficar na faixa entre 55 mil e 60 mil euros.

Por Maximiliano da Rosa


Durante a apresentação do ix35 a Hyundai apresentou a meta de criar um modelo elétrico em série.

A montadora que vem produzindo carros conduzidos a gasolina e a GLP tem como grante objetivo daqui para a frente a elaboração de um carro elétrico.

Já que a procura por esses carros vem aumentando cada vez mais,e deve ser a grande saída para quando ocorrer o fim do petróleo e automaticamente GLP,Gasolina e Diesel.

O modelo que poderá futuramente abrigar esse novo sistema é o Hyundai BLUE-WILL. O Blue-Will é apenas um esboço que por enquanto não tem data para sair do papel,mais pode ser com ele que a montadora irá dar um novo passo na produção de utilitários elétricos.

Fica a expectativa de que nos próximos anos a Hyundai começe a produção de seu carro elétrico,vamos aguardar e acompanhar.

Por: Ewerton Cruz


Na estreia da submarca do grupo alemão BMW, o elétrico Megacity vai ser lançado em grande estilo, como o carro oficial das Olimpíadas da Inglaterra (2012).

A montadora que investirá US$ 50,5 milhões no evento trará 4 mil veículos para o transporte de atletas, membros do Comitê Olímpico e mídia.

Com autonomia para 250 km, virá pensando no meio ambiente com a baixa emissão de gases (o evento contará com o lema dos Jogos Olímpicos “mais verdes da história”) e contará com corpo em fibra de carbono.

O modelo terá uma pequena porta-traseira que abre no sentido oposto da dianteira e motor elétrico tem 113 cavalos de potência.

Foto: Divulgação

Por Mayara Paz


Os carros elétricos realmente irão fazer parte da nossa paisagem urbana. Alguém duvida disso? E podem acreditar, isso acontecerá muito em breve. Tanto é verdade que a gigante General Electric Company – GE está apresentando seus postos de recarga para carros elétricos, e promete que diversas unidades estarão disponíveis até o fim deste ano.

As WattStations como serão chamadas essas unidades de recarga, trabalharão em 220v e farão a recarga completa de uma bateria de carro elétrico em 7 horas, ou recarga parcial em apenas 2 horas.

A empresa ainda promete um ótimo custo x benefício para quem precisar ou escolher recarregar seu veículo na rua ao invés de usar energia em seu próprio domicílio.

Por Eloir Junior


Já imaginou um carro que leva apenas cinco segundo para acelerar de 0 a 100 K/h e ainda ter mobilidade elétrica? Pois bem. Isso já existe e se chama: DeZir da Renault.

A apresentação do novo “brinquedinho” para os aficcionados por carro só será feita no Salão do Automóvel de Paris no mês de setembro, mas por enquanto saem somente informações mais técnicas sobre o carro.

Servido por duas baterias de lítio, o DeZir pode andar até 160 quilômetros com isso, numa velocidade de 180 por hora. O design é inigualável! As portas abrem como se fossem asas, tem apenas dois lugares e um motor com potencia de 147 cavalos.

Por Rafaela Ometto


Quando você abre as portas desse carro, ele lembra um inseto voador – uma abelha. E talvez seja, comparativamente, tão rápido quanto uma. Estamos falando do modelo Mercerdes-Benz SLS AMG E-Cell, um carrão que deverá ser vendido no ano de 2013.

Revivendo a tradição das corridas de Le Mans, na década de 60, o SLS AMG E-Cell é um carro com traços antigos mas totalmente elétrico, com 392 kw de potência que equivale a 526 cavalos de força.

Conforme informação da Mercedes-Benz, o carro chega aos 100 km/h em 4 segundos. Tradição dos anos 60 e total tecnologia da atualidade são as principais características dessa abelha de quatro rodas.

Por Jeferson Vainer.


Já pensou em acelerar um carro elétrico capaz de fazer de 0 a 100 em menos de 5 segundos? Pois saiba, que se depender da Audi, isso será possível daqui uns três anos. E o responsável por isso será o E-tron, a aposta da montadora alemã para o mercado de esportivos elétricos.

