Chevrolet Spin: prós e contras da minivan (de 7 lugares) mais barata do Brasil


Confira 5 pontos em que a Spin é boa e 5 em que deixa a desejar.

Chevrolet Spin é o modelo de minivan SUV da GM ideal para levar toda a família ou para taxistas.


Disponível em 6 versões diferentes, as minivans Spin levam de 5 a 7 passageiros com conforto. SUV's desse segmento costumam saírem por um preço bem alto, com os Chevrolet Spin sendo os modelos mais baratos do mercado. Para esta análise usaremos a versão Spin Activ 7 que como o nome sugere tem capacidade para 7 passageiros, confira a seguir os principais pontos a favor e contra a nova versão de 2023.


Prós

5 – Custo-benefício

Abrindo a lista com o fator mais importante, é impossível negar a economia que se tem ao optar pelas minivans Spin. Não há muito o que se dizer, seus valores que vão de R$ 108 mil nas versões mais básicas até R$ 129 mil na versão Activ 7 analisada aqui. Em termos de comparação é possível economizar até 100 mil reais se levar em conta seus concorrentes como o Jeep Commander ou Chery Tiggo 8 que não saem por menos de 200 mil.


4 – Espaço interno

Se tratando de espaço interno a linha Spin não deixa a desejar tanto quanto nas variantes de 5 ou 7 lugares. No Activ 7 os assentos são separados em 3 fileiras, com a segunda fileira sendo rebatível para os ocupantes da terceira fileira entrarem. Para melhorar a versatilidade, os bancos têm encosto regulável e deslocamento longitudinal, o que ajuda na hora de se espreguiçar ou tirar um cochilo.


Há muitos porta-objetos em todas as fileiras e apesar da terceira fileira ser indicada para crianças é possível carregar adultos com tranquilidade, apesar do aperto ser um tanto desconfortável. Vale lembrar que a terceira fileira também é rebatível para maximizar o espaço do porta-malas, falaremos mais sobre isso nos contras.

Leia também:  Novo Hyundai Tucson será lançado no Salão de Genebra de 2015

3 – Design

Com pegada aventureira entrega um ótimo design que segue sendo o mesmo desde 2019, deixando o Spin com um visual moderno e elegante. Agora todo detalhado em preto; como a grade, para-choques e logotipo, além dos retrovisores, rack, minissaias, faróis com máscara negra e lanternas escurecidas. Sem dúvidas um visual de acordo com a moda atual para quem gosta de um design mais sóbrio e até mesmo "dark", de muito bom gosto.

2 – Tecnologia

Na questão tecnológica a linha Spin surpreende e traz muitos recursos essenciais, entre eles computador de bordo, sensor traseiro de estacionamento, sensor crepuscular e de chuva, faróis de neblina e central multimídia com conectividade ao celular.

Além de assistências como câmera de ré, partida remota na chave, e "Onstar" tecnologia que informa se há objetos dentro do carro para evitar que os passageiros esqueçam seus pertences, ideal para quem trabalha com transporte. Infelizmente o ar condicionado manual não tem saída nas fileiras de trás, o que é uma pena levando em conta que essa versão é a mais cara da linha Spin.

1 – Estabilidade

Por se tratar de um carro alto se assemelha aos SUV 'se traz muita confiança na dirigibilidade, mesmo em pisos irregulares sendo bastante silencioso. Sendo aconselhável apenas não abusar em curvas fechadas justamente por sua altura. Seus freios a disco nas rodas dianteiras continuam competentes e sua direção elétrica tem o peso ideal.

Contras

5 – Desempenho

Na parte mecânica o Spin recebeu atualizações anti poluição porém continua com a mesma potência e torque, o velho motor 1.8 Flex 16V com 111 cavalos e 17,7 kgfm deixa a desejar se levarmos em conta os atuais motores turbo e ainda mais quando levamos em consideração se o carro estará carregado. Sua velocidade máxima vai até os 171 km/h saindo de 0 a 100 km/h em 12 segundos. O câmbio automático poderia ajudar, porém suas reduções lentas que privilegiam o consumo acabam atrapalhando o sistema de trocas manuais na alavanca de seleção, que ocorre por botão lateral que só funciona com a alavanca na posição M, diferente de seus concorrentes que permitem na posição drive.

