Renault irá fabricar os modelos Kwid e Captur no Brasil


Modelos serão fabricados na unidade de São José dos Pinhais (PR) e têm previsão de que as vendas sejam iniciadas em 2017.

De acordo com as informações divulgadas por Carlos Ghosn, o atual presidente do grupo Renault de fato a linha de “produtos” da companhia será implementada por aqui. Segundo as informações da marca francesa com atuação no Brasil os modelos que deverão se unir aos que já se encontram por aqui são o Kwid e o Captur. Nos dois casos as fabricações irão acontecer na unidade da companhia que se encontra situada na cidade de São José dos Pinhais.

E tem mais. De acordo com a própria fabricante além dos dois modelos citados anteriormente também está previsto o Koleos. Até o presente momento a informação é de que este modelo seja importado e que chegará ao mercado brasileiro com a função importante de entrar na briga entre os SUVs de porte maior e mais sofisticados.

Previsão de venda:

A estimativa dada pela marca é de que nos três casos que tratamos aqui o início das vendas comece no ano de 2017.

O que a Renault esperada com tudo isso?

Bom, para início de conversa as investidas da marca com foco em novos lançamentos têm um objetivo bastante claro: Ampliar, ou melhor, alcançar 10% da fatia do mercado. Ao menos é isso que espera Ghosn.

De acordo com os dados oficiais divulgados no momento atual a Renault conta com um percentual de 7,39% de participação. Com uma fatia de 10% vamos encontrar outra famosa, a Hyundai ocupando a quarta posição.

A montadora já informou a data para matar a curiosidade das pessoas. A previsão é de que os três modelos sejam apresentados oficialmente durante a realização do Salão do Automóvel de São Paulo. O evento ocorrerá no mês de novembro de 2016.

Conforme as informações dadas por Ghosn, o desenvolvimento do Kwid que já se encontra em plena venda na Índia e também do Captur tiveram uma “pitadinha” da América Latina já que as áreas de tecnologia e design daqui também participaram do projeto.

O presidente do grupo ainda destaca um ponto interessante nisso tudo. Ele considera que mesmo tendo havido uma queda significativa no mercado brasileiro em 2016 o fato acabou sendo contrabalanceado devido a um desenvolvimento fundamental que ocorreu em diversas regiões tais como na Europa, na África e na Índia.

Ghosn se mantém confiante nesse cenário todo e afirma que é muito provável que a marca consiga fechar o ano de 2016 com recorde nas vendas.

Bom, agora é esperar para ver o que realmente vai acontecer.

Por Denisson Soares

Renault Kwid e Captur


Tipos de cintos de segurança


Há cintos de segurança de 2, 3, 4, 5 e 6 pontos.

O cinto de segurança veicular é um componente indispensável e obrigatório nos automóveis de uma forma geral. Seu uso é simples e sua ação consiste em reter o corpo preso por ele em situações de colisão de qualquer natureza. Prioritariamente, sua função é a de proteger os ocupantes do veículo, de modo a diminuir as consequências causadas pelos acidentes, ou até mesmo evitá-los. O item de segurança considerado como um equipamento de ação passiva, impede, via de regra, que o ocupante se choque contra o volante, o painel o para-brisa do carro em caso de acidente, ou que até mesmo seja lançado para fora do veículo ou que projete seu corpo para cima de outro ocupante, por exemplo.

Estatísticas internacionais de segurança no trânsito comprovam e revelam que o uso do cinto de segurança reduz em até trinta por cento a quantidade de vítimas fatais em casos de acidentes. No caso de sequelas significativas de mesma procedência, como é o caso de vítimas que sobrevivem aos acidentes, mas com traumatismos e perda de visão, a redução alcança sessenta por cento.

