IPVA – O Que é e Para que Serve?


Confira aqui todas as informações sobre o IPVA (Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores).

O Brasil é um dos países com o maior número de impostos. É IR (Imposto de Renda), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), IOF (Imposto sobre Movimentações Financeiras), IPTU (Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana), IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores)… São tantos que se quer dá para listarmos todos aqui. E você sabe o que significam?

Nesse artigo vamos falar do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). Todos os dias vemos muitos veículos circulando pela cidade, cada um deles paga uma taxa que varia de 2% a 4% do valor da tabela FIPE, dependendo do estado onde foi emplacado. Já parou para pensar? É muito dinheiro. Mas para que serve o IPVA?

O dinheiro arrecadado vai para o Tesouro, que é o valor acumulado de verba para obras e serviços. Outros impostos também são direcionados ao tesouro.

Na teoria, não há obrigatoriedade de que tal verba seja gasta na melhoria de estradas ou construção de novos acessos. Talvez por isso seja tão difícil fiscalizar. O dinheiro entra no bolo do orçamento e segue para investimento onde os governantes acham melhor. Dessa forma, as estradas continuam um caos, sem segurança e sem infraestrutura, enquanto sabe-se lá qual outro departamento está sendo beneficiado por tanto dinheiro.

De acordo com a Secretaria de Estado da Fazenda de Minas Gerais, somente em 2015 foram arrecadados mais de R$ 3 bilhões somente referente ao IPVA.

Já a Secretaria de Estado da Fazenda do Estado de São Paulo, afirmou que mais de R$ 14 bilhões entraram para os cofres públicos apenas esse ano com o IPVA.

Para pagar a alíquota basta se dirigir a rede bancária com o número do RENAVAM do veículo. Na aquisição de um veículo novo ou usado, é importante lembrar desse detalhe, o imposto incide sobre o valor venal do veículo, por isso vai diminuindo com o passar dos anos juntamente com a desvalorização do automóvel.

Por Vivian Schetini


Financiamento de Veículos dá Sinais de Recuperação


Depois de diversas análises que foram realizadas no mercado de financiamento de veículos pela Anef (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras), o Brasil apresenta um resultado mais satisfatório, o que confirma a existência de alguns sinais de recuperação.

A Anef fez uma pesquisa com informações que vão do começo de janeiro até o mês de novembro de 2014, que consta que no decorrer do ano a queda aconteceu em diversos meses seguidos.

No mês de novembro, por exemplo, foi liberado o total de R$ 106 milhões de financiamentos de automóveis, porém, mesmo com essa liberação houve o pior índice de inadimplência dos últimos tempos para o setor.

Essa inadimplência é calculada através de atrasos que vão de 15 a 90 dias, onde mostra que no mês analisado, ou seja, em novembro, os números representam no mercado brasileiro um a queda de 7% da carteira mensal, equivalente a queda de 1,2% anual.

A soma total do crédito liberado pelo Sistema Financeiro Nacional, que tem incluído o CDC e o financiamento na modalidade leasing, ficou em R$ 211,9 bilhões e a soma total de carteiras foi de R$ 203,3 bilhões.

Décio Carbonari, presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras, divulgou a seguinte nota:

“Esperamos que 2015 registre inadimplência ainda menor, devido à nova lei de retomada de veículos, que tranquiliza as instituições financeiras das montadoras e, consequentemente, favorece o crédito aos consumidores”.

Como é possível verificar, para o começo desse ano de 2015, existe uma visão de que haverá alta na liberação de recursos para financiamentos de veículos, sendo um bom momento para aproveitar as taxas de juros que caíram em muitas instituições financeiras.

As taxas mais atrativas para os consumidores que desejam financiar veículos chegam a 1,75% no CDC para pessoa física e 1,44% para pessoa jurídica. Fale com seu gerente e saiba as condições para fazer a contratação desse serviço.

Yasmin Fernandes Robles