O que faz a diferença no E-tron são os motores. Ao todo são quatro, o que lhe confere nada menos que 313 cavalos de potência. Construído em fibra de carbono, o veículo é leve, mesmo contando com as baterias que pesam quase quinhentos quilos. Graças ao design aerodinâmico, o carro pode percorrer cerca de 250 quilômetros com uma carga de bateria.

O modelo deve vir com vários itens tecnológicos avançados como GPS, câmeras no lugar dos retrovisores, além de um sistema capaz de ajudar o motorista em situações de baixa visibilidade.

Embora sem preço definido, o certo é que o E-tron não é apenas um protótipo e ele deverá estar transitando por aí em menos de três anos.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Autoesporte


Normalmente quando se fala em carro elétrico, logo o que vem à nossa mente é um veículo compacto, feito para aproveitar melhor o espaço nas grandes cidades. Esse, pelo menos é o caso dos protótipos de várias grandes montadoras como a Volkswagen.

A Citroën, por outro lado, parece ignorar o fato que as grandes metrópoles no futuro terão cada vez menos espaço e as vagas para estacionar serão cada vez mais raras. Ou de outra maneira não estariam pensando em fabricar um carro elétrico do tamanho do Metropolis. O veículo é quase uma limusine com mais de 5 metros de largura e 2 de comprimento.

De qualquer maneira o carro, que conta com dois motores (portanto, é um híbrido), um elétrico e outro a combustão está fazendo muito sucesso no Salão de Xangai. Talvez isso se deva ao seu design moderno e futurista.

Foto: Divulgação

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Blog Info


Estudo feito pela Universidade da Califórnia prevê que até 2030 os carros elétricos deverão corresponder a quase 80% das vendas de automóveis no mundo.

Os veículos elétricos funcionam com uma bateria recarregável e não são novidade. Existem desde o século 19, pois na época a eletricidade era um dos métodos preferidos de propulsão. No século 20 perderam espaço para os movidos a combustíveis fósseis.

Porém, a crescente preocupação com o meio ambiente e o aquecimento global os colocou novamente em foco. O grande problema é a falta de infra-estrutura dos países para acomodarem as necessidades de tais veículos. São raros os pontos de recarga.

No Brasil, essa tecnologia ainda não existe, porém o país possui um grande potencial hidrelétrico. Os preços dos carros elétricos variam desde U$ 11 mil até, salgados, U$ 106 mil.

Por Thiago Martins

Fontes:

www.universityofcalifornia.edu
www.carhistory4u.com
www.electriccarprices.net


Para você que não tem mais paciência de gastar horrores com gasolina/álcool ao trafegar com seu veículo, saiba que a partir de 2010 deve aumentar a disputa pela produção de carros elétricos.

Que tal abastecer o seu carro na tomada e sem poluir o meio ambiente? Isso já é realidade em muitos países, mas no Brasil a modernidade ainda não chegou com força. Existem alguns carros elétricos à venda, porém, os preços não são nada animadores.

O maior problema do carro elétrico diz respeito ao tamanho da bateria, que ocupa praticamente a metade do espaço do porta-malas de um veículo médio.

A Nissan/Renault apresentou há alguns dias o carro chamado LEAF – o primeiro carro elétrico com emissão zero de poluentes, que pode ser carregado em uma tomada de 220V (8 horas).

Algumas fotos de carros elétricos:

nissan-renault-eletrico

peugeot-eletrico

palio-eletrico

gm-eletrico


Se você acha que já viu de tudo é porque você ainda não conheceu o APTERA 2E, da APTERA Motors.

Ele é um carro estilo futurista, movido a energia elétrica, e que começa a ser fabricado em 2009.

Teoricamente ele será o carro elétrico que apresentará melhor desempenho em sua categoria. Ele pesa cerca de 770 kg, pode chegar a 160 km/h e custará entre US$ 25,000 e US$ 40,000.





CONTINUE NAVEGANDO: