Nissan Leaf – Características, Vendas no Brasil


Carro elétrico Nissan Leaf será vendido no Brasil em breve.

A Nissan lançará no Brasil seu modelo chamado Leaf, ele já é o carro elétrico mais vendido em todo mundo. Esse modelo fará parte da nova estratégia que a marca adotará para o país, que irá incluir os modelos híbridos.

Esse carro deve ser apresentado para todo o país durante a feira do Salão do Automóvel em São Paulo ainda neste ano de 2018, com início de suas vendas previsto para o começo do ano de 2019. Essa confirmação foi feita ainda na feira de Tóquio, que está aberta ao público até o dia 5 de novembro.

O Leaf está já na sua segunda geração e algumas unidades de sua versão anterior já circulam pelas cidades entre São Paulo e o Rio de Janeiro, mas ainda só como táxis ou até mesmo carros de polícia que foram cedidos pela montadora Nissan em um certo período de testes.

Esse modelo atual está sendo vendido em três versões e podem trazer baterias com uma autonomia de 320 quilômetros. Seu motor elétrico gera até 150 cv em potência.

De acordo com seu presidente da Nissan na América Latina, ainda é um pouco cedo para definir um preço para o Leaf no Brasil. Porém seu bom desempenho de vendas no mundo todo se deve aos seus valores praticados, que estão na faixa de R$ 95 mil com incentivos fiscais na América, mas para o Brasil não se espera um valor abaixo de R$ 120 mil.

O desenho está muito alinhado aos modelos de carros da Nissan, não tanto futurista quanto o seu modelo anterior do Leaf. As suas dimensões são também similares às da perua de um porte médio, porém seu desenho remeta a mais de um modelo hatch.

As suas rodas são grandes, possuindo 17 polegadas e seus pneus são mais largos do que já foram vistos nos carros elétricos.

Há também um bom espaço em seu banco traseiro, onde todos os ocupantes podem viajar com seus joelhos em uma posição alta, similar ao espaço das picapes médias. Isso pode ocorrer devido à posição das baterias, que estão instaladas sobre o assoalho.

Tanto seus assentos dianteiros como traseiros também podem ser equipados também com um sistema inovador de aquecimento. Porém o uso dessa tecnologia diminuirá significativamente a sua autonomia da bateria.

O seu espelho retrovisor parece ter dobrado de tamanho, em contraste com um volante pequeno, bem parecido ao do SUV modelo compacto o Nissan Kicks.

Colocada bem no centro do painel, sua central de multimídia traz um trivial para os dias de hoje: uma tela sensível ao toque, um sistema de navegação através de GPS, seu áudio com Bluetooth e também recepção do sinal de TV digital, porém só funciona se o carro estiver parado.

Já o seu quadro principal dos instrumentos não é 100% digital: seu velocímetro ainda mantém seu tradicional ponteiro, dando um leve toque dos anos 1990 a um certo contraste a um carro modernoso.

Outro detalhe muito importante que remete ao seu passado não muito distante é um tocador de CDs, esse item que está sendo abandonado em muitos projetos recentes na parte de sonorização automotiva.

As suas forrações são bem claras nas versões, com couro e algumas partes imitando camurça. Os modelos mais baratos contam com um acabamento em um tecido preto.

A sua parte da frente pode acomodar o seu motor e também os tantos cabos por onde passam a energia. Há também suas tubulações de um sistema de ar-condicionado.

Possuindo 435 litros, seu porta-malas é bem curto e, porém, muito profundo.

O câmbio é um redondo, mas não há muito o que fazer. Carros elétricos não têm escalonamento de suas marchas, sua força é jogada para suas rodas de uma forma imediata.

Um botão pode acionar seu sistema e-Pedal, que funciona como um sistema de freio do carro assim que seu motorista tirar o pé do seu acelerador.

Com certeza será uma ótima opção de comprar para aqueles que procuram economia nos combustíveis de seus carros.

Não deixe de procurar uma concessionária Nissan para saber mais informações sobre o veículo.

Por Ricardo Ferreira Rodrigues

Nissan Leaf

Nissan Leaf


Nissan Leaf – Carro Elétrico será lançado no Brasil em 2019


Modelo elétrico da Nissan será lançado no Brasil em 2019 e não custaria menos que R$ 200 mil.

O preço dos combustíveis e a guerra dos caminhoneiros com o governo está levando a população a buscar alternativas para conseguir manter um meio de transporte mais acessível.

