Kawasaki Ninja H2 – Lançamento pelo preço de R$ 120 mil


A moto chega ao mercado do Brasil e, para o lançamento, apenas 28 unidades chegam por aqui.

Recentemente, a montadora japonesa Kawasaki confirmou o lançamento do modelo Kawasaki Ninja H2 no Brasil. No dia 30 de março, a empresa anunciou que a motocicleta importada deve chegar ainda em julho, e apenas 28 unidades deverão ser trazidas para o país em seu lançamento.  O novo modelo tem como base a versão H2R, que conta com 300 cv de potência e é utilizada nas pistas.

A Ninja H2 conta com motor de quatro cilindros, com 998 cilindradas e 200 cv de potência. Possui tanque que comporta 17 litros de combustível e peso em marcha de 238 Kg.  O motor é comandado por um câmbio de seis velocidades, que possui tecnologia quick shifter, onde é possível realizar trocas rápidas de marcha sem a necessidade da embreagem, sendo bastante utilizada nas motocicletas de alta potência da marca japonesa. 

O modelo possui design inovador e futurista. Uma reação química da prata é utilizada para causar um efeito reflexivo nas carenagens, tornando-as semelhante a um espelho. As carenagens são semelhantes a pequenas asas, dando conotação a velocidade.  Apesar de possuir 100 cv a menos em comparação com a H2R, a motocicleta gera uma grande velocidade de torque graças ao compressor de ar integrado ao modelo. Dessa forma, a motocicleta esportiva traz freios ABS para garantir uma maior estabilidade e segurança ao motociclista. Conta também, com suspensão do tipo monobraço, que garante maior desempenho e aderência nas pistas. 

Apesar de se tratar de um modelo moderno, houve inspiração para criação em um modelo antigo da empresa. O modelo Kawasaki Mach IV, possui motor de 3 cilindros, 2 tempos e impressionantes 748 cc. A motocicleta Mach Iv era carinhosamente conhecida por H2. Os modelos têm em comum a grande potência para época em que foram fabricados.  A Kawasaki Ninja H2, chega ao mercado brasileiro em julho desse ano, com um preço desanimador para o público brasileiro, R$ 120 mil. Foi confirmado também a chegada dos modelos Vulcan S, Versys 1000, Versys 650 e Z300 em território nacional. 

 Por Wendel George Peripato


Honda Bros x Yamaha Crosser – Qual a Melhor Moto?


Os modelos Honda NXR 160 Bros e Yamaha XTZ 150 Crosser são indicados para quem gosta de curtir estrada e ter uma aventura em estradas de terra. Mas, qual é o melhor modelo para se adquirir? Apesar de parecidas e destinadas para o mesmo tipo de motociclista, os modelos possuem características próprias.

O modelo Honda Bros, possui design off road, o para-lama alto é prova disso. é marcante. Já o modelo Yahaha Crosser, segue padrões urbanos e design moderno, prova disso é o para-lama rente a roda dianteira. O valor dos modelos é semelhante, sendo: R$ 9.650 e R$ 9.350, respectivamente. 

Quanto o painel dos modelos, a Yamaha Crosser possui painel completo com informações digitais e conta giros analógicos. A NXR 160 Bros, possui painel semelhante aos novos modelos de sua irmã urbana CG. A Honda Bros possui maior cilindrada, o que faz diferença quanto a velocidade nas pistas.

Já a Yamaha Crosser possui um guidão menor, que permite ao motorista realizar curvas com maior facilidade. Para se obter o mesmo resultado em relação ao modelo da Honda, é preciso acelerar mais o modelo da Yamaha para obter uma boa velocidade. Ambos os modelos possuem um baixo consumo de combustível, o que é bom para as economias do motorista. A Bros é capaz de percorrer na estrada 46 Km com apenas um litro de gasolina, já a Crosser faz 40Km com um litro. apresentam baixo consumo. Já em centros urbanos, a autonomia com apenas um litro é 35km para a Bros e 32 km para a Yamaha.

