Chevrolet Onix é o Carro Mais Financiado do Brasil


Modelo alcançou a marca de 15 mil unidades financiadas no primeiro semestre deste ano.

Apesar do cenário econômico atual do Brasil não estar sendo favorável para nenhum setor do comércio, mesmo diante de todas as dificuldades, algumas empresas estão tendo motivos para comemorar. No setor de venda de automóveis, uma das empresas que estão comemorando os bons resultados obtidos é a Chevrolet, que conseguiu se destacar com as vendas do Onix, haja vista que o modelo conseguiu encerrar o primeiro semestre deste ano como o modelo mais financiado, sendo que conseguiu deixar pra trás o renomado Hyundai HB20, que conseguiu obter apenas metade do número de financiamentos do Onix. O Onix conseguiu acumular o total de 15.497 unidades vendidas a prazo, enquanto o segundo colocado da categoria, o Ford Ka, conseguiu chegar a 12.554 unidades negociadas.

Para termos uma real noção do quanto o Onix está fazendo sucesso e sendo adquirido pelos consumidores por meio de financiamentos, somente no mês de março o veículo conseguiu o primeiro lugar dos modelos financiados com 7.883 unidades comercializadas, sendo seguido pelo HB20 (que teve 5.702 unidades financiadas), Chevrolet Prisma (que teve 3.990 unidades financiadas) e VW Gol (que conseguiu financiar 3.535 unidades e acabou conquistando duas posições em relação ao mês anterior, assim tendo motivos também para comemorar).

Outra grande novidade que surgiu como destaque dos veículos mais financiados do país foi o Honda HR-V, o qual antes ocupava a modesta 15ª colocação no mês de janeiro e conseguiu saltar para a 8ª colocação neste último mês de março, após ter atingido o número de 2.629 unidades financiadas, sendo que no montante anual o modelo já conseguiu chegar a 6.297 unidades negociadas.

Se formos levar em consideração o ranking das marcas, a liderança continua com a Chevrolet, que possui o total de 17.152 veículos financiados no mês de março. Já no somatório anual a Chevrolet acumula 49.012 negociações, sendo seguida a distância pela Fiat (que tem 37.668 negociações) e Volkswagen (que possui 37.112 unidades financiadas).

O certo é que a Chevrolet tem se destacado no cenário nacional como a fabricante de veículos automotores que mais vende veículos à crédito, o que é uma das saídas para tentar driblar a crise que assola o país e os consumidores.

Por Adriano Oliveira


Dicas – Qual a melhor maneira de financiar um carro?


A aquisição de um veículo está entre os principais sonhos de uma pessoa, todas as responsabilidades financeiras que acompanham este sonho acabam dificultando sua concretização. A escolha do melhor seguro e os gastos com a manutenção fazem pensar que comprar não chega a ser o maior problema, mas afinal, você sabe qual a melhor maneira de financiar um veículo? Existem três opções para te ajudar na escolha que pode te ajudar a poupar e evitar possíveis dores de cabeça, o financiamento, o consórcio e o leasing.

O financiamento pelo banco funciona como uma linha de crédito para comprar um veículo novo ou usado e pode financiar até 100% do valor ou não dependendo da aprovação do banco e da sua necessidade. As taxas cobradas são a partir de 1,50% ao mês e o  prazo pode ser de até 5 anos. Cada concessionária tem sua parceria com um ou mais bancos específicos, mas isto não impede o comprador de solicitar a opção de outro banco. Em geral, a proposta pode ser feita através da internet, comparecendo a uma agência ou na própria concessionária. A desvantagem são os juros de atraso cobrados pelo banco, com direito a busca e apreensão do automóvel de acordo com o tempo.

O consórcio é um grupo de pessoas físicas e/ou jurídicas que se unem para a aquisição de um bem, este não possui taxa de adesão. Em alguns casos as parcelas que são fixas podem ser menores que as parccelas de um financiamento pelo banco. A garantia desta opção, é da própria administradora onde realizou o contrato junto ao Banco Central que é o órgão fiscalizador. As taxas variam de uma administradora para outra, porém, o que realmente é cobrado no valor das parcelas é uma taxa de administração e de fundo de reservas, no caso de desistência por exemplo, há também uma taxa de alienação se o valor total não estiver pago. Uma desvantagem, é que o consumidor não tem acesso ao carro imediatamente, é necessário ser sorteado ou dar um lance durante o pagamento.

Já o leasing, trata-se de um aluguel de veículo com a opção de compra, o chamado arrendamento mercantil. A vantagem é que o mesmo é contratado com a ausência da taxa de IOF, também menor que a taxa do CDC de um financiamento feito pelo banco. A decisão de compra pode ser a qualquer momento do contrato ou o contratante pode devolver o veículo no final do período informado. Uma desvantagem, é a liquidação das parcelas que só pode ocorrer no 24º mês, diferente das outras opções citadas. 

Em qualquer uma das opções, esteja ciente dos gastos pré definidos de um carro e suas condições financeiras durante o prazo. Aproveite as dicas e verifique as opções na hora da compra.

Maria Salete Zanirato


Venda de Veículos por Consórcio cresce 8,5% em 2014


O número de consórcios foi determinante para que as vendas de carros não caíssem mais durante o ano de 2014. Se não fosse o crescimento dessa modalidade de compra, as vendas cairiam a percentuais não vistos nos últimos anos. Enquanto o número de vendas de automóveis caiu em 6,9%, os consórcios aumentaram 8,5% no ano. Mesmo com a demora na entrega do veículo (em alguns casos) devido ao sorteio das cotas, a participação dos consórcios tem aumentado.

O aumento nas vendas de automóveis é contínuo desde 2003, contudo, o número de carros leves caiu pela segunda vez seguida no ano passado. Foram comercializadas 3.329.052 unidades, o que representa uma queda de 6,9% em relação ao ano de 2013, quando foram vendidas 3.576.163 unidades.

A queda poderia ser maior se nos últimos meses não tivessem um desempenho melhor que os meses anteriores. O governo concedeu desconto no IPI e assim os consumidores foram às lojas, tornando o mês de dezembro o melhor do ano e o terceiro melhor a história. Na ocasião foram vendidas 353.570 unidades, representando um crescimento de 26,4 % sobre novembro e de 5,2% em relação ao mesmo período de 2013. Dezembro só foi melhor do que Agosto de 2012 (405.627 unidades) e dezembro de 2010 (361.230 unidades).

Segundo dados da Abac (Associação Brasileira de Administradores de Consórcios), os consórcios em 2013 representaram 13,5% do total de vendas naquele ano. Já em 2014 as vendas representaram 17,1% (um aumento de 27%). O número de contemplados também aumentou e isso foi determinante para o aumento do número de compradores. Em 2013 o número de cartas de crédito concedidas foi de 397 mil, enquanto em 2014 esse montante chegou a 468,5 mil.

“O consórcio ajuda as pessoas que se programam para comprar um bem com valor alto e ajudam a aumentar as vendas totais do mercado brasileiro”, afirma o presidente executivo da Abac, Paulo Roberto Rossi.

Ana Rosa Martins Rocha


Financiamento de Veículos dá Sinais de Recuperação


Depois de diversas análises que foram realizadas no mercado de financiamento de veículos pela Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), o Brasil apresenta um resultado mais satisfatório, o que confirma a existência de alguns sinais de recuperação.

A Anef fez uma pesquisa com informações que vão do começo de janeiro até o mês de novembro de 2014, que consta que no decorrer do ano a queda aconteceu em diversos meses seguidos.

No mês de novembro, por exemplo, foi liberado o total de R$ 106 milhões de financiamentos de automóveis, porém, mesmo com essa liberação houve o pior índice de inadimplência dos últimos tempos para o setor.

Essa inadimplência é calculada através de atrasos que vão de 15 a 90 dias, onde mostra que no mês analisado, ou seja, em novembro, os números representam no mercado brasileiro um a queda de 7% da carteira mensal, equivalente a queda de 1,2% anual.

A soma total do crédito liberado pelo Sistema Financeiro Nacional, que tem incluído o CDC e o financiamento na modalidade leasing, ficou em R$ 211,9 bilhões e a soma total de carteiras foi de R$ 203,3 bilhões.

Décio Carbonari, presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras, divulgou a seguinte nota:

“Esperamos que 2015 registre inadimplência ainda menor, devido à nova lei de retomada de veículos, que tranquiliza as instituições financeiras das montadoras e, consequentemente, favorece o crédito aos consumidores”.

Como é possível verificar, para o começo desse ano de 2015, existe uma visão de que haverá alta na liberação de recursos para financiamentos de veículos, sendo um bom momento para aproveitar as taxas de juros que caíram em muitas instituições financeiras.

As taxas mais atrativas para os consumidores que desejam financiar veículos chegam a 1,75% no CDC para pessoa física e 1,44% para pessoa jurídica. Fale com seu gerente e saiba as condições para fazer a contratação desse serviço.

Yasmin Fernandes Robles