As montadoras de veículos já estão projetando o ano de 2019 um mercado aquecido para os modelos híbridos e 100% eletrificados.

A Nissan projetou esta tendência, está na frente de muitas montadoras e lidera o ranking com o carro elétrico mais vendido no mundo, o Nissan Leaf. A expectativa é que este modelo chegue em solo brasileiro a partir de 2019.

Leaf no Salão do Automóvel

Segundo informações do presidente da Nissan da América Latina, José Luis Valls, o Nissan Leaf deverá ser apresentado no Salão do Automóvel em São Paulo no mês de outubro.

Se você tem intenção de conhecer o modelo elétrico, fique atento porque a oportunidade será no segundo semestre. Agora se pesquisou e conhece bem este veículo e deseja comprar para você, as vendas começam no início de 2019.

No Brasil existem algumas unidades do Leaf circulando pelas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Os veículos foram cedidos pela Nissan para testes por um período determinado para serem usados como veículos de polícia ou taxi.

Nissan Leaf hoje

O Nissan Leaf está sendo vendido apenas em outros países e a previsão para chegar ao Brasil é apenas no ano que vem. No entanto, é possível ter uma base com o modelo atualmente comercializado no exterior.

Atualmente, o Nissan Leaf é fabricado em três versões com baterias que proporcionam uma autonomia de até 320 quilômetros. A potência do motor elétrico equivale a 150cv.

Porque é o carro elétrico mais vendido no mundo?

O excelente desempenho de vendas em outros países se dá justamente por conta dos valores que são praticados em todo mundo. O carro elétrico nos Estados Unidos é vendido por aproximadamente US$ 38 mil que poderia custar no Brasil não menos que R$ 120 mil. Os países buscam através de incentivos fiscais fazer com que os preços fiquem com valores mais acessíveis e com isso o aumento das vendas.

No mercado nacional não se espera que os veículos com motor elétrico custem menos que R$ 120 mil, justamente pela alta taxa do IPI. A projeção a partir deste valor que citamos é contando com incentivos fiscais do governo.

Na atual situação com IPI acima dos 10%, o Nissan Leaf não custaria menos que R$ 200 mil. O governo não aponta sinais de incentivos, porém, com a pressão que vem sofrendo com a alta dos combustíveis e crises entre setores de transporte, a tendência é rever a alíquota para no máximo 7%, conforme informa o presidente da Nissan.

Mais detalhes do Nissan Leaf

A Nissan já antecipou que a garantia das baterias do carro elétrico serão de 8 anos. No entanto não divulgou preços e versões para 2019. A nova geração do Leaf será competitiva e projeta liderança no mercado brasileiro.

A próxima geração do Nissan Leaf é a segunda e surge com duas baterias de 40 kWh e 60 kWh podendo rodar até 240 e 320 quilômetros de autonomia.

O design do Leaf não é tão futurista quanto esperam dos carros elétricos. O desenho que a Nissan apresenta acompanha os modelos dos demais que a montadora tem produzido.

O porte do Leaf é de uma Perua médio, no entanto, o seu desenho é de um hatch. Os pneus são mais largos acoplados em rodas de 17 polegadas, o tamanho é grande em comparação aos modelos elétricos.

O espaço interno é muito bom, a distância entre bancos dianteiros e traseiros promovem conforto para os ocupantes. Os assentos podem ser equipados com aquecimento elétrico, porém, o uso dessa ferramenta diminui a autonomia da bateria do motor.

Os espelhos retrovisores são maiores, aparentando ter o dobro do tamanho dos tradicionais, para criar um contraste de tamanhos, o volante é pequeno, igual ao volante do Kicks, chamado de SUV compacto aqui no Brasil.

Tecnologia embarcada

A central multimídia do Nissan Leaf acompanha os modelos tradicionais com tela sensível ao toque, Bluetooth, GPS, além de recepção de sinal de TV, que por medida de segurança a TV só funciona se o carro estiver parado.

O quadro do painel de instrumentos não é totalmente digital, ainda conta com alguns detalhes mais tradicionais como velocímetro com ponteiros.

O porta-malas tem um volume de 435 litros de capacidade para as bagagens, curto, porém profundo. As bagagens maiores precisam ser bem organizadas para caber.

O sistema de transmissão é um câmbio com seletor de forma arredondada. O condutor não tem muita opção de escolha de direção, sendo para frente ou trás.

O ano de 2019 promete ser ecologicamente correto para o setor automobilístico? Não sei, vamos aguardar, esperamos que incentivos ajudem a popularizar estes modelos, bem como valores acessíveis a todos os proprietários de veículos.

