Qual o Momento Ideal para Trocar de Carro?





Os dois primeiros anos são os piores períodos para se vender um carro, pois é quando seu preço despenca com maior velocidade. Por outro lado, para o comprador, os três primeiros anos são um momento interessante para adquirir um automóvel seminovo.

Muitos proprietários de automóveis iniciam o ano calculando se é o momento ideal para trocar de carro. Afinal, ano novo, vida nova e, por que não, carro novo. Certo? A decisão, entretanto, deve ser bem avaliada. Trocar de carro não é algo tão simples como trocar de roupa. E, em função dos valores envolvidos, nem pode ser.

Se o carro foi comprado novo, ou seja, zero quilômetro, é importante que o proprietário esteja atento à natural desvalorização do automóvel, bem como ao valor investido em impostos e manutenção. São gastos que não serão recuperados. Ainda assim, é preciso ponderar se o prejuízo com a troca do carro neste momento não será excessivo.




Por outro lado, os gastos com manutenção podem ser um bom indicativo para fazer a troca. Se os gastos anuais com reparos e revisões superarem em 10% o valor do carro na Tabela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), é um indício de que o carro está dando prejuízo.

Veja também:  BMW X1 2020 - Lançamento, Características

Também é importante observar a quilometragem do automóvel. Isso em função de as revisões de 50 e 60 mil quilômetros serem as mais salgadas para o bolso do proprietário. É nelas em que itens como amortecedores, pneus e correia dentada serão trocadas. Então, se estiver acabado de passar por elas, terá feito recentemente um investimento no automóvel. Vender ou trocar o veículo antes dessas irá livrá-lo dos gastos.


Em relação ao tempo em que o carro foi fabricado, o período no qual o seu valor sofre mais desvalorização são os primeiros anos. Segundo especialistas, um automóvel se desvaloriza, em média, no primeiro ano, de 10 a 15%. No segundo ano, a queda no valor também fica em torno de 10%. A desvalorização se estabilizará após o terceiro ano de fabricação.

Portanto, os dois primeiros anos são os piores períodos para se vender um carro, pois é quando seu preço despenca com maior velocidade. Por outro lado, para o comprador, os três primeiros anos são um momento interessante para adquirir um automóvel seminovo. Afinal, o veículo, se estiver em bom estado, terá uma queda grande no valor de mercado. O costume de trocar carros seminovos para adquirir versões atualizadas dos modelos reforça as vantagens para o comprador, que encontrará uma boa oferta no mercado de carros fabricados há até três anos.

Veja também:  Novo Recall do Volkswagen Jetta, Golf e Tiguan

Um modelo de carro costuma ter um ciclo de duração de aproximadamente 05 anos. A partir daí, o modelo pode até persistir, mas geralmente isso ocorre com atualizações e mudanças mais significativas, seja no seu interior ou na parte visual. Para o proprietário do automóvel, é um momento crucial, pois a atualização vai desvalorizar o modelo antigo. Se estiver interessado em vender, é fundamental estar atento ao noticiário especializado e fazer a venda antes que essa desvalorização ocorra.

Por outro lado, há quem defenda a tese inversa. Há carros que se valorizam ao sair de linha. Modelos como a Kombi e mesmo o Fusca foram valorizados ao sair de linha, sendo procurados por colecionadores. Claro que essa não é uma situação que aconteça com todos os modelos. Mas é um aspecto que deve ser levado em conta. O valor afetivo muitas vezes move o comprador a pagar uma quantia mais elevada por um automóvel que não está mais em produção, tal como a menor oferta do modelo, que, não sendo mais produzido, torna-se mais raro.

Veja também:  Fim do Chery QQ - Fim da Produção no Brasil

Vale a pena também analisar o valor do seguro do automóvel. A proteção de um automóvel possui uma variação considerável dependendo da marca, categoria e modelo. Se a intenção for trocar de carro, vale a pena comparar o valor do seguro dos automóveis envolvidos na negociação. Mesmo que não seja uma troca imediata, mas sim uma venda do usado para futuramente comprar um novo, também é importante estar ciente do preço dos seguros. Se a diferença for muito grande, talvez seja uma opção permanecer um pouco mais com o carro antigo, inclusive para se capitalizar melhor para os gastos posteriores.

Por Luís Fernando Santos

Trocar de carro



Inserir um comentário

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.