Lei que cria Desmanche Legal deve baratear Seguro do Carro


     

Nova Lei 12.977 de 20 de Maio de 2014 regulamenta o desmanche de veículos. Medida pode reduzir o valor das apólices de seguros.

Uma boa notícia para os motoristas: uma nova lei faz com que as seguradoras de automóvel projetem que o número de furtos e roubos tenham uma queda nos próximos anos. Como consequência disso, os preços das apólices de seguro podem sofrer redução.

A nova lei regulamenta o desmanche de veículos e já existe há um ano na cidade de São Paulo. Os resultados no estado foram positivos: houve redução no número de furtos a veículos de 53.500 em maio do ano passado para 47.593 no mesmo período desse ano. O número de roubos sofreu queda de 44.929 para 33.678 no mesmo período de tempo. A lei que funcionou no estado de São Paulo agora será estendida para todo o território nacional.

Veja também:  Novo Renault Fluence 2017 será vendido no Brasil em breve

Segundo o texto da Lei n° 12.977 de 20 de maio de 2014, a atividade de desmontagem de veículos automotores terrestres agora é legal e tem seus direitos e deveres assegurados pela lei.





A expectativa é que com a atividade regulamentada, a carência de receptadores iniba o desenvolvimento da atividade de forma criminosa, fazendo com que o preço dos seguros seja menor, já que há uma porcentagem destes somente para o caso de roubo ou furtos.

"Seguro Popular" para Carros com mais de 5 anos:

Uma medida interessante também seria a criação de um "Seguro Popular", já que as seguradoras agora poderiam utilizar peças de segunda mão. O seguro mais barato se justificaria pela origem das peças de reposição, vindas do desmonte legal de carros usados.

Veja também:  Novo Ford Fiesta 2017 - Novidades e Preço

Os veículos beneficiados com o "Seguro Popular" seriam os mais antigos, que tem dificuldade com relação ao custo-benefício para a troca de peças. Uma peça nova em alguns casos pode sair muito cara em comparação com o custo atual do automóvel, que sofre desvalorização ao longo dos anos em uso. A implantação desse tipo de seguro ainda precisa ser aprovada pela Susep (Superintendência de Seguros Privados). Além disso, é necessária a montagem de um sistema eficiente para o recebimento, classificação e distribuição das peças entre as oficinas. Só como exemplo, o Pálio possui 29 tipos diferentes de para-brisas. Quando um cliente contratar o "Seguro Popular", a seguradora deve ter em seus cadastros a localização correta da peça usada disponível e corretamente certificada.

Veja também:  Fim do Fiat 500 e Freemont no Brasil

Inserir um comentário