Mas, quais são os tipos de cintos de segurança existentes? Há diferença entre eles? A saber: o cinto de segurança com dois pontos, por exemplo, já se encontrava nos bancos traseiros e dianteiros dos carros populares dos anos 80. Sua função é a de proteger a cintura, de modo que o corpo se mova apenas para frente em caso de colisões ou na ocasião de freadas mais bruscas. Todavia, o cinto de dois pontos tem os seus “poréns”: podem causar a chamada “síndrome dos cintos de segurança” que remete à possibilidade de problemas sérios nas vértebras lombares e estudos atuais o consideram como antiquados e inviáveis.

O que nos leva à evolução do modelo para o cinto de segurança de três pontos, de modo que, nos Estados Unidos, desde o ano de 2007, os carros que são vendidos têm o cinto de segurança como item obrigatório de proteção em sua composição. O cinto de segurança de três pontos são três arranjos em formato de Y que protegem o corpo em movimento nas regiões do tórax, da pélvis e dos ombros.

O caso dos cintos de segurança de quatro, cinco e seis pontos também existem. Os de cinco pontos são mais encontrados em assentos para crianças e em carros de corrida. Consiste em sobrepor a correia entre as pernas e proteger duplamente os ombros do usuário. O cinto de quatro pontos é parecido, mas não tem a tira entre as pernas, diferente do de seis pontos que conta com dois cintos na mesma região.

Por Flávia Alves Figueirêdo Souza

Cinto de segurança


Novo Jeep Compass será lançado em outubro de 2016


Montadora resolveu adiantar o lançamento do seu novo modelo de SUV nacional, o Jeep Compass. Modelo estará à venda em outubro deste ano.

Não se sabe o real motivo, mas a FCA resolveu adiantar o lançamento do seu novo modelo de SUV nacional. De acordo com as novas informações divulgadas pela fabricante o Jeep Compass irá chegar às concessionárias antes mesmo da realização do Salão do Automóvel de São Paulo. Neste ano o evento deverá acontecer entre os dias 10 e 20 de novembro. O Compass deve estar presente por lá como uma das estrelas principais. O novo jipe que conta com um porte superior ao do Renegade começará a ser vendido no mês de outubro.

De acordo com as informações levantadas por alguns portais especializados no setor o Brasil será o primeiro da lista onde carro já estará disponível a partir de 2016. No México, por exemplo, a informação é de que a fabricação da versão seja iniciada apenas em janeiro de 2017. Além disso, também está previsto para que outros mercados fabriquem o carro. Entre eles a China e os Estados Unidos. Há a hipótese dele ainda ser fabricado também na Índia.

O Jeep Compass será concorrente direto de outras opções conhecidas como o Toyota RAV4, Mitsubishi ASX e o Honda CR-V.

A data oficial de lançamento do carro já foi modificada por diversas vezes desde que foi anunciado. A princípio a expectativa é de que ele fosse apresentado no Salão de Genebra que ocorreu em março deste ano. Depois deveria aparecer no Salão de Nova York. Mesmo com grandes eventos pela frente o CEO da Fiat adiou as apresentações sem mesmo dar uma justificativa plausível para o fato.

De qualquer maneira tudo ainda é um pouco duvidoso. Para se ter ideia nem sequer o nome do carro foi definido com toda a certeza. O que se sabe é que terceiro modelo a surgir da planta de Goiana (Pernambuco) ainda deve continuar com o nome Compass. Mas algumas informações apontam que ele poderá ser chamado de Patriot ou de uma terceira opção, mantida em sigilo. O que se tem certeza é de que as três opções de nome já foram registradas internamente. O carro é chamado, por enquanto, de projeto 551.

O jeito é aguardar um pouco mais e ver se a Fiat não muda de rumo de novo.

Por Denisson Soares

Jeep Compass

Jeep Compass

Fotos: Divulgação


Novo Ford Fusion Sport renovado chega ao mercado norte-americano


Novo modelo conta com nova potência e preço atrativo.

A nova reestilização do Ford Fusion chega para o mercado norte-americano neste mês com uma potente versão Sport. O modelo vai chegar com um motor de 330 cavalos de potência com 52,5 mkgf de torque.

