Perigos de usar celular na direção


Para muita gente isso é um hábito bastante comum, apesar de ser proibido. Muitos motoristas, por mais experientes que sejam, insistem ainda em usar o celular enquanto estão na direção de um veículo. E isso não é um problema só no Brasil.

Em uma pesquisa que foi realizada pelo Centro de Tecnologia Allianz (Allianz Center for Tecnology – AZT), que se encontra localizado em Munique, na Alemanha, foram analisadas as principais causas e prejuízos das distrações ao volante e um terço dos acidentes que acontecem são exatamente pelo motivo citado.

Na pesquisa um percentual de 20% dos motoristas admitiram que enquanto estavam dirigindo já mandaram sim mensagens de texto e leram ou responderam e-mails. Outra fatia, representada por 30% dos entrevistados disseram que leem as mensagens, mas raramente ou não com tanta frequência.

De acordo com o Dr. Jörg Kubitzki, autor da pesquisa e pesquisador de acidentes do AZT o ato de escrever mensagens de texto ao volante é pior e mais perigoso do que usar o telefone. Isso porque os olhos, mente e mãos estão muito envolvidos.

A pesquisa ainda mostrou que 40% dos entrevistados, mesmo sabendo que era proibido já fizeram ligações telefônicas sem fazer o uso do viva-voz. Mas nem tudo o que foi levantado se mostrou como algo ruim. Cerca de 60% dos que participaram disseram que consideram o ato de usar o telefone ao volante como uma das principais e mais perigosas formas de perder a atenção no trânsito.

Para se entender melhor o quão complicado é a situação basta olharmos um dado simples: o risco de que um motorista sofra um acidente aumenta entre 2 e 5 vezes quando ele está com o celular na mão ou no viva-voz.

Nos últimos três anos, analisando os acidentes registrados, 43% das pessoas admitiram que estavam fazendo uso do telefone celular enquanto dirigiam contra um percentual de 26% que não estavam.

Então fica a dica: quanto mais atenção melhor.

Por Denisson Soares

Motorista com celular

Foto: Divulgação


Novo teste em veículos preocupou montadoras


Testes em carrosPara assegurar a integridade física de motoristas e passageiros em momentos críticos é que foi criada uma bateria de teste que mede e verifica os danos que determinadas colisões (traseira, frontal e lateral) causam tanto no veículo quanto no passageiro.

Os testes de colisão já são de conhecimento do público em geral, uma vez que as próprias montadoras hora ou outra disponibilizam as gravações como forma de demonstrar segurança. Basicamente o teste consiste em realizar uma colisão veicular planejada, e uma nota classificatória é gerada ao veículo e a montadora, geralmente, mas não em via de regra, verifica a forma como o veículo absorve o impacto sem repassar maiores danos ao motorista e nem aos passageiros. Dessa forma, um veículo para receber notas altas no teste deve ser projetado para não prensar e não causar escoriações nas pessoas que se encontram dentro do veículo. Quanto menos escoriações e risco de vida maior define-se a classificação do veículo.

Pois bem, o problema é que um Instituto Americano desenvolveu um novo teste de colisão que está tirando muitas noites de sono dos Engenheiros das principais montadoras. O novo teste da IIHS simula uma colisão na quina do carro, algo corriqueiro e fácil de acontecer, mas que nunca havia sido testado anteriormente. Para se ter uma ideia de como esse impacto é corriqueiro basta ter em mente que a maioria das batidas que envolvem postes ou arvores costuma ser na quina do veículo.

Pois bem, montadoras como Toyota, Mitsubishi, Subaru, Hyundai, Ford, Chevrolet e demais foram todas classificadas na melhor hipótese como “bom” em um sistema de classificação que tem aceitável e mais índices melhores.

A maioria dos veículos, quando submetida ao impacto, não conseguiu manter a integridade do passageiro e após simulação tem seu corpo esmagado e escoriações graves na cabeça.

O novo teste da IIHS é muito complicado e não estava nos planos das montadoras, mas se mostra uma excelente ferramenta para que nós motoristas e passageiros tenhamos nossa integridade física garantida em momentos extremos.

Por Fernando Setoue


Nissan lançará novo sistema de segurança que evita pequenos acidentes


É muito comum alguns motoristas contabilizarem algumas pequenas batidas como aquelas que são involuntárias na saída da garagem ou na traseira de outro carro quando o veículo da frente está muito perto. Neste mês, a Nissan anunciou a criação do sistema de segurança para evitar acidentes e colisões nos casos em que o motorista pisa no acelerador “sem querer”.

Esse novo dispositivo terá a função de identificar o momento em que o veículo está sendo estacionado. Ele será lançado juntamente com a nova versão do Elgrand ainda no final deste ano.

O dispositivo deve ser responsável por uma grande redução no número de acidentes causados por pequenas acelerações em espaços como estacionamentos, no momento em que o condutor, por distração ou mesmo engano acaba pisando no acelerador no lugar do freio.

O sistema funciona por meio de um sinal de ultrassom e quatro câmeras e dessa forma é capaz de detectar se existe algum tipo de obstáculo no sentido em que o carro está andando. Essa função controla de forma automática a aceleração caso seja preciso e com isso faz a aplicação do sistema de freios antes mesmo da colisão acontecer. 

Por Flaviane Oliveira


BMW deve lançar novo sistema anticolisão


Não é de hoje que a segurança é uma grande preocupação das montadoras de automóveis. Antes de chegar às mãos do consumidor um veículo passa por intensos testes. E para auxiliar o homem, a tecnologia está cada vez mais presente. A BMW, por exemplo, acaba de divulgar mais um mecanismo de segurança. E, desta vez, ele não é focado apenas na segurança do motorista, mas também na de motociclistas, por exemplo.

O novo sistema visa evitar colisões causadas por motoristas que fazem conversões abruptas para a esquerda. Nos EUA essa é uma das maiores causas de acidentes fatais, especialmente envolvendo motociclistas. Através de uma câmera e do sistema de navegação GPS, o veículo será capaz de detectar movimentos como curvas à esquerda ou retornos há pouco mais de 16 km/h.

Através do uso de três lasers, o sistema pode identificar uma curva e é capaz de prever se há riscos em até 328 metros de distância. Em caso de encontrar uma situação perigosa o veículo pode frear sozinho, automaticamente, além de avisar o motorista sobre o perigo.

Por Maximiliano da Rosa

Fonte: Engadget


Bugatti Veyron mergulha em lagoa de água salgada


Essa brincadeira saiu caro! O motorista texano estava tranquilamente esmerilhando seu Veyron quando, distraído por um pelicano (segundo ele) se perdeu numa curva e mergulhou numa lagoa de água salgada. Infelizmente o carro, como era de se esperar, não se manteve sobre as águas. A história é confirmada pelo New York Post.

Confira o vídeo da remoção do carrão:

Via BlogAuto


Vídeo do motorista que atropelou um cavalo no RJ


Eis o vídeo do motorista que atropelou um cavalo em Seropédica/RJ, em plena Av. Brasil. Complicado o pessoal deixar os bichos soltos numa avenida movimentada como essa. Tomara que ele tenha seguro, senão fica caro.

E em São Paulo, um maluco saiu carregando outro motorista em cima do carro. O sujeito é um perigo!