Fiat Chrysler: Carro sem motorista pode chegar em cinco anos


CEO da Fiat Chrysler afirma que carro autônomo pode ser realidade em cinco anos

Não faz muito tempo a notícia de que o Google e a Fiat Chrysler se juntaram em uma pareceria tomou conta do noticiário. O objetivo final é aprimorar e colocar logo em prática os conceitos de carros autônomos. Mas para quem acha que o plano era bem mais para frente pode se surpreender. Ao menos segundo o pensamento do presidente da montadora Fiat Chrysler (FCA).

Sergio Marchionne comentou sobre a parceria e avaliou que os carros autônomos, completamente sem a presença de um motorista, já podem estar circulando nas ruas dentro de um prazo de cinco anos.

De acordo com ele o desenvolvimento de um veículo autônomo tem uma grande importância e uso na vida real. O que leva a crer que não é algo tão distante do nosso cotidiano. O mais interessante é o otimismo do presidente. Em declaração para a imprensa ele destacou que enquanto as pessoas falam de coisa de 20 anos nos planos dele não levará os cinco citados.

A “casa mãe” do Google, a Alphabet, anunciou na última semana que havia encomendado 100 unidades do modelo Pacifica (minivan) com a finalidade de praticamente dobrar a frota usada nos testes para a criação do tão falado veículo sem motorista que, provavelmente, irá carregar o nome Google Car.

O processo para agilizar os trabalhos será resultado de uma parceria de engenheiros da FCA com os colegas integrantes da Alphabet. A ideia é que seja possível chegar a uma versão que seja perfeitamente adaptada e que tenha uma integração sem nenhum problema entre os computadores com os programas e sensores de direção autônoma do Google.

O projeto em si deve custar muito caro. Mas sobre esse ponto o presidente da FCA não quis dar nenhum tipo de detalhe.

O próximo passo que se espera da parceria é que seja mais rápido o processo de adequação da tecnologia de direção do Google junto às unidades da Chrysler Pacifica.

A título de curiosidade essa é a primeira vez que uma empresa originária do Vale do Silício se une a uma montadora com a finalidade de trabalhar em um projeto de carro autônomo.

A união promete trazer resultados mais amplos. Mesmo assim, outras montadoras não querem ficar para trás e também trabalham em seus próprios projetos de carros autônomos.

Por Denisson Soares


Audi R8 E-tron – Novo Carro Esportivo Elétrico Autônomo


Modelo é capaz de chegar aos 250 km/h e carrega a bateria em 2 horas.

O Audi R8 E-tron já era, desde as expectativas sobre como realmente seria o modelo, motivo de especulações. Depois que a Audi fez o anúncio do superesportivo, muita coisa foi confirmada e muita gente ficou de “boca aberta” com carro. O R8 tem aquela rara habilidade de tirar o fôlego de quem é um apaixonado por carros.

O motivo é bem simples de ser explicado. Entre outros detalhes o R8 e-tron é um carro elétrico. Até aí nada de anormal. O interessante aparece quando percebemos que ele é capaz de ir de 0 a 100km/h em 3,9 segundos. Além disso, pode chegar a velocidade máxima de 250 km/h. Se esses pontos já são motivos de surpresa, ainda tem mais. O Audi R8 e-tron traz o fato inédito de não precisar de motorista.

Mesmo não tendo sido amplamente comentado na mídia especializada, o R8 não ficou sem ser percebido. Curiosamente e apesar de alguns começarem a dar um pouco mais de atenção ao modelo só agora em 2016, ele foi mostrado no passado durante a Consumer Electronics Show, evento que aconteceu em Shangai, na China.

O cupê da Audi é cem por cento elétrico. O alto desempenho do modelo também tem explicação. Aqui tudo se deve ao chamado Sistema Combinado de Carregamento (Combined Charging System, em inglês). Esse sistema possibilita o carregamento com corrente tanto contínua quanto alternada.

E devido a presença desse sistema é que será possível carregar por completo a bateria do carro em duas horas. Um espaço de tempo relativamente pequeno.

Uma curiosidade que veio junto com o R8 é o fato de que a Audi desenvolveu a própria bateria de alta tensão pela primeira vez. O dispositivo foi baseado em uma nova tecnologia que usa o lítio-íon.

Em termos de comparação, o primeiro protótipo da Audi tinha uma capacidade de 49 kWh e agora no R8 conta com 92 kWh.

O R8 conta com dois motores elétricos. Cada um deles possui 170 kW de potência, com isso o carro é capaz de entregar 462 cv de potência. A autonomia praticamente mais que dobrou já que no protótipo anterior chegava a 215km e agora vai até 450km.

A Audi tem se esforçado em apresentar produtos e inovações cada vez mais com um “pé no futuro”. E pelo visto tem acertado em grande parte de seus projetos. Vamos ver o que a marca reserva para o futuro.

Por Denisson Soares


Hyundai por lançar Carro Autônomo em 2020


Hyundai anuncia que pode lançar o seu primeiro carro autônomo em 2020.

A Hyundai está com planos de se manter no topo tecnológico no concorrido mercado de automóveis e para isso vem investindo pesado em seu projeto de "carro autônomo", que poderá estar concluído já em 2020.

Na verdade, a Hyundai já vinha investindo neste projeto há algum tempo, mas não de forma assumida e tão dedicada como agora.

Muitas outras marcas já estão trabalhando em seus modelos autônomos e a Hyundai entra nesta corrida agora, mas sem estar atrasada, pois já tinha vários projetos em estudo.