Por Marcio Ferraz

Nissan Leaf


Nissan Leaf será Fabricado no Rio de Janeiro


Montadora inicia a importação do modelo para o Brasil e espera fabricá-lo no Brasil em até cinco anos.

Parece mesmo que os carros elétricos estão chegando de vez ao Brasil. Depois de o governo federal ter decidido reduzir as taxas para carros elétricos e híbridos, chegou a hora de dar mais um passo na diminuição do custo desses veículos. A Nissan confirmou o início das importações do Leaf, seu modelo elétrico e pretende fabricá-lo no Brasil em até cinco anos.

No ano que vem, o carro japonês fará parte da linha da montadora, tendo como principal vantagem a versão atualizada da autonomia: o modelo anterior suportava apenas 150 km, enquanto o novo, lançado recentemente no Salão de Tóquio, chega a 270km com apenas uma carga. Além do ganho na bateria, o elétrico apresentado no Japão recebeu ainda um novo modelo de freio dianteiro de emergência, que evita colisões, além de um sensor que avisa mudanças inesperadas de faixa, o Lane Departure Warning.

Mas mesmo com a diminuição do custo da importação e produção, ainda existem alguns desafios pela frente antes de os carros elétricos entrarem de vez nas ruas: é o abastecimento. Para fugir deste problema, a Nissan já tem um acordo assinado com a BR Distribuidora, da Petrobras, no qual exige a instalação dos chamados quick chargers ou estações de carga rápida em cada posto de combustível da marca.

Outro desafio pela frente será o treinamento dos próprio funcionários envolvidos no processo de montagem do carro. Como a tecnologia do Nissan Leaf é muito diferente daquela aplicada em motores de combustão, os profissionais terão de se acostumar e se adaptar aos novos conceitos. “O primeiro Leaf produzido aqui deve sair da fábrica de Resende (RJ) em 2017, porém, a nacionalização total será só em 2020”, disse o diretor de comunicação da empresa, João Veloso Jr., em entrevista à Quatro Rodas.

Até lá, fica a espera e a expectativa para que esses modelos tomem as ruas e ajudem a cuidar não só do meio ambiente, mas também da economia.

Vinícius Oliveira


Novo Nissan Leaf usa Tinta que Brilha no Escuro


Desde que lançou o Leaf há 4 anos atrás, a Nissan a cada dia que passa mostra que é possível criar um carro e mesmo assim pensar na sustentabilidade. O Leaf conseguiu se tornar o elétrico mais popular no planeta e ao mesmo tempo essa grande montadora japonesa decidiu experimentar novos tipos de pinturas.

Como assim pinturas, você deve estar se perguntado?

A última da empresa meses atrás tinha sido uma pintura que não suja fácil. A novidade foi exposta no Nissan Note e agora para completar a sua ideia radical de preocupação com o meio ambiente, a empresa decidiu através do Nissan Leaf utilizar uma tinta que brilha no escuro.

Nos últimos dias foi possível acompanhar na cidade de Rolle, que fica na Suíça, o Leaf passeando e pintando com um revestimento que recebeu o nome em inglês de “starpath”, que significa caminho estrelado.

Essa tinta foi criada através de uma parceria com o inglês Hamish Scott e para entender melhor como funciona o processo, se trata de aplicar uma película através de spray no carro e essa película realiza a absorção dos raios do Sol, ou seja, durante o dia essa tinta absorve os raios ultravioletas e permite que no período da noite o veículo fique brilhando de oito a dez horas.

Outra característica é que a tinta utiliza totalmente materiais orgânicos na sua composição, dos quais um deles é um elemento muito raro no nosso planeta com o nome de Aluminato de Estrôncio e esse elemento tem como característica ser sólido, inodoro e química e biologicamente inerte!

O que a Nissan ganha com isso tudo?

Já de início ela se tornou a primeira fabricante quando se trata de utilizar tinta brilhante na pintura original de um veículo de produção, pois conforme temos informações, algumas empresas particulares de customização já realizam esse tipo de processo.

Outro ponto é que a Nissan também que mostrar que os proprietários do Leaf decidiram instalar em suas casas painéis solares para abastecer o carro e com isso mostra que as pessoas estão se tornando ambientalmente engajadas, no sentindo de reduzir a emissão do carbono na atmosfera.

A tinta dura até 25 anos e se o proprietário não quiser esse efeito “azul”, basta manter o veículo fora dos raios solares ao longo do dia.

Por Fernanda de Godoi