Porém, além de todo esse toque esportivo, o que chamou muita a atenção também é o preço do sedan. Nos Estados Unidos, o Ford Fusion Sport terá preços iniciais a partir de US$ 34.350 (R$ 116.500 em uma conversão direta para a nossa moeda, sem os impostos).

Para o mercado americano, o preço vai ficar semelhante ao que é praticado com modelos com configurações mais discretas, como é o caso do Volkswagen CC, o qual conta com um valor de US$ 31.570 (propulsor de 2.0 litros Turbo e uma potência de 203 cavalos) e do Chevrolet Impala (com motor V6 de 3.6 litros e 309 cavalos de potência) com preço de US$ 36.415. Ou seja, frente aos seus concorrentes, o Fusion Sport tem uma bela vantagem em termos de custo-benefício.

Renovação:

O Ford Fusion Sport teve o seu visual renovado que agora conta com faróis com maior tecnologia, quatro saídas de escape e para-choques com toques esportivos. Em termos da motorização, ele será equipado com o propulsor V6 2.7 litros Turbo Ecoboost com a potência de 330 cavalos e o torque de 52,5 mkgf. O seu torque pode ser comparado, por exemplo, com o Porsche 911 Carrera S, que tem 51 mkgf.

O interior:

Ele vai apresentar interiormente, por exemplo, a central multimídia Sync na sua terceira geração e também um seletor rotativo novo para a transmissão automática. O Fusion Sport também contará com um sistema de suspensão ativa exclusiva que faz a detecção de buracos e demais irregularidades antes que o veículo passe com os pneus por cima dos mesmos. Isso diminuir o desconforto e antecipar reações dos motoristas.

Ainda não há detalhes sobre uma chegada do Ford Fusion Sport no mercado brasileiro.

O sensor de buracos:

A Ford aponta que o modelo vai ser equipado com o sistema que faz a previsão de buracos por meio de 12 sensores com alta definição, que ficam situados próximos às rodas da frente. Eles vão rastrear as condições do piso no tempo de dois milissegundos. Quando se detecta um buraco por perto, esses sensores vão fazer com que o conjunto de suspensão fique enrijecido, o que evita que as rodas cheguem a cair nos buracos.  

Ford Fusion Sport

Ford Fusion Sport

Fotos: Divulgação


Sem muitos detalhes Renault confirma que irá fabricar o Kwid no Brasil


Renault planeja mostrar o Kwid como uma das principais atrações do Salão de Automóvel de São Paulo

Nesta última sexta-feira, dia 13 de maio de 2016, a grande e renomada fabricante de veículos automotores Renault anunciou oficialmente que o Renault Kwid será produzido aqui no Brasil. Apesar de não ter dado maiores detalhes, a empresa afirmou que este veículo será uma das atrações trazidas no próximo Salão do Automóvel de São Paulo, evento este que irá acontecer no mês de novembro.

O Renault Kwid chega no mercado nacional com a nobre missão de substituir a famoso Renault Clio. Mesmo com lançamento previsto só para o mês de novembro, o modelo já foi visto em testes rodando no interior do estado de São Paulo, essa grande novidade da Renault chegará ao mercado para brigar com os recém-lançados Fiat Mobi e Volkswagen Up!. Além de outros modelos hatches de entrada.

Por enquanto a Renault preferiu não fazer maiores confirmações a respeito dos detalhes técnicos do Kwid, mas ao que tudo indica o modelo será comercializado com um propulsor 1.0 de três cilindros.

Algumas especulações já estão arriscando em afirmar que o Kwid só será comercializado no mercado nacional no primeiro semestre do ano de 2017, no lugar do veterano Clio que atualmente é comercializado em uma única versão, a qual trás de fábrica direção hidráulica, ar condicionado e vidros elétricos.

A proposta deste novo Kwid aqui no Brasil é a de ser um veículo de pequeno porte e de baixo custo, mas ao que tudo indica, quando o modelo for lançado por aqui, ele terá um toque um pouco mais refinado do que a versão que foi lançada no mercado indiano, haja vista que por lá o retrovisor do modelo é bastante simples e este deve ser um dos itens que serão modificados na versão nacional.

