Dicas – Qual a melhor maneira de financiar um carro?


A aquisição de um veículo está entre os principais sonhos de uma pessoa, todas as responsabilidades financeiras que acompanham este sonho acabam dificultando sua concretização. A escolha do melhor seguro e os gastos com a manutenção fazem pensar que comprar não chega a ser o maior problema, mas afinal, você sabe qual a melhor maneira de financiar um veículo? Existem três opções para te ajudar na escolha que pode te ajudar a poupar e evitar possíveis dores de cabeça, o financiamento, o consórcio e o leasing.

O financiamento pelo banco funciona como uma linha de crédito para comprar um veículo novo ou usado e pode financiar até 100% do valor ou não dependendo da aprovação do banco e da sua necessidade. As taxas cobradas são a partir de 1,50% ao mês e o  prazo pode ser de até 5 anos. Cada concessionária tem sua parceria com um ou mais bancos específicos, mas isto não impede o comprador de solicitar a opção de outro banco. Em geral, a proposta pode ser feita através da internet, comparecendo a uma agência ou na própria concessionária. A desvantagem são os juros de atraso cobrados pelo banco, com direito a busca e apreensão do automóvel de acordo com o tempo.

O consórcio é um grupo de pessoas físicas e/ou jurídicas que se unem para a aquisição de um bem, este não possui taxa de adesão. Em alguns casos as parcelas que são fixas podem ser menores que as parccelas de um financiamento pelo banco. A garantia desta opção, é da própria administradora onde realizou o contrato junto ao Banco Central que é o órgão fiscalizador. As taxas variam de uma administradora para outra, porém, o que realmente é cobrado no valor das parcelas é uma taxa de administração e de fundo de reservas, no caso de desistência por exemplo, há também uma taxa de alienação se o valor total não estiver pago. Uma desvantagem, é que o consumidor não tem acesso ao carro imediatamente, é necessário ser sorteado ou dar um lance durante o pagamento.

Já o leasing, trata-se de um aluguel de veículo com a opção de compra, o chamado arrendamento mercantil. A vantagem é que o mesmo é contratado com a ausência da taxa de IOF, também menor que a taxa do CDC de um financiamento feito pelo banco. A decisão de compra pode ser a qualquer momento do contrato ou o contratante pode devolver o veículo no final do período informado. Uma desvantagem, é a liquidação das parcelas que só pode ocorrer no 24º mês, diferente das outras opções citadas. 

Em qualquer uma das opções, esteja ciente dos gastos pré definidos de um carro e suas condições financeiras durante o prazo. Aproveite as dicas e verifique as opções na hora da compra.

Maria Salete Zanirato


Venda de Veículos por Consórcio cresce 8,5% em 2014


O número de consórcios foi determinante para que as vendas de carros não caíssem mais durante o ano de 2014. Se não fosse o crescimento dessa modalidade de compra, as vendas cairiam a percentuais não vistos nos últimos anos. Enquanto o número de vendas de automóveis caiu em 6,9%, os consórcios aumentaram 8,5% no ano. Mesmo com a demora na entrega do veículo (em alguns casos) devido ao sorteio das cotas, a participação dos consórcios tem aumentado.

O aumento nas vendas de automóveis é contínuo desde 2003, contudo, o número de carros leves caiu pela segunda vez seguida no ano passado. Foram comercializadas 3.329.052 unidades, o que representa uma queda de 6,9% em relação ao ano de 2013, quando foram vendidas 3.576.163 unidades.

A queda poderia ser maior se nos últimos meses não tivessem um desempenho melhor que os meses anteriores. O governo concedeu desconto no IPI e assim os consumidores foram às lojas, tornando o mês de dezembro o melhor do ano e o terceiro melhor a história. Na ocasião foram vendidas 353.570 unidades, representando um crescimento de 26,4 % sobre novembro e de 5,2% em relação ao mesmo período de 2013. Dezembro só foi melhor do que Agosto de 2012 (405.627 unidades) e dezembro de 2010 (361.230 unidades).

Segundo dados da Abac (Associação Brasileira de Administradores de Consórcios), os consórcios em 2013 representaram 13,5% do total de vendas naquele ano. Já em 2014 as vendas representaram 17,1% (um aumento de 27%). O número de contemplados também aumentou e isso foi determinante para o aumento do número de compradores. Em 2013 o número de cartas de crédito concedidas foi de 397 mil, enquanto em 2014 esse montante chegou a 468,5 mil.

“O consórcio ajuda as pessoas que se programam para comprar um bem com valor alto e ajudam a aumentar as vendas totais do mercado brasileiro”, afirma o presidente executivo da Abac, Paulo Roberto Rossi.

Ana Rosa Martins Rocha