O tanque da Bros comporta 12 litros de gasolina, já o modelo da Yamaha Crosser comporta 12,5 litros.  A autonomia de ambos os modelos é de praticamente 400 Km sem a necessidade de abastecer o veículo. Os dois modelos contam com rodas de 17 e 19 polegadas. A Yamaha possui pneu Metzeler Tourance, já o modelo da Honda utiliza o Pirelli MT 60.

Nesse ponto, a Honda possui grandes vantagens, já que o pneu da marca Pirelli duram mais. A versão top de linha da Bross, conta com freio da disco nas duas rodas. Já a Crosser, conta com freio a disco na dianteira, contando com o freio a tambor na roda traseira.  A Honda disponibiliza garantia de três anos para quem adquirir o modelo novo em sua concessionária, com sete trocas de óleo grátis.

Já para o modelo da Yamaha a garantia é de 1 ano. Em geral, a manutenção do modelo Yamaha Crosser possui um preço mais elevado do que a concorrente. O modelo Honda Bross, se sobressai em relação a velocidade, segurança em ultrapassagens e economia de combustível. Já o modelo Yamaha Crosser possui visual ousado e lida melhor com o terreno urbano. É uma boa opção para quem deseja gastar menos na hora de adquirir um modelo de qualidade.

Por Wendel George Peripato


KTM 1190 Adventure é vendida no Brasil por R$ 79 mil


A KTM, por meio de sua parceria Dafra, anunciou atualmente a chegada da 1190 Adventure no território brasileiro com o custo sugerido de R$ 79.000.  O modelo é importado da Áustria, possuindo motor de 2 cilindros em V que possibilita 148 cavalos potência e seu peso é de 2217 kg. Seu principal rival no país trata-se da BMW R 1200 GS, que é produzida em Manaus pela Dafra, tendo preço a partir de R$ 69.900.

Em relação aos sistemas que auxiliam na segurança de condução na 1190, está disponível o dispositivo combinado de ABS, que divide a frenagem entre as rodas e evita o travamento das mesmas.

De acordo com a empresa, o ABS possui modos de regulagem eletrônica e atuação otimizada em curvas. Produzido em parceria com a Bosh, o sistema permite que freios ABS e controle de tração trabalhem juntos, com o objetivo de auxiliar o condutor a não perder o controle da moto. O sistema considerado como um todo possui o nome “Motorcycle Stability Control” (MSC), que quer dizer “controle de estabilidade para motocicleta)”.

Para finalizar os controles, o modelo possui acelerador eletrônico e embreagem deslizante, que evita o travamento da roda em diminuições excessivas de marchas. O painel trata-se de LCD e através dele é possível alterar os níveis de atuação do controle de tração e os 4 modos de condução da moto, que tratam-se do Sport, Street, Rain e Off-Road.

Segundo a companhia, no Off- Road existe a possibilidade do condutor reduzir a ação do ABS na roda traseira para uma pilotagem com característica mais esportiva. O modelo tem em sua ergonomia assento de espuma de 2 níveis com ajuste de altura para o condutor, modificação do suporte dos pés e alteração do para-brisa dianteiro.

Outros itens principais tratam-se do chassi tubular ultraleve, o acelerador eletrônico “Ride=By-Wire”, a embreagem deslizante, a união de suspensões de alto curso WP e o amortecedor de direção WP.

Felipe Couto de Oliveira


Nova Triumph Thunderbird Storm – Lançamento da moto


Para os admiradores de motocicletas que denote classe, charme, conforto e ainda transmite certa forma de viver e pensar, ou seja, atributos que sustentam o nome de todas as Harley-Davidson, devem prestar bastante atenção na Thiumph Thunderbird Storm, haja vista que a contraindicação a essas vrtudes é uma ciclística abaixo das demais categorias.

