Lei do Farol Baixo faz Lâmpada Durar Metade do Tempo


Maior utilização do Farol irá reduzir a vida útil das lâmpadas e deve aumentar o custo de manutenção dos automóveis.

A mais recente controvérsia envolvendo a lei do farol baixo é a troca das lâmpadas.

A Lei do Farol Baixo, aprovada pelo presidente da república Michel Temer, em 24/05/2016, entrou em vigor em todo o Brasil em 08/07/2016, gerando muitas controvérsias.

A principal delas é com relação à dificuldade de troca das lâmpadas do farol, que com a nova lei, que exige que elas permaneçam acesas durante o dia nas rodovias, terão sua vida útil reduzida pela metade.

O que mecânicos e condutores de veículos alegam é que, devido à complexidade dos mecanismos internos dos automóveis atuais, a dificuldade de se alcançar as lâmpadas são bem maiores, o que impede a sua troca pelo próprio motorista, como era no passado.

Além do que, com a redução da sua vida útil, a ida às oficinas tende a aumentar ainda mais os custos de manutenção do automóvel.

A Lei do Farol Baixo

Com o objetivo de unir-se a países como Itália, Dinamarca, Portugal, entre outros, entrou em vigor no Brasil a Lei do Farol Baixo, com o objetivo de diminuir a ocorrência de acidentes automobilísticos que, de acordo com o Sistema Único de Saúde (SUS), resultou em mais de 130 mil internações só no ano passado e 122 mil acidentes nas rodovias federais, resultando em 6.859 mortes, segundo os registros da Polícia Rodoviária Federal.

O problema é que, como a durabilidade das lâmpadas do farol será reduzida de 4 para 2 anos (em média), as trocas deverão ser mais constantes, levando a um consequente aumento de despesas, já que a mão-de-obra para a remoção da peça em oficinas custa entre R$ 60,00 e R$ 120,00.

Sem contar que essa remoção muitas vezes é feita pela pura intuição do mecânico, já que a quantidade de peças a serem removidas para se alcançar as lâmpadas do farol são inúmeras, fazendo com que uma simples troca leve entre 40 min e 1 hora.

A saída para o problema

No entanto, mecânicos e usuários apontam, como uma das soluções para o problema da troca das lâmpadas do farol, causado pela Lei do Farol Baixo, o uso das lâmpadas full-LED (Diodo Emissor de Luz), que por terem uma durabilidade de até 1 década, acabam compensando o seu valor mais alto.

Além disso, a sua tecnologia permite uma qualidade superior da luminosidade emitida, que pode ser comparada à luz do dia; o que permite uma experiência incomparável de visibilidade à noite.

O problema é que a previsão para que as lâmpadas do farol dos carros possuam essa tecnologia, em massa (hoje só disponível em carros de luxo), é de no mínimo 5 anos.

O que tem causado efusivos protestos por parte de condutores de automóveis em todo o país.

Vivaldo Pereira da Silva