Como Declarar Carros no Imposto de Renda (IRPF) 2017

  

Saiba aqui como declarar carros no Imposto de Renda 2017.

No dia 28 de abril é encerrado o prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda 2017. E elaborar esse documento sem erros é sempre um desafio para os contribuintes em diversos aspectos. Entre eles está a inclusão de bens como carros, que devem obrigatoriamente constar na declaração. Veja a seguir como fazer isso, em casos de posse, compra e venda de automóveis em 2016.

Posse de veículo

A posse de automóvel deve ser incluída na ficha “Bens e Direitos”, com código “21 – veículo automotor terrestre”, da Declaração de Imposto de Renda. Já em “Discriminação”, devem ser colocados dados do carro, como: modelo, placa e ano de fabricação; informações do vendedor: nome, CPF ou CNPJ e forma de pagamento.

Se foi adquirido em 2016, mantenha em branco o campo “Situação em 31/12/2015” e depois insira o valor pago por esse bem no local “Situação em 31/12/2016”. Entretanto, se o carro tiver sido comprado em períodos anteriores, basta apenas repetir o valor em ambos os campos, de acordo com o que foi feito em outras declarações.

Veja também:  Peugeot 5008 - Ficha Técnica, Características

Vale lembrar que esse valor deve ser sempre o pago no ato da compra do veículo. Isso só pode ser alterado se foram feitas alterações que elevem o preço do automóvel, como blindagem. Demais gastos não precisam ser informados.

Carros comprados através de financiamento

Se seu carro foi adquirido através de financiamento, ele também deverá ser incluído na Declaração de Imposto de Renda, mas não é necessário incluí-lo na ficha “Dívidas e Ônus Reais”.

Porém, será preciso informar o valor total pago pelas prestações até 31/12/2016. Em “Discriminação”, devem ser colocados dados como: modelo, placa e ano de fabricação; informações do vendedor: nome, CPF ou CNPJ e valor de entrada (se paga em 2016), além do valor total das parcelas e número de parcelas pagas até 31/12/2016.

Veja também:  Fim do JAC J2, J3, J5 e J6 no Brasil



Já no campo “Situação em 31/12/2015”, será necessário colocar valores pagos até então, incluindo entradas e parcelas, mesmo que seja a primeira vez que esteja sendo feita declaração. Porém, se o financiamento foi iniciado em 2016, essa coluna não deverá ser preenchida.

Se o financiamento foi contratado em 2016, na opção “Situação em 31/12/2016” será preciso adicionar à quantia de 31/12/2015 o valor pago ao longo do ano de 2016.

Automóveis vendidos em 2016

Mas se você vendeu seu veículo em 2016 por menos de R$35 mil deve informar que esse bem já não faz mais parte de seu patrimônio. Para isso, basta manter em branco a opção “Situação em 31/12/2016” e preencher em “Discriminação” a venda, informando CPF ou CNPJ da pessoa que comprou o automóvel. Porém, se a venda for acima do valor citado, era necessário ter acessado o programa GCAP 2016, para recolher o imposto de 15% sobre esse ganho e inserir dados da negociação. Se isso já tiver sido feito, é só importar as informações do GCAP na opção “Ganhos de capital”, para que ocorra de forma automática o recolhimento do imposto. Caso esse procedimento não tenha sido feito, será preciso pagar o imposto agora com juros e multas. Esse valor pode ser calculado por meio do programa Sicalc da Receita Federal.

Veja também:  Renault Sandero Stepway 2018 - Novidades, Ficha Técnica

É sempre importante ficar atento a essas e outras informações da Declaração do Imposto de Renda. Dependendo do caso, é mais seguro contratar os serviços de um contador, para que isso seja feito de maneira adequada.

Camilla Silva






Inserir um comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.