Leia também:  JAC T20 - Lançamento, Novidades, Características

4 – Segurança

Apesar de não ser estar tão abaixo do esperado, a segurança do Spin é básica, mesmo com cintos de segurança em todos os assentos, além de auxiliar de partida em rampa, controle de tração e estabilidade não há sistema de assistência ao motorista ou mesmo airbags mais envolventes, apenas dois para motorista e passageiro dianteiro.

3 – Porta-malas

Aqui está o calcanhar de aquiles do Spin, claro que seu porta-malas pode chegar até os 553 litros se ocupando apenas 5 lugares. Porém, quando ocupados os 7 lugares, seu porta malas é de apenas 162 litros, com algum esforço você conseguirá levar algumas mochilas e sacolas, mas se pensa em viajar com a família levando tudo o que precisa no porta-malas é melhor repensar. Ainda bem que o rack no teto compensa essa falta de espaço quando completamente ocupado, mas convenhamos que não é algo prático ou seguro.

2 – Consumo

A princípio o consumo do Spin é ok levando em conta seu tamanho (4.360 mm) e peso de (1.207 kg). Associando isso ao seu velho motor 1.8 de 6 velocidades tem como resultado um gasto de combustível maior, mesmo com os esforços da GM para reduzir esse consumo.

Oficialmente, segundo o PBEV do Inmetro o Spin faz com etanol 7,7 km/l em cidade e 9 km/l em estrada. Mas outras fontes apontam um número inferior, com média de 7,3 km/l em rota mista. Seu consumo médio com gasolina em rota mista é de 11 km/l que não é ruim, mas poderia ser melhor.

1 – Acabamento

Mesmo que o fator principal a favor do Spin tenha sido o custo-benefício isso infelizmente irá afetar a qualidade do acabamento interno, apesar de não ser um ponto negativo muito grave pode desagradar os mais exigentes.

Leia também:  Lançamento do Audi A1 Quattro no Brasil

Seu acabamento interno dá impressão de requinte, porém ao examinar com mais cuidado é possível ver o corte de gastos. Apenas as portas, bancos e volante tem revestimento que misturam couro sintético e tecido com costuras em azul. Infelizmente o volante só tem regulagem de altura e só há uma porta USB.

O painel e as laterais são de plástico duro que poderiam ser de melhor qualidade e aspecto, mesmo nos apoios de braço não há material macio, difícil de entender já que se trata da versão mais cara da linha Spin. Apesar disso seu quadro de instrumentos ganha cara nova e está mais legível, o que pode agradar alguns.

Ficha Técnica

  • Ano: 2023
  • Preço: até R$ 129 mil
  • Propulsão: combustão
  • Combustível flex
  • Revisões: R$ 4.740 até 60 mil km
  • Procedência: Nacional
  • Garantia: 3 anos
  • Configuração: Minivan
  • Porte: Compacto
  • Lugares: 7
  • Portas: 4
  • Plataforma: Gamma II
  • Aspiração: Natural
  • Alimentação: Injeção multiponto
  • Câmbio: automático 6 marchas
  • Tração: Dianteira
  • Potência: 11,5 kg/cv
  • Torque: 17,7 kgfm
  • Rotação: 6300 rpm
  • Carga útil: 450 kg
  • Tanque de combustível: 53 litros


Chevrolet Spin Activ7 frente

Chevrolet Spin Activ7 traseira

Chevrolet Spin Activ7 painel


Outros Conteúdos Interessantes



Você gosta de carros e motos e escreve bem? Gostaria de escrever para nosso site e ser remunerado por isso? Então clique aqui e envie seu texto para avaliarmos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.