Volkswagen pode parar de fabricar o Fusca



  

De  acordo com a revista alemã Spiegel, a  Volkswagen pode descontinuar o Fusca após  o fim do ciclo do  modelo atual, que  chegou ao  mercado em 2011, baseado na plataforma  Golf VI.

A Releitura de um dos modelos mais clássicos da  história da  indústria automobilística, o Volkswagen Fusca (New Beetle em outros países) poderá ter vida  curta no mercado.

Atualmente na  segunda  geração, o modelo corre  sérios riscos de não ter um a terceira linhagem desenvolvida por ser  considerado pouco rentável.

O provável fim da  linha do Fusca é decorrente de medidas que vem sendo implementadas pela  Volkswagen para reduzir  custos em €$ 5 bilhões por ano até 2017.




Veja também:  Volkswagen Tarek - Novo SUV será lançado no Brasil

Assim, modelos não  rentáveis estão  sendo cortados, como o Volkswagen EOS que  já tem o seu fim de  produção confirmado e a  versão do Polo  com três portas não será mais oferecida na  nova geração que  chega ao mercado em  2017 baseado na plataforma MQB.

Oficialmente a montadora informa que ainda não há  decisão sobre a geração do Fusca, mas as  vendas do modelo estão em queda.

Nos EUA caíram 30% em fevereiro de 2015 relativamente a 2014, com vendas totais entre fechada e  conversíveis de 1.902 unidades.

Enquanto  que no  Brasil o modelo vendeu pouco menos de  180 unidades  entre  Janeiro e  Fevereiro.

As  medidas internas da Volkswagen colocaria a  vida do besouro em cheque, o que  deixaria  muitas pessoas  tristes, pois o fusca se  tornou um ícone do mercado  global, mesmo que a atual  geração não  tenha o mesmo  poder do modelo antigo, que era mais barato e mais acessível  ao  público.

Veja também:  Toyota Corolla 2020 - Primeiras Imagens

O atual Fusca é um  dos  melhores  hatchs de imagem do Brasil, principalmente na sua mecânica e no preço, sendo um dos únicos que oferece mais de  200cv de potência com  preço abaixo de R$ 95.000,00.

Segundo Bern Osterloh, que é  representante dos  trabalhadores no conselho de administração da  empresa, há potencial para  a redução de custos substancialmente maior que os planejados €$ 5 bilhões .

ANDRE ESCOBAR






Inserir um comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.