Nova Lamborghini Huracán LP 580-2 – Salão de Los Angeles 2015


Nova versão do carro tem tração traseira e chegará ao mercado em 2016.

A Lamborghini mostrou no primeiro dia do Salão do Automóvel de Los Angeles a nova versão do seu carro Huracán. O LP 580-2 vem com tração traseira como grande novidade. Mesmo com menor potência em relação à primeira versão (LP 610-4), muitas melhorias foram feitas na segunda geração do veículo.

O novo superesportivo da linha teve peso reduzido em 33 quilos em relação ao pioneiro. O para-choque foi aperfeiçoado. Rodas de 19 polegadas foram produzidas especialmente para o modelo. E dirigibilidade e estabilidade melhoraram com as renovações de sistemas de direção e suspensão, além da calibragem da tração. O câmbio automatizado, de sete marchas e duplo, foi mantido integralmente.

No exterior, a asa traseira móvel foi descartada por conta da mudança no sistema motriz, conforme a Lamborghini. As entradas de ar dianteiras foram pouco mudadas, assim como difusores laterais e spoiler.

O motor V10 do LP 580-2 gera 580 cavalos de potência, 30 a menos que o LP 610-4. A aceleração passou de 100km/hora em 3,2 segundos para a mesma velocidade sendo atingida em 3,4 segundos no novo Huracán. A diferença de velocidade máxima ficou em 5km/hora – sendo de 320km/hora. É possível ainda poupar esforço do motor com a desativação de cilindro, tecnologia que permite apenas cinco de dez cilindros funcionarem enquanto a capacidade total não está em ação. O stand-by de parte do propulsor ainda proporciona economia de combustível e redução na emissão de CO2 no ar.

O preço também foi diminuído. O lançamento custará € 150 mil, aproximadamente R$ 610 mil, € 19,5 mil a menos que o esportivo primário, mais barato em cerca de R$ 76 mil.

O upgrade do Huracán passará a ser vendido a partir do primeiro semestre de 2016, nas versões Coupé e Spyder. O Brasil também receberá a novidade, porém, o valor ainda não foi revelado para o país. E o LP 610-4 continuará no mercado para compra.

Bruno Klein


Lamborghini Huracán ganhará Versões com Tração Traseira


Lamborghini deverá lançar duas novas versões do Huracán com tração traseira. Carros devem ser apresentados em 2016.

A Lamborghini está preparando para o próximo ano duas versões de tração traseira do Huracán. A afirmação foi garantida pela revista inglesa Evo, através de declarações de Giorgio Sanna, que possui a função de realizar os testes da empresa.

Poucos detalhes foram informados, entretanto, a perspectiva é que uma das versões seja o Huracán Superleggera, que iria adotar uma potência adicional, peso inferior e força em somente um eixo para competir com concorrentes como Ferrari 488 GTB e McLaren 675LT. O outro fator novo poderá ser uma nova versão com valor mais baixo do modelo, que teria a denominação LP610-2, com base na tração traseira.

Foi divulgada recentemente em Sant’Agata Bolognese (Itália), a segunda versão de competição do modelo, Huracán GT3, direcionada neste momento para concorrer com empresas como a Audi e a McLaren na modalidade Endurance da Blancpain Series.

Considerando um modelo de rua, o veículo irá continuar com o bloco 5.2 V10, entretanto, com tração traseira e transmissão sequencial de 6 velocidades. Tudo isso com a cautela da unidade de controle eletrônico da Bosh Motorsport. Possuindo um chassi e gaiola de proteção de alumínio e fibra de carbono, o veículo tem o peso de somente 1239 kg, dado que poderá ser modificado por causa das regulamentações da FIA.

A carroceria foi produzida com a ajuda da Dallara Engineering e possui como aspectos principais a penetração de ar mais qualificada, elevada aderência e tração, além da otimização do resfriamento dos sistemas de freios. A empresa não relatou muitos detalhes sobre o interior, entretanto, afirmou que possuirá volante multi-funções, banco em fibra de carbono e um novo sistema de “escape” por meio do teto solar.

As corridas da Blancpain Endurance Series iniciam no dia 11 de abril, em Monza, na Itála. O modelo será vendido no continente europeu por 369 mil euros, que equivale a aproximadamente R$ 1,1 milhão.

Felipe Couto de Oliveira