Valets estacionam mesmo carros nas ruas, confirma pesquisa

  

Foi realizado uma investigação pela associação responsável pela defesa do consumidor chamada Proteste e constatado que muitos valets tem estacionado os automóveis de clientes na rua ou em lugares que são impedidos. Foi verificado que está é uma atividade ilícita, pois coloca os veículos dos clientes em situações de risco, como por exemplo de serem furtados, danificados ou mesmo penalizados com alguma multa.

Existe uma regra entre a Secretaria do Direito Econômico (regional São Paulo) e o Sindepark (Sindicato das Empresas de Garagens e Estacionamentos do Estado de São Paulo) que determina que as empresas de valets podem exercer a sua atividade e receber um valor pelo serviço prestado somente se os automóveis forem retidos em lugares fechados, sendo monitorados por um segurança. Mas infelizmente esta regra não tem sido obedecida em diversos lugares.

Veja também:  Volkswagen anuncia Volta da Kombi

Normalmente quando as pessoas chegam em restaurantes ou bares, elas solicitam o serviço de valet que é oferecido pelo local, confiando na qualidade do serviço prestado. Uma das ilegalidades do serviço consiste na falta de informação sobre o local em que o veículo será estacionado. Deste modo, é violado o direito dos clientes, os quais estão presentes no Código de Defesa do Consumidor.




A pesquisa realizada pela Proteste fez a análise de 20 bares e restaurantes que estão situados no Rio de Janeiro e em São Paulo. Foi constatado que as companhias que realizam este serviço não relatam aos motoristas a respeito do lugar que será guardado o automóvel, além de apresentarem outra irregularidade de fechar as ruas com cavaletes e cones, atrapalhando a circulação de carros e pedestres.

Veja também:  Aumento nos Preços do Toyota Etios, Hilux e SW4 - Julho 2017

Outra anormalidade consiste na falta de esclarecimento quanto ao valor do serviço e nem mesmo quanto aos direitos dos clientes, como por exemplo, quanto ao seguro em caso de acontecer furtos, batidas, assaltos e incêndios. No comprovante que o consumidor recebe, também foram encontradas irregularidades com a falta de informações como por exemplo: placa do carro, CNPJ, modelo e lugar em que o veículo será deixado, nome, dia e horário, e outros elementos que são necessários para comprovar que a empresa é responsável pelos custos de possíveis estragos e perdas que possa suceder referente ao automóvel. 

 Felipe Couto de Oliveira






Inserir um comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.