O sistema de fixação das rodas utilizado pelo Renault que contém apenas três parafusos deverá ser modificado e ganha  um reforço, dentre os equipamentos de série, certamente a fabricante irá inserir neste modelo airbags dianteiros e sistema de freios ABS, a fim de atender os requisitos exigidos pela legislação nacional. A central multimídia que atualmente tem sido um dos grandes atrativos da maioria dos veículos que estão sendo lançados por aqui deverá ser um item de série somente das versões mais caras.

Por Adriano Oliveira


Geely Motors abandona sua atuação no Brasil


A Geely Motorsnão está mais entre o grupo de marcas automotivas que atuam no Brasil. O mais interessante é que a marca “abandona o barco” cerca de dois anos depois de aparecer por aqui e logo um mês após fazer uma estreia cheia de ameaças que pretendia afetar outros nomes já conhecidos e virar a “opção” chinesa mais popular em atuação no país. A notícia foi confirmada por diversos sites de notícia durante a realização do Salão de Pequim 2016.

Em um comunicado dado para um site especializado no setor aqui do Brasil a Geely reafirmou a decisão e disse que o fato está de acordo com as exigências da matriz na China. Porém, a companhia destaca que apesar de estar saindo do Brasil essa saída é temporária e que a medida tem como principal motivo a dificuldade encontrada pela empresa para atuar no Brasil devido a alta do dólar. O grupo garantiu que irá retornar.

Essa decisão da marca em termos gerais não irá de fato ser tão sentida. Isso observando o aspecto de que a montadora possui apenas dois produtos para o mercado brasileiro: O sedã EC7 e subcompacto GC2 que foi apelidado de “panda”. Para se ter ideia da representatividade da empresa é só ressaltar o fato de que ela nem seque aparece na lista da Fenabrave e claro, isso devido ao número insignificante nas vendas.

Vamos ver isso em alguns números: O EC7 foi lançado em março de 2014 e só conseguiu emplacar 473 unidades. Algo em torno de 20 carros por mês. Já sobre o GC2 não existem sequer dados estatísticos.

No meio disso tudo temos uma curiosidade: A Geely dentre todas as fabricantes chinesas era aquela que mais condições possuía para atuar no país e se dar bem. A marca conseguia escapar das cotas altas do IPI do Inovar-Auto graças a sua linha de montagem ter como base o Uruguai. Por esse fato, o GC2 conseguiu ir até o final pelo preço de R$29.900.

De qualquer maneira a marca foi mal divulgada no país e sua rede nem chegou a ter mais de 25 concessionárias.

Por Denisson Soares


Volkswagen Gol e Voyage 2017 – Lançamento e Novidades


Modelos passaram por mudanças em seu design e nas especificações técnicas. Preço varia de R$ 34 mil a R$ 58 mil.

A Volkswagen surpreendeu ao apresentar os modelos econômicos Gol e Voyage 2017. A marca alemã também divulgou o abandono do slogan “Das Auto”, após o mesmo ser acusado de ser pretensioso. Vale lembrar, que em tradução livre significa “Das Auto” significa “o veículo” e foi introduzido pela empresa em 2007.

A nova atitude da empresa surgiu após o escândalo do ano passado, no qual vários modelos da empresa foram considerados nocivos ao meio ambiente. Atualmente, a empresa busca atender as necessidades de seus clientes, como uma forma de redenção. No Brasil a fabricante automotiva ocupa o terceiro lugar no ranking de veículos mais vendidos do país.

O Volkswagen Gol 2017 possui mudanças em seu design e especificações técnicas. A versão Trendiline 1.0 passa a contar com motor de 3 cilindros e 12 válvulas, o qual já é utilizado pelos modelos Fox e Up. O novo motor será capaz de gerar 82 cavalos de potência máxima e torque de 10.4 kgfm.  Já a transmissão de alta qualidade promete reduzir drasticamente o gasto de combustível.

