Em meio à crise, devolver ou renegociar carro financiado?



A crise financeira trazida pela pandemia do coronavírus tem afetado milhões de pessoas ao redor do mundo. Com pouco dinheiro em mãos, é normal que quem tenha dívidas opte por sanar aquelas que são prioridades, o que culmina no atraso das contas. Diante dessa situação, pode ser o caso de estar com o financiamento do carro atrasado, sendo necessário buscar a melhor solução para o caso.

Quando isso acontece, muitas pessoas ficam em dúvida sobre devolver o automóvel ou tentar a renegociação da dívida. Para tomar a melhor decisão, é necessário avaliar quais são as necessidades do momento, bem como as vantagens de cada situação.



O que acontece quando o financiamento não é pago?

Antes de qualquer coisa, é importante estar ciente de que o não pagamento das parcelas do financiamento gera o aumento da dívida, o que se deve à incidência de multas e juros. Assim, quanto maior for o número de parcelas acumuladas, maior será a dívida e, consequentemente, mais dificuldade para pagá-la.

Veja também:  Startup Zoox de carros autônomos pode ser comprada pela Amazon

Nessas circunstâncias, o banco responsável por financiar o veículo entra em contato com o cliente para cobrá-lo e caso não obtenha sucesso poderá colocar o nome do devedor no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), ou autorizar a apreensão do carro.



O financiamento nada mais é do que um tipo de empréstimo que os bancos e financeiras realizam para os consumidores, em que a garantia pelo pagamento é o bem financiado. Por isso, a instituição tem o direito de reaver o automóvel com parcelas atrasadas.

Além disso, vale ressaltar que as financeiras não se preocupam com os veículos devolvidos pelos clientes, já que poderão aumentar os seus lucros, visto que eles serão leiloados e com o saldo a dívida é paga.

Veja também:  Em junho a Ford Ranger foi a picape mais vendida no Brasil

Como devolver o carro?

Devolver o carro não é uma solução vantajosa, uma vez que a pessoa ficará sem o carro e também não vai receber da financeira o valor que pagou anteriormente. Porém, essa medida permite a quitação da dívida e evita que o indivíduo fique com o nome sujo por anos, o que impede de fazer novos financiamentos no futuro.

Para fazer a devolução, é preciso que o cliente procure o banco, converse com o seu gerente, de modo a explicar a sua situação financeira e demonstrar a vontade de devolver o carro.

A partir daí, serão realizados os trâmites para que o veículo seja entregue e para que a sua dívida seja encerrada. Essa alternativa é a mais indicada para quem tem certeza de que não poderá pagar as próximas parcelas do financiamento.

Como fazer uma negociação?

Se a pessoa não quer perder o que investiu no carro até agora e acredita que futuramente terá condições de arcar com as próximas parcelas, então o mais aconselhável é procurar o banco e propor uma negociação.

Veja também:  Ford Maverick, picape rival da Toro para 2022

Ao comprovar que realmente não se pode arcar com a dívida, mas existe disposição para saná-la, a instituição poderá flexibilizar os prazos e reduzir os valores derivados das multas e juros. Contudo, é imprescindível que os novos prazos estabelecidos sejam respeitados para que o problema não se estenda.

Uma iniciativa comum de quem está endividado por conta do financiamento do carro é vender o bem para outra pessoa. Todavia, só é possível vender o carro e passá-lo para o nome de outro indivíduo dentro de lei quando o item está totalmente quitado.

Com essas informações é possível tomar a decisão mais acertada, impedindo que a dívida se torne uma verdadeira bola de neve.

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.