A empresa sul-coreana quer continuar entre as empresas mais avançadas tecnologicamente e para isso precisará ter um modelo autônomo no mercado, afinal, esta é a grande tendência para os próximos anos. A General Motors e a Mercedes-Benz, por exemplo, já estão com seus projetos bem avançados.

Apesar de todo investimento que continuará sendo feito por parte da Hyundai, a expectativa da empresa é que seu modelo autônomo chegue ao mercado só em 2020 e mesmo assim, não seria o modelo final.

Atualmente a Hyundai só tem um modelo que apresenta uma única assistência independente do motorista, que é o Genesis, mesmo assim, é só um sistema de frenagem emergencial, nada mais que isso.

Para o seu novo projeto de carro autônomo, a Hyundai sabe que vai precisar muito mais que isso, pois a concorrência está investindo em avanços tecnológicos realmente surpreendentes.

Até o Google está investindo pesado neste mercado e é uma das empresas que tem apresentado mais novidades e avanços no que diz respeito em ter um carro que dispense o motorista ou que faça quase tudo sozinho.

As empresas sabem que nos próximos anos é praticamente impossível lançar um veículo que tenha total autonomia, até mesmo por causa dos obstáculos regulatórios, mas chegar bem perto disso é o desejo de todas elas.

A Hyundai precisa não só trazer inovações como também adiantar mais o seu trabalho. A Audi, por exemplo, já anunciou seu primeiro modelo de carro autônomo para 2017, será uma nova geração do Audi A8 e garante que o modelo poderá se auto-conduzir até em grandes cidades com uma velocidade média de 60 km/h.

Em 2020, o mercado já poderá estar com vários veículos autônomos pelas ruas, o que pode fazer com que a Hyundai refaça o seu cronograma e apresse o seu lançamento.

Por Russel


Carro autônomo deve ser lançado por montadoras do Japão


O mundo automobilístico sempre foi uma evidência clara do avanço da tecnologia tanto para design quanto para os meios utilizados para nos favorecer e facilitar o dia-a-dia. A tecnologia veicular que permite que o veículo realize percursos sozinhos já estava nos planos de diversas montadoras, inclusive, em outubro do ano passado no salão Salão de São Paulo, o projeto Drive Me foi apresentado pela Volvo.

Atualmente, o governo japonês anunciou que três montadoras se reunirão junto a Universidade de Tóquio e duas grandes companhias do país como a Panasonic e Hitachi, para desenvolver a tecnologia autônoma veicular. São duas grandes montadoras do páis trabalhando juntas por um novo dispositivo que será aposta para os próximos anos, como uma inovação radical da indústria automotiva.

Visando alcançar uma boa colocação no mercado e equiparar-se a uma conquista já alcançada pela Europa e Estados Unidos, o primeiro ministro japonês Shinzo Abe, ainda explica ao jornal local Nikkei, que para reduzir o custo do veículo, um projeto de unificação de software de navegação e de sensores para detecção de obstáculos já é estudado. 

A expectativa é que estes carros estejam a disposição em lojas já em alguns países a partir de 2017. Um estudo realizado pela Boston Consulting Group (BCG), explica que a estimativa até 2035 é que cerca de 10% das vendas no mundo, ou 12 milhões de unidades sejam vendidas deste automóveis ao ano.

Alguns exemplos já apresentados por algumas marcas, mostra que o veículo pode funcionar como um carro comum e a função pode ser ativada pelo motorista em áreas permitidas, ou como a empresa Google prevê, uma frota de carros 100% autônomos disponível para o aplicativo de carona, onde os custos serão mais baixos e consequêntemente o serviço também será mais barato. Até lá, a nova função será aguardada anciosamente visando também a redução de acidentes de trânsito.

Maria Salete Zanirato


Google quer Parcerias com mais Montadoras


O desenvolvimento de uma tecnologia autônoma para carros está entre as prioridades do Google. Conforme informações da agência Reuters, a empresa está procurando parcerias com montadoras automotivas de maior destaque, visando acelerar o processo de fabricação. O Google pretende colocar os veículos com esta nova tecnologia nas ruas em no máximo cinco anos.

Entre as fabricantes que constam na lista da companhia estão: Ford, Daimler, General Motors, Volkswagen e Toyota. O Google não definiu ainda se será fabricado um veículo autônomo próprio ou em parceria com as marcas tradicionais. Os sistemas e componentes estão sendo desenvolvidos com fornecedores de peças automotivas como Bosch, LG, Continental e ZF.

Histórico da Invenção:

Em maio de 2014 o Google anunciou que começaria a fabricar seus próprios carros que possuem a função de dirigir sozinhos. A ideia inicial não levava em consideração a hipótese de adaptar veículos já produzidos por outras montadoras.

O veículo terá espaço para apenas dois lugares, não haverá pedais ou volante, apenas um botão com a função de partida e parada. Ele pode atingir a velocidade máxima de 40km/h.

As primeiras fotos do protótipo mostraram um veículo com “cara simpática” para atrair as pessoas à tecnologia autônoma. Entre as suas características externas mais marcantes está o fato de não possuir capô na frente e as rodas são mais afastadas para os lados. A dianteira do carro é feita de um material macio parecido com uma espuma no lugar do tradicional amortecedor. O para-brisa é flexível, podendo reduzir lesões caso ocorram acidentes.

O Google informou que serão instalados sistemas adicionais com a possibilidade de o motorista assumir a direção do veículo em casos de urgência.

Enquanto os profissionais ligados ao Google acreditam que o veículo irá melhorar a vida das pessoas, há pesquisadores que elencaram alguns malefícios que essa tecnologia pode trazer, como o aumento do fluxo de carros nas cidades, já que as pessoas não precisarão mais dirigir. 

Por Rafaela Fusieger