Redução na Velocidade Máxima dos Carros Renault



Montadora deve reduzir a velocidade máxima de seus carros.

Recentemente, a montadora de veículos Renault anunciou que irá reduzir a velocidade máxima de seus veículos no Brasil, sendo que não será mais possível ultrapassar a velocidade máxima de 180 km/H. Isso aconteceria por uma questão de segurança.

Uma ideia que foi proposta pelo presidente da montadora, Luca de Meo, em Paris, durante uma assembleia geral. Para ele, um terço dos acidentes acontecem por conta do excesso de velocidade.



Para Luca de Meo, que falou ainda na assembleia geral de acionistas da montadora francesa, os veículos da Renault deveriam ser equipados com um sistema automático que controlasse a velocidade, o que minimizaria acidentes. Esse sistema teria o nome de Safety Coach, ou traduzindo ao pé da letra, ‘treinador de segurança’.

Esse sistema iria servir para ajustar a velocidade, de acordo com o limite das rodovias, mas também levaria em consideração curvas acentuadas, que podem ser consideradas perigosas, tal como o clima. Sem dispensar o principal motivo da ocorrência de acidentes, a atenção do motorista.



Informações complementares indicam que a marca colocaria como primeiro a sofrer a alteração, o Mégane E-Tech, mas não há comprovações que possam atestar a veracidade dessa informação.

Com a confirmação dessa decisão, a Renault estaria na mesma linha de raciocínio que a Volvo, montadora sueca, que no ano de 2019 optou por tomar a mesma decisão em reduzir a velocidade máxima para 180 km/h, iniciando essa alteração no ano de 2020.

Consciente sobre a decisão da empresa, Håkan Samuelsson, do conselho da Volvo, mencionou que essa alteração na redução da velocidade não impedirá que acidentes aconteçam, mas já vale a pena se evitar algum deles e salvar uma vida humana.

Leia também:  Novo Hyundai i30 2016 começa a ser Vendido no Brasil

Mas será mesmo que reduzir a velocidade funciona?

Se questionarmos sobre a funcionalidade da redução na velocidade, temos alguns exemplos que elucidam bem o funcionamento. Vamos a um deles:

Na Alemanha, as estradas costumam não ter indicações de limite de velocidade, sendo, em sua maioria, livres para percorrerem. A discussão mais recente e concreta é sobre a imposição de um limite, vez que há resultado positivo em uma das reduções realizadas.

Em 2002, em uma cidade Alemã, foi estabelecido que a velocidade, antes livre, teria redução para máximo de 130 km/h. Acontece que o número de acidentes diminuiu pela metade. Ou seja, antes havia sido registrado 654 acidentes, posteriormente, com a inserção da redução da velocidade, esse número caiu para 337, esse números foram calculados em três anos cada.

Ainda podemos falar sobre os anos entre 1996 e 2002, nesse mesmo trecho, no qual aconteceram acidentes, somando 1850 pessoas feridas. Após o restringimento da velocidade para 130 km/h, o número de ferimentos foi restringido para 799 pessoas, no mesmo local.

Acompanhado a ideia da Volvo e baseado em históricos reais de acidentes, a Renault optou por, a partir de 2022, reduzir a velocidade máxima de seus veículos para 180 km/h.

Ainda não há uma definição de como acontecerá ou quais são os veículos que encabeçarão essas alterações, mas uma coisa é certa, a redução acontecerá a partir do próximo ano. Tornando assim, os carros fabricados para utilização no Brasil, muito mais seguros que os da Europa.

Possibilitando a redução de acidentes nas rodovias brasileiras. Alguns perguntam, mas em quais estradas essa velocidade é permitida? Simples resposta, em nenhum, mas sabemos bem sobre as infrações cometidas e que os brasileiros arrumam um jeito de ultrapassar velocidades e limites em todas as situações.

Leia também:  Novo Lexus LC 500 deve ser lançado em 2017

Tendo em vista esses comportamentos e situações, a Renault aparece como uma empresa montadora de veículos competente e consciente sobre a necessidade de transformação nos veículos, não apenas em aparência, mas, também, em segurança. Que outras empresas tenham o mesmo senso e que os motoristas se tornem mais conscientes também.

Carol de Castro

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.