Nissan assume o controle das ações da Mitsubishi


     

Aquisição acontece logo depois de escândalo envolvendo a Mitsubishi

Depois de menos de um mês da divulgação do escândalo envolvendo a grande e renomada fabricante de veículos automotores Mitsubishi, em que a empresa assumiu que fraudava os testes de consumo no Japão, teve como resultado a aquisição de 34% das ações da empresa adquiridas pela Nissan em uma negociação que custou US$ 2,2 bilhões. Na prática, a aquisição dessa parcela das ações da Mitsubishi Motors pela Nissan fez com que a Nissan se apresente como a principal acionista da fabricante, historicamente aliada ao grupo Mitsubishi, o qual é, atualmente, um dos maiores conjuntos industriais e financeiros do planeta.

Por incrível que pareça, todo este fato envolvendo as fraudes na Mitsubishi foi descoberto pela Nissan, empresa a qual a Mitsubishi fabricava carros de menor porte para serem comercializados no mercado japonês. Com o decréscimo acentuado no valor das ações da Mitsubishi o processo de compra teve início, fato este que já era especulado antes mesmo de ocorrer a crise.

Veja também:  Volkswagen Tiguan 2017 - Novidades e Características

Com esse acontecimento, a Mitsubishi poderá ter a injeção de capital para fazer novos investimentos e correções. Vale lembrar que este mesmo fenômeno aconteceu com a própria Nissan no ano de 1999, ocasião em que a francesa Renault adquiriu boa parte das ações da Nissan e passou a ser a principal acionista da empresa, fato este que criou a união de sucesso Renault-Nissan, a qual, atualmente, figura no seleto grupo dos maiores produtores de automóveis do mundo, ocupando a quarta posição.





Segundo informações do CEO da Nissan, Ghosn, salientou que esta nova união entre as empresas permita o compartilhamento de fornecedores, plataformas, manufatura, bem como pesquisa tecnológica, numa possível estratégia de decréscimo de custos que deve manter a identidade característica da linha Mitsubishi.

Veja também:  Queda no Financiamento de Carros em Setembro de 2016

Esta nova união confirma uma tendência que já era especulada no setor automotivo que era a de diminuição do número de fabricantes japoneses nos próximos anos, sendo que muitos especialistas e analistas já arriscam em dizer que, no futuro, haverá uma concentração das fabricantes japonesas em apenas três marcas sendo estas: a Toyota, a Honda e a Nissan. Situação esta que iria significar a supressão de empresas de menor porte, tais como, as conhecidas Madza, Subaru, Suzuki e Daihatsu.

Por Adriano Oliveira

Inserir um comentário