Não se pode negar que uma custom tem menos poder de aceleração, freia em um espaço mais longo, gasta bastante combustível, curvas não é o forte dela, além do peso maior do que a maioria das motocicletas. Também não se nega que a Thunderbird possui todos esses "males", no entanto é bem superior às principais concorrentes.

A começar pelas suspensões, que teve alguma inovação, ganhando ainda mais eficiência, oferecendo um resultado com nota superior quando se comparada às outras custom disponíveis no mercado; em relação à frente, os garfos da Storm são do tipo telescópicos Showa, com 120 mm de curso e e 47 mm de diâmetro.

Quanto ao sistema de freios, a Thunderbird é equipada com discos que flutuam e têm 310 milímetros de diâmetro na dianteira, auxiliados por pinças de quatro eficientes pistões, além de discos simples na traseira; para completar, o conjunto é composto por freios ABS.

E agora o mais importante: o motor, o qual dispõe de dois cilindros dessa unidade de 1.7, adotando um prosaico linha-2, diferente da maioria das custom, que vêm com o V-2; possui ainda 97 cavalos a 5250 rpm de potência e 15,9 kgfm de torque máximo, os quais são obtidos antes de 3000 giros.

O valor da Triunph Thunderbird Storm é de R$ 50.990,00, se posicionando bem no rol de ofertas das grandes custom; com um preço bem próximo das Harley Davidson, apesar de não contar com a mesma grife, a Storm se apoia no poder de eficiência como diferencial, ou seja, não tem o mesmo nome da "rival" mas é melhor de condução.

Vinícius Cunha


Yamaha VMax – Modelo completa 30 anos no mercado


Há exatos 30 anos atrás, a grande sensação do mercado automobilístico eram os “muscle cars”. Os mesmos contavam com motores enormes, muitas vezes mal cabiam no capô dos carros, no entanto, faziam um sucesso enorme. Diante daquilo, Atsushi Ichijo, um projetista da Yamaha, decidiu levar aquela característica para as motos. Dessa forma, surgiu a famosíssima Yamaha VMax, uma das motocicletas mais conhecidas do mundo e com sucesso imenso.

Em 2015, a este ícone do mercado de motocicletas está completando nada menos que 30 anos de existência.

Para aqueles que não conhecem a Yamaha VMax, saibam que um dos grandes sucesso desta motocicletas foi justamente o seu motor V4 de 1.200 cc. O mesmo foi uma herança direta da touring Venture Royale. Devido a grande exigência por potência e velocidade naquela época, este motor conseguia gerar nada menos que 143 cv de potência.

Além disso, outro grande destaque desta motocicleta e que agradou bastante os clientes da época foi o seu visual arrojado e diferente. Um dos principais destaques eram as entradas laterais em formato de cornetas, algo presente em todas as gerações da Yamaha VMax.

O ano de 2005 também foi especial, haja vista ter sido apresentado no São de Tóquio daquele ano o ousado conceito power cruiser. Dessa forma, era esperado que o mesmo substituísse a VMax. Em relação ao projeto da VMAx apenas foi mantido as tradicionais entradas de ar ao lado do torque e motor VA, sendo que agora o mesmo contava com 1.700 cc. E alguns anos mais tarde, a Yamaha acabou com o suspense anunciou aquele modelo como sendo a nova geração da VMax.

Dessa forma, a VMax chegou ao mercado das motocicletas com o seu velho conceito e algumas novidades como o tanque abaixo do assento e com bocal escondido. Agradou ainda mais aqueles que curtem velocidade, haja vista o propulsor render até 200 cv de potência. E visando manter suas origens, de moto arisca, itens como controle de tração e demais assistência não foram adicionados. Apenas o sistema ABS fez parte da nova VMAx.

O ano de 2013 foi bem especial para os brasileiros, pois foi neste ano que a Yamaha anunciou a chegada da VMax ao Brasil. Ao todo foram importadas 14 unidades para o mercado brasileiro.

Por Bruno Henrique