As versões Comfortline e Highline 1.6 contarão com motor 1.6 de 8 válvulas, que oferece 104 cv de potência máxima e 15,6 kgfm de torque. O cliente também poderá optar pela transmissão manual ou automática de cinco velocidades.

Infelizmente o motor 1.6 16V e 120 cv será descontinuado, já que segundo a empresa os modelos Cross Up e CrossFox são responsáveis por esse mercado.

O sedan Voyage contará com a mesma opção de motorização do hatch. Ambos os modelos terão como itens de série freios a disco maiores nas rodas dianteiras, que passa de 239 mm para 256 mm na versão atual.

Os modelos terão como itens de série: travas e vidros elétricos, direção hidráulica, banco ajustável, rodas aro 14″, pneus 175/70 e limpador e desembaçador de vidros.

Tanto o Gol como o Voyage terão novos faróis, novo para-choque e grade com novo design. Os para-lamas também deverão sofrer leves mudanças, graças ao novo design do farol. Apesar das leves mudanças, o modelo Hatch ganhou um ar robusto e esportivo. Ao contrário do modelo sedan, que sofreu poucas mudanças em sua traseira.

O preço do modelo possui base em sua versão, por exemplo, o modelo Gol Trendline 1.0 básico possui preço de R$ 34.890, já a versão Trendline 1.0 do Voyage possui preço sugerido de R$ 40.990. O modelo completo Gol Highline 1.6 I-Motion chega às concessionárias custando R$ 55.290, já a versão Highline 1.6 I-Motion do modelo Voyage custará R$ 58.590.

Atualmente, o Gol ocupa a décima posição no ranking da Fenabre e vem decaindo desde 2014. Segundo a Volkswagen, a linha 2017 estará à venda logo no início de março.

 

Por Wendel George Peripato


Samsung pretende entrar no mercado de automóveis


Executivos da Samsung pretendem definir as estratégias que serão utilizadas para entrar no mercado de automóveis

Realmente, o mercado de automóveis tem muito o que crescer no Brasil. Tanto, que já tem empresas de outro segmento de olho.

A Apple foi uma das primeiras empresas a investir neste mercado, agora, uma outra gigante que também promete vir com tudo nessa concorrência é a Samsung. Mas o que estas duas grandes empresas têm em comum? A resposta é simples: tecnologia. Com isso, já dá para imaginar o que pode vir por aí. Mas, por enquanto, a Samsung deverá iniciar um negócio apenas dentro do seu repertório. A informação é de uma publicação feita no jornal KoreaHerald, onde grandes executivos da gigante sul-coreana relatam que estão prestes a se reunirem para definir as estratégias que serão utilizadas nessa empreitada.

Dentre os executivos mencionados no jornal estão Boo-Keun, Kwon Oh-hyun, Shin Jong-Kyun e Lee Jae-yong, o vice-presidente da empresa. O grupo de executivos já estava realizando conferências anuais para amadurecer a ideia, que já é bem antiga. Agora, o plano é se reunir periodicamente até a decisão final da companhia de tirar as estratégias do papel. Já existe uma conferência marcada ainda para este mês de dezembro para a discussão a respeito das mudanças que a Samsung pretende fazer em seu repertório de produtos, para reaver as perdas sofridas nos últimos meses, além de um debate que deverá ocorrer também sobre este novo negócio que a empresa pretende entrar.

Os executivos estão ansiosos em debater todos os assuntos que abordarão os novos negócios, entre eles tecnologia e smartphones serão os principais, mesmo a intenção estando voltada para o mercado de automóveis e autopeças, pois ambos os mercados podem estar interligados no futuro. E, sabendo disso, a Samsung providenciará uma nova equipe de profissionais para atuar no desenvolvimento deste mercado e na produção de componentes necessários para os próximos anos.

Ainda na mesma publicação, há informações de que a Audi, uma das maiores montadoras do momento, também pode estar interessada nos negócios da Samsung.

Por Daniela Almeida da Silva

Samsung