O que é o motor Wankel?


Motor Wankel usa um sistema triangular no lugar dos pistões, substituindo os cilindros

Já ouviu falar no motor Wankel? Talvez ainda não tenha, uma vez que esse tipo de motor já não é mais utilizado. O último fabricado foi em 2012, pela Mazda, que era até então a única montadora que o usava.

O motor foi inventado por Feliz Wankel em 1924, e patenteado em 1933. Trata-se de um motor de combustão interna que, ao contrários dos motores convencionais, utilizava rotores com formato parecido com um triângulo.  O que basicamente o diferenciava dos motores com cilindro e pistão era que o motor Wankel não utilizava o princípio da manivela e biela, e o seu conjunto incluía um número reduzido de peças. Tudo isso trouxe algumas vantagens – e é claro, que tinha também suas desvantagens, como veremos a seguir.

Principais vantagens:

  • Como não há inversão de movimento (sobe e desde do pistão), ao contrário do motor tradicional, e sim o movimento rotativo, o seu funcionamento é mais suave, tem menos atrito, menos vibração e é mais silencioso.

  • Os motores Wankel eram mais leves e mais compactos, permitindo que o peso do automóvel fosse diminuído, assim como tornou possível que se baixasse o centro de gravidade, resultando em uma melhor dirigibilidade.

  • Em comparação aos motores de pistão, ele era menor, o que resultava em um menor custo de produção.

  • Possuía uma potência específica elevada – o Mazda RX-8, por exemplo, equipado com motor Wankel, tinha 240 cvde potência máxima com 1.300 cm³, sem turbo.

  • Quem não abria mão de ouvir um bom motor e quem teve oportunidade de ouvir um Wankel, afirma que não havia nada comparado à sinfonia de 10.000 rpm, embora existam entusiastas de esportivos que não o apreciem.

  • Não realizava pré-ignição, ou seja, não havia risco da gasolina explodir antes de seu tempo, o que permitia a utilização de combustível de menor octanagem.

Desvantagens:

  • O consumo era uma de suas grandes desvantagens, uma vez que havia mais desperdício de energia em forma de calor, pois a área superficial nos espaços no interior do motor era maior que a da câmara de combustão dos motores convencionais.

  • Vedação interna entre as câmaras e baixa durabilidade também estavam entre suas principais desvantagens, mas foram sendo aprimoradas devido às novas tecnologias de fabricação. Essa era uma das causas de seu alto consumo de óleo lubrificante.

  • Baixo torque: motores com alta potência específica tendem a ter menor torque. E isso ocorre em todos os veículos equipados com esse tipo de motor.

O custo de combustível foi mesmo decisivo para a aposentadoria do Wankel, algo piorado pelo baixo torque em rotações menores. Até porque, de que adianta se ter um motor pequeno e potente, mas que bebe como um V8? Por este motivo, o Wankel foi adotado apenas em carros esportivos e na indústria aeronáutica.

A câmara de combustão de um motor Wankel. Crédito da imagem: Softeis

 

O funcionamento

 

O som de um motor Wankel